Thursday, October 08, 2009

Plantão Piggy Sakura 2: Tufão No. 18 ou Melor

O tufão número 18 (mais conhecido como Melor, que significa "jasmim", em malaio - fonte via Folha de São Paulo...) já passou por aqui, o que deixou muitos lugares alagados, muitas casas destelhadas, muita terra nos quintais, e o caquizeiro do quintal do vizinho com as frutas intactas. Do tipo: o tufão tem força pra derrubar até caminhão de 5 toneladas, mas não tem força pra derrubar os caquis da árvore vizinha de casa...

Depois do meio-dia, como eu e namorido kinguio estávamos de folga, resolvemos dar uma ida pra Enoshima, só pra dar uma espiada na praia e o resultado do tufão. Como já fazem dez anos que moramos em Kanagawa, sendo sete em Yokohama, sabemos o que as ondas deixaram na praia...

Uma pena que não deu pra eu tirar as fotos da praia, pois as ondas estavam muito fortes, nem dava para sair da calçada que separa a rua da praia em si. Portanto, algumas fotos que tirei, ficaram meio distantes porque 1) as ondas estavam fortes, nem dava pra chegar mais perto e 2) não levei a câmera e tirei tudo pela do celular, portanto, ninguém reclame que a qualidade está "maiomeno" e muito distante, afinal, qual a real função de um telefone celular?


Sério: o tufão foi tão forte que por pouco não vira um tsunami. Tem aquela ilhota onde fica o farol de Enoshima, onde tem o comércio, restaurante, e alguns moradoes, o pessoal ficou literalmente ilhado. Imagino se as casas não foram invadidas pelo mar devido a força do vento. Só pra ter uma idéia: na praia tinha tanta tralha, que vem desde bolas até mesa de ginástica. Nem deu pra tirar algumas fotos pra registro...


Pelo menos à tarde, quando passamos pela praia, as ondas estavam fortes. Nem surfista teria coragem de "entubar" as ondas. Mesmo porque seria muito perigoso. Além disso, ainda o mar estava levando e trazendo tanta coisa que realmente ficaria difícil os surfistas encarar as ondas e o lixo...

Isso sem falar que os trens todos pararam/ atrasaram, causando transtorno para a maioria que saiu de casa pra ir trabalhar. Por um lado, ainda bem que hoje estávamos de folga. Por outro, nem queremos ver o dia seguinte...

4 comments:

  1. Que bom que está tudo bem!
    Eu realmente fiquei pensando nisso hoje, tenho alguns amigos que tem parentes no Japão e eles também estavam preocupados. Mas ta tudo bem.
    No fim das contas acho que todo mundo tava preparado né...
    As ondas tavam grandes assim? Nossa, que medo. Já não basta o tufão...
    Boa sorte aí! (Espero que tenha algo de bom nessa praia, hahahaha).
    Gambatte!

    ReplyDelete
  2. Fiquei pensando: pelo que eu saiba a Kiyomi não mora em Enoshima, como ela sabe como está a praia?
    Agora entendi, depois que o taifuu passou, vc foi lá pra ver...

    bj

    ReplyDelete
  3. Aqui sobre o tufão só no noticiário da NHK a cabo rs... pq a tv brasileira gosta de uma tragédia sabe? Se tivesse muitas pessoas mortas, ai seria notícia. É trágico, mas verdadeiro.

    Ainda bem que está tudo bem com vcs ai.

    Kisu!

    ReplyDelete
  4. Makika, na praia, só encontra-se bolas perdidas, cestos de supermercado e até sofá que foram trazidos de alguma casa na beira de praia em Enoshima... E as ondas estavam eram fortes, pra chegar a invadir a rua...
    Mas está tudo bem.

    Elisa, pra falar a verdade, onde moro, fica a meia hora de carro de Enoshima, por isso que muitas vezes brinco com os meus amigos que, Enoshima fica no quintal de casa e se der um tsunami e eu nao der mais notícias, já sabem... Brincadeiras à parte, nosso lar fica na divisa Yokohama-Fujisawa-Kamakura, por isso que Enoshima fica perto de casa. Quanto a ir na praia, foi idéia do namorido...

    Bah, você que já morou aqui, já presenciou vários taifus, mas desta vez foi um pouco pior. Por enquanto, duas mortes e um desaparecido. Melhor se informar mesmo com o pessoal que mora aqui, porque na TV brasileira, o noticiario: "Um tufão devastador varre o Japão"...
    Mas tamos bem e firmes. Que nem os caquis do pé do vizinho: um baita temporal e nenhum caqui no chão!!!

    Beijos!!!

    ReplyDelete