Sunday, May 10, 2009

Vocês Sabiam? Não? Nem eu...

Na música, cinema, fofoquinhas, e coisas parecidas, sempre aparecem algumas curiosidades, que nem eu, você, seu colega de cubículo, seu vizinho, e as formigas que atacam seu doce predileto sabiam. Isso no que dá pegar noite de véspera de sua folga e resolver descontar o atraso navegando na internet. Depois vai dormir quando o sol está raiando e perde a manhã toda e olhe se não acorda na hora da janta.

Voltando ao assunto: eu gosto de coisas curiosas, daquelas "eu não sabia/ eu não acredito/ páratudoqueeuquerodescer". Tanto que eu tenho até hoje a primeira edição do "Guia dos Curiosos", mas como a cada minuto algo de novo acontece, melhor acessar ao site que fica melhor acompanhar (desde que seu computador não entre em pane e/ou a conexão da internet cair no melhor da história).

A verdade é uma só: o interesse pelo lado curioso e inexplicável já vem desde que o mundo é mundo e por mais que o maior turrão da face da Terra diga que "eu não sou curioso mercadoria nenhuma", vai ter aquela pontada em querer saber sobre os fatos curiosos da vida, mundo, gente, whatever.

O que estou querendo dizer é que, por total falta de assunto mesmo pro post de hoje, vou soltar alguns fatos curiosos (ou nem tanto assim) no mundo artístico (do Japão, Inglaterra, Isteites, Brasil...), que andei lembrando durante minhas viagens na internet. Só não me perguntem em que blog ou site eu encontrei isso ou aquilo, melhor procurar no são gúgol que ele talvez tenha a metade do que precisa.



- Essa eu acho que meio mundo sabe, mas no início dos Beatles, John Lennon odiava ter que usar óculos, tanto que são raras as fotos d'ele com o acessório. Não sei dizer se naquela época existiam as lentes de contato, mas ele era tão míope que, diziam os mais exagerados que, pra ir ao cinema tinha que ir acompanhado - pra que a companhia pudesse falar o que estava passando na tela. Mas a pose d'ele cantando e tocando com as pernas abertas, não seria de arrogância, mas é pra não perder o microfone de vista... E depois eu reclamo dos meus três graus de miopia...

- E vocês pensam que o início de carreira de muito artista que ficou/continua famoso foi de moleza ou nasceram de berço esplêndido (salvo algumas exceções...)? Tiveram que pegar - literalmente - no pesado. Que Julia Roberts foi garçonete e Brad Pitt teve que se vestir de galinha para promover uma lanchonete (El Pollo Loco), todo mundo sabe... Depois que eu listar alguns exemplos, quem sabe futuramente muita gente que conheço talvez pare de reclamar do serviço que tem...

Elvis Presley - Motorista de caminhão
George Harrison - Eletricista
Johnny Depp - Vendedor de canetas por telefone
Jack White (White Stripes) - Tapeceiro
Harumi Edo (humorista) - Monitora de cursos da Microsoft
Izumi Sakai (ex-ZARD) - Secretária e depois modelo
Masaharu Fukuyama - Funcionário de imobiliária
Mick Jagger - professor de educação física
Sean Connery - Lustrador de caixões
Paulo Autran - Advogado
Renato Russo - Professor de inglês
Roberto Carlos - auxiliar administrativo

- Existem várias formas de se escolher um líder de grupo: seja pela inteligência (ou ter cinismo, cara-de-pau e língua afiada, como John Lennon), pela forma de se apresentar (Mick Jagger e Bono Vox)... Mas no jan-ken-pô (aquela da pedra-papel-tesoura) é a primeira vez que ouço falar: na hora de definir quem seria o "líder" do grupo japonês Arashi, Satoshi Ohno e Sho Sakurai disputaram dessa forma. Ganhou o Ohno (muito embora quem se destaque mais é o Sakurai).


...e nunca foi fácil ser líder sendo escolhido desta forma nada convencional... (na foto, Satoshi Ohno (esquerda) e Sho Sakurai)

- Pode até soar estranha para alguns, mas muita gente nem duvida: Masahiro Nakai (líder do quinteto SMAP) canta tão mal, que, nos shows ao vivo o microfone dele só é ligado quando ele tem que cantar. Nota da Autora: ele pode ser bom apresentador, mesmo com aquela voz de taquara rachada, mas como ator... só se salvam Kai ni Naritai e no remake Suna no Utsuwa, que ele faz o papel de um pianista.


- Mais do mundo j-pop: a falecida vocalista e compositora do grupo ZARD, Izumi Sakai, antes de ser o que foi, já foi secretária, race queen (aquelas modelos que ficam de trajes sumários nas provas automobilísticas) e modelo. Pra "garantir uns trocos a mais", fez alguns filmes suspeitos e um livro de fotos quase in natura. E foi vencedora de concurso de karaokê, foi daí que resolveu largar a vida mundana e "se esconder" com um nome artístico e com um grupo que mal aparecia na TV, mas as músicas até hoje fazem sucesso. O livro com as tais fotos hoje valem alguns milhares de ienes no mercado negro...

- Já falei em um post passado, mas vale lembrar (eu acho), que a dupla Yuzu começou a carreira cantando em frente a uma loja de departamentos em Yokohama, e mesmo depois de ficarem famosos, como agradecimento, no Kouhaku Utagassen de 2002, eles se apresentaram "ao vivo" no mesmo local onde tudo começou. Hoje a loja não existe mais, mas o prédio ainda está lá.


- Quem achava que dos Beatles, somente Paul McCartney era canhoto, podem anotar: Ringo Starr, o baterista mais simpático do grupo, também é. Quem é músico, pode diferenciar um baterista destro de um canhoto, devido à técnica de como se toca.

- Em dezembro de 1965, no meio de um show nos Estados Unidos, devido a um microfone não aterrado em um local precaríssimo, o guitarrista dos Rolling Stones, Keith Richards, levou um choque elétrico ao encostar a guitarra no dito, de tal forma que os médicos davam 50% de chance de ele voltar ao normal. Alguns minutos depois ele estava vivo, em plena forma e disse que só não foi pior devido aos sapatos que usava. Será que depois disso ele ficou como está hoje???

- Censura é dose: eis alguns fatos em que a censura atacou os artistas...

Ed Sullivan, o "Silvio Santos" americano, mostrou Elvis da cintura pra cima (alegando que seu rebolado poderia chocar a conservadora familia americana), mandou os Rolling Stones alterarem uma palavra em "Let's Spend The Night Together" (e deu no que deu) e pediu a Jim Morrison (The Doors) alterar a palavra "higher" em "Light My Fire" (o que não cumpriram e foram gentilmente mandados para a porta dos fundos, com perdão do trocadilho da palavra com no nome do grupo...).

A música "The Boxer", da dupla Simon & Garfunkel, teve uma palavra coberta por um "biiiip" ao ser tocada nas rádios, em 1970: devido ao trecho "asking only workmans wages/I come looking for a job /but I get no offers just a come on from the whores on 7th avenue/I do declare there where times when I was so lonesome/ I took some comfort there". Desnecessário eu mencionar aqui qual palavra foi censurada...
Update: Melhor ouvir a música inteira, mas confesso que a primeira vez que eu a ouvi, passou batido pra mim...

Mais censura musical: "A Day In The Life", dos Beatles, foi proibida de ser tocada na BBC em 1967 devido às referências sob uso de drogas - nos trechos "Found my way upstairs and had a smoke, /and Somebody spoke and I went into a dream" e "Four thousand holes in Blackburn, Lancashire /And though the holes were rather small".

No Brasil, a coisa não foi diferente nos tempos da ditadura militar. Mesmo nos anos 80, Rita Lee teve seu album "Bombom" mutilado em duas músicas (a faixa-título e "Arrombou o Cofre"), com vários cortes - literalmente - no disco, feitos grosseiramente com estilete. Mesma coisa foi com o primeiro álbum da Blitz, também em duas faixas - "Ela quer morar comigo na Lua" e "Esquizofrenico Blues"-, cuja censura alegava "incentivo a uso de entorpencentes".

Mais ainda: o grupo paulistano Ultraje a Rigor teve uma das faixas proibida nas rádios logo no album de estréia; RPM também teve logo na estréia com a faixa-título "Revoluções Por Minuto", devido ao trecho "Agora a China bebe Coca-Cola/ Aqui na esquina cheiram cola".

- Mortes mal explicadas: isso eu vou abordar num tópico oportuno, senão este post vai ficar muito longo.

No comments:

Post a Comment