Sunday, August 26, 2007

Navegando sem bússola, mas com dicionário

Uma das vantagens que tivemos ao adquirir nosso 525, além das quatro portas, porta-malas enorme (que digo na brincadeira que dá pra colocar dois presuntos de bom tamanho lá, se é que entenderam), temos um navegador, o que facilita muito nossa vida em quatro rodas. Claro que se a gente vai viajar para algum lugar desconhecido, bastaria colocar na programação alguma estação de trem e pronto!

Tudo bem que os mais puristas e mão-fechadas (como eu) vão bater o pé e protestar dizendo que "compensa ir de trem", mas acontece que temos dois poréns: moramos longe da estação e dependemos de ônibus pra ir até à estação. Se perder o último ônibus, eu é que não vou pagar mais táxi pra voltar pra casa! Sem falar que se formos de trem, dependendo pra onde, temos que pagar tudo dobrado e depender da hora da volta pra não perder o ônibus citado.

Tá, vamos dizer que ir de trem, pode aproveitar mais andando no local, sem precisar pagar estacionamento, não gasta gasolina, essas coisas. Concordo, principalmente quando se vai para Tóquio. Se a gente vai pra um lugar e decide na hora pra ir em duzentos lugares, claro que de trem compensaria, basta a gente comprar o "one-day pass" e a gente desce tudo o que é estação da linha do passe e visita lugares inusitados. Mas se a gente já decide ir para aquele lugar e nada mais, a gente acaba indo de carro mesmo.

Ontem tivemos que pôr em prova se o navegador funcionava mesmo. Antes a gente usava bússola, depois mapa. Até ano passado, a gente tinha que se virar na base do mapa e da cara-de-pau, isto é, parar algum transeunte e perguntar se conhece tal local, porque aqui no Japão, como rua não tem nome, a gente tem que pôr em prática o ditado "quem tem boca vai a Roma".

Fomos para o nordeste da área Metropolitana de Tóquio visitar o primo do kinguio encantado que estava imobilizado num leito de hospital. Acidente e a perna engessada. Como eu peguei o endereço do dito hospital, telefone e estação de trem mais próxima, bastaria inserir um destes dados no navegador e ir embora.

Só que aviso aos apressadinhos: os navegadores estão tudo em japonês, e como parece que precisaria atualizar o CD-Rom, existem estabelecimentos que não existem mais (como o tal do Banco Mitsubishi que ficava no cruzamento no navegador e deparamos com um Banco Sumitomo), novas rotas e tudo o mais.

Da próxima vez, vou ter que carregar um dicionário de kanji-hiragana, pois a gente pensa que é aquilo que você aprendeu mas depois lê-se outra coisa...

1 comment:

  1. Quem passa aqui e lê isso nem imagina que se esta com a Kikki nem precisa de navigator.Ela própria é o melhor guia que eu já vi....

    ReplyDelete