Thursday, February 23, 2006

Comilança Informatizada

Quem trabalha em um escritório ou tem um computador em casa, sabe muito bem do que se trata. Assim como eu, você e a vizinha do andar térreo, temos a dita mania de ficar beliscando algum petisco enquanto consegue teclar, não exatamente ao mesmo tempo, mas tem gente que sei que consegue.
Até agora não sei de onde veio a (péssima) mania de ficar comendo enquanto se tecla. Ou bebendo. Ou as duas coisas. No meu serviço, bem que tento, mas quando um chocolate aterrissa na minha mesa, para alegria do meu estômago e tristeza do meu teclado, fica impossível resistir aquele petisco empacotado num papel celofanado. Em menos de segundos, só se vêem papéis amarrotados na cesta do lixo. Além da embalagem, uma ou duas folha de lencinho de papel que todo dia ganho da mocinha que fica diante da estação para divulgar alguma loja ou game center, que seja...
Claro que na hora do "pega pra capar", quando o telefone toca sem parar, fica impossível comer algo. Ou ter uma bala na boca, ato não recomendável quando se pega algum cliente com o ânimo exaltado e na hora do nervosismo a bala escorrega garganta abaixo, provocando uma tragicômica situação de crise de tosse a fim de, ou expelir a dita ou engolir de vez. Resolvido ou não o assunto, toca ir para a cozinha e trazer para a mesa uma xícara, digo, uma caneca de café sem açúcar pra ver se acorda de vez.
Quando faço plantão aos sábados, geralmente não tenho pausa pra almoço, mas minha mesa vive com um pacote de biscoitos ou um pão recheado e uma garrafa de suco. Ou café de alguma cafeteria que fique perto do local do trabalho. Não aconselhamos batatas fritas ou pipoca, pois as pontas dos dedos ficam engordurados e o teclado fica uma meleca só! Argh!
Já teve casos que alguém deu banho de Coca-Cola, café, ou alguma iguaria líquida no coitado do teclado. E que vez por mês a gente vai limpar o teclado, pois quando a gente sente que está meio que travando, a gente resolve passar o ar comprimido e o que a gente vê é um monte de migalhas de biscoitos e pão. Se bobear até uma miçanga que descolou da unha decorada (difícil acontecer, imagine teclar com aquelas unhas decoradas a la Ayumi Hamasaki...). Não sei como nunca apareceram formigas naquele prédio, a não ser que nós somos aquelas formigas. Daquelas esganadas mesmo.
A coisa não muda em casa. Sempre quando estou teclando alguma coisa, geralmente tem um saco de batata frita ou um xícara de café. Ou as duas coisas juntas. Só tomo cuidado para não entornar a dita xícara no teclado, pois já ouvi cada história....
Agora, por que essa compulsão de comer e digitar ao mesmo tempo? Tem dias que consigo ver o noticiário e digitar ao mesmo tempo.
O negócio seria investir num PC com TV junta? Meu Deus, haja money pra tanta coisa!
Pensando melhor, estou pensando em estourar uma pipoquinha. De microondas, claro. Ah, sim. E um café com leite pra digerir isso...

Tuesday, February 21, 2006

Stormy Days and Mondays

Muitas vezes acho que eu, Garfield e aquela música dos Carpenters temos em comum - as segundas-feiras são dias meio difíceis de se levar. Apesar que desde que trabalho em Tóquio, já não sei mais direito o que é encarar uma segunda-feira do estilo Garfield - tudo o que é de ruim acontece nesse dia. Pra quem tem folga toda quinta e sábado, sabe o drama de encarar o trabalho no domingo. E olha que já escutei cada coisa neste dia, que dá vontade de responder, mas infelizmente não posso por motivos profissionais. Mas que dá vontade, ah isso dá!

- PQP, tu não tem o que fazer no domingo não???
- Ah, mas hoje é dia de cervejinha, um churrasquinho com os amigos...
- Enquanto vocêis se f****, eu estou aqui com minha mina (ou meu gato, vai saber...).

Mas a vantagem do trabalho no domingo é que você não inventa de ir aos Departamentos e supermercados neste dia, que vivem mais lotados que formiga em piquenique farto. Quando tirei uma folga no domingo, senti o drama. Omotesando Hills recém inaugurado, férias dos estudantes e algumas OLs (office ladies) de folga gastando o salto e sola pra cima e pra baixo. Entenderam o drama? Por isso prefiro minha folga na quinta mesmo.

Dia de reunião em plena segundona. Chuvosa pacas.
O Yamanote, linha de trem que todo mundo, mas todo mundo mesmo do escritório tem que encarar todo santo dia, me pára em pleno horário de pico. Na ida! E toca todo mundo correr pro metrô, pegar o comprovante de que você chegará atrasado, tudo isso por baixo da chuva!! Se já bastasse isso, a reunião atrasou, os ânimos ferveram e o escritório ficou em polvorosa. Como diria, mulheres com TPM no mesmo dia, dá no que deu na reunião - só faltou voar pela janela. Mulher que sofre do mesmo mal que sofro ( e tento amenizar ), sabe do que estou falando.

Esta semana tem que fazer sol, não aguento mais chuva. Pelo menos pra secar minha roupa lavada.



Se estiverem esperando a chuva que estou pensando...

Thursday, February 16, 2006

The Valentine's Day... (ou as lojas de chocolates encheram a sacolinha)

Todo ano, dia 14 de fevereiro, a mesma ladainha. Duas ou três semanas antes, as lojas de Departamentos, conveniências e até a padaria de esquina estão sempre abarrotadas de caixas e caixas de chocolates embaladas com papel embrulho marrom-chocolate ou outra cor mais ou menos chamativa e adornadas com fitas e fitas. E arrematadas com um adesivo dourado em forma de coração "For You". Pra quê tudo isso? Ora, dia 14 de fevereiro, ao menos aqui no Japão, todas as meninas e mulheres lembram do seu amado querido ou puxam o saco de seus superiores com... chocolates!
Isso mesmo, muita gente leu: chocolates.
Antigamente, lembravam-se da data tudo por causa de um padre que celebrava casamentos clandestinos e pagou a vida com tal ousadia. Daí lembravam do São Valentim ( sim, esse era o nome do padre... ou papa, não me lembro, preciso pesquisar mais ) no dia de sua morte, que foi no dia 14 de fevereiro. Que em alguns países é o Dia dos Namorados.
Por que aqui, esta data se lembra com chocolates? Questão de unir o amor ao marketing! Não lembro se foi a Meiji, ou a Morinaga que teve a idéia de aumentar as vendas de chocolates na forma de presentear alguém. Daí deu no que deu até os dias de hoje, desde presentear familiares até puxar saquinho de superior pra ver se sobe de cargo ou algo mais.
Mas cuidado! Se a menina que for presentear o futuro pretendente e este não gostar, no dia 14 de março poderá ter uma surpresa que pode não ser agradável, mas este é uma outra história.
Voltando a vaca congelada - duas ou três semanas antes do dia 14 de fevereiro, as lojas se abarrotam de pacotes e embrulhos bonitinhos contendo um simples chocolate. Até aquela simples barra de chocolate que costumo comprar no mercado por menos de 100 ienes, empacotado, parece que o preço inflaciona... Sem falar dos mercados e lojas de faça-você-mesmo que vendem manuais e acessórios para você cara leitora fazer os chocolates pra presentear o seu amado. Bom, existe coisa mais linda de você presentear seu amor com doces que você mesma fez? Er... comprar uma caixa de Godiva que sai mais ou menos no mesmo preço. Sem falar do tempo que economiza e só de pensar na louça suja na pia... ( o sujo falando do mal-lavado, eu gosto de cozinhar!)
Mas é incrível como as lojas ficam lotadas lotadas lotadas de mulheres comprando caixas e caixas de chocolates! Por isso que no escritório a gente faz uma vaquinha e compra pra todos os meninos ( que são poucos, fica fácil de dividir ) e só tenho o kinguio encantado pra presentear.

Bom, se quiserem dar uma caixinha destas pra mim no dia 14 de março, agradeceria!

Feliz Valentine's Day para todos aqueles que ganharam ou não seu chocolatinho.