Friday, September 03, 2010

Desenterrando da Massa Cinzenta: Não Acredito Que Ainda Lembro Disso (e Gosto)

Relembrando os "guilty pleasures" da autora...

Bons pares de anos atrás, cheguei a postar sobre "coisas que eu gosto mesmo sendo ridículos para outros". Antes que muita gente me internem achando que realmente pirei de vez, vou avisando: primeiro, quem não tem um "guilty pleasure" em sua vida? Segundo, calma que meus cinco dias longe do trabalho logo estão chegando.

Uma das músicas que eu gostava era "Love Machine", do grupo Morning Musume muito antes de ficarem trocando a formação e do tempo que ainda tinha a Yuko Nakagawa, Kaori Iida, Natsume Abe, Aya Ishiguro, Kei Yasuda, Mari Yaguchi, Sayaka Ichii e Maki Goto e as músicas eram mais legalzinhas (da primeira formação). Pior que, quando eu ouço a música, dá vontade de dançar como elas. Em casa, entre quatro paredes e cortinas fechadas.

Morning Musume, 1999 - não me perguntem quem era quem na foto, pois nunca consegui acompanhar a carreira delas mesmo, mas o single "Love Machine" ninguém ficava parado.
Outra tosqueira que até hoje dou boas risadas é a esquete "Host Man Blues", do programa semanal Smap X Smap, no qual Takuya Kimura (Hikaru) e Goro Inagaki  (Yuuga) são o "top one" e "top two" respectivamente de um host club em Shinjuku. Em 2003 por aí, houve um boom de clubes de entretenimento para mulheres, e é obvio que iria ter uma paródia do gênero. O que eu não esqueço é a coreografia e a versão nipônica para "Dragostea Din Tei", do trio moldávio O-Zone, que ficou muito cômica. Isso porque Inagaki pra dançar é meio descoordenado, e a roupa do Kimura ficou parecendo daqueles cafajestes do cinema (terno branco com camisa colorida, sapato preto e correntona dourada no pescoço, só faltaram os óculos raiban e o cigarro no canto da boca), mas a paródia ficou bem feitinha.


Hikaru (Takuya Kimura, mas que camisa chamativa, hein?) e Yuuga (Goro Inagaki), os gerentes e hostmen do Host Club Hikaru - a casa mais animada de Shinjuku, com direito a dança ...

Podem dizer que seria antigo, tosco, sem graça e até datado, mas um dos comerciais que eu até hoje lembro devido a criatividade e a música utilizada - o comercial do carro Fiat Palio Weekend, feito no Brasil em 1997, que muita gente "da minha época" vai lembrar "ah, o comercial dos peixinhos!" O local foi bem feito, a música "casou" com a cena e os peixinhos, esses sim, são as estrelas do comercial. Apesar que eu nunca tive um Palio Weekend (nada contra os carros desta marca, mas meu pai tem e muito), um dos (muitos) comerciais que vi no Brasil que ainda lembro. Só não sabia que teve uma outra parte que vi aqui!

O que também lembro da minha adolescência, eram os comerciais do cigarro Hollywood, com cenas de esportes radicais com músicas que na época eram os bons roqueiros. Danasse o "politicamente correto", que "onde já se viu comercial de cigarros e gente praticando esportes" e por aí vai, pois em 1980 e vai alguma coisa, o que a gente gostava eram das músicas - tanto que tenho um single tendo as músicas de Peter Frampton ("Breaking all the Rules") e The Police ("Every Little Thing She Does is Magic").

5 comments:

  1. Kiyomi. Gomen o atraso nos comments no blog! Tava numa correria animalizada e sangrenta (pra dar um drama rs)

    Eu gosto da Love Machine hahaha.
    Eu ainda "ovo". Já até usei como trilha nos meus videos do youtube hahaha mas o YT mandou apagar...

    Lembro do comercial dos peixinhos.
    Tenho um carinho especial por ele pq foi um dos últimos tapes q coloquei no ar na Manchete, antes de acabar tudo. Patrocinava a novela Brida rs

    E pois é. Cigarro só mostrava natureza, gente sarada, bonita, de dentes branquinhos. Eu achava q cigarro fazia bem qdo era criança, por causa desses comerciais hahaha. E sempre comprava o cigarro do "neguinho da pan". haahahah (sem racismo, todo mundo chamava assim o chocolate, lembra).


    bjs

    ReplyDelete
  2. Foi essa formação do Morning Musume que realmente deu certo. Algumas entraram depois tais como Kago Ai, Tsuji Nozomi e Yoshizawa Hitomi, mas a geração do "Love Machine" foi a melhor de todas. Até porque Tsunku realmente estava em seu ápice criativo. Depois com essa história de trocas constantes o produtor e ex-líder do SharanQ, literalmente, perdeu a mão do negócio. Viu o "sensei" Akimoto Yasushi (que inventou esse formato) tomar as rédeas com o AKB48.

    E acho que estamos ficando "politicamente corretos" demais. Por isso que milhões de pessoas vão no Youtube para ver os vídeos do Mussum, Tião Macalé e Costinha.

    ReplyDelete
  3. Alexandre, está perdoado. Espero que não tenha matado o Godzilla hahahaha

    Acredita que essa musica da Morning Musume é a mais que o pessoal lembra, ainda mais com a formação clássica? (Porque depois que a Nakazawa saiu, a coisa desgringolou).

    Ah, o comercial dos peixinhos... Até hoje muita gente lembra! Pra mim, um dos melhores comerciais que a Fiat fez (o carro, bem, isso seria outra historia, dexaprala)!

    Aqueles cigarrinhos de chocolate da Pan eram um vício (perdão pelo trocadalho), eu vivia comprando quando sobrava o troco da padaria. Agora, com esse politicamente chato...

    Beijao!!

    MP Kouhaku, concordo também que a formação de "Love Machine" foi a melhor de todas, Tsunku estava numa fase criativa boa pra caramba, mas resolveu fazer troca aqui e ali deu no que deu: as músicas decaíram de qualidade. Por isso que o Akimoto aproveitou e deu certo com a AKB48.

    Pois é: pelo que acompanho, o que era politicamente incorreto mas era engraçado, agora vira alvo de protestos... Eita pessoal sem senso de humor, não é mesmo?

    Abraços!

    ReplyDelete
  4. Preciso confessar: Adoro Love Machine. E até hoje tenho no meu Player... ótima música para cantar e dançar debaixo do chuveiro!
    rsrrs

    ReplyDelete
  5. hahahaha Fabi, essa da Morning Musume é eterna. Bem como a coreografia do Kimura/Inagaki para aquela one-hit wonder do O-zone. Toda vez que revejo a esquete "Host Man Blues" eu morro de rir, com a coreografia e a roupa bregosa do Kimura (*apanha!!*)
    Beijao!

    ReplyDelete