Friday, February 27, 2009

Desenterrando da Massa Cinzenta ou "Coisas que nem eu lembrava mais"

Voltando a famigerada série "Desenterrando da Massa Cinzenta", esta noite passada, fiquei até três da matina só lembrando os videoclipes no YouTube da vida. Sabe aqueles videosclipes do tempo que a MTV ainda estava engatinhando, Michael Jackson ainda tinha a cor original, o U2 tinha o Bono loiro e Madonna era barangona? Basta ir no YouTube, procurar o video e lembrar (ou não, dependendo de algumas pessoas) do tempo que a gente era feliz e não sabíamos.

Outra noite, fiquei navegando na internet e encontrei três vídeos que eu pensava que ninguém iria postar. Pra mim, kinguio encantado e uma parcela de gente que eu sei que gosta mas não assume, vamolá:

Noriyuki Makihara - "Donna Tokimo": Desde a década de 90, Noriyuki Makihara disputava nas paradas com suas canções de otimismo e daqueles de deixar o astral lá em cima. Em 1998 cometeu a besteira de ingerir balinhas e ficar um ano e tanto na geladeira, e quando voltou, bem, demorou para ganhar a credibilidade do público, só estourando, até onde sei, com "Sekai ni hitotsu dake no hana" com o SMAP.
A música "Donna Tokimo", de 1992, de tão alegre e cativante, valeu a presença de Makihara no Kouhaku Utagassen daquele ano. E quem não gosta?



Noriyuki Makihara no 42nd Kouhaku Utagassen, com "Donna Tokimo" e acompanhado pelas cheerladers. Detalhe: desde aquela época ele não consertou o dente encavaldo...

KAN - "Ai wa Katsu": Também da mesma época de Makihara, ZARD e muito mais. Pianista e cantor, KAN ganhou as paradas de sucesso em 1992 também com a música "Ai wa Katsu" (O Amor Vence). Quando vi os flashbacks dos Kouhaku Utagassen, fiquei como desesperada atrás desta parte em que ele aparece ao piano vestido de Mozart e com coral de crianças.



Ele também participou no mesmo ano que Noriyuki Makihara, em 1992. Pena que hoje ele está meio sumido nas paradas de sucesso...

Masaharu Fukuyama - "Access": Podem tacar pedras no meu apertamento, mas eu não ia deixar passar batido este vídeo de 1992 (mas não é do Kouhaku, não, Masaharu só foi bater ponto no ano seguinte com "Melody"). Quando fui no show dele no Yokohama Arena, em 2007, no intervalo de uma música ou outra, ele dava de "Mestre de Cerimônias" para a mulherada... ops, para a platéia. Contando o duro início de carreira, que saiu de Nagasaki com 200 mil no bolso pra se virar em Tóquio e tals, quando algumas revistas o fotografaram, bem, ele estava com a mesma roupa. Sem falar num vídeo independente e trecho de novela em que fazia o "bonitinho, atrapalhado e..." deixa pra lá.
Nesta apresentação para um especial de TV, ele está com a mesma roupa que ele apareceu nas fotos (que ele mostrou no show) e a câmera foi focalizar bem, digamos, numa parte em que depois que todo mundo viu, Yokohama Arena caiu na risada.
Depois ele vem com a desculpa de que "naquela época eu não tinha outra roupa"... Sei, nem roupa de baixo, né, seo Fukuyama?



Do tempo que Masaharu era novo, bonito e desencanado. Até demais. Prestem muita atenção aos 1:19 a 1:36 do vídeo e verão que a calça está enfiada bem na zona do aconchego...

Mas de novo?

Pra não variar, novamente este ano estou com o abominável kafunshoo ou aquela maledeta alergia ao polen do cedro aqui no Japão. Como isso quer dizer: nariz arrebentado, pele ressecada (nem creme resolve), olhos ardendo de tanta coceira.

Em resumo: quem me viu a semana toda, estava sem maquiagem, usando óculos e máscara pois este ano além de ter chegado com antecedência, me pegou de tal forma que nem tomando remédio adiantou.

Ao menos agora meu nariz está menos "assado".

Ou mal-passado, como queiram.

Monday, February 23, 2009

... e o Oscar vai para...

Confesso: desde que me conheço por gente, não acompanho a transmissão da cerimônia da entrega do Oscar, por vários motivos. Um deles seriam a falta de paciência, falta de tempo pra ir ao cinema e falta de graça mesmo, pois todo ano a mesma coisa (principalmente no tocante em que filme brasileiro não ganha/não concorre ao "Melhor Filme Estrangeiro).

Se eu fui assistir antes/depois os filmes que concorreram/ganharam o prêmio máximo da Academia, isso seria um caso à parte, pois só assisti porque estava com vontade, oras. Ou porque o filme pra mim seria interessante. Caso, quem diria, "Os Imperdoáveis" e "Entre Meninos e Lobos" só pra citar, que fui assistir depois que os filmes ganharam na Academia.

No assunto "Filme Estrangeiro", todo ano a mesma coisa: a Academia só escolhe e premia algum filme que a) tenha a pós-guerra como tema; b) tenha algum assunto do Oriente Médio (leia-se Afeganistão, Israel e similares); c) tenha alguma tragédia escolar/religioso/tudo junto; d) todos os itens anteriores. Este ano, infelizmente, o Brasil não concorreu devido a - talvez - falta de requisitos citados. Mas foi surpresa para mim, um filme japonês fazer parte. E olha que "Okuribito" (tradução americana: "Departures" ou partida) nem se encaixava nos quesitos citados.

Talvez fosse só pra "tapar buraco", já que o filme nem era favorito, tampouco páreo para outros filmes cujos países tinham tradição pra categoria. Imagine se alguém iria se interessar/comover/dar importância pra um filme que narra a história de um músico que perde o emprego (Masahiro Motoki) e pra sustentar a casa resolver ser "preparador de cadáveres antes da cremação" e tem "jeito pra coisa".

Agora, perguntem pra mim quem ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro deste ano?



Dia 18 de março, nas melhores locadoras do bairro, ou se reprisar nos cinemas.

Friday, February 20, 2009

Passeio no Museu

Quando se tira uma folga em um dia que você não costuma tirar, você praticamente fica meio sem saber o que fazer. No caso de quarta-feira do feriado aqui, eu sabia o que fazer.

Pra quem costuma "bater perna por aí", um assunto chamou-me a atenção quando estava em Tóquio: Festival de Arte e Mídia. E eu gosto muito de desenhos animados e desenhos em geral, já que o ingresso era gratuito, no dia que folguei, peguei o endereço e fui pra Roppongi.


Roppongi Hills

Antes que pensem que fui pras baladas (algo que faz uma década que não faço) ou andar no Roppongi Hills ou Tokyo Midtown pra ficar passando vontade, o Museu Nacional de Arte fica lá em Roppongi mesmo, fazer o quê! Mas vamos ao assunto.


O Museu de Arte de Tóquio

Era uma semana somente sobre mostra de desenhos em curta-metragem, cartuns, quadrinhos, design e mídia digital. E também parte de jogos digitais, entretenimento e interatividade.

Por eu ter ido num feriado, a fila estava enorme. Feriado + evento de graça = fila quilométrica. E o feriado caiu no meio da semana e daí?

O Japan Media Arts Festival traz vários artistas, conhecidos e desconhecidos, selecionados pela banca examinadora. Inclusive até um brasileiro - Marcio Ambrosio - que ganhou um dos prêmios na parte de interatividade. Uma pena que eu não consegui ver pois era um dos stands mais disputados.



Na verdade, não sei se poderia tirar alguma foto dentro do Museu, mas no stand onde o pessoal tocava um tipo de realejo - saiam bolhas de sabão e faziam tocar um tipo de xilifone - o pessoal estava tirando fotos e ninguém falou nada.


O xilofone vibratório de bolhas de sabão - omoshiroii!!

Muitas vezes vale a pena frequentar lugares antes nunca passeados.

Update! No dia 23 de fevereiro, a curta de animação - "A Casa dos Pequenos Cubos" - que estava na mostra deste Festival de Arte e Mídia - ganhou o Oscar da Academia pelo melhor curta de animação. Esse eu consegui ver um trechinho, diante de muita gente...

Wednesday, February 18, 2009

Falando de Yokohama... (Explicando o nome deste blog)

Teve muito leitor desavisado que, ao digitar "Yokohama" no gúgol ou outro site de busca, o meu sítio faz parte da lista de busca. Daí pra esse pessoal ficar procurando o que tem dentro de cada site, encontrar esse foi um pulo. E muita gente achava que meu sítio ia ser exclusivamente da cidade de Yokohama, onde moro há seis anos.

Na verdade era para incluir os aspectos pitorescos da cidade onde moro junto com outros assuntos aleatórios, mas sabe quando nesses seis anos eu mais conheço o distrito onde moro e o centro da capital e olhe lá? Em outras palavras: deveria criar vergonha e no meu dia de folga ir conhecer a cidade - dividida em distritos, mas são 18 !!! - mas ir que é bom...

O porém de eu morar a dez minutos (via JR Tokaido Line) da estação principal de Yokohama, faz com que eu acabe ficando na rota "arredores da estação de Yokohama-Sakuragicho", porque quando não bate a preguiça da doninha aqui, está com pouca verba para ver se consegue ir pelo menos ao Yokohama Arena.

E quando a gente fala "eu moro em Yokohama", a gente tem que explicar que a gente não mora onde fica o prédio Landmark Tower, que ficou o símbolo da cidade, mas nos arredores ou até muito mais longe do centrão (o pessoal que mora no distrito de Aoba vai entender).

Como este ano comemoram-se o sesquicentenário (150 anos) da abertura do Porto de Yokohama, espera-se também que a autora deste sítio comece a falar - mesmo que seja alguns artigos mensais - sobre a segunda maior cidade do Japão, os lugares menos conhecidos e outros pontos mais.

E depois a gente posta algumas fotos, pois a autora lesada deste sítio perdeu todas as fotos no HD do PC antigo e está com uma baita duma preguiça de ficar procurando agora os CDs que gravou. (Toda vez que a gente vai no centro de Yokohama, metade do micro SD fica cheio de fotos de Yokohama...)

Sunday, February 15, 2009

Tirando o atraso....

Antes que o pessoal ache que vou postar tudo de uma vez só porque fiquei vinte dias sem postar nada que preste neste sítio, podem ficar tranquilos que vou fazer um resumo deste período que fiquei ausente.

Aniversários: Esqueci de vários porque a grande maioria eu comunicava via net mesmo. Como eu não posso ficar usando computador alheio (leia-se do trabalho), alguns eu telefonei. Outros, depois que consegui configurar aqui, enviei e-mail de desculpa. Coincidentemente, um grande amigo meu fez aniversário no mesmo dia que o idolatrado, vitaminado, talentoso, mil-e-uma funções Masaharu. Claro que esse meu amigo é tudo isso e tem um grande coração, e vive rodeado de gente famosa. Desculpe, mas não revelo o nome dele por motivos de privacidade.

Notícias do Mundo: Acompanhando via TV mesmo, se bem que o assunto é comentado ad nauseaum e tem horas que dá até raiva de assistir noticiário: crise mundial. Tudo bem, não dá pra tapar o sol com a peneira, mas bem que poderiam TRAZER ALGUMA solução pra que o barco não tombe mais, certo?

Internet: Cancelei a minha provedora antiga pois primeiro, o prédio onde moro, agora temos gratuita e mais rápida, e segundo, como pensei em um novo PC, a maioria dos novos (e alguns de segunda mão) é Windows Vista. O bom é que agora tenho TV a cabo também, mas o lado ruim é que o mesmo cabo da TV é o mesmo que conecta a internet... Providenciar um adaptador urgente.

Música: Devido as minhas batidas de perna por Shibuya, acabo sempre entrando na Tower Records e ficar procurando as novidades. Pra quem ouve Beatles e similares, quem me pega ouvindo outros músicos, ou fica passado ou acha que pirei de vez mesmo. Qual o problema de ouvir um outro quarteto que veio da Escócia e começou a ouvir devido influência pessoal do Fórum dos Beatles e não sossegou até comprar os três CDs desse grupo - Franz Ferdinand?!



"I'm Not Ulysses!", brada Kapranos no verso final de "Ulysses", ultimo sucesso do quarteto escocês.

Saturday, February 14, 2009

Voltando a rotina...

Depois que eu comprei um novo PC, agora pareço aquelas crianças que acabaram de ganhar brinquedo novo: quer brincar com ele o dia todo. Bom, pra quem trabalhava com um modelo 2003 com Windows 2000 e com pouca memória (sem falar da internet que estava mais lenta que tartaruga), com a nova aquisição, bom, digamos que agora estou mais apanhando que Isaura.

Primeiro, sem fazer comercial, isso porque não ganho cachê da Sony pra divulgar o produto, o novo PC, um modelo mais ou menos recente dele, lembra aquele ditado - "por fora bela viola, por dentro pão bolorento". Não que a performance seja ruim, mas pra acentuar está sendo aquela desgraça (tenho que ficar apertando toda hora a tecla "Num Lk" que fica na mesma linha das teclas de funções e usar a tabela ASCII, pois o teclado é made in Japan e eu que não vou ficar assassinando mais a nossa língua portuguesa).

Cadê o rato? Não tem e tem que se virar com o touch pad que fica ao lado do teclado. Ficou bom? Pra dizer a verdade, economiza espaço na mesa, mas fica ruim ter que ficar procurando COMO se marca os links para postar neste sítio.

Podem crer, vou demorar um pouquinho até acostumar com o teclado - que é tão sensível que só de encostar, já ativa tudo.



(Not my picture. Só que a cor é preta...)

De Volta!

Pra quem estava tentando acompanhar este sítio, informo que estou de volta devido a um PC queimado, uma provedora lenta e falta de cara-de-pau pra comprar um novo.

Depois de quase duas semanas pesquisando (leia-se pensando se abre a mão e cria vergonha na cara e compra logo um novo duma vez), comprei um novo, zerado e com direito a versão mais nova das janelinhas do Gates.

Agora, as atualizações vão ser aos poucos, pois o teclado deste novo PC estou apanhando pra acentuar.

Mas a saga da toupeira em forma de leitoa rosada continua.