Monday, May 31, 2010

[Discoteca Básica do Empório]: Algumas Cantoras Favoritas da Autora (Brasil, Japão, Internacional...)

Meio em cima, mas não deixo de fazer a "Discoteca Básica" mensal.

Desta vez, será diferente. Ao invés de comentar de um álbum de um cantor/cantora/ grupo, a deste mês será um apanhando "maiomeno" de algumas cantoras (ou vocalistas de algum grupo) e algumas músicas que eu costumo ouvir. Cantoras, sim, porque, qual a bronca desta vez? E de vários estilos, já que, bem, eu costumo ouvir de tudo um pouco mas existem algumas que não ouço nem sob tortura...

Sim, se quiserem mais, já mencionei no post sobre as cantoras (leiam "Algumas 'ídalas' da autora") que eu ouço e mais um pouco.

Ah, sim. Não está em ordem de preferência, por favor...

1 - Miyuki Nakajima - Muito embora este ano tenha lançado um single, ultimamente ela é "mulher propaganda" da linha de cosméticos da subsidiária da FujiFilm para quem "passou dos enta" (junto com a "eterna aidoru" Seiko Matsuda). Nascida em Hokkaido, Nakajima começou nos anos 70 como cantora e compositora, como tinha mencionado neste post aqui. Tenho a coletânea "Singles 2002" (recomendo ouvir), lançado quando "Chijou no Hoshi" foi recorde de vendas (devido seu uso no programa "Project X " da NHK, e sua famosa aparição dentro da construção da represa de Kurobe no Kouhaku Utagassen de 2002). E olha que as músicas de Nakajima, embora sejam de amor e coragem, seu vocal é bem marcante (pra não dizer grave, senão o pessoal aqui vai dizer que eu sou má). Foto: Miyuki Nakajima, em 2008. Ninguém imagina que nos anos 70 foi uma das cantoras mais populares no mundo folk japonês.

2 - Naomi Tamura - Muita pouca gente conhece esta cantora (se bem que anda meio sumida mesmo), mas nos anos 90 fez sucesso - aqui - com "Yuzurenai Negai", por ser tema de abertura do anime "Maho no Kishi Rayearth" (ou "Magic Knight Rayearth", no Brasil como "As Guerreiras Mágicas de Rayearth"). Não, ela não é cantora pra animês, o forte dela era j-pop com alguma pitada da música de Motown (tanto que um de seus álbuns é dedicado a esta famosa gravadora norte-americana). Tenho o "Best of..." desta cantora, que contém a música citada, o tema de abertura também do mesmo anime, mas a segunda temporada. Foto: Naomi Tamura, circa 1998. Em 1993 chegou a se apresentar no famoso Kouhaku Utagassen devido a "Yuzurenai Negai", que vendeu mais de um milhão de cópias...

3 - Elis Regina - Nem tinha entrado no ginasial quando comecei a ouvir algumas músicas dela, antes de falecer. Meu irmão mais velho ouvia através dos programas da Rede Cultura, os programas "Ensaio" e outros especiais que nem mais lembramos. Elis passou os "anos de chumbo" da Ditadura Militar com as músicas de protesto, de alegria, de tristeza. Muitos lembram dela interpretando "Aguas de Março" (com Tom Jobim) ou "O Bêbado e a Equilibrista" (famosa pela anistia, em 1979) ou "Tiro ao Alvaro" (com Adoniran Barbosa), "Romaria", "Maria Maria", entre muitas. Ela deixou de cantar abruptamente em 19 de janeiro de 1982 mas vai continuar sempre na história da MPB. Inclusive, na Tower Records encontrei alguns álbuns dos anos 60 de Elis (como Elis in London, de 1969). Foto: Elis Regina, em 1968, na capa do álbum "Elis Especial".

4 - Mika Nakashima - Embora eu tenha parcos singles desta cantora, comecei a ouvir devido a "Yuki no Hana", mas foi como "Sakurairo mau koro" que comecei a ouvir mais. Ainda não tive a oportunidade de ter assistido "Nana" (a qual faz o papel principal, a Nana punk). Recentemente - com o visual estilo anos 50 - seu último sucesso foi tema do filme "Sayonara Itsuka", o que trouxe Miho Nakayama de volta as telas e o single - "Always" - ficou em 3o. lugar nas paradas de sucesso em janeiro deste ano. Só pra lembrar: Nakashima ainda continua sendo garota-propaganda dos cosméticos da Kanebo, a linha "Kate" (cujo slogan continua sendo "No More Rules"). Foto: Mika Nakashima, em 2005, no lançamento da primeira coletânea - "Best".

5 - Yuko Hara - Poucos devem conhecer ou ter ouvido dela, mas é a tecladista do grupo Southern All Stars (e mulher do vocalista Keisuke Kuwata). No grupo, ela pouco cantava, mas paralelamente ao grupo, lançou três álbuns solo e um de covers. Uma de suas músicas, escrita por Kuwata, foi impedida de tocar nas rádios, devido ao teor nada convencional ("I Love You Wa Hitorikoto"), mas tocavam nos shows. A mais conhecida nem é 100% solo - tem a companhia do conterrâneo Shingo Katori (que também nasceu em Yokohama, tal como Yuko) em "Minna iiko" (1996, mas na coletânea "Loving You", tem a versão de Kuwata, como "Waruiko Version"). O album de covers "Tokyo Tamure", Hara "desenterra" muitas músicas dos anos 60, cantadas por mulheres, exceção de "Itsudemo Yume wo", cujo original era de Sayuri Yoshinaga e Yukio Hoshi (no álbum é Yuko e Kuwata). Junho deste ano sai outra coletânea - "Haraddo", trocadilho com "Baraddo" (Ballad). Ah, tá: na foto, Yuko Hara (agora Kuwata) com Shingo Katori, na época da divulgação do single "Minna iiko", devidamente caracterizados com o clima da cidade natal deles (Yokohama, sendo que Hara morava no distrito de Naka e Katori, em Tsurumi).

6 - She and Him - Na verdade é uma dupla formada pela vocalista/atriz Zooey Deschanel (sim, é o nome verdadeiro dela sim) e Matt Ward. A maioria das músicas é composta e interpretada pela Zooey, que mistura country, folk e alguma coisa das girl groups dos anos 60. Se puderem ouvir os dois álbuns da dupla (o último "Volume Two" traz "In the sun", deliciosa de ouvir), vale a pena ouvir algo diferente. Inclusive, no primeiro álbum, têm dois covers dos Beatles ("I Should Have Known Better" e "You Really Got A Hold on Me". Ok, a última é cover da cover pois os Beatles regravaram de Smokey Robinson) e o primeiro single (que fez parte do filme de Deschanel - "500 dias com Ela") "Why Do You Let Me Stay Here?", cujo PV traz um humor negro que nada tire a fofura da música. Foto: Zooey Deschanel e M.Ward, a dupla de músicas fofinhas do mundo alternativo. Não, eles não são marido e mulher - Deschanel é casada com o líder de outra banda alternativa "Death Cab for Cutie".

7 - Hitomi Yaida - Ela deu um tempo nas atividades para se dedicar a maternidade, desde ano passado, mas quem já ouviu os primeiros trabalhos desta cantora, sabe como ela se apresenta: tocando violão, toda descolada e descalça. Mas não deixa de ser ao mesmo tempo uma boa cantora, compositora e interprete: tanto que fez relativo sucesso na... Inglaterra! Quem não se lembra de "My Sweet Darlin'", a rocker "Andante" e a balada "Over the Distance"? No lançamento em japonês do desenho animado "Robots", é ela quem assina e canta a música "Mawaru sora". Foto: Hitomi Yaida - ou Yaiko - em meados de 2003 ou 2004, com seu inseparável violão. Nota: ela nasceu em Osaka, formou-se em Língua Francesa e não tem sotaque de Kansai...

Antes que vocês vão reclamar "p%$#@ Kiyomi, tá faltando cantora aí!!!", eu sei: é que têm tantas que daquelas que gosto de uma ou outra música. Pra falar a verdade, no post que falei de cantoras, este seria um complemento do anterior, se é que me entenderam. Tem cantora brasileira no meu repertório? Claro que tem! Tem cantora americana, européia, que seja? Tem. Tem cantora japonesa? Na minha atual situação marital, vocês nem imaginam...

Sunday, May 30, 2010

Pra Não Variar Nada...

Ok, pessoal, fiéis seguidores deste pobre mas limpinho sítio (preciso é mudar tudo: o template, o slogan, os bordões...), estou de volta pero no mucho aqui no mundo doido da internet, mas até conseguir um cafofo novo, como já contei em algum post perdido em abril ou maio, que seja, terei que ficar alguns dias em Tóquio e alguns dias em Yokohama, afinal, nosso instrumento de postagem fica em Yokohama.

Só estou vendo aos poucos os futuros lares, pois estou com pouca folga pro mês de trinta ou trinta e um dias, o trabalho que eu faço exige litros de café (puro sem açucar) e muita vitamina (o famoso Chocola BB, da Eisai). De modo que nem uma coisa e nem outra daqui a pouco nem efeito faz mais. O que poderá dar em mim efeitos colaterais, como acabar dormindo mais do que costumo dormir, constantes idas ao banheiro (sim, café pra mim dá um efeito diurético melhor do que chá) e chegar a cantar "Dangan Fighter" no elevador do prédio da firrrrrrrma.

Tirando isso, minha saúde vai bem, obrigada.

Vamos lá tirar um pouquinho só de atraso...

Bem, como eu disse em algum post perdido, estou no twitter. Qualquer coisa, se forem loucos em querer me seguir, vá por sua conta e risco, pois eu twitto de vez em nunca, apesar do meu aparelho celular permitir tal proeza, eu não tenho muita paciência em digitar pois o teclado do meu celular é touch screen como o iPhone, sabem, né? Esqueci de por o link, mas é @kiyomiiwasaki e de vez em nunca me encontram lá.

Foi através do twitter que me informaram do Tokyo Design Festa, de alguns eventos e algumas pérolas da blogosfera.

Ranking da Oricon tem de tudo, até de lábios mais bonitos... Essa eu vi no twitter pela Debora (@pocky_ne), estudante de design e fã de anime, doramas e j-pop. A Oricon, famosa aqui por divulgar listas de tudo o que imaginar, fez na semana passada dos "lábios mais bonitos". Pra mim, eu nem ligo tanto, pois eu quase sempre compro a an-an para futilidades... ops, atualização em geral na parte de necessidades femininas (porque parte de economia e trabalho eu leio a Nikkey Woman). Eis que vejo (aqui, em japonês mesmo) o ranking dos cinco lábios masculinos e femininos do mundo artístico (as fotos não são da oricon, mas de um site que publicou):

Na foto, os homens:
1 - Jun Matsumoto (Arashi)
2 - Masaharu Fukuyama
3 - Sho Sakurai (Arashi)
4 - Hiroshi Tamaki (pra quem não lembra: o Chiaki, em "Nodame Canterville")
5 - Takuya Kimura

E as mulheres:
1 - Aya Ueto (a campeã em comerciais, categoria feminino. Mais fácil lembrar do comercial da SoftBank, em que faz o papel da filha)
2 - Keiko Kitagawa (está na novela "Tsuki no Koibito")
3 - Waka Inoue (atriz. Particularmente eu não sei em que novela chegou a fazer)
4 - Haruka Ayase (atriz, ela esteve na novela "Jin" e "Mr. Brain")
5 - Satomi Ishihara (atriz, está no filme em cartaz agora "Zatouichi the Last").

Opinião da autora que vos posta, mesmo sabendo que ninguém vai dar crédito mesmo, porque opinião de blogueira free-lancer nunca contou mesmo, e como lista nunca é unânime, nunca agrada a todos, então....

- Como disse Debora, cadê o Tomohisa Yamashita? Eu sei que ele quase nem sorri, mas bem que ele poderia estar na lista. No lugar do Sakurai, por exemplo;
- Outro que eu incluiria é o Haruma Miura. Ele é novinho, mas aquela pintinha no queixo deixa ele muito, hã, bem, fofinho (pra não dizer sexy, pois ele nem tem 20 aninhos ainda);
- Quem montou a foto deve detestar o Masaharu e queimar o Kimura no inferno, porque, tanta foto lindona deles e colocaram umas que nadaver. Quando a Dona Luria fez a dos dez lindões, ficou mais lindões ainda;
- Falando do Masaharu: caramba, nem nesta lista fica em primeiro???
- Das mulheres, eu não teria que reclamar nada, pois acho a Ayase e a Ishihara bonitas, e, muito apesar na novela "Tsuki no Koibito" a Kitagawa fazer uma personagem meio chatinha, ela também é bonita.
- Pronto, pessoal, agora podem me detonar nos comentários.

Saturday, May 29, 2010

Muito Antes do "Caminho das Indias"

Ou: Meus vizinhos são O terror - Parte 2

Quem compartilhou as dores, já passou por isso, e, principalmente, morreu de rir da primeira parte sobre os vizinhos que eu possuia (ou possuo, tanto faz), agora vem a segunda parte...

Quando os meus vizinhos (que poderiam ter potencial pra fazer uma sex-tape caseira) mudaram-se, por alguns meses o apartamento vizinho ficou vazio. Tinha o do outro lado, mas os vizinhos mais ficavam fora do que no apartamento a ponto de acharmos que não tinha morador lá. Só sabíamos da existência deles aos finais de semana, quando da parede da nossa sala (onde ficam a tevê e o nosso computador) ouvíamos os roncos dos moradores. Menos mal.

Um belo dia (não me perguntem quando foi, mas eu sei que faz um bom par de anos atrás), soubemos de novos moradores no mesmo apartamento vizinho. Como soubemos? Geralmente, a imobiliária do prédio onde moramos, costuma colocar um adesivo lacrando a caixa de correspondência. Quando não tem mais o lacre e a gente vê a luz da janela acesa (esse tal apartamento, é o da ponta, que tem uma janelinha lateral. No nosso, dependemos da varanda mesmo), sinal de morador novo. Ou problemas a vista, depende.

Sabe aquela história de que "os primeiros dias são aqueeeeeeela maravilha"? E era. Nem ouvíamos ruidos de nada, dormíamos (aham) na maior tranquilidade. Mas como alegria de pobre dura pouco, logo na segunda semana, o pessoal achou que a casa ia cair. Literalmente.

Os vizinhos que tivemos, era uma família hindu. Nada contra, claro, mas o que matava o pessoal de raiva, principalmente quem morava no segundo andar, como eu e namorido kinguio, era que toda manhã o pirralho... ops, o filho desta família, eu acho que deveria ter na época uns seis anos, corria em disparada no corredor do prédio. E gritando às seis da matina. E depois namorido reclamava comigo que meu despertador (o Norakuro) acordava o prédio todo, exceto a gente.

Durante a semana, ainda vai lá, o pessoal tinha que acordar cedo pro trabalho mesmo, mas o ruim era quando era aos sábados e domingos, geralmente os dias que 98% dos moradores folgavam e queriam dormir mais tarde. Digo assim porque naquela época eu tinha que trabalhar aos domingos. Mas eu não ficava correndo pra lá e prá cá nem quando eu tinha a idade desse menino. Num dias destes eu falei pro namorido: "Um dia menos dia, isso vai acabar em choradeira..." E nada dos pais terem simancol pra isso.

Pois bem: uma manhã, em que estávamos nos aprontando pra irmos pro trabalho, aquela mesma "batabatabatabata" no corredor pela manhã e aquela gritaria. E de repente um "tonc" e um berreiro. E não demorou dois minutos para escutarmos aquela discussão calorosa no corredor e pior: na frente do nosso apartamento. O pai do menino falando em inglês macarrônico pro morador do outro apartamento, um salaryman japonês, jovem ainda, pedindo desculpas e baixando a cabeça toda hora. Ah, esqueci de dizer: como as portas daqui abrem de dentro para fora (para facilitar na hora de sair correndo em caso de terremotos, sacudidas e meliantes), quando o rapaz abriu a porta, certamente o menino estava voltando. E o resto imaginem o que aconteceu.

E tudo isso me acontece na hora da gente ir pro trabalho. Pedimos licença pra sairmos de casa e o pai em altos berros, pelo que entendi (do pouco que lembro das minhas aulas na Cultura Inglesa), estava pondo a culpa no rapaz porque não olha pra onde abre a porta. Não gosto de me meter no meio, mas pra ver se colocava uma pedra em tudo isso, soltei o verbo em inglês mesmo pro pai do menino que quem tem culpa também era o pai, porque ao invés de falar pro filho que correr é perigoso, além do mais estava atrapalhando quem queria dormir e tudo o mais. E antes que ele abrisse a boca, falei que, se não parassem a discussão agora, todo mundo ia atrasar pro trabalho porque já ia chamar a polícia, cujo koban fica a duzentos metros de casa.

Cada um acabou indo pro seu canto e o menino pelo menos parou de acordar todo mundo. O coitado do rapaz, no dia seguinte, perguntou ao namorido como é que eu sabia tão bem inglês, essas coisas e agradeceu. Só que, coitado mesmo, ele acabou mudando-se no mês seguinte, por causa do trabalho.

Quem pensou que depois deste incidente, a coisa parou por aqui, enganaram-se. Sabemos que criança nunca pára quieta, mas confesso que, se eu tivesse um destes, eu devolvia alegando defeito de fabricação. O menino era tão hiperativo que, se o prédio não desabasse, então nem terremoto abalaria. Uma vez eu pensei que ele fosse derrubar a parede que divide os apartamentos, de tanto que ele chutava.

Acho que, o fim da picada mesmo, que levou a família a ser convidada a mudar de casa, foi uma noite em que voltamos de um jantar (bem, yakiniku, onde sempre costumávamos ir) e nosso vizinho de andar chegou para nós, desesperado. E uma música pra lá de alta. Pelo que entendi (estava com sono e, bem, de ressaca porque tomei cerveja naquela noite), nosso vizinho tinha tentado chamar a gente indo no nosso apartamento para irmos chamar a polícia.

Explicando:

- O vizinho estava fazendo uma festa de arromba com os compatriotas;

- A música e a conversa estavam em níveis pra lá de toleráveis;

- Os sapatos dos convivas ocupando metade do corredor do segundo andar;

- Detalhe: era pra lá da uma da manhã, e metade da vizinhança já estava indo pro koban registrar queixa por desordem na paz noturna. Sim, aqui, lei do silêncio, depois das dez da noite.

Resultado: a polícia acabou indo no prédio, foi falar com o distinto morador que, sei lá se entendeu ou fez pouco caso, mas sei que na semana seguinte tudo voltou ao silêncio. Sim, a família acabou mudando por ordem da imobiliária - teve mais gente que acabou indo registrar reclamação lá.

Eu sei que muita gente vai falar que seria preconceito, coisa similar e tals, mas em qualquer lugar do mundo, quem mora em apartamento, casa "germinada" (tá bom, geminada, mas sou do interior e a gente costuma falar assim), já tem que se preparar que vizinho barraqueiro existe e estou tendo essa comprovação desde que mudamos pra Yokohama.

Como até hoje ninguém nunca reclamou da gente, apesar de eu e namorido, quem olhar pensam que somos um casal japonês até abrir a boca, explico porquê:

- Sempre fazemos o máximo possível pra não fazer barulho dentro de casa. Tá, teve algumas noites que voltei dos nomikai da firrrrrrrrma e quase derrubo o porta guarda chuvas que tenho na entrada e algumas vezes que errei no timer da máquina de lavar pra funcionar automaticamente antes de eu acordar, e a dita começou a funcionar as cinco da matina...

- Certo que a tevê em casa funciona só quando eu acordo e antes de dormir. Dia de minha folga nem fico em casa. Ver programação perdida (leia-se os doramas), eu torrento só que levo algum tempo pra assistir depois. Mesmo quando assisto algo via computador, uso fone de ouvidos mesmo.

- Fazemos o possível para jogar o lixo no dia certo. Confesso: teve um ano que esqueci de jogar o lixo queimável no dia do meu bairro e tivemos que ir ao outro lado da cidade para jogar, pois o calendário varia de bairro pra bairro. Detalhe: era final de ano...

- Não fazemos reuniões de tapaué, jantares, chá das cinco e similares em casa, e quando acontece é de vez em nunca. Antes que me chamem de antissocial (será que assim que se escreve na nova ortografia confusa?) ao infinito, explico: nosso apertamento é apertamento mesmo, do tipo: chegou visita, a mesma corre o risco de ficar na varanda. Não estou exagerando.

Nesta semana que passou, estava conversando com um amigo meu que sofre o drama da vizinhança. Um vizinho lesado resolveu usar o aspirador de pó em plena madrugada. E ele quietinho sem falar nada. O dia que, no dia da folga, lá pelas oito da manhã, foi fazer limpeza e a vizinhança começou a bater na parede e no teto por causa da máquina de lavar. E os outros usarem aspirador de pó no meio da madrugada, pode, né? Em breve, neste mesmo sítio, a parte três, que talvez chocará os amantes da ecologia, que vão querer me espancar e usar como adubo orgânico, mas haverão de convir que tudo o que é em excesso...

Wednesday, May 26, 2010

What The Hell Is It???

Voltando de um final de semana totalmente tenebroso (trabalhar no sábado, encarar viagem no domingo, um evento cuja organização ficou algo a desejar, e noite mal dormida), vamos lá que sempre neste pobre mas limpinho sítio tem as temidas "pílulas de conversa fiada pra quando acaba o assunto numa roda quadrada de bar"...

Bom, sempre me achei um tanto cheinha, com alguns quilos acima do peso normal e na minha atual situação, shorts (ou "hot pants" como se diz aqui) nem na próxima encarnação. Depois que fui em alguns eventos, perto de uma e tantas, até que eu tenho que dar graças aos céus que ainda minhas roupas cabem em mim sem ficar sobrando dos lados. Mas depois que vi no noticiário sobre as apresentações no Tokyo Girls Award, nem falo mais nada.

O evento, que traz sobre moda e música para jovens mulheres, teve lugar no Yoyogi Stadium (sim, o mesmo onde a lesada autora aqui foi no show do digníssimo Masaharu), no dia 22 de maio que passou. Mesmo se eu quisesse dar uma espiada, teria que ter comprado antecipado e pedido folga, mas como existem eventos que eu passo batido, então deixa pra lá...

Uma conhecida minha bem que queria ter ido, mas foi a questão do ingresso. E além disso, tanto eu como ela fizemos confusão do evento: jurávamos que era o Tokyo Girls Collection, que também faz no Yoyogi Stadium, mas é duas vezes por ano.

Sobre o evento do sábado, pelo que vi depois no Mezamashi Seven de segunda, além do desfile de moda primavera-verão com as modelos mais badaladas daqui do Japão (como Marie, Nozomi Suzuki, por exemplo) e menos cotadas, tem os shows musicais, como o Junsu (do finado ou não Tohoshinki), Thelma Aoyama, Nana Nishino, SoulJa, Meisa Kuroki...

Muito embora a performance de Meisa tenha sido muito boa (sim, além de ser atriz, ela canta), apesar da parte de cima quase estourar os airbags que estavam insistindo em sair do top, quem roubou a atenção do público, mídia e até agora está nos noticiários, sim, ela mesma - Erika Sawajiri.

Ela também canta, tanto que em uma de suas novelas - "Taiyo no Uta" - ela quem compôs as músicas, sob pseudônimo da personagem que fazia. Se não fosse o vexame que deu há dois anos atrás na coletiva de imprensa na divulgação do filme "Closed Note", talvez não tivesse ficado com a imagem tão queimada assim. Só que no evento de sábado, ela apareceu de surpresa, vestindo uma roupa prateada e com um short tão curto pros padrões daqui, que, o que mais chamou a atenção não foi tanto pela vestimenta, mas pelo traseiro que estava mais mole do que gelatina desandada quando andava.

Antes que vocês me chamem de invejosa, complexada, de mal com a vida, deixa eu explicar: eu assumo que tenho sim, celulite, mas que posso fazer? Mas também tenho bom senso - tanto que faz um bom tempo que não uso um biquini e vou me esturricar em Enoshima, sob o medo de passar mais vergonha do que já tenho. Quem sabe eu perdendo mais cinco quilos, depois a gente conversa.

Quando ela apareceu ao palco - dublando sua nova música - o que foi mais comentado nem foi sobre a dublagem nem sobre a roupa, mas sobre o traseiro caído. A ironia é que ela fez comercial de uma clínica de estética muito conhecida aqui e sei lá eu se a situação não ficou constrangedora. Se bem que nos outdoors o pessoal deve ter usado e abusado de Photoshop sem dó nem piedade nela...

Nem sei se o pessoal tinha se tocado, mas quem era para ser a "mocinha" no filme Battlestar Spaceship Yamato, era Sawajiri. Mas depois de não cumprir os compromissos da agenda da agência que estava e ser demitida, o papel acabou sendo da... Meisa Kuroki. E as duas estavam no mesmo evento de sábado, mas se elas se encontraram nos bastidores, isso ninguém falou nada.

Apesar de terem - claro - fotografado, não consegui pelo seo gugol alguma foto de lá, mas pelo iuchubi, se não retirarem, eis a reportagem de segunda pelo "Zoom in" da Nippon TV, e depois me contem...

Sorry people, esta semana está triste, trabalho direto sem folga, mas se conseguir um cineminha no sábado, quem sabe?

Update em 29 de maio: como eu voltei pra Yokohama ontem a noite, e onde passei dois dias não tem internet ainda (e fazer alguma coisa no celular, nem twitter faço direito), lembrei da mensagem que o @HidePN (do Portal Nippon) tinha passado via twitter há alguns dias e postaram as fotos da Erika, de frente e detalhe da retaguarda, via site Hamusoku, só não reproduzo as fotos aqui em nome do bom senso que este sítio possui e para não vierem postando nos comentários "que maldade, dona Kiyomi".

O Non-Sense do Politicamente Incorreto

Da esquerda pra direita: Eric Idle, Graham Chapman, Michael Palin, John Cleese, Terry Jones e Terry Gilliam - o sexteto genial que quase acabou com a Inglaterra de tanto rir.

Ser atacado por velhinhas delinquentes, aprender defesa pessoal usando frutas, tentar comprar queijo num loja de queijos que não tem queijos, tentar ser convencido que o papagaio morto apenas está dormindo, essas são uma pequena amostra do que o sexteto britânico Monty Python aprontou em suas esquetes no final dos anos 60 para início dos anos 70.

Tá, eu sei, na trupe tinha um americano, mas isso não importava, afinal, o mote do sexteto era diversão, piadas de humor ácido, humor negro, paródias, e o mais legal - o non sense. Pra entender as piadas do grupo nem precisava queimar pestanas e matar o tico e o teco para isso. Só de ver as cenas, já era de chorar de rir.

Uma das piadas que muita gente nunca ouviu em mesa de bar, em festas de família, era a esquete do Papagaio Morto ("The Skecht Parrot" ou "The Dead Parrot"), muito visto no iuchubi da vida. Pra quem não sabe, um consumidor danado da vida (John Cleese) vai a um pet shop reclamar ao balconista (Michael Palin) que lhe vendeu um papagaio... morto! Daí para ser convencido pelo balconista que o papagaio (tá, era uma arara azul empalhada, mas não vem ao caso) estava apenas descansando, sai uma saraivada de cenas hilariantes.

Outra que os mais chatos radicais vão falar que é maldade ao cubo é "Auto Defesa Pessoal Usando Frutas Frescas" ("Self Defense Using Fresh Fruits"), em que o instrutor ensina aos alunos de como se defender de meliantes que usam frutas de uma forma nada ortodoxa!

Sabiam que a palavra "spam", usada para designar aqueles e-mails indesejáveis, tais como correntes de orações, como todo mundo recebe, veio de uma esquete do grupo?

O sexteto era formado por cinco britânicos (Graham Chapman, John Cleese, Terry Jones, Eric Idle e Michael Palin) e um americano-que-tornou-se-britânico Terry Gilliam. O nome do grupo de humoristas, Monty Python, vem de Lorde Montgomery, lendário militar da 2a. Guerra e o "python", bem, eles queriam algo que não era pra fazer sentido mesmo. Durante o final dos anos 60 pra metade dos anos 70 eles aterrorizavam e matavam o pessoal da BBC (a grande estatal televisiva inglesa) com suas esquetes. Quem puder assistir a qualquer uma das esquetes que fizeram na série "Monty Python Flying Circus", vale muito a pena.

E acham que eles ficaram somente na TV? Apesar de terem feito bons filmes, o melhor mesmo é o surreal "Monty Python em Busca do Cálice Sagrado". Além da sátira da saga do Rei Arthur e seus cavaleiros da Távola Redonda em busca do Santo Graal, existem cenas antológicas, como o Cavaleiro Negro, os Cavaleiros que Dizem Ni e o coelho assassino. Sem falar também o uso de côcos (sim, a fruta!) para simular a cavalgada, já que eles não tinham cavalos.

O humor negro e caústico da trupe não parava por aí. Graham Chapman tinha revelado em uma entrevista sobre sua opção sexual e os outros membros sabiam e davam apoio. Teve uma senhora sem senso de humor algum que enviou uma carta para a produção do programa com vinte páginas de orações junto para que "expurgasse o mal que havia no grupo, e que sentia-se decepcionada pelo fato de ter um homossexual", aquelas coisas todas, maaaaas não soube dizer quem era. Eis que Eric Idle enviou a carta resposta para a tal mulher dizendo "pode ficar tranquila que a gente descobriu e o matamos". Na última temporada do "Flying Circus", Cleese teve que pedir afastamento, fazendo a mulher acreditar que eles levaram a sério mesmo na carta resposta.

A trupe acabou mesmo em 1989 devido ao falecimento de um deles - Graham Chapman, que no filme citado, fazia o Rei Arthur. A trupe não foi ao funeral, em respeito a privacidade da família do falecido amigo, para que a mídia não fosse fazer aquele circo devido a reunião, mas resolveram fazer um memorial junto a família de Chapman, com um discurso daqueles, que John Cleese fez na cerimônia, incluindo todas as metáforas utilizadas sobre a morte na esquete do papagaio, era obvio que mesmo na tristeza, eles nunca perderiam o bom humor. Na verdade, Cleese ia fazer um discurso sério, mas achou melhor fazer de uma forma humorada, pois "Graham nunca iria me perdoar" sob consenso geral da familia e do restante do grupo.

Muito embora os cinco remanescentes trabalham em projetos paralelos, a temporada completa de "Flying Circus" continua a venda ou nas locadoras, bem como os filmes que fizeram enquanto grupo. Não é exagero de ninguém [que já viu, ouviu e riu do grupo], mas "Monty Python em Busca do Cálice Sagrado" é hilariante.

Se alguém vier com "conhece a última do papagaio", pergunte a ele se é do papagaio morto. Se a resposta for positiva, sinal que ele conhece o Monty Python. Caso contrário, bem, faça-o assistir ao vídeo da esquete do papagaio e de quebra também as demais. Caso mais extremo, o filme inteirinho do Cálice Sagrado, pois não ter senso de humor (inteligente) é de matar qualquer um.

Quem influenciou o grupo Monty Python, foram os Beatles, tanto que o grupo chegou a pedir ajuda a George Harrison para financiar dois dos mais conhecidos filmes deles - "O Sentido da Vida" e "A Vida de Brian" - porque ninguém queria arriscar. Mas isso antes, Harrison chegou a fazer uma ponta no filme-paródia "All You Need Is Cash", como o repórter que escarafunchava a vida do grupo (ficticio) The Rutles.

O finado programa "TV Pirata" (um clássico da tevê brasileira, ô, saudades! ) seria um dos herdeiros direto do humor de Monty Python. Esquetes, paródias e non sense poderiam vir de onde? Uma pena que o programa acabou, pois foi um dos poucos programas que a Venus Platinada conseguiu ter do melhor.


Quem quiser ver os vídeos das esquetes mencionadas e mais um pouco, o grupo mantém um site onde tem tudo sobre eles mesmos - o Pythonline, o qual os membros remanescentes já fizeram a conta no iuchubi para que todo mundo possa ver sem temer que vão tirar do ar.

Friday, May 21, 2010

A 31a. Edição do Design Festa em Tóquio

Cartaz oficial do Design Festa Vol. 31 no Tokyo Big Sight...

Eu sei que estou bem atrasada, mas domingo que passou, acabei é passando a tarde num dos maiores eventos artísticos do Japão, inclusive reconhecido pela mídia internacional (er... no Brasil alguém ficou sabendo via jornal ou mídia?). Sim, fui na 31a. edição do Design Festa, um dos eventos que compreende tudo o que tem de artista novo ou veterano em matéria de desenhos gráficos, fotos, ilustrações... e tudo num grande espaço que é o Tokyo Big Sight, cujo nome já diz tudo.

Tokyo Big Sight, também onde foi feito o 24 Hour Television no ano passado.

Por que fui descobrir só agora depois de 11 anos no arquipélago?

Vão me dizer que é desculpa esfarrapada, mas eu sabia do evento desde que mudei-me para Yokohama e trabalhar em Tóquio. Como eu costumo passar em outros bairros antes de ir pro trabalho, acabo conhecendo outros lugares e sabendo de alguns eventos. Numa destas idas e "batidas de perna" por Yokohama-Kawasaki-Tóquio é que acabo descobrindo alguns lugares inusitados. Tá, muita gente vai dizer que "bicho do interior só vai na cidade grande?", mas que posso fazer se meu fator tempo, folga e bufunfa nunca coincidem? Têm lugares baratos, de graça e que pode se divertir? Claro que tem! Mas voltando...

Tenho twitter (qualquer coisa é @kiyomiiwasaki), e foi através dele que avisaram sobre o Design Festa que teve em Tóquio nos dias 15 e 16 de maio. Como domingo estava de folga mesmo e com o dever cumprido no meu apertamento (leia-se: ter ido buscar a dita bicicleta, feito limpeza e organizado algumas coisas), comprei antecipado o ingresso (felizmente fiquei sabendo sábado a noite e moro ao lado de duas conveniências) e fui pra Tóquio.

Algumas vezes fui para o Tokyo Big Sight mas só quando às vezes têm bazares, e olha que fazia um bom tempinho que não ia. O bom de ir nesses eventos, é que você encontra cada tipo de figura e cada estande que você acaba esquecendo dos problemas e de que no dia seguinte tem que ir pegar no trabalho. Pra mim, funciona. Mesmo quando eu ia nas famosas feiras de informática em Sampa, a trabalho, eu me divertia.

O Design Festa (site aqui em inglês pra quem quiser saber mais ) existe desde 1994 - feita duas vezes por ano (não confundir com o Design Festa Gallery, que esse fica em Harajuku). Reúne o que tem de novo (ou pero no mucho) em matéria de arte: desde cartões postais passando por jóias, roupas, acessórios, murais, decoração e até dança, música, animação e teatro. Não somente japoneses, mas outros países também, mas confesso que nesta edição não encontrei um estande brasileiro. Ou eu que passei batido, pois o evento tinha tanto estande que tiveram que fazer em dois andares do local.


Cartões ilustrativos bem cuti-cuti e uma escultura em papier-mache, dando um tom alegre nos estandes do local...

Um outro estande com as expositoras e um dos murais sendo feito na hora..

Fica difícil descrever o que realmente o evento traz duas vezes ao ano, mas quem tiver algo diferente e interessante, pode-se fazer a inscrição no site informado desde que tenha boas idéias, algo interessante e dinheiro, pois nada é de graça. Sem falar de comidas exóticas (algo que desta vez nem fui experimentar, na verdade estava com o estômago meio ruim e fiquei com receio de que comer alguma coisa poderia resultar em catástrofe, já que até tomando água já era motivo de revirar o estômago).


Música ao vivo (possível candidato a cantor indie?) e quadros mostrando as modernas colegiais roqueiras em contraste com a arte do Japão antigo.

Uma ilustração que eu achei muito "cutie" e um outro mural ainda sendo preparado...

Bonecos e cartões postais feitos manualmente. Alguns até desenhavam NA HORA...

O interessante é dar uma passadinha no site e no blog e pelo menos ir em uma edição, já que o ingresso não custa aqueeeeeeeeeela fortuna. Não sei vocês, mas para mim, a tarde de domingo já valeu a pena (apesar de eu ter ido sozinha e naquele dia namorido estava trabalhando).


Bonsais. O interessante eram as libélulas que eram feitas de sobras de madeira usada para construções. E ao lado uma boneca que, se estivesse a venda, o Alexandre (do "Lost in Japan") iria levar pra casa.

Cerâmicas e doces feitos de... cera! Sim, os cupcakes foram feitos de cera para serem velas. A, que dó eu teria de usá-las...


Não gosto de tirar fotos comigo mesma (olha o desastre!), mas tudo porque eu estava tentando tirar a foto da Kodansha Famous School (a Kodansha é uma das editoras de Shojo Manga aqui do Japão) e a expositora queria que queria tirar uma foto minha...

Acreditem: tudo isso foi feito de papelão devidamente reciclado! A foto da esquerda, o bolo girava. A da direita, as plataformas dos casais de noivos também...

Para quem quiser ir na próxima edição, vai ser nos dias 6 e 7 de novembro, no Tokyo Big Sight, no salão oeste (West Hall) e no pátio. Se o preço não mudar, acho que vale a pena comprar antecipado:
- Para dois dias: antecipado (Lawson Ticket, Ticket Pia e CS Ticket) 1500 ienes; na hora sai 1800 mil ienes.
- Quem quiser ir somente um dia: antecipado 800 ienes e na hora sai 1000 ienes.

Como chegar:
Rinkai Line [7 minutos a pé da Kokusai-tenjijo Sta.]
* Osaki (JR) ←13 minutos→ Kokusai-tenjijo ←5 minutos→ Shin-kiba (JR, Metrô)
- Direto de Osaki vindo de Omiya pela JR Saikyo Line.
Yurikamome [3 minutos andando de Kokusai-tenjijo-Seimon Sta.]
* Shimbashi (JR) ←22 minutos→ Kokusai-tenjijo Seimon
* Toyosu (JR,)←8 minutos→ Kokusai-tenjijo Seimon
Temos as opções de ônibus, carro e até barco. Mais detalhes aqui.

Thursday, May 20, 2010

Situações Constrangedoras

Ou: Meus vizinhos são O terror - Parte 1

Quando leio e/ou ouço histórias sobre problemas com vizinhos aqui e acolá, ninguém sai incólume. Ou você é o acusado ou você é a vítima. Se bem que desde que me conheço, (quase) sempre fui a vítima. E ninguém venha me dizer que sou a "coitadinha, pobrezinha, ai que dó" que não é nesse sentido que eu estou querendo dizer. Por mais que a gente tente fazer as coisas na maior tranquilidade, para o bem estar de si e da vizinhança, não tem jeito: sempre tem um vizinho pra acabar com o seu dia.

E muita gente pensa "ah, mas isso acontece com os outros". Pois é, até antes de vir morar no Japão eu pensava quase a mesma coisa. Motivo: a casa onde morei com meus pais, acredite, não tinha casa vizinha nem ao fundo e nem ao lado. Do outro era um depósito que dividia a casa dos meus pais com a dos meus tios. Tirando o inconveniente do botequim que ficava em frente de casa em dia de jogo de tal time (não revelo sob risco de ser espancada), cuja comemoração exaltada a base de fogos de artifício nos custaram um vidro da sala e algumas telhas quebradas. Detalhe: moravámos em um sobrado.

Quando vim morar aqui no Japão, fui advertida de que as casas possuem paredes finas a ponto de conseguir ouvir até os passos da formiga atacando o doce da casa vizinha, então eu teria que me controlar pra ouvir música. Não que quando estava na casa dos meus pais eu botava o som no talo, mas também vivia dormindo com o som ligado. No volume mínimo, mas mesmo assim no dia seguinte ouvia: "dormiu com o rádio ligado de novo???"

Em Hyogo, ainda foi bem tranquilo, apesar de dividir o apertamento em quatro mulheres, nunca tivemos problemas com vizinhos porque não tínhamos vizinho algum nem no andar de cima e nem ao lado!!! Acreditem, se quiser. Quando juntamos as escovas de dentes, eu e namorido fomos morar em Kanagawa, num prédio de quatro apartamentos. O nosso ficava no segundo andar, o que tínhamos que tomar cuidado na hora de andar, pois o vizinho de baixo era um casal de idosos que se vi a cara deles dá pra contar nos dedos pelo tempo que moramos lá. Sério. Mas também nunca tivemos problemas, apesar do vizinho de baixo roncar no meio da noite às vezes de uma forma que eu até ficava com medo d'ele ter um treco.

Agora, no atual prédio onde moramos, são dez apartamentos, sendo cinco em cima e cinco embaixo. Moramos no segundo andar. O que nunca tivemos de problemas nos dois apartamentos anteriores, resolveram juntar tudo no atual. Logo que nos mudamos, achávamos que nem vizinho ia ter, pois quando nós alugamos, dava até pra escolher. Mas preferimos o que ficava perto da escada, o que facilitou (em termos) na hora de subir a mudança. Ledo engano.

Logo na primeira noite em que apenas colocamos a mudança e do jeito que estávamos, fomos tirar um cochilo, ouvimos gemidos, gritos e madeira rangendo. Até pensei que estivesse delirando, pois justo no dia seguinte à mudança, eu tinha exame de proeficiência em língua japonesa e nem tinha dormido nada, além disso estava com resfriado e sintomas de febre (e fiz mudança mesmo assim). Tevê ligada não era pois a dita nem tinha saído da caixa da mudança. Eis que namorido solta a pérola: "pois é, o vizinho do lado está fazendo a dança do acasalamento".

Nada contra um casal se amar intensamente, mas convenhamos, do jeito que aqui as paredes são finas e o pessoal tem um ouvido sensível, o que pra alguns poderia ser algo prazeroso, para outros acaba se tornando uma cena constrangedora. Até mesmo pra quem tenta se concentrar na hora em que também se consome o fato, se é que me entenderam. Pior que quando se trata de s-e-x-o, nem temos a cara de pau de ir reclamar na imobiliária.

O ruim era que o casal fazia tudo na sala. Como sei? Oras, vi na planta quando fomos na imobiliária e também pela lógica: no prédio onde moramos, a parede da sala de um é parede do quarto do outro e por aí vai. O que significa que, nem pensar em deixar a TV em um volume razoável a uma certa hora da noite e tentar fazer as coisas no silêncio. Só que o casal vizinho ao nosso preferiam fazer tudo em volume alto e bom som. Sem falar que às vezes no meio da madrugada, acordávamos com os berros do casal. Isso mesmo: sessão sadomasô! Que mais faltaria?

Nunca ficamos tentando descobrir, mas um mês e tanto depois que nos mudamos, o casal mudou-se. Juro que não fomos nós que reclamamos na imobiliária, mas pelo que ficamos sabendo, o prédio onde moramos a maioria dos moradores ficam no máximo um ano e olhe lá, mas tem um casal que mora na outra ponta que está há mais tempo que nós e um casal que mudou para o andar de baixo ao nosso alguns meses depois que a gente, ficou seis anos.

E acreditem: nunca, mas nunca mesmo chegamos a ver a cara do casal vizinho. Não sei se porque eles saíam pro trabalho muito antes que a gente ou muito depois, ou voltavam pra casa muito antes que a gente. Vai saber...

Antes que me perguntem: não, ninguém nunca reclamou na imobiliária da gente pelo fato de chegarmos tarde em casa (devido tabalho), ter uma noite de diversão, ligar o rádio às seis e meia da matina pra ouvir a previsão do tempo e o tráfego de trens, ouvir noticiário em som razoável, e ouvir música enquanto navego na internet ou faço serviço doméstico, senão até os vizinhos já iam bater na porta de casa e recebermos cartas da imobiliária nada agradáveis (receber, todos os moradores recebem, mas é sobre conscientização de jogar lixo certo na data certa, não estacionar o carro na vaga do outro, mas como é pra todo mundo, então nem falo nada).

Logo logo a parte dois. Fui lembrar do episódio ao ler o post de Desabafando e também relendo o post das Garotas que Dizem Ni.

Tuesday, May 18, 2010

Formas de Divulgar um Programa ao Vivo

Estou pra conhecer grupo mais cara-de-pau (no bom sentido) que o Smap.

Tudo bem, que eles foram formados através da agência que mais "fabrica" boy bands em todo o Japão, mas com o passar dos anos, o hoje quinteto tem um elo tão forte, mas tão forte, que mesmo com os incidentes que aconteceram, permanecem firmes e na ativa. Apesar de terem corrido o risco do programa semanal acabar devido a concorrência (leia-se os três ou quatro programas que o também quinteto Arashi começou a aparecer em quase todas as emissoras), os cinco que já estão quase na casa dos "enta" (principalmente Masahiro Nakai e Takuya Kimura), continuam com o programa semanal e em separado.

Quando eu digo que o quinteto é cara-de-pau, não estou exagerando. Acompanho o programa desde 1998, dentre um quadro ou outro, os cinco "aprontam": parodiam todo mundo sem dó nem piedade (novelas da Fuji, atrações de outras emissoras, comerciais, artistas internacionais, como a Beyonce, o Beckham, e a série "Sex and the City", artistas locais - nem Masaharu, Kumi Koda e Ayumi Hamasaki escaparam), inclusive eles mesmos. Se tiver outro programa semelhante, me avisem (muito embora o Arashi possui três ou quatro programas, na minha opinião, o do Smap, que é só um, dá de dez a zero).

Dia 19 de abril, no matutino da Fuji TV, o Mezamashi Terebi, durante o anúncio da previsão do tempo (as 7:15 da manhã), por trás da apresentadora (que geralmente faz o anúncio da previsão tempo ao vivo e bem ao lado de fora do estúdio em Odaiba), alguém aparece bem ao longe com um cartaz cobrindo a cabeça, saltitando acompanhando a música de fundo (esta temporada é a música do Keisuke Kuwata) e o pessoal que estava dentro do estúdio estava se matando de rir.

Lembram da foto que coloquei no final da matéria sobre o Mezamashi Terebi? E também da enquete que fiz? Então...

Eis que bem mais perto, é o cartaz de anúncio do especial "Honto ni atta koi no hanasu", que foi exibido no dia 19 as nove da noite. E por trás do cartaz - sim, ele mesmo - Takuya Kimura, que apareceu de surpresa com cartaz e tudo para divulgar o especial de dez histórias de amor verídicas, que os telespectadores enviaram para o programa "Smap x Smap" e o quinteto resolveu passar em forma de novela.
Sim, ele mesmo: Takuya Kimura. O galã divulgando o especial de Smap X Smap - "Honto ni Atta Koi no Hanasu" (ou: Contos de Amor Verdadeiros, tradução literal).

Na verdade, o quinteto às vezes aprontam destas: aparecer de surpresa no programa Mezamashi ou no Tokudane. E pra acontecer isso, uma ou duas semanas antes, durante o programa semanal deles, resolvem usar jogos "de família" para ver quem seria a cobaia... ops, o felizardo a ir nos estúdios da Fuji TV de Odaiba logo de madrugada. Geralmente a vítima, ops, o sorteado era o líder Masahiro Nakai, que já perdeu até as contas de quantas vezes apareceu no Mezamashi Terebi e no Tokudane Times para divulgar o programa deles (geralmente quando é especial de 4 horas ao vivo).

Dois dias antes, no sábado, o grupo fez um programa especial sobre os cinco melhores quadros do ano passado, a divulgação das dez histórias e comentários. Daí, teriam era que divulgar ao vivo em algum programa e pela data e horário sobrou o Mezamashi Terebi e o Tokudane Times na segunda mesmo, pela matina. E quem se arriscaria a fazer a tal tarefa, de livre e espontânea pressão, apesar de terem "passe livre" na FujiTV?

Tradução literal: Sorteio pra quem será a cobaia para ir no dia 19 de abril ao vivo.

Pergunta pra um, pergunta pra outro e lá vem os cinco com cada desculpa esfarrapada (as mais convincentes talvez fossem do Katori, pois toda segunda bate ponto no programa do meio dia "Waratte iitomo" e do Kimura porque além de duas filhas, está fazendo novela e naquela semana estava na rádio no programa diário "Ohayou Smap!", porque o resto...), então, pra resolver o impasse de uma vez por outra, resolveram fazer um sorteio mesmo.

Sorteio no jan-ken-pô? Palitinho? "Yubisuma" (criado por eles, tipo par ou impar, mas usando os dois polegares)? Uni-duni-tê? Quase foi isso. Quem é maiomeno da minha idade, alguém lembra daquele brinquedo que no Brasil era o "Pula Pirata"? Era um barril com um monte de furos com um bonequinho dentro. E as espadinhas para colocar nos furos. Se o bonequinho pular, perde.

Pois é, não é que eles resolveram tirar a sorte nisso? Quem lembra do brinquedo, sabe muito bem: vai espetando as espadinhas no barril, se o bonequinho pular, perde.

Mas quem seria o primeiro a arriscar, ninguém se candidata, né? Resolveram primeiro no jan-ken-pô para definir a ordem de quem espetaria o barril. Quem acompanhava os programas do quinteto (não necessáriamente todas as semanas), os mais azarados em matéria de sorteio eram Nakai, Tsuyoshi Kusanagi e Goro Inagaki. Quem estaria doido para ver um dos três aparecer ao vivo no Mezamashi e no Tokudane, era o Katori (queria só ver se ele gostaria de ir se ele fosse sorteado).

No especial de sábado dia 17 de abril: no final do jan-ken-pô para quem vai começar a brincadeira do Pula-Pirata. Na ordem: 1- (Goro) Inagaki; 2- (Tsuyoshi) Kusanagi; 3- (Takuya) Kimura; 4- (Shingo) Katori; e 5- (Masahiro) Nakai. As cores são as que eles costumam usar nos uniformes do Bistro, mas Nakai só arrisca como chef na hora do aperto mesmo, pois ele é o maître.

A cara de alívio e alegria de Inagaki ao escapar na primeira rodada (por enquanto, pois se chegar até o Masahiro Nakai e o bonequinho não pular, começa tudo de novo).

Kusanagi também escapou. Pra tristeza do Shingo que queria ver o amigo no Mezamashi TV ao vivo e em cores.

Mas na hora do Kimura... o bonequinho resolveu pular na vez dele!

... pra alegria dos quatro e tristeza de um: afinal, ir na segunda de manhã, acordando com as galinhas pra aparecer na Fuji TV, ninguém merece. Afinal, alguém teria que ser a cobaia, ops, o voluntário sob pressão pra fazer alguma coisa, e como quase sempre o Kimura escapava de algum castigo, agora...

Eis que o bonequinho pulou quando foi a vez de Takuya Kimura. Ele mesmo. E quase sempre escapa de ter que fazer alguma prova ou pagar algum castigo, mas desta vez sem choro nem vela, todo mundo viu e foi gravado. E pelo jeito dos quatro terem caído em riso compulsivo, realmente já estava na hora do Kimura pagar mico, ops, fazer alguma coisa (ou como diria minha amiga Elisa, seria maldade fazer uma coisa destas com um pai de família, mas como sorteio é sorteio...).
Tokudane Times, ao vivo, no 7o. andar do prédio da Fuji Television. Enquanto Takeshi Amamatsu estava falando sobre as variações climáticas, olha quem estava atrás do catavento. E o Amamatsu nem se tocando do que estava acontecendo. E Kasai-san e Ogura-san rindo no estúdio.

E fez: na maior cara-de-pau aparecer no meio da previsão do tempo no programa Mezamashi Terebi com o cartaz de divulgação, ser entrevistado ao vivo por Norikazu Ohtsuka para comentar sobre o programa que seria as nove da noite, nem no Tokudane Times, teve escapatória: enquanto estava transmitindo a previsão do tempo, Kimura estava escondido atrás do catavento, e o apresentador Takeshi Amatatsu nem se tocando que o pessoal do estúdio do noticiário (inclui os veteranos apresentadores Shinsuke Kasai, Minako Takano e Tomoaki Ogura) estavam se matando de rir.
A surpresa do apresentador Takeshi Amatatsu quando olha pro galo do tempo e atrás dele quem? Quem?

E transmitido tudo AO VIVO, como assinalei na bolinha laranja ao lado direito...

Shinsuke Ogura, o apresentador do Tokudane Times, se matando de rir com a aparição do Takuya Kimura pra divulgar o programa mais a noite.

Muita gente pode achar estranho, ainda mais aqui no Japão, mas há de convir que foi uma das divulgações mais originais que eu vi (se teve outro, me falem). Se fosse no Brasil, não sei, mas do jeito que o pessoal do "politicamente chato" é, no dia seguinte baniriam o ator ou atriz da grade de funcionários da emissora.

Tá, eu sei: na enquete eu também nem dei tantas dicas, mas se eu desse mais do que precisasse, ia ter gente que ia acertar logo na primeira, tais como: é campeão de audiência em novelas, campeão de comerciais, primeiro lugar na preferência da mulherada na enquete anual da revista an-an, mesmo vestido de poodle rosa na enquete "Petto no P-Chan", e usando salto alto, peruca longa e unhas postiças como a gyaru Shinobu-chan ou a paródia de Carrie Bradshaw...

Se o iuchubi não retirarem do ar, a parte um e a parte dois do episódio do Mezamashi TV e do Tokudane Times, porque do programa do dia 17 de abril, infelizmente retiraram do ar.

Monday, May 17, 2010

Fim da Enquete! A Revelação...

Lembram da enquete que eu fiz somente pra distrair um pouco os leitores, pois já basta a semana toda trabalho, trabalho, trabalho, problemas, trabalho, trabalho, pepinos, trabalho... Pois é, promessa é dívida, então hoje estou postando o resultado.

Pelo jeito o pessoal arriscou mesmo, sem dó nem piedade. Quem leu e viu, fiz a apresentação dos quatro candidatos, mesmo quem nunca ouviu falar deles, o pessoal foi fundo! Isso que eu gosto, a gente tem que arriscar, mas infelizmente, eu não ofereci prenda, mesmo porque eu não sou boa pra sortear, fico com dó.

Pra relembrar: na matéria sobre o programa matinal diário, o "Mezamashi Terebi", volta e meia acontece de algum artista aparecer de surpresa, sem que alguns não saibam. No dia 19 de abril deste ano, enquanto a apresentadora anunciava a previsão do tempo, ao vivo do prédio da Fuji Television, em Odaiba, atrás dela aparece um rapaz, cobrindo o rosto com um cartaz.
A pergunta foi: quem era e o que estava fazendo?

A resposta (agora vocês vão me bater, espancar, enfiar num espeto e me assar num rolete pra alimentar metade de um mundo):

[Musiquinha da 5a. Sinfonia de Beethoven, só pra fazer suspense...]

Tcharans!!! Sim, ele mesmo. O onipresente em comerciais, novela com ele a audiência sobe, o sempre primeiro colocado nas enquetes da revista "an-an" como o homem mais votado da mulherada (tá, dos homens também, que seja) - Takuya Kimura.

Ele apareceu de surpresa no programa Mezamashi Terebi e no Tokudane Times na hora da previsão do tempo, para divulgar o especial do programa do quinteto - "Honto ni Atta Koi no Hanasu" ou "Histórias de Amor Verdadeiras" - que voltava de férias. Afinal, abril ano novo fiscal, programação nova. Pra quem os boatos corriam solto de que o programa semanal iria acabar devido a concorrência, os cinco voltaram firme e forte!

Agora, como é que o Kimura foi parar na Fuji Television logo pela matina, aí eu deixo pra amanhã...

Meus muito sinceros agradecimentos a Alexandre ("Lost in Japan"), Desabafando ("Desabafando e Sonhando"), Elisa ("Elisa no Blog"), Romina "Bah" ("Bah Blog"), Felipe Nascimento ("Meio Cozido"), Andreia Inoue ("Papiando"), MP Kouhaku, MaiK ("cawaii"), Georgia ("Japão, País do Meu Coração") e muito mais gente que não comentou, mas votou, arriscou, chutou. Espero que ninguém venha fazer em casa fazer leitoa assada. No caso eu.

Só esclarecendo as dicas, tirando que era um homem:

- comercial de cosméticos, todos eles fizeram/fazem - Eita, pela Shiseido "Fog Bar"; Teppei Koike fez da Rohto Seiyaku "Acness"; Takuya Kimura ainda pela Mandon "Gastby"; Jun Matsumoto, pela Kose-Fasio.

- comercial de bebidas, todos eles fizeram/fazem - Eita, pela Kirin ("Kirin Free"); Teppei Koike, também pela Kirin ("Kirin Lemon"); Takuya Kimura, atualmente na Asahi Beverage ("TeaO"); Jun Matsumoto também pela Kirin ("Kirin Beer Green Label", mas junto com os companheiros Masaki Aiba e Satoshi Ohno).

- novela: no ar esta temporada, somente Eita (com "Sunao ni Narenakute", novela criada via Twitter) e Takuya Kimura (com "Tsuki no Koibito ~ Moon Lovers"). "Shibatora", com Teppei Koike já foi novela, mas em final de maio será um especial. E Jun Matsumoto não está com novela agendada este ano, ainda.

- segundo dois amigos meus, quem volta e meia aparece perto de onde me escondo, mas nunca fico sabendo, é o Kimura mesmo. Ele possui uma casa de praia em Kanazawa. Oras, Kanazawa pra onde eu moro não fica tão longe assim, né?

Fotos: A primeira foi via iuchubi e a segunda, via celular dentro do trem, tentando tirar foto do anúncio (por isso saiu do jeito que saiu).

Sunday, May 16, 2010

It's Getting Better All The Time...

Se não melhorar, pior não fica.

Piadas a parte, quem já leu meus posts sobre "como dirigir aqui no Japão e voltar pra casa sem ter o carro batido e inteiro", devem pensar que eu sou péssima pra dirigir. Bem, não é bem nesse extremo, mas depois que transferi a CNH brasileira para a japonesa, eu peguei muito menos o carro do que quando estava no Brasil. Detalhe: no Brasil, apesar de ter tirado carteira de motorista aos 18 anos, fui só guiar um carro mesmo aos 23 anos, devido a este período eu ter guiado motocicleta (tinha moto mas não tinha carro, fui só comprar cinco anos depois).

Depois, quando pega o carro depois de muito tempo, faz aquelas gafes dignas de ficar roxo feito berinjela: deixa o carro morrer no meio da rua, demora pra fazer a baliza, pra guardar o carro na garagem... Por uma semana, sair de carro, só com o meu pai ao lado pra caso de eu fazer alguma besteira. Só que, quem ficava estressado era ele, pois o que eu errava na hora de trocar a marcha, deixava o carro morrer na subida, levava meia hora pra estacionar...

Sabe aquele ditado: é como andar de bicicleta, uma vez que aprende, nunca mais esquece. Tanto que minha mãe preferia que eu levasse ela pra cima e pra baixo de carro do que meu pai e meu irmão mais velho juntos (na época, o mais novo era muito novo e nem poderia tentar pegar o carro escondido, sob pena de apanhar dos dois lados - do meu pai e de mim ahahah). Meu pai era muito nervoso pra dirigir e meu irmão mais velho, bem, deixa pra lá.

Quando vim pra cá e depois que juntei escovas de dente com namorido, por livre e espontânea insistência dele, tirei a famigerada carteira japonesa. Desde que tenho a carteira, dá pra meio que contar nos dedos quantas vezes peguei o carro. Tá, exagero, mas de dez anos de menkyo, de dirigir, poderia ser mais ou menos cinco anos que dirigi. Já cansei de falar que, aqui devido a falta de espaço, as ruas são estreitas, tem poste no meio da rua, tem que disputar a rua com carros estacionados, pessoas andando no meio da rua (devido falta de calçadas), ciclistas, motociclistas...

Hoje, tive que encarar uma ida pra Tóquio via carro mesmo, para buscar uma bicicleta dobravel. Motivo: meu chefe estava fazendo limpeza na casa dele e eis que ele tinha uma bicicleta dobrável, daquelas que, se quiser carregar peso e fortalecer os músculos, eis a bicicleta ideal - carregar a dita pra cima e pra baixo, haja músculo. Bem, pergunta pra um, pergunta pra outro, eis que eu aceitei. E fui buscar, porque, se meu chefe fosse levar até onde eu moro, ia ser mais outra viagem, pois ele mora longe da metrópole.

Já que eu estava de folga mesmo, e namorido me torrando, ops, falando sempre que eu precisaria perder a vergonha e dirigir mais, afinal, ele vive dizendo "pra que tirou a carteira?", então peguei o carro e fui eu, encarar três expressas (Yokohama Shindou, Dai-san Keisan e Shutoko) e, graças ao ETC (Electronic Toll Collection System) instalado e com o devido cartão, não precisei ficar parando no pedágio e ficar se atrapalhando na hora de pagar (sabe, precisar de trocado, as moedas caindo, o braço não alcança...) - mas depois paga na fatura do cartão, né?

O lado bom do GPS é que você não se atrapalha pra chegar ao destino. O lado ruim é que, o GPS do nosso carro está desatualizado e pra comprar o CD de atualização, tenho que ir na autorizada e sabe quanto custa ainda mais nos dias de hoje?! O pior: tem horas que o treco enguiça e até voltar ao normal, já cheguei em casa. Via avenida mesmo.

Bom, antes que o pessoal ache que fiquei pirada, pra quem dirigiu duas vezes no trânsito de Sampa (e ainda se perdeu), dirigir em Tóquio, bem, até que está dando pro gasto.

Ainda mais que 1) o carro ficou comigo depois que namorido está temporariamente em Tóquio e 2) afinal, pra ir ao supermercado e também ao ichiba (equivalente ao Ceasa brasileiro) pra fazer compras de casa, preciso usar o carro.

Saturday, May 15, 2010

Ultimo Dia!!!

Calma, gente. Não é o fim do sítio, nem liquidação de outlet, mas pra lembrar mais gente que a enquete ao lado o prazo está acabando. Pelo jeito, teve gente arriscando mesmo! Isso que eu gosto, pessoal: tem que arriscar pra ver no que vai dar, senão nunca vai saber. Exemplo: comer um espetinho de polvo, bolo de jabuticaba, sorvete de durion...

Eu sei que também teve gente me cobrando pra dar mais dicas, porque não dei muitas. Mas também se eu der, já matam tudo de vez (a charada, o tico e o teco, a autora....), porém, como é o último dia, vou ser boazinha:

1 - Eu disse que a pessoa no círculo aí é homem (tá na cara, né?);
2 - Faz comercial de cosméticos, mas não vou falar qual, porque os quatro mencionados fazem comerciais de cosméticos;
3 - Este ano está fazendo novela (pronto, quem acompanha vai ficar na dúvida de dois);
4 - Falando em comercial, faz comercial de bebidas (não vou dizer qual, mas os quatro fazem);
5 - Agora que o pessoal acerta: dizem que o artista em questão volta e meia aparece perto do bairro da autora lesada aqui e a mesma nunca soube.

E agora?

Thursday, May 13, 2010

Tudo Atrasado....

... mas "vamo que vamo", pois desde segunda-feira namorido kinguio veio matar as saudades da leitoa rosada aqui então, bem, sabem né? Afinal, já estamos na casa dos enta...

Primavera + Maio = Casório? Desde que eu era criança, eu vivia ouvindo das minhas tias que "maio é o mês das noivas". Sei. Desde que eu comecei a ir em casamentos (que, na verdade, o último casamento que eu fui, foi há quatorze anos atrás e dez anos depois o casal se desfez), o único casamento que caiu em maio, foi da minha prima e olhe lá. Pra ver o quanto meus amigos e parentes querem formalizar tudo.

Bom, voltando ao ponto: aqui, até onde sei, sei lá eu se tem mês certo pra casar, mas tem data certa: se o casamento for em data que não é dia bom, não interessa se vai fazer sol, vai estar todo mundo disponível, mas se for dia ruim, nem insistam: eles mudam a data pr'um dia bom. Da mesma forma que os supersticiosos não gostam de sexta-feira treze. Coincidência ou não, maio mal começou e três tarento (no Japão, tarento seria o artista que seria ator, cantor, apresentador, tudo de uma vez só) anunciaram casamento de uma vez só:

1) Hanako Yamada e um rapaz que não faz parte da grade artística: Quem costuma assistir aos programas de TV (como eu), talvez lembrem de uma humorista baixinha, gordinha e bem atrapalhada, vestindo sempre jeans e camisas, parecendo meio moleque e devido as suas toupeiragens, levava alguns tapões na cabeça. Sim, uma das veteranas da Yamamoto Kogyo (agência que forma humoristas), Hanako Yamada, aquela humorista que também apareceu na capa do segundo single do trio Funky Monkey Babys, casou-se no dia 3 de maio, em pleno Golden Week. Que ela já estava namorando, muita gente sabia, mas ninguém botava muita fé, mas quando ela apareceu na coletiva de imprensa mostrando a aliança, ninguém mais duvida. Detalhe: o rapaz não faz parte do meio artístico e ela não revelou o nome por quesitos de privacidade dele. Foto: feita para uma entrevista em 2006. Quando ela quer, Hanako até que consegue ficar bonitinha, se ela se arrumar, como na foto ao lado...

2) Yuri Ebihara e Ilmari (Rip Slyme): A modelo mais conhecida entre as OLs e mulheres em geral, ex-capa da famosa "CamCan", bem que tentou ser atriz (mas segundo más línguas, só pra decorar uma fala foi um martírio), mas o negócio dela é modelo mesmo, sendo capa da AneCam e garota-propaganda da linha de jóias Samantha Silva (da mesma linha da Samantha Thavasa) Yuri Ebihara, a Ebi-chan, fazia um bom tempo que estava tendo um relacionamento sério com o líder e vocalista do quinteto de rap e hip-hop Rip Slyme, o Ilmari (título de curiosidade: é o nome dele mesmo, pois é filho de japonês com finlandesa, nascido na Finlândia mesmo). Resolveram colocar o relacionamento no papel no início desta semana. Festa mesmo, só em junho. Foto: Yuri Ebihara, na divulgação do comercial dos kiwis que fez junto com o ator (meio sumido) Kenji Sakaguchi; e Ilmari, o líder do grupo Rip Slyme.

3) Koji Tamaki e Noriko Aota: Quem lembra de um post perdido meu no ano passado sobre "o lado negro da força", que mencionei o líder do grupo Anzenchitai e a atriz Mariko Ishihara, cujo relacionamento nos anos 80 quase terminou em tragédia, depois voltaram e depois terminaram (parece que Ishihara não tinha se separado de vez com um americano), muita gente esta semana se espantou ao saber que Tamaki estaria de casamento marcado com a ex-C.C. Girls (grupo dos ano 90 com um certo apelo, hã... deixa pra lá) Noriko Aota, que também numa encarnação passada, já foi casada com ele. Sei lá eu, mas o que tem de gente perguntando é pra Mariko Ishihara o que achou da notícia, já que, nos anos 80, ela era amante de Tamaki enquanto era casado com a primeira mulher e quase fizeram um pacto suicida... Foto: a "tarento guravia" (aquelas modelos fotográficos que tem mais peito do que outra coisa) Noriko Aota e o guitarrista e líder do Anzenchitai Koji Tamaki.

Tentando voltar a ser líder de audiência: Quando eu mencionava em alguns posts perdidos que, novela com o Takuya Kimura pode ter certeza que a audiência levanta, eu não estava brincando. Muito apesar que a anterior "Mr. Brain" meio que não convenceu, mas também ficou acima dos 20% requeridos pra audiência de novela que se preze, a que começou na segunda que passou (10), já deu 24%. A novela - "Tsuki no Koibito - Moon Lovers" - também conta com atores de peso como Shouta Matsuda (filho do falecido ator Yusaku Matsuda, quem no Brasil assistiu a "Chuva Negra" de Ridley Scott, foi um dos últimos filmes dele) e Ryoko Shinohara e parte da novela foi filmada em Shangai. Pra não variar, a novela passa toda segunda as nove da noite pela Fuji TV e estou saindo do trabalho. O jeito é apelar pra torrentagem. Foto tirada do site oficial da novela, da esquerda pra direita: Shouta Matsuda, Ryoko Shinohara, Takuya Kimura, Lin Chi Ling e Keiko Kitagawa, os atores principais da nova novela das nove. Detalhe: Shouta tem sangue 1/4 coreano (o pai era metade coreano e metade japonês) e eu confundo com o outro irmão dele - também ator - o Ryouhei Matsuda.

Novo quinteto no mercado? Quem chegou a ver os outdoors nas ruas dos grandes centros, viu que o quinteto KAT-TUN está com novo single no mercado, que saiu no dia 12 agora, isto é, hoje mesmo. Depois de algum tempo meio sumido no cenário musical, apesar de terem sido convidados especiais ( e vítimas na esquete "Utae! Idol Kick Off") no programa do início do ano do Smap, mas teve o fim do programa semanal que eles possuiam (o Cartoon KAT-TUN), eles voltaram. Espera aí: quem conhece o grupo, eles não eram seis? What the hell is it??? Como a autora fala quinteto? Não tá fazendo confusão? Explicando: desde o ano passado, o Jin Akanishi (carinhosamente apelidado pelos desafetos de Jin "Bakanishi", inclusive a autora aqui) resolveu mesmo botar fé em carreira solo mesmo, com uma banda chamada Lands e deixou de participar na turnê asiática e no novo single "Going". O nome da banda vai mudar por causa que o nome da banda é formado pela inicial dos sobrenomes dos integrantes? Obvio que não, pois dá pra usar as duas letras iniciais do Kamenashi... (Sei não, mas conheço uma história semelhante de um quinteto que antes era sexteto...) Foto que consegui via blog de não lembro de quem, mais sairam três edições diferentes com faixa bônus e PV. O da foto é a versão com faixa bônus.

I want braaaaaaaains.... O pessoal que me perdoe, mas não poderia deixar batido. Quando eu achei que em matéria de Beatles o assunto teria muito pano pra manga para muita gerações futuras, eis que uma produtora de Liverpool (cidade natal do quarteto), cujo pessoal é muito fã do quarteto, resolveu inovar... Um filme dos Beatles em que eles viram... zumbis! Sim, zumbis. Imagine o enredo que pensaram: o zumbi em forma de John Lennon, mata Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr e os três renascem em forma de mortos vivos e seguem a procura de seus admiradores para serem os mesmos. Agora, colocarem a Yoko Ono como ninja e Mick Jagger como caçador de zumbis, seria caso de quem andou tomando muita Fanta Uva com algum aditivo e se empanturrou de pastel de feira vencido... ( Vi isso na Folha) Foto: o livro "Paul is Undead - The British Zombie Invasion" (Paul é um morto vivo - a invasão britânica dos zumbis), foi a inspiração - se não usado tudo - para o filme. Resta saber se os dois Beatles remanescentes, mais as viúvas e milhões de fãs vão entender a brincadeira...


Não, desculpem, não acompanho esportes: Eu sei que muita gente vai apedrejar de vez meu pobre apertamento, mas eu confesso: não acompanho direito esportes e a Copa na Africa do Sul meio que pra mim está passando batido. E olha que falta um mês pro chute inicial e, bem, sobre escalação de times daqui e do Brasil, muita gente reclama que não convocou fulano ou sicrano mas muita gente deu graças aos céus que não convocou beltrano... Bem, ninguém fica 100% satisfeito e ninguém fica 100% indignado, sabe como é lista: se nem a de supermercado ninguém acerta...

Garantiram o seu iPad? Esta semana, em Ginza, fila enorme, quilométrica e gente que varou a noite garantindo o seu. O quê? Liquidação de bolsas Louis Vuitton a 99% de desconto? Relógios Cartier de brinde? Anel da Tiffany's a mil ienes? Antes fosse: fila de espera para encomendar o iPad da Apple, apelidado carinhosamente pelos desafetos de "iPod com mania de grandeza". O brinquedinho em questão, faz quase tudo que um iPhone faz. Por enquanto, menos fazer ligações telefônicas, mas tem a versão que é possivel mas via internet. O precinho: 50 mil ienes... (O que me faz lembrar agora: realmente estou precisando fazer um upgrade urgente em matéria de tecnologia, pois estou tão defasada que ainda uso o sistema operacional Windows Vista - já estamos no Windows 7 -, meu aparelho celular não é um iPhone, mas é um HTC que usa o sistema Android by Google, o que eu preciso saber o que faz, o que deixa de fazer...) Foto: Steve Jobs, o todo-poderoso da Apple e o brinquedinho sonho de consumo pra muita gente a ponto de fazer fila.

Lembrando: votação até dia 16 de maio: A bendita enquete que coloquei ao lado está valendo até domingo, no dia 17 de maio eu posto a resposta em forma de post pra não variar. Pessoal, pode ser no uni-duni-tê ou "minha mãe mandou..." pois o que importa é diversão, pois a gente precisa, certo? Não, não estarei premiando pois sou muito ruim pra isso...

Quem é o ator misterioso que está atrás da simpática "mulher do tempo" Misato Nagano, do programa matinal Mezamashi Terebi? Eita? Teppei Koike? Takuya Kimira? Jun Matsumoto? Já dei a primeira dica, que é homem. Pra quem está com o Tico e o Teco não entrando no tranco, mais uma dica: fez comercial de cosméticos. Agora o pessoal mata de vez. A charada, não os neurônios.

Fotos do post de hoje, conseguidos com a graça do são gugol que me ajuda na hora do aperto. Falem mal, mas bem que todo mundo usa, vai!