Thursday, August 10, 2006

Acidentes Domésticos Fatais

Quando a gente pensa que a tecnologia japonesa chega a ser avançadíssima a ponto de que o MP3 novinho que você comprou há pouco na loja, dentro de três horas já ficou obsoleto. Exagero? Bom, exagerei um pouquinho. Mas pode contar um mês que já está surgindo um novinho saído do forno quentinho, como pão.
Porém tanto hi-tech tem seu preço. E chega a ser alto.
Quando cheguei aqui, oito anos atrás, eu achava que tudo era perfeito, tudo era certinho, tudo era pontual. Bom, trem até onde eu comecei a utilizar, horário pontual, melhor que a dos ingleses. Atendimento impecável, tudo controlado. Até que o dia quando comecei a entender melhor the way of life aqui, bom, certas coisas tive que dar o braço a torcer.
O famoso recall nos carros, achava que só no Brasil existia. Aqui também. Teve uma época que uma famosa montadora de carros teve que fazer recall em vários modelos de carros devido a um defeito que poderia ser fatal. Bom, isso depois de ter acontecido três mortes por acidente com o mesmo modelo de carro, já é digno de mandar ver tudo a fundo. Bom, o dia que nosso Skyline 94 estiver em alguma lista de recall, poderemos é dar fim nele, isso sim.
Quando mudamo-nos para Kanagawa, comecei a mais freqüentar as aulas de japonês e assistir muito noticiário. Pra descobrir que aqui não é tãããão 100% perfeito, bastaram alguns finais de semana em que dinheiro estava curto e não tinha o que fazer mesmo, para eu assistir muito àqueles programas sensacionalistas. Tipo o "Aqui Agora" se é que tem gente que ainda lembra ( e depois me chamam de velha...). Fora os crimes passionais ( que depois falarei em uma hora oportuna ), vi muito acidentes e mais acidentes. Comecei a presenciar o atraso de trens, defeitos de fabricação de muitos utensílios domésticos... Fenômenos naturais como taifus, tsunamis e terremotos, isso não contam.
A respeito de atraso de trens, no tempo que eu morava em outra cidade, a linha que costumávamos pegar (no tempo que não tínhamos carta nem carro) era perfeito. Sem brincadeira - o mesmo o trem "pinga-pinga" (aquele que pára em todas as estações), sempre na estação em que se fazia baldeação tinha um trem expresso. E olha que a pontualidade dos trens desta linha era bem melhor do que a inglesa. Sai e chega na hora certa... acho.
Acidentes e atrasos de trens aqui, sempre teve e sempre terá, seja por algum doido que resolve fazer um passeio sem volta, seja por acidente no sentido literal da palavra. Mas pra quem quase não andava de trem como eu, uns quatro anos atrás, achava tudo perfeito. Até quando mudamo-nos de mala, cuia e duas viagens de mudança pra "Segunda Maior Cidade do Japão", mais conhecido como Yokohama, claro.
Como trabalho em Tóquio, de casa pro serviço necessário e cômodo pegar trem. Todo santo dia, nem no meu dia de folga também perdôo, pois pra onde costumo ir, tem que se de trem, pois de carro não compensa, devido ao estacionamento caro. Aí, sim, fui ver o quanto é duro sentir na pele aqueles que vivem pegando trem todo dia. Como dizem, pimenta nos olhos dos outros...
Além de sofrer no empurra-empurra na hora da ida e na hora da volta, parecendo uma sardinha em uma lata, as paradas repentinas e o maquinista avisando pra esperar pois tem algum problema. A espera pode ser uns minutinhos que se tornam horas! Pra desespero dos passageiros, pois além do aperto, imagine isso num dia de verão a 40 graus à sombra... Nem ar-condicionado salva!
Perdi a conta de quantas vezes tive que pegar trem de outros trechos e outras companhias para chegar no meu serviço. Minha sorte é que costumo sair meio cedo de casa para aproveitar e dar umas bisbilhotadas nas vitrines e novidades nas lojas e livrarias, por isso, quando acontece algum problema no atraso dos trens, basta descobrir qual seria a linha com a estação mais próxima ao seu destino. E pegar o comprovante de atraso, não paga a viagem quando pega outra companhia e ganha o dia se chegar atrasado. Bom, nesse ponto ainda bem que carrego o mapa dos trens de Yokohama-Tóquio, senão estaria perdida como muita gente que conheço ( por isso que eu falo que, minhas aulas de japonês não foram perda de tempo! ). Lembro-me de um dia que o Yamanote (linha circular de Tóquio ) parou de vez e foi no dia da reunião geral. A reunião foi cancelada e remarcada para o semana seguinte, pois muita gente chegou uma hora depois. Isso porque eu e mais uns sortudos (ou CDFs demais) conseguimos chegar antes e tivemos que ficar explicando para alguns perdidos os trechos e linhas de trem ou metrô pra chegar no escritório...
Acidentes de trem sempre existirão por mais modernos que sejam as máquinas. Quando os trens da linha Fukuchiyama se espatifaram em um prédio em abril do ano passado, foram apontado duas coisas: falha humana e falha mecânica. Falha humana porque aqui tem muita cobrança em relação aos atrasos. Atrasou um pouquinho, tem que correr pra recuperar o tempo perdido. Isso porque o pobre do condutor era novato, então imagine o que poderia acontecer com ele se atrasasse um minuto, que diria cinco! Como dizem, a pressa é inimiga da perfeição, o pobre coitado não viu a curva adiante...
Mesmo com a velocidade acima do permitido, também teve a falha mecânica - as linhas férreas daquele trecho simplesmente não possuíam um sistema de frenagem quando o trem atinge uma velocidade acima do esperado. O chamado dispositivo de emergência.
Como em muitos países, aqui, depois que acontece um desastre envolvendo gente no meio, fazem-se muitas medidas de segurança e fiscalização pesada pra que acidentes destas proporções não ocorram. Ou que não matem tanta gente, vamos dizer assim.
Mês passado veio à tona que durante 20 anos, uma companhia que fabrica aquecedores de água à gás admitiu que por um defeito de fabricação, quinze pessoas morreram devido a inalação desse gás. Depois de vinte anos vão tentar consertar o erro?? Depois que quinze pessoas foram desta pra melhor? Conta outra! Eis a reportagem
aqui, em inglês.
Isso porque ano passado outra companhia e famosa mundialmente que fabricava aquecedores a gás mandou um comunicado para todo o país que determinados modelos estavam com defeito de fabricação e mandaram todos eles trocarem. Se era gratuito, desconheço, pois não tenho e não podemos (o contrato do meu prédio não permite ter aquecedores a querosene nem a gás pois já tem o ar-condicionado e pagamos taxa mensal de uso a vontade ). Mas que o comunicado foi deixado na minha caixa do correio... Bom, nisso eles são atenciosos mesmo (depois que faz a meleca, quer consertar de qualquer forma).
Lamentável mesmo, foi no ínicio deste mês uma menina de sete anos morrer ao ser sugada por um tubo em uma piscina pública. Motivo? A grade de segurança da entrada (ou saída) do tubo estava simplesmente... amarrada com arame!!! Depois disso, imagine se a fiscalização não baixou em cima e descobriram mais de 2.300 piscinas inseguras... Entendam o ocorrido aqui, aqui e aqui.


... e toca os responsáveis pedirem desculpas ao público...

No comments:

Post a Comment