Wednesday, June 30, 2010

[Discoteca Básica do Empório]: As 21 Músicas que o Namorido Kinguio Dela Ouve (e Repete)

Em onze anos que namorido me atura, fica óbvio que durante esse tempo um nunca vai esquecer as preferências de cada um. Ou quase nunca. Há quem ache estranho nosso way of life ainda mais agora que temporariamente estamos em cidades diferentes, mas nada impede que passemos de dois a cinco dias dormindo um na casa do outro. Tirando isso, quem acompanha este sítio sabe que estamos juntos há onze anos, o que é tempo pra chuchu.

A "Discoteca Básica" de hoje, é uma seleção das 21 músicas que namorido ouve, gosta e sempre quando pode, acaba repetindo a mesma música até cinco vezes quando a gente sai de carro pra passear, fazer compras, viajar, coisa assim, só pra me "torrar", mas fazer o quê...

Antes que me espanquem, eu aviso: namorido pra gosto musical é pior do que eu - ouve mais música japonesa do que estrangeira (brasileira até ele ouve, mas...), tudo pelo fato de 1) ser filho de japoneses influencia; 2) frequentava festas de kaikan direto; 3) pegou o boom da j-pop dos anos 80 e 90...

1 - Koi ni Ochite - Fall in Love (Akiko Kobayashi): Esse é o número um de repetições no CD-Player do nosso carro quando o CD que contém essa música toca. Se deixar, ele põe no modo repeat a viagem toda. Essa balada cheguei a comentar aqui. Confesso: eu também, se deixar, eu ouço mais do que uma vez quando estou dirigindo...

2 - Koibitoyo (Mayumi Itsuwa): Falei desta música no artigo sobre as músicas do karaokê, e outra que se deixar, namorido vive repetindo. A cantora e compositora infelizmente ficou mais conhecida com essa música, que apesar de tom melancólico, o refrão acaba tendo um impacto muito grande. Tem gente que até se assusta com o modo de Mayumi interpretar...

3 - Sol de Primavera (Beto Guedes): Pra ninguém ficar reclamando que namorido só ouve música japonesa, eis uma (de muitas) músicas deste cantor mineiro que ele ouve - em casa - quando está ao computador, respondendo e-mails, acessando ao noticiário e outras coisas mais (aham!). Quem tem maiomeno nossa faixa etária, vai lembrar das músicas de Beto Guedes, Lô Borges, Flavio Venturini... Bom para relaxar e esquecermos dos problemas do dia a dia...

4 - Kimi ga Iru dake de (Kome Kome Club): O clube do arroz, como namorido costuma dizer. Quem frequentava os kaikan de Sampa e interior (onde tivesse colônia nipônica) ou esteve ou está no Japão mais de quinze anos, vai lembrar desta música deste grupo mais do que eclético. Só que muita gente conhece esta música como "Tatoeba...", já que a música começa assim. Tem outra deste grupo que namorido adora, mas nunca conseguimos encontrar o single (mas temos o "Best of" )é "Roman Hikou" que foi música da campanha da Japan Air Lines, sobre Okinawa, em 1990 (nos tempos que a companhia era um dos orgulhos do país...)

5 - Donna Tokimo (Noriyuki Makihara): Uma das músicas "pra cima" de Noriyuki Makihara (Makki pros íntimos, eheheh), fica impossível não cantar junto, e também ai dele se não incluir no repertório de seus shows (e ai de mim se eu não coloco o CD que tem esta música no carro quando a gente viaja). Foi uma das músicas que marcou o auge de Makihara (1992 por aí), depois dos problemas com estimulantes, aos poucos voltou a mesma forma, muito embora não apareça tanto como nos anos 90 e do processo de plágio (que depois deu em nada) ao "usar" uma frase de uma fala de uma história do artista Leiji Matsumoto. Tirando esta música, outras favoritas do namorido é "Mou koinante shinai" e "Kita Kaze".

6 - Kanashimi wa Yuki no youni (Shogo Hamada): Embora não esteja tão high prolife como nos fins dos anos 80 e início de 90, Hamada chegou a compôr para Momoe Yamaguchi (antes de encerrar a carreira musical) e Akiko Wada. Ficou mais conhecido com esta música por ter sido utilizada em uma novela, em 1992 (e ano que namorido tinha voltado pela segunda vez aqui). A marca registrada de Hamada era o fato de sempre aparecer de óculos escuros, tal como Bob Dylan e John Lennon, seus ídolos.

7 - Rádio Pirata (RPM): Bem, aqui ninguém nunca negou a idade que temos... Pegamos o auge do rock brasileiro, na época pós-ditadura, onde surgiram muitos grupos e cantores que deram origem a nova roupagem na música brasileira, como Legião Urbana (favorito da autora aqui), Paralamas do Sucesso, Capital Inicial, Ira!, Titãs (favorito da Fabiana, eu conheci o grupo quando eles eram oito, tinha o Arnaldo Antunes e ainda se chamavam "Os Titãs do Iê-Iê-Iê")... Namorido também gostava destas bandas, mas uma das favoritas dele seria o quarteto RPM, cujo vocalista Paulo Ricardo era o sexy simbol naquela década (faz tempo, hein?). Dois melhores álbuns do quarteto a gente deveria ter, mas tá que a gente encontra: "Revoluções por Minuto" e "Rádio Pirata, o Show".

8 - Wine Red no Kokoro (Anzenchitai): Se MP Kouhaku, fiel frequentador na caixa de comentários estivesse aqui, com certeza iria a todos os shows deste quinteto que retornou recentemente. Liderado pelo evidente Koji Tamaki, o grupo nos anos 80 pros 90 emparelhou muitas músicas que caíram no gosto dos ouvintes. No início, foram banda de apoio para o cantor e compositor Yosui Inoue - que compôs junto com Tamaki a balada "Wine Red no Kokoro" (uma das mais famosas do grupo, inclusive tendo covers de artistas com Akira Fuse, Naoko Ken e Anri). Entre muitas idas e vindas, este ano o quinteto com sua formação original voltaram as paradas de sucesso com "Aoi Bara" (Rosa Azul). Esquecemos as confusões particulares que Tamaki teve (e tem) e voltemos a ouvir o bom rock japonês dos anos 80.

9 - Saboten no Hana (Kazuo Zaitsu): Namorido ouviu pela primeira vez em 1992 ou 93, nem ele lembra mais, em uma novela em que Yosuke Eguchi era o ator do momento, Masaharu Fukuyama era iniciante, Noriko Sakai nem pensava em se envolver com substâncias ilícitas - "Hitotsu Yane no Shita". Problema de namorido é que pra guardar nome de música e de quem canta, é um desastre, e pra encontrar o single da música, teve que arriscar: cantou um trecho pro balconista da loja de CDs... Quanto a música, era do antigo grupo de Zaitsu - Tulip - e que regravou para a novela.

10 - Shonan My Love (TUBE): Um dos grupos que namorido adora, ouve e se deixar, arrisca até a ir no show deles (mas me acompanhar nos shows do Masaharu que é bom...) e tem quase todos os singles que este quarteto de Sagamihara gravou nos anos 90, auge do grupo. Falei um pouco deste grupo no artigo sobre músicos de verão daqui, pois justamente que, namorido adora praia, adora se esturricar no sol e adora Enoshima. E as músicas deste grupo justamente falam de sol, praia e amores de verão... (nada contra, mas porque a maioria dos paulistanos resolvem descer pro litoral na noite de sexta-feira, dando um congestionamento dos infernos?)

11 - YA YA - Ano toki wo wasurenai (Southern All Stars): Namorido diz que começou a ouvir a música do Southern All Stars (mais conhecido como "Sazan", devido a pronúncia "a la japonesa" de Southern) com "Ya Ya". E olha que a música é 1982. Agora vão me perguntar: "como é que ele conseguia o acesso a música japonesa no Brasil naquela época???" Tentando responder: como disse, namorido frequentava kaikan direto até mesmo depois que se formou em Direito (ahn... eu cheguei a comentar que ele é formado em Direito Tributário?), tem parentes que iam e voltavam do Japão devido ao kenjinkai e daqui eles levavam o que tinha de novidade na j-pop... Voltando, o bom deste grupo, o Southern All Stars, é que suas músicas agradam a todas as faixas etárias, desde o jovem de dezoito aninhos até distintas senhoras septuagenárias...

12 - I Love You, Sayonara (The Checkers): Quem conhece o septeto dos anos 80 (vide resenha do álbum deles aqui), muita gente pensará que "ah, ele deve ter ouvido falar do grupo devido ao 'Giza Giza Heart no Komori Uta' ou 'Julia no Heartbreak'", sim, é verdade, mas a música favorita do namorido é uma música romântica ao mesmo tempo com balanço que não soa tão datada. Outra favorita dele é "Song for U.S.A." (agora, as favoritas da autora são "Giza Giza..." e "NANA"...). Só pra constar, sim, a música favorita do namorido da carreira solo de Fumiya Fujii é a sempre "True Love" (aqui, com o galã Takuya Kimura, ao violão, devido ao sucesso da novela "Asunaro Hakushou").

13 - Lion Heart (Smap): Falando no Kimura... Fazia um ano e pouco que estávamos já fazendo a vida de recém juntados em Kanagawa, e naquela época, a gente trabalhava muito e ganhava o suficiente para comer e manter. Mas continuamos a pagar nossas contas em dia, claro. Como onde a gente se escondia... ops, morava quase não tínhamos o que fazer (horário de trem terminava cedo, nossos amigos trabalhavam em horário inverso do nosso, e quem me conhecia morria de medo do namorido, não sei porquê até hoje...), a gente vivia assistindo aos programas de TV japonesa mesmo. Foi assistindo ao dorama "Food Fight", cuja música de encerramento era justamente "Lion Heart", do quinteto Smap e namorido queria que queria que eu encontrasse o bendito do single. E olha que ele nem prestava atenção no programa semanal de segunda-feira... (Moral da história: até hoje ele tira uma da minha cara quando o Kimura aparece em algum comercial - e olha que, pra horror de muita gente, o Kimura não é o meu favorito entre os cinco, quem adivinhar, podem me assar pra alimentar metade de uma nação esfomeada. )

14 - Good Night (Masaharu Fukuyama): Namorido é quem teve o single dele primeiro, me fez ir até Toquio encontrar o "Best of...", assistiu "Hitotsu Yane no Shita" parte 1 e parte 2 e quem leva a fama de "Fã número um do Masaharu" sou eu?! Bem, como namorido sempre diz, "naquela época ele fazia sucesso". Melhor dizendo, "desde aquela época ele faz sucesso"... O single fez parte da trilha sonora da novela "Ai wo douda", protagonizada por ele mesmo. Só que nos três shows que eu fui, ele não canta essa música, o que é uma pena. Mas por favor, não confundam com "Good Night" que é uma canção meio desconhecida dos Beatles (que é a última faixa do "Album Branco").

15 - Kowarekake no Radio (Hideaki Tokunaga): Cantor conhecido mais pela sua voz quase de tenor, característica em suas músicas, que parecem trazer mais sentimento e emoção, Tokunaga recentemente está sendo mais aclamado por conseguir interpretar canções que as mulheres interpretaram na série "Vocalist" que já está no quarto volume, logo depois que recuperou-se de uma operação no cérebro. O pessoal que lembra do cantor no auge da carreira, vão se lembrar também de "Rainy Blue" e "Saigo no Iiwake", que teve versão em português. Quem puder ouvir também a série "Vocalist", vai valer a pena...

16 - Makenaide (Zard): Há quem vai espancar a gente, fazer espetinho de kinguio e assado de leitoa pro próximo final de ano, mas tanto eu como namorido gostamos desta cantora, grupo, ah, que seja. Namorido pegou a "boa fase" de Izumi Sakai, nos anos 90, onde ela apareceu um pouco mais no programa "Music Station". Foi num destes programas em que o namorido foi a convite de um colega de trabalho e sem saber começou a ouvir mais dela. Canções de amor, de coragem e de determinação - eram os temas das letras de Sakai. Quando falei que Sakai havia falecido, namorido não acreditou, até ver na TV o noticiário.

17 - Pride (Miki Imai): Uma das músicas mais famosas da ex-modelo e atriz. Embora hoje ela esteje mais fazendo programas de rádio (ela possui um programa na Tokyo FM), nos anos 90 Miki Imai fez sucesso com esta balada escrita pelo seu esposo, o guitarrista e ex-líder de banda de punk-rock Boowy, o Tomoyasu Hotei (apesar da cara de mau, visual e músicas rocker, Hotei tem mão pra lindas baladas, como esta e "Piece of my Wish"). A música fez parte da novela de 1996 - "Doku", sobre o romance de uma ex-office lady com um estudante vietnamita (interpretado por nada mais nada menos que Shingo Katori, que três anos depois contracenou com Miki Imai em outra novela, em que durante o dia é um salaryman normal, mas a noite, vira assassino de aluguel para vingar-se do irmão. A novela? Yomigaeru Kinro ou "Caçada do Lobo Jovem").

18 - Love is All (Megumi Shiina): Quem ouvir a música, quem for mais ou menos da nossa faixa etária (eu confesso, estou na casa dos quarenta! Pronto, falei.), vai falar "ei, mas esta música é o one hit wonder da Charlene!" Pois é verdade: a original desta música de Megumi Shiina é a versão em japonês de "I've Never Been To Me", de 1980. Coincidentemente, tanto a versão original como a japonesa acabaram virando one hit wonder de ambas... (só que pra achar o single, não encontrei, pois como é dos anos 80, relançamento em CD só foi o do Southern All Stars que viraram maxi-singles. Tive que comprar o "best of..." que pelo menos tem as melhores mesmo, ao invés de comprar o CD original)

19 - Empty Garden (Elton John): Pra ninguém também ficarem falando "mas caramba, sua cara metade não gosta de música do estrangeiro também?". Eu bem que tentei convertê-lo pra gostar dos Beatles, mas tá difícil... A verdade é que o gosto musical do namorido é variado, diferente da doninha aqui. Um dos cantores que ele gostava era o inglês Elton John (muito antes de ter saído do armário, da época dos óculos extravagantes), circa 1970, mas uma das favoritas dele e minha é justamente esta que homenageia John Lennon, que foi composta em 1982. Sim, namorido conhece a famosa "Goodbye Yellow Brick Road" (mas ele não suporta a "Candle of the Wind").
20 - Nagoriyuki (Iruka): Cantora folk japonesa, Iruka (que significa golfinho) surgiu no auge do folk em 1975. Embora hoje esteja low prolife, uma de suas músicas mais conhecidas (e regravadas) é essa que namorido gosta, tanto que custamos a encontrar o "Best of..." que tenha essa música, pois single nem existe mais. Veja aqui a apresentação de Iruka no programa Smap X Smap em 2005 (versão acústica, e até Masahiro Nakai - conhecido pela voz terrivelmente desafinada - não faz feio) e a cover em 2000 no "Marrontic Night in Yokohama" com Masaharu Fukuyama.
21 - Como Nossos Pais (Elis Regina): Na verdade, qualquer música da Elis, namorido gosta, mas não temos um álbum no nosso apertamento (que vergonha!), justamente porque, se encontrarmos em alguma loja de CDs vai ser raridade. Na Tower, HMV e Tsutaya já encontrei mas da época em que ela fez um show em Londres, o que a gente quer é daquela coleção da capa branca (quem lembrar, por favor, comentários). Dentre muitas que ele ouviu no tempo do colegial, segundo namorido, ele lembra mais desta composição de Belchior (só que engraçado que namorido não gosta muito das músicas dele, não. Pra ter uma idéia, certa vez estava cantarolando um trecho de "Medo de Avião" e namorido me veio que estava desenterrando coisa do baú. Oras...)


A autora lesada pede desculpas pelo atraso no cronograma, mas desta vez a culpa seria de noites mal dormidas com esse calor de derreter miolos a ponto de fritar ovo no asfalto, o que dá na autora uma moleza que dá vontade de ficar com o ar condicionado ligado e tomando água com muito gelo...

E também pelo fato de sabermos que muita gente vai desconhecer os cantores e cantoras mencionadas, mas já expliquei no começo o motivo do namorido ouvir 90% de música japonesa e restante variado...

Tuesday, June 29, 2010

Nova Enquete: A autora quer saber!

Dificilmente faço isso, mas depois de quase seiscentas postagens, a autora lesada aqui ficava se perguntando... como é que o pessoal descobriu este sítio?

Para não ter mais dúvidas (espero), resolvi fazer outra enquete. Até dia 31 de julho, podem escolher as alternativas. Mas se eu conheço meus leitores, metade vai dizer que jogou "Yokohama" no site de busca e veio parar aqui e outra metade nem lembra mas até hoje quer saber como é que veio parar aqui...

Comentários nos comentários ah, ah.

A Volta do Tomate Assassino

No site oficial e na estação de Shibuya (bom, pelo menos foi onde eu vi), o cartaz do especial do "O Caso do Tomate Envenenado".

Quem morreu de rir ou morreu de pena (tanto faz) do Takuya Kimura no episódio de "Smap Gambarimasu!! Chan to shinai to ne!" em janeiro deste ano (publicado aqui, mas os vídeos foram pras cucuias), sabia que tamanha desgraça ou seja, tomate na goela dos outros é refresco, iria acontecer algo que nem eu e nem os espectadores esperariam...

Logo depois do programa, a apresentadora Yuko Oshita (da TV Asahi, que apresenta junto com Shingo Katori no programa de quase todo sábado "SmaSTATION!") foi encontrada mortinha da silva em seu apartamento. A autópsia: ingestão de um TOMATE TOTALMENTE ENVENENADO!!!
Quem será que faria uma coisa destas? Nessas alturas do campeonato, todo mundo é suspeito. Inclusive o grupo. O investigador Sei Hiraizumi e seu assistente seguiram o quinteto durante as gravações do programa, aquele que falei em um bons pares de meses atrás, em que cada um passou um dia ou mais realizando as provas de resistência (corrida), sobrevivência (passar o dia todo como nos tempos primórdios do Japão), coragem (ficar o dia todo trancado numa sala de karaokê) e estômago de ferro. Pra descobrir quem foi que envenenou o tomate que Oshita-san comeu.

Após apresentar o programa de variedades "SMAP Sekai no Yasai wo Kuirao", a apresentadora Yuko Oshita é encontrada em sua casa morta. Como disse, a causa mortis foi um tomate envenenado que comeu durante o programa. E como disse também, todo mundo acabou sendo suspeito, inclusive o quinteto.

Quem e a troco de quê envenenariam a apresentadora Oshita?
Seria o líder Masahiro Nakai, que dizem que teria um affair não correspondido com ela?

Seria Takuya Kimura só pelo fato de terem feito ele comer durante três dias e quatro noites tomate, tomate em cima de mais tomates?

Seria Goro Inagaki, depois que descobriu que a produção do programa adulterou a máquina de pontuação do karaokê, e só foi conseguir 100 pontos quando já estava quase morrendo de sono, fome e cansaço?

Seria Tsuyoshi Kusanagi, devido na reta final da corrida das 48 ladeiras, ter caído num tanque de água?

Seria Shingo Katori, querendo se livrar de Oshita porque ela divide o programa "SmaSTATION" com ele e queria mais espaço (no sentido físico da palavra)?

Respostas no dia 1o. de julho na TV Asahi, as 19:57 da noite.

Bem, na verdade, foi uma brincadeira que o grupo fez em cima do programa de janeiro. Tanto que no final do programa, já dizia: "em breve, um episódio especial - 'O Caso do Tomate Envenenado'". Como nada se perde, tudo se aproveita, durante as filmagens das cinco tarefas que eles fizeram, resolveram inserir o ator Sei Hiraizumi no meio. Isso porque na tarefa do tomate, ele aparece trazendo um cup lamen de tomate pro Kimura.

E ninguém matou a apresentadora Yuko Oshita, não. Senão ela não apareceria no "SmaSTATION" da semana passada...
Se a autora conseguir assistir, ela publica o resultado. Isso se no trabalho dela não pedirem pra vir em cima da hora ou tiver que encarar exame médico. Irc!

Thursday, June 24, 2010

Limpeza

http://geekcats.com



Chega o dia da minha folga, o que seria o dia pra dormir até mais tarde, bater perna por aí, pegar um cinema, alugar um filme, ler um livro, no fim acabo acordando mais cedo do que o de costume, faço o que tenho que fazer e, se ninguém marca compromisso comigo, acabo saindo quase a tardinha. Aí o dia acabou e no dia seguinte começa tudo de novo.

Na verdade, como a novela da mudança de casa por enquanto só está nas pesquisas frustradas, o que eu estou fazendo de antemão - conselho de uma amiga minha que felizmente conseguirá mudar de casa no próximo mês - é uma limpeza geral no apertamento aqui em Yokohama. Sério.

Já bastou que namorido levou quase todas as roupas dele, os pertences pessoais e algumas coisas pro dia a dia (não, já falei que ninguém separou, terminou, deu ponto final no relacionamento), o que o guarda roupa ficou meio vazio. Na verdade, o problema vem de minha parte. Podem acreditar, mas é verdade: quase tudo o que temos no apertamento pertence a mim.

Desde abril, estou fazendo aos poucos uma limpeza geral em casa: desfazendo de objetos que não têm mais serventia, doando revistas, vendendo outras, repassando roupas para quem precisa... Não li o livro que fala de cinquenta coisas para serem jogadas fora, mas bem que eu preciso, pois seria uma orientação para organizar melhor aqui.

Revistas: Dependendo do estado em que elas estavam, algumas doei para o Forum Feminino que fica em Totsuka, onde me escondo. Outras, acabei levando na rede da "Book Off", onde eles pagam não lá aqueeeeeeeeela fortuna, mas convenhamos: já compramos muitos CDs e singles perdidos nesta rede. O problema é que, revista que tem artigo que me interessa, está guardada nas caixas de arquivos... Agora, revistas gratuitas que às vezes a lesada aqui costumava pegar nas lojas de conveniência e afins, acabam indo para reciclagem de quinta-feira aqui onde moro.

Jornais e panfletos: Desde o ano passado não assinamos mais jornais (assinamos por três meses o Yomiuri Shimbun, na verdade, foi obra do também lesado namorido kinguio), mas quando recebia o Yomiuri, no final do mês deixava para eles recolherem, através da embalagem que eles enviavam no dia marcado por eles (Elisa, você que assina o Asahi Shimbun, confirma pra mim se eles fazem desta forma também.) Quanto aos panfletos que vivem deixando na caixa do correio, se for de pizza, só troco quando chega o novo. Muito difícil a gente pedir uma pizza via delivery, mas nunca se sabe. Agora, o resto (geralmente de compra de apartamentos, politica e mudanças), eu junto e jogo no dia de reciclagem de papéis... Quando não muito, uso para faxina geral de casa. Jornal é ótimo para limpar espelhos e janelas.

Roupas: Não serviu mais? Virou demodé? Manchou e não sai mais? Usou uma vez e encostou? Pra não ficar ocupando espaço no armário ou gaveta ou ambos, no meu caso, minhas roupas acabaram tendo as seguintes finalidades...

- Quando engordei, algumas delas acabei doando quando teve a campanha do Banco, alguns pares de anos atrás. O que achei que daria para engordar um pouco o meu piggy bank, acabei vendendo para um recicle shop. Não dá muito, mas ao menos alguém pode comprar ou dependendo doando mesmo.

- Uma determinada marca, faz a campanha de "traga sua roupa da marca x que não quer mais para doação" três vezes ao ano. Os recicle shops preferem roupas "de marca" mesmo, o que a marca determinada não é aceita lá. O que eu e namorido doamos de roupa dessa marca, não está escrito: ele, porque algumas camisas encolheram (nota: namorido usa camisa de mangas compridas) e eu, porque, bem, engordei.

- O que rasgou e não serviu mesmo para nenhum dos itens acima, acabaram virando pano pra limpeza doméstica e até pro namorido lavar e secar o carro. Ué, nada se cria, tudo se recicla...

Aceito também sugestões de como faço pra me livrar de uma impressora que enguiçou de vez, não tem mais conserto, já saiu de fabricação, ninguém quer nem de graça; um sofá-cama que está meio desbotado pelo uso; louças que uma lesada acaba ganhando de brinde quando faz compra acima de tal valor em determinados estabelecimentos; três estantes daqueles que nem custam mil ienes que um casal lesado ganhou de colegas que estavam de mudança definitiva para o outro lado do mundo, algumas dezenas de bichos de pelúcia ganhos via game catchers que um amigo lesado do lesado namorido acabou entupindo o porta malas do carro e no final entopem o meu nariz se eu fico uma semana sem passar o aspirador neles...

Na pior das hipóteses, onde encontro o livro (pode ser o original em inglês mesmo) chamado "Jogue Fora 50 coisas", de Gail Blanke? Esse livro, quem me indicou foi a (sempre) Elisa. Fui procurar e não encontro. Aviso: não é livro de auto ajuda, viu? Livro de utilidades domésticas, como otimizar seu lar, eu aceito.

Ilustração do artigo de hoje: tem um outro blog de quadrinhos que comecei a acompanhar chamado "Geek Cats". Pra quem adora felinos e quadrinhos, como a autora lesada aqui, é um prato cheio. Os três gatinhos que protagonizam o blog, existem de verdade sim!

Wednesday, June 23, 2010

Ah, semana...

Desculpem leitores fiéis (ou o que restaram deles), eu sei que estou pra lá de relapsa neste sítio, mas quem acompanha sabe a dor de cabeça que estou tendo nessa vida de ponte férrea Yokohama-Tóquio todo dia. E olha que 70% seria de trabalho e 30% dedicação total ao namorido kinguio, que ultimamente está também volta e meia vindo em casa, afinal nosso QG continua sendo em Yokohama. Por enquanto.

Bem, semana passada, no mesmo dia em que namorido completava mais uma primavera (uai, até semana passada estávamos na primavera, porque não?), fomos na Imigração de Yokohama para renovação do visto. Dele, pois o meu, ainda bem, já saiu faz alguns meses. Infelizmente, não vi figuras exóticas tal como nosso querido amigo Alexandre citou no artigo dele, sobre "as mulheres do mundo". Talvez por ter sido no meio da semana e após o almoço, pois quando fui dar entrada no meu, três meses atrás...

Sobre a Copa, assunto que espera quatro anos pra sair e dura um mês e tanto. Confesso que na madrugada de domingo pra segunda tivemos a cara de pau mesmo de dormir até antes do jogo começar, tentar não gritar no meio e assim que acabou, voltamos a dormir novamente. Sorte que na segunda namorido entrava a noite pro trabalho e eu ao meidia. Nem comentarei sobre a partida, porque no twitter nossos amigos se encarregaram do resto.

Detalhe: a campanha "calabocagalvão" parece que ficou meio pra trás. Agora a campanha é "calabocatadeu" que seria o repórter que, bem, melhor nem comentar, basta procurar no seo gugol, salvador de quase todas as dúvidas necessárias.

Esta semana estou trabalhando direto e reto, exceto quinta, como quase sempre. Mas desta vez ficarei em Yokohama mesmo pois tenho que esperar algumas encomendas. E geralmente quando elas vêm, nunca estou em casa e tenho que ir ao correio que fica do outro lado da cidade pra buscar. Mas tudo bem, pra que eu tirei carteira de motorista mesmo?

E por enquanto, bem, as fofoquinhas ou troca de informações como sempre faço, melhor eu esperar passar essa euforia da Copa, pois senão vou acabar falando besteira sobre algo que eu sou um zero a esquerda.

Bom, sexta-feira, teremos Brasil contra Portugal. Pelo menos falamos a mesma língua.

Ou quase.

Obrigada a todos que comentaram em posts anteriores, visitaram e leram. Mesmo não comentando, eu sei que passaram neste pobre mas limpinho sítio, mas esta semana farei as postagens aos poucos, para não cansar ninguém.

Saturday, June 19, 2010

Tempos de Literatura


Segundo minha mãe, eu comecei a ler aos quatro anos através das revistinhas da Mônica, Cebolinha e Pato Donald que meu pai mensalmente comprava para meu irmão mais velho ler. Se bem que na verdade, era meu pai quem gostava. Felizmente tive pais presentes talvez pelo fato de eles terem tido comércio próprio, o que contribuiu para que minha mãe passasse mais tempo com a gente, e acompanhar nas lições de casa.

Das revistinhas a placas de sinalização, minha mãe ensinava antes de eu entrar na escola em si. E mesmo no primário, não abandonei os hábitos de leitura: toda semana, na biblioteca, pegava dois livros adequados para a idade, afinal, tinha sete anos. Meu irmão mais velho já estava lendo Monteiro Lobato. E eu lendo Contos de Fada. E daí que era sobre uma princesa que só dormia, outra que resolveu comer uma maçã ou perdia um sapato de cristal antes da meia-noite? Eu estava aprendendo a ler, puxa vida!

Da biblioteca da escola para a biblioteca municipal, graças ao meu irmão que trazia toda semana três a quatro livros do Monteiro Lobato pra ler. E quando ele terminava de ler, eu lia depois. Claro que existiam palavras que eu não conhecia e tinha que recorrer ao dicionário mesmo.

No ginasial, foi a coleção Vaga-Lume (vai com hifen mesmo!), onze entre dez estudantes dos anos 80-90 leram se não toda a coleção completa.

Quando se entra no colegial, na preparação pro vestibular, começa a fase de "leitura obrigatória". Alguns livros li e gostei mesmo sabendo que era leitura obrigatória pra encarar a fase do vestibular, como "A Confissão de Mário", "Quincas Borba" e "O Amor segundo G.H.", mas se existem livros que comecei a ler e só fui ao final porque precisava mesmo, o pessoal que gosta pode me bater, jogar pedras, mas "Memórias de um Sargento de Milícias" e "Os Lusíadas", precisava de um motivo muito maior pra ter chegado até o fim, pois no meio da leitura dava uma angústia sem fim.

Mesmo hoje estando aqui, continuo a ler. Desde revistas até livros, embora em inglês mesmo, pois acho difícil encontrar bons livros em língua portuguesa (sem ser de auto ajuda, perdoem-me quem gosta, se eu leio, é pra rir um pouco), a não ser comprar via internet -mas nesse ponto sou tradicional, gosto de sentir o cheirinho de papel impresso (será que os tempos do mimeógrafo me deixaram assim?), ver com a mão, entendem?

Apesar de muitos autores já terem partido, na parte literária, eu prefiro ler os livros do que saber mais sobre suas posições políticas, opiniões polêmicas e particularidades - se Haruki Murakami (calma, ele ainda está vivo) é crítico ferrenho no way of life do Japão atual, eu prefiro ler sobre isso através de seus livros, como "Norwegian Wood". Se Luis Fernando Veríssimo poderia sofrer disso ou daquilo pelo peso de ser filho de Erico Veríssimo, as crônicas sobre "Comédia da Vida Privada" são uma delícia de serem lidos. E por aí vai.

Esqueçam o quão polêmico poderia ter sido Jose Saramago, devido as suas opiniões próprias sobre política, comportamento e religião, mas se não fossem suas opiniões e seu modo de pensar, talvez nunca fosse reconhecido mundialmente (talvez mais do que sua terra natal, Portugal) e jamais tivesse um Nobel de Literatura.
Li o livro que abre o post um pouco antes de vir para cá e digo: leia com calma, sem pressa, pois a leitura de Saramago, como me recomendaram, necessita de atenção. Mesmo em língua portuguesa, mas o importante em uma leitura, é tentar imaginar como seria, até por vezes, incorporando o(s) personagem (ens).

Por que (por enquanto) não falei da Copa 2010

Quem me conhece, sabe que eu não sou muito fã de futebol. No máximo Libertadores pra ver se o Tricolor vem pra disputar a final aqui (uma amiga minha foi nem que tivesse que vender o namorado pra conseguir o ingresso). Copa do Mundo, vou falar a verdade: depois da tragédia de Sarriá, não consegui assistir a um jogo direito.

Muito embora, enquanto estivesse no Brasil, quando a Seleção ia jogar, a gente era dispensada mais cedo das aulas (isso durou até a copa de 1990) ou do trabalho (na Copa de 1994). Desde a Copa da França, estou aqui no Japão, e como aqui nada para nem quando o Samurai Azul joga, muita gente que mora aqui estranha a falta de comemorações no meio da rua, por exemplo. Mas experimenta ir em algum bar pra ver o quanto não fica lotado, principalmente depois de 2002 quando o Japão sediou alguns jogos (junto com a Coréia do Sul).

Um dos motivos porque, diferente da Copa de 2006 da Alemanha que cheguei a comentar em alguns tópicos, este ano está meio difícil acompanhar. Já começou que no jogo do grupo do Brasil - Portugal e Costa do Marfim - eu dormi no segundo tempo. O jogo do Brasil contra a Coréia do Norte não entendo porque até agora cargas d'água não transmitiram (e não seria problema diplomáticos com a Coréia do Norte porque os outros jogos deles serão transmitidos, está tudo na revista semanal que eu compro, a TV Guide). Será que alguém iria ficar acordado as três e tanto da matina na segunda feira?

Felizmente os outros dois jogos do Brasil vai dar pra acompanhar pois serão transmitidos em canal aberto (não temos TV a cabo, ainda). Mas pena que hoje não vai dar pra ver o jogo do Japão contra a Holanda devido ao horário, pois hoje terei que ir ao trabalho devido a escala feita desde o mês passado (e o jogo contra os Camarões, acreditem, eu esqueci). Pra quem os japoneses estavam desacreditados no time, que nos jogos preliminares foram um desastre com direito até a gol... contra, a vitória no time dos Camarões, mesmo sendo de um único gol, foi como se tivessem ido para as quartas de final. Exagero? Pelo que comentei, não.

Claro que, apesar deste sítio comentar muito pouco do evento, obviamente eu leio noticiários e ao menos estou por dentro da famosa campanha no Brasil. Felizmente, nesse ponto, ainda bem que não inventamos de assinar TV a cabo para ver e ouvir certas atrocidades...

O que está me impressionando - segundo alguns colegas que comentam sobre os jogos no trabalho - seriam as seleções mais tradicionais estarem fazendo um jogo meia-boca (pra não falar de vexame pra baixo, estamos falando do Campeonato Mundial), como Inglaterra (que além de empatar dois jogos, um deles teve uma distração do goleiro...), Alemanha (que perdeu contra a Sérvia), a França (perdeu contra o México)... Mas times sem muita tradição pro esporte como Eslovênia e Estados Unidos, empataram de dois tentos de cada lado.

Sem falar dos bastidores, nem vou comentar nada, sob risco de ser altamente execrada nos comentários, mas vou avisando que de esporte, eu sou um zero a esquerda, isso eu mesma me garanto (exceto se houver a Liga de Volei, aí, se tiver novamente no Japão, quem sabe se sobrar ingresso, eu vou).

Que vença o melhor.

Tuesday, June 15, 2010

Quando Um Mangá Vira Filme - Parte 1

Quando os roteiristas de um filme (ou novela) se vêem com a inspiração abaixo de zero, o que fazem? 1) Apelam pra remakes chinfrins de filmes de sucesso? 2) Passam uma semana sem dormir lendo toda a coleção de mangás? Quem falou a primeira, sabe que nem todo remake dá certo. Geralmente é um entre um milhão da probabilidade do remake acabar superando o original. Agora, quem falou da segunda opção...

Citarei alguns, mas pro post não ficar longo e cansativo (pois duvido muito quem consiga ficar com a retaguarda grudada na cadeira e ler tudo isso), terei que dividir em quantas partes sabe lá eu for possível. Vai parecer daquela série das coincidências, mas quero dividir com vocês...

Initial D: Sobre corridas (ilegais, pero no mucho) de carros - o "drift" (ou "dorifito"). A série de mangás, criado por Shuichi Shigeno, já chegando a 40o. volume, mantém a mesma forma: um rapaz que durante o dia ajuda o pai na entrega de tofus na região montanhosa de Gunma. A noite, participa de corridas de alta velocidade e grande risco, o drift. Daí o nome da série que até hoje continua sendo publicada pela revista "Young Magazine" ("D", de "drift"). Takumi Fujiwara é filho de um comerciante de tofu, outrora no passado também participava destas corridas. Para ajudar o pai, Takumi, desde a adolescência, pegava o carro para fazer as entregas nas montanhas. De tanto que guiava, começou a conhecer mais o mecanismo do carro e também a participar destas disputas. Os carros utilizados na série realmente existiram (ou existem ainda), mas os nomes dos locais foram alterados, porém existem. Tamanha adrenalina, obviamente pra virar animê foi um pulo. E aproveitando a onda da série "Velozes e Furiosos", resolveram fazer um filme... feito em Hong-Kong com atores locais. Não lembro se a recepção aqui foi boa, mas cá pra nós: deveriam ter feito com atores japoneses, nada contra, mas (lembrou-me da versão norte-americana do mangá - e anime - "Speed Racer" (ou "Mahha Go Go Go"), que nem tive a curiosidade de assistir, pois devem ter mudado e como a história.)...


Cutie Honey: A música-tema deve ter impulsionado a carreira de Kumi Koda, já que ela quem cantava (e não é que ficou legal? Veja a performance no "Music Station Super Live 2004"). Era um mangá, mas a história é mais conhecida pelo anime - um tanto picante, já que a heroína - uma andróide - pra se transformar, acabava tendo a roupa normal transformada em picadinhos e, bem, digamos que a heroína tem um busto um tanto, er, avantajado. Criado por Go Nagai, o mesmo criador de "Devilman" (também virou filme), o filme não foi bem recebido, apesar de ter os atores Eriko Sato, Ryo Kase e Ryuhei Matsuda no elenco, mas houve uma paródia até melhor que a encomenda com "Cutie Tsuney".

Hachimitsu and Clover: Uma vez comentei sobre o mangá desenhado por Chika Umino, sobre cinco jovens estudantes de arte em uma faculdade em Tóquio. Não demorou muito para adaptarem para o cinema e depois animê. Claro que, quando se passa dez volumes de uma série pra uma telona, fica faltando detalhes e alguma coisa acaba é mudando. Assisti ao filme e li os mangás, gostei de ambos. O animê não assisti, pois passava num horário muito ruim. E em 2008 teve em forma de novela, e, óbvio, nem deu pra assistir também. O filme só assisti porque consegui alugar algum tempo depois. No elenco do filme de 2006, os atores conhecidos Yui Aoi (que faz o comercial do chá da Kirin, o "Gogo cha"), Sho Sakurai (do Arashi), Ryo Kase (ator de "Cartas de Iwo Jima"), Yusuke Iseya (ex-modelo e ator em "Closed Note") e Minami Seki (está atualmente no elenco da novela "Hard to say I Love You") fazem os papéis dos cinco estudantes. Na ilustração de Chika Umino, na frente, da esquerda pra direita, Ayumi Yamada e Hagumi Hanamoto; atrás, da esquerda pra direita: Yuuta Takemoto, Shinobu Morita e Takumi Mayama. Na capa do DVD do filme lançado em 2006, os atores (da esquerda pra direita) Yusuke Iseya (Morita), Yui Aoi (Hagumi), Sho Sakurai (Takemoto), Ryo Kase (Mayama) e Megumi Seki (Ayumi).

Nana: Teve duas partes. Um dos shojo manga (direcionado para mulheres) mais lidos no Japão, não era de se esperar que virasse animê ou filme. Acabou virando os dois, sendo que o filme foi bem mais fiel que o mangá, especialmente na caracterização dos personagens principais, interpretadas por Mika Nakashima e Aoi Miyazaki (no primeiro filme). Conta a história de duas jovens de nomes e idades iguais mas de personalidades e destinos diferentes. Mas que acabam se encontrando dentro de um trem e resolvem dividir um apartamento juntas, em Tóquio. O mangá está temporariamente suspenso devido ao problema de saúde da autora Ai Yazawa. O filme pode-se encontrar nas locadoras, talvez foi o que deu mais sucesso a Mika Nakashima (que faz a Nana Ozaki, a Nana "punk")e que além de ter atuado, interpretou as músicas do filme, junto com a Yuna Ito (no filme ela é a Reira). O tema de "Nana" aborda sobre desilusões amorosas, coragem, superação, fatores que levaram o mangá a ser um dos mais lidos e preferidos de mulheres de faixas etárias diversas.
Poster de divulgação do filme "Nana", com Aoi Miyazaki (Nana Otsuka) e Mika Nakashima (Nana Osaki).

Pessoal, o assunto é longo. Vai ter parte 2, 3, 4... tá bom, vou tentar resumir, mas se preparem...

Monday, June 14, 2010

Em breve, nova novela no blog


Entra estação do ano, sai a outra e aqui no Japão as novelas que passam na TV mudam depois de 12 capítulos (ou 24 dependendo do enredo, exceto os Taiga Dorama que além de ambientado na era Kamakura em diante, como foi a novela "Teichijin" com o Satoshi Tsumabuki e está sendo agora com "Ryomaden" com vocês sabem com quem, leva um ano).

Quem começou a acompanhar este sítio desde fevereiro ou março deste ano, percebeu que destes meses pra cá, eu e namorido kinguio estamos levando uma vida que seria perfeito pro enredo de novela daqui. Sim, devido ao trabalho do namorido, ele está no shitamachi (bairro velho mas mais residencial que baladeiro) de Tóquio e eu aqui em Yokohama, cidade que "adotamos" desde 2002. E desde então, procurar um lar para nós dois de novo vai se arrastando...

Pior ainda é que, na verdade, estou desde 2007 naquelas de pensar "a gente muda de casa ou não", mais naquela época mudar pr'uma casa mais perto da estação de trem, pois depender sempre de ônibus, tem hora que não dá. Só o tempo que levo da estação-casa de ônibus, dava pra fazer muita coisa, ou ainda, nem depender de horário quando pego um dos últimos trens pra voltar pra casa depois da saideira.

Eu sei que vão me perguntar: "e até agora não mudaram por qual motivo?", mas aqui nesta região, não é fácil alugar um apartamento, uma casa, que seja. Existem vários fatores que eu contei no "Em Busca do Cafofo Desejado". Eu sei também que vão me dizer que "morar em região x ou y está mais fácil", mas lembrem-se que eu trabalho em Tóquio e acho que até quando me aposentar (no Brasil) ainda estarei por algum tempo por lá.

Ultimamente, nossa questão financeira anda no sentido "não sobra taaaaanto assim mas também não falta". Afinal, temos contas a pagar como qualquer cidadão normal aqui (aluguel, telefone, imposto residencial, seguro-saúde...). E pra alugar um apartamento aqui, eu volto a dizer: não é fácil, não, gente. Sem falar que, pra sair de onde estamos, vai outra nota alta...

Como muitos de meus fiéis leitores já disseram "essa sua saga da procura do cafofo novo vai render uma novela". Pior que vai mesmo. Se virasse novela na TV japonesa, ela se encaixaria no horário das nove da noite, toda terça ou quarta (são os dias que geralmente eles colocam tragicomédias românticas, porque de segunda seria exclusivo da FujiTV e tem que ter enredo bombástico, com atores apaixonantes e que dê audiência...)

Tentarei contar em partes como é tentar alugar um apertamento novo (no meu ponto de vista, pois a gente só descobre quando a gente mesmo acaba enfrentando com cara (de pau), coragem (onde?) e gastando o (pouco que sei de) japonês com os (as) atendentes das imobiliárias deste Japão. Apesar que contei uma amostra no artigo aqui, que por sinal estará fazendo parte dos artigos mais comentados do ano, se preparem.

Ilustração: retirada do antigo site oficial do Snoopy e era um wallpaper para seu PC. Eu tinha este wallpaper quando ainda possuíamos um velho porém quebra galho Hitachi com Windows 2000ME, vê se pode! (Atualmente estou com o Sony Vaio Type L e com Windows Vista. Eu sei que preciso me atualizar mais, mas as condições ainda não são favoráveis, tenham fé.)

Sunday, June 13, 2010

Fofoquinhas, Troca de Informações Inúteis, Nada a Declarar (mas que todo mundo gosta de ler, isso eu sei)

Feliz dia dos namorados pra quem é econômico nas moedas mas generoso no coração!

Pois é, pessoal, a leitoa rosada e lesada volta aos poucos a programação normal. Uma das coisas que sempre falo que preciso repaginar é o leioute deste sítio. Até sugeriram mudar de nome, porque logo logo falar de Yokohama que é bom, nada. Realmente, preciso mesmo.

Ah, sim. Dia 12 de junho, dia dos namorados no Brasil. Aqui, já o fizemos nos dias 14 de fevereiro e 14 de março. Os brasileiros que aqui residem, se comemoraram as duas datas, uma terceira, dependendo de quem for, vai deixar o piggy bank na falência e cheio de esparadrapos...

Como sempre, as informações inúteis que povoam este sítio (daquelas: não tem o que falar mesmo), mas eu sei que muita gente gosta. Ou não.

O Funcionário (Temporário?) do ano: Quem lembra do post que falei que o agora o ex-premiê Yukio Hatoyama pediu as contas, quando preparei a matéria pra ser publicada (confesso: preparo alguns até uma semana antes), ainda não sabiam quem seria o louco... ops, o candidato a cadeira (elétrica) no Parlamento. Logo depois, um dos meus atuais frequentadores do sítio, o MP Kouhaku informou-me que o ex-ministro das Finanças Naoto Kan (菅 直人 , como se escreve aqui) assumiu o difícil e espinhosa tarefa de comandar o arquipélago. Desde Junichiro Koizumi, já é o quinto Premiê em quatro anos! Quem durou mais foi Yasuo Fukuda, com 366 dias no cargo...

Kan manteve quase o mesmo ministério que Hatoyama havia escolhido (veja aqui, em inglês). Uma das alterações feitas foi convocar a ex-modelo e ex-reporter e hoje era da Câmara Alta do partido Democrático, Renhou Murata. Quem acompanhava a alguns programas de TV na parte de política, ela aparecia sempre criticando sobre gastos excessivos dos cofres públicos. E acabou sendo chamada para ser ministra da Reforma Administrativa...

Até quando vai durar? Veremos.

Forma cruel de arrancar mais dinheiro do trabalhador: Trabalhei num escritório de contabilidade para pagar as despesas da faculdade, e vou dizer (se não mudou muita coisa, pois já fazem mais de vinte anos): como no Brasil paga-se imposto pra tudo: imposto sobre consumo, imposto de renda, imposto sobre produtos industrializados, imposto residencial, taxa de nem me lembro mais, pois era tanta papelada que eu tinha que preparar para que os comerciantes pagassem. E achava o fim da picada isso. Bem disseram que o país que talvez tivesse mais impostos seria o Brasil. E olha que aqui o imposto sobre consumo, os 5% sobre o valor da compra, já vem cobrado na nota fiscal (já tenho o imposto residencial descontado no meu salário, nem dando tempo pra sentir a dor). Agora, alguns parlamentares não satisfeitos em arrancar dinheiro alheio no país, resolveram criar uma emenda de lei 559/10 que cobraria uma taxa de 2% nas remessas efetuadas ao Brasil.

Já não basta na hora da gente fazer a remessa já ter uma cobrança de taxa (até aí até entendo porque vai fazer uma transferência internacional), nossos familiares dependendo desta quantia para pagar justamente esse monte de imposto que o governo cria e agora mais essa?!

Para quem não está por dentro, ouçam o NipponCast, do pessoal da Portal Nippon, que vão entender e como a revolta de, se não, todos que estão no exterior. E aproveitem para deixar seu comentário lá, que no próximo NipponCast, o pessoal ficará agradecido.

O Programa 24 Hour Television 2010: Vamos falar de coisas boas, amenas e com fins filantrópicos. O programa anual mais visto (talvez perca pelo Kouhaku Utagassen, né), o 24 Hour Television, este ano terá a apresentação do quinteto TOKIO (formado por Shigeru Joshima, Tatsuya Yamaguchi, Taichi Kokubun, Masahiro Matsuoka e Tomoya Nagase). Todo ano, sempre um grupo musical, ou apresentadores, ou atores, fazem a apresentação do programa, participam, visitam entidades filantrópicas, seja de pessoas especiais ou idosas. O quinteto TOKIO já é a terceira vez que participa do programa, sendo que na primeira vez, Yamaguchi foi quem fez a "Charity Marathon", ou seja, fazer o percurso de 150 quilômetros dos estúdios da Nippon TV até o Budokan (ou Tokyo Big Sight) do início ao fim do programa.

Este ano, quem vai fazer a maratona será a... o... ah, que seja, a vencedora do Miss International Queen que houve na Tailândia - Ai Haruna. Sim, a tarento que mudou de sexo e hoje participa de muitos programas de variedades. Só que eu não sabia que Haruna está com 37 anos. Fiquei sabendo na semana passada, enquanto assistia ao "Sukkiri!", que passa na Nippon TV (eu intercalo com o Mezamashi) e já avisaram a Haruna que não é pra exagerar nos make-up que costuma fazer senão a maquiagem vai derreter. Mas ela já avisou que vai ser coisa leve. Gambare!

E as cabeças... ops, as bolas vão rolar em campo: Quem me conhece, sabe que eu pra futebol sou um zero à esquerda, mal assisto aos jogos da Copa e só torço pro Tricolor Paulista disputar a Libertadores aqui. Mas a Copa do Mundo de 2010 já começou na sexta-feira, dia 11 de junho e no jogo da estréia, empate entre os anfitriões (Africa do Sul) e o México. E quem pensou que o jogo do dia 12 com Uruguai e França, a coisa ia ferver...

Detalhe: esta já é a quarta Copa do Mundo que passo longe de casa. No twitter acho que falei errado pra nem lembro quem e falei que era a terceira. Esqueci da Copa da França, de 1998, logo que cheguei aqui. A de 2002 foi perto de casa e tá que ingresso a gente conseguiu. A de 2006, nem te falo, estava trabalhando e a gente ficava com um olho na TV e outro no trabalho. Quero só ver a de 2014, se é que até lá estarei de volta.

Mas tudo o que é evento, quando junta muita gente de diversos países, dá nisso: troca de elogios (tal como os argentinos com os brasileiros), muita contusão, suspeitas de doping, até discussões calorosas entre os próprios jogadores do mesmo time... E se o time leva a taça, o técnico vira o herói, mas se perde, das duas uma: ou pede as contas ou vira vilão de vez.

As vendas de iPad e agora iPhone 4G... Quem ficou na fila para garantir seu iPad (mais conhecido pelos desafetos como iPod de Itu), que acabou rapidinho mesmo para quem reservou, agora outra fila para reservar (leiam bem: reservar) o iPhone de quarta geração, com direito a usar o videocall usando sistema hi-fi. Sempre assim: cada ano que passa, os aparelhos mudam. Perguntaram pra mim porque eu não troco o meu por um destes. Pra falar a verdade, eu sou meio purista para essas coisas, ou seja: sou fiel a uma marca só...

Mundo Disney nas Páginas da Elle Espanha: Uma dos assuntos mais difíceis de eu abordar neste sítio seria moda. Mesmo sabendo que aqui, o pessoal faz uma misturança de estilos que andando em Shibuya ou Harajuku, passa batido (mas bem que a gente não consegue deixar de reparar), é coisa rara eu postar algo sobre moda pois existem sites pra isso e quem me conhece pessoalmente, sabe que pro trabalho é calça e camisa sociais e off-work geralmente uso jeans básico e camiseta (quanto não muito vestidos), quase não acompanho o que tem de moda no momento. Juro.
Na coluna dos sites (que ninguém vê, eu entendo), tem um site sobre animações, chamado "Cartoon Brew" e numa destas minhas navegadas, eu li uma postagem que achei interessante e até mesmo curiosa que a revista Elle da Espanha fez sobre os estilistas famosos "encarnando" os personagens da Disney (ou seria o contrário?). Imaginem Pato Donald como Marc Jacobs e Jean-Paul Gaultier, o Lobo Mau como Karl Lagerfeld, Gastão como John Galliano, Maga Patalogika como Nathalie Rykiel, Margarida como Donatella Versace, Mickey e Pateta como Dolce e Gabanna e Gansolino como Alber Elbaz... Enfim, uma boa e caridosa alma, teve o trabalho de escanear a revista contendo os desenhos feitos por Ulrich Schroder. O post está aqui e os desenhos aqui.
Fotos que ilustram o post de hoje, procurados via seo gugol (o porco branco), Sankei Shimbun (Ai Haruna) e no Cartoon Brew.

Saturday, June 12, 2010

Como Ser Membro de Um Fã Clube?

Piggy Sakura avisa: o artigo a seguir é aconselhável para:

1 - Quem mora no arquipélago há mais de três ou quatro anos sem intenção de retorno pro país natal por um bom tempo;

2- Quem REALMENTE gosta do artista favorito, senão nem perca seu tempo lendo as instruções, a não ser que queira passar as informações para o doido mais próximo da sua casa...

Desculpem-me a demora em ficar atualizando aqui, mas quem desde março está acompanhando ou tentando fazer, estou naquela epopéia de procurar logo esse bendito apertamento, mas vou dizer a verdade: ô, coisa difícil, meu Deus!!! Dentro em breve, nova novela no blog, aguardem!

Bem, cumprindo o que prometi no artigo anterior, eu pensei que fosse muito, mas muito complicado mesmo em fazer parte de fã clube oficial... Pensei que fosse questão de barreira de linguagem, não aceitarem estrangeiros, toda aquela história que muita gente deve ter passado, sei lá, até hoje, conheci via comunidades pessoal que conseguiu ser sócio(a) de um fã clube oficial do artista local. E disseram que não é difícil, acreditem!

As vantagens de fazer parte de fã clube oficial do artista predileto são várias, mas muita gente acaba se associando pelos motivos:

1 - Facilidade de conseguir ingressos antes dos mesmos serem vendidos no Lawson Ticket, Ticket Pia e outros menos cotados, inclusive em cambistas legalizados;

2 - Poder ter em primeira mão alguma novidade fresquinha deste artista;

3 - Poder ter brindes exclusivos para associados;

4 - Poder ir aos programas e shows restritos...

Desde que o show business existe, obviamente existem os fã clubes para tudo que está vivo, falecido, animado ou não. Desde "Elvis ainda está vivo" até os "Turistas de Capa Amarela do Desenho 'As Cataratas do Niagara'", existem bilhões de associados. Ué, fã clube, segundo me disseram em alguma encarnação passada, seria "um lugar para que os doidos pelas mesmas coisas se reunem por terem algo em comum".

Voltando, pensei que fosse difícil fazer parte de um fã clube, mas acreditem, eu achei fácil, e olhe que eu não leio tão bem a língua japonesa, mas o básico todo mundo sabe: preencher os dados, pagar e aguardar receber a carta contendo as instruções, cartão de associado, revistas e tudo o mais. Mas como se faz?


Eu conheço três formas de como se associar (se tiverem mais, aceito nos comentários, afinal, ajuda construtiva sempre é bem vinda) :


1 - Via Correio: O mais tradicional meio de associação ainda está em alta. Geralmente em revistas, os endereços para associação de seus artistas prediletos estão lá. Há quem peça informações por telefone, mas vão pedir pra anotar tudo, então vá direto no assunto mesmo, que são revistas (especializadas em música, cinema, etc.). Basta escrever em poucas palavras que você quer associar-se ao fã clube, enviar um envelope selado com seu endereço e receber de volta contendo o que você precisa para associar-se: normalmente um furikomi para ser pago no correio, o que vou explicar logo a seguir...

2 - Via Pagamento no Correio: E por que não em banco, tia? Porque aqui, muita gente prefere pagamento via correio por ser mais fácil e já vai enviado direto para o destino. Além de não cobrarem taxa caras para remessa. Como enviado direto? No próprio formulário do correio - o yuubin furikae já tem todos os campos para serem preenchidos. Os dados, bem, lembra do item anterior quando você pediu o material necessário pra se associar? Eles ensinam como preencher o yuubin furikae para não dar erro depois.


Modelo de um yuubin furikae, adquirido no correio: Nas bolinhas assinaladas, tentarei traduzir cada item: 1 - Numero da conta do beneficiário e o nome ; 2 - o valor a ser pago; 3 - Seu nome e endereço e telefone; 4 - repita a mesma coisa do item 1; 5 - repetindo o valor a ser pago; 6 - repita a mesma coisa do item 3.Entre as bolinhas 1 e 3, o espaço é destinado para informação que será enviada ao fã clube. No meu caso, tive que preencher o nome completo, endereço, telefone (celular e fixo ), data de nascimento (eu acho que esqueci, não me lembro) e seu artista predileto.

Esqueci: para a inscrição e anuidade, custam de 4000 a 5000 ienes, depende do artista. O valor inclui a inscrição. Basta pagar no balcão do correio e esperar algumas semanas...

3 - Via Internet: Hoje em dia muita gente resolve fazer por este meio. Mas o porém é que, se fizer através do mesmo, prepara o orçamento pois vai precisar do cartão de crédito... No site do Masaharu Fukuyama, por exemplo, pode fazer via internet, mas a taxa de inscrição e anuidade serão descontados no cartão. Se não tiver, não precisa priar cânico que pode fazer das duas formas anteriores, basta pegar os dados no site. Se bem que, se pegar as instruções de como se faz o pagamento no correio, copie os dados (tal como esta lesada fez), preencha o yuubin furikae e pague na agência do correio mais perto da sua casa. Detalhe: de semana, horário que os bancos funcionam, nem pensar ir aos finais de semana.

Se tiver problema na hora de preencher, peça ajuda para a atendente do correio. O problema seria na hora de escrever, pois tudo tem que ser no temido kanji. Não sei quem chegou a fazer, mas no meu caso, quase tudo acabo preenchendo em kanji mesmo, não pra me gabar, mas por necessidade mesmo.

Disseram pra mim que levaria um mês para chegar a carta contendo material do fã clube, mas eis que pra minha surpresa, levou menos de quinze dias! O cartão de associado, contendo seu código ( a senha vem a parte), é seu código pra fazer login no site oficial e navegar. Recebi a revista mensal, as regras, ingresso pro filme "Zatouichi the Last" (calma, vou semana que vem) e também o boleto para pagar o ingresso da turnê nacional que começara dia 31 de julho em Hokkaido...

Só vale a pena mesmo associar-se aqui desde que ainda fique por mais um bom tempo, como seria meu caso. Em caso de mudanças, no próprio panfleto que vem com a correspondência, tem um formulário para enviar ao fã clube avisando do novo endereço.

Se tiverem alguma dúvida (é óbvio que vai ter e como!), por favor, comentários que eu tentarei responder assim que eu estiver mais tranquila. Demoro um pouquito, mas nem tanto.

Agora, pessoal do Brasil, ou se estiver em outro país, poderiam me informar como seria associar-se a um fã clube oficial? A gente publica!

Tuesday, June 08, 2010

Fã Clube

Depois que publiquei uma foto no Facebook, no twitpic e neste sítio, recebi alguns comentários (de bem humorados a aqueles que querem me verem assando em rolete embalada no papel alumínio). E quem me conhece pessoalmente (especialmente na firrrrrma), perguntaram que remédio eu ando tomando, se eu ando me entupindo de Fanta Uva, se o café que eu tomo contém algum aditivo ou já nasci assim mesmo, sem falar que pediram pelamordeDeus pr'eu tirar logo minhas férias (vou tirar uma semana em agosto, mas sem trocadilhos infames, por favor), pra mudar logo de casa pois acham que a falta de conversar com o kinguio deixou-me pirada... Por e-mail ainda não mandaram, mas logo em breve receberei alguns e-mails meio depreciativos...


Só pra explicar pra quem começou a frequentar este sítio agora (e depois desta, não frequenta mais. Ou se frequentar, vai ser pra detonar-me nos comentários): sim, pessoal, mês passado filiei-me (com dez anos de atraso) ao fã clube do quinteto Smap.


Pronto, falei.


Vão me perguntar: "mas você não é fã dos Beatles desde 1982?"


Sim, eu sou. Mas como o grupo acabou antes de eu nascer e a possibilidade do grupo se reunir só se for ou na base de mesa branca ou do outro lado do plano material. Poderia me filiar ao fã clube daqui, mas nem sei se está em atividade, pois só a loja que vendia material oficial que tinha em Harajuku fechou no ano passado, pois nem os newsletter eu estou recebendo mais. Resta ver no seo gugol. Update: o site oficial Get Back ainda está ativo, mas com informativos e lojinha.


E "do seo idolatrado, vitaminado, quarentão mais bem cotado Masaharu Fukuyama?"


Pra dizer a verdade, até pensei mesmo em filiar-me ao fã clube dele, o "We are Bros.", mas agora tenho que aguardar mais um pouco para pagar a inscrição e anuidade. E olha que estou enrolando nisso há quatro anos! Do jeito que ele anda meio ocupado com o taiga (novela ambientada na Era Tokugawa em diante) "Ryomaden" e com o comercial dos televisores Toshiba, se fará show este ano, espero que seja lá em Yokohama, no Pacifico, no countdown. Isso se não pedirem para ele aparecer no Kouhaku Utagassen de novo.


Mas por que cargas d'água resolveu então fazer a carteira do fã clube oficial do Smap?

Explicando, porque tem muita gente que não sabe ou começou a me acompanhar agora: desde que estou aqui no arquipélago, em 1998, acompanho o programa semanal do quinteto, e confesso que tenho vários singles e CDs deles. Tudo começou com duas colegas de apartamento que, por falta mesmo do que fazer no meio do arrozal (explico num post oportuno), onde tudo fechava cedo, onde o trem pra "cidade grande" acabava dez da noite, ficavam assistindo aos programas de TV. Na época, internet era algo longe de se pensar pro pessoal do meio do mato.

Então, encurtando: essas duas colegas gostavam de assistir toda segunda-feira o programa semanal "SmapXSmap", no ar desde abril de 1996. Uma de minhas colegas, tinha vários CDs do grupo, e na época que vim pra cá, o sucesso deles era "Yozora no Mukou" (pra infelicidade de alguns amigos meus, virou obrigatório no meu repertório nos karaokês que pouco íamos). Daí pra gostar do programa e depois das músicas foi um pulo.

Namorido também gosta de algumas músicas do grupo (como a citada, "Arigatou", "Lion Heart" e "Sekai ni Hitotsu Dake no Hana"), mas como se não bastasse ele tirar uma da minha cara pelo fato de eu gostar das músicas do Masaharu...

Mesmo depois dos dois incidentes que aconteceram com o grupo (a ponto de especularem mesmo que iriam acabar), continuo - sempre que dá, devido ao meu horário desregado de trabalho - assistindo o programa semanal deles. Nem que seja por base de torrentagem. No que, de brincadeira, namorido disse-me "já foi no do Paul McCartney, já foi três vezes do Masaharu, só falta você querer ver o Kimura ao vivo", a brincadeira ficou séria.

Acabei por filiar-me ao fã clube pelo motivo de que este ano eles farão o famoso "Five Dome Show", ou seja, nos cinco maiores estádios do Japão (Sapporo, Fukuoka, Nagoya, Osaka e Tokyo), e como sabe lá quando eles farão de novo... E também pela velha história: se for membro, consegue ingresso em lugar mais privilegiado, ou alguém aí foi em show em algum dos cinco Dome que eu mencionei?

Sem falar também a possibilidade de receber convite para participar no programa ao vivo que volta e meia eles fazem. Ainda mais que agora estou mais perto de Tóquio, dá pra ir quando der, ou quando meu chefe deixar eu trocar meus dias de folga. Geralmente, os shows que eu fui aqui, foram de finais de semana (exceto do Masaharu no Yoyogi Taishokan e Franz Ferdinand no International Forum), mas já negociei com o pessoal que dias 18 e 19 de setembro nem pensar em me dar serviço, pois verei se sobreviverei no Tokyo Dome.

Só que para isso, primeiro preciso logo pagar o ingresso que o prazo é até o final de junho. Ter que esperar o dia da cebola.... ops, pagamento, é dose.

Próximo post eu tentarei explicar como se filiar a um fã clube no Japão...

Monday, June 07, 2010

Lazona, Kawasaki


Quando essa loja de departamentos abriu na cidade de Kawasaki (uns vinte minutos de trem de onde me escondo), só fiquei meio arredia com o nome que deram. A primeira coisa que eu pensei, foi: brasileiro, do jeito que é, bem provável que surgirão inúmeros trocadalhos do carilho.

O nome? Lazona.

Desde que foi inaugurado, em 2006, fui algumas vezes para lá. Motivo de não ir com aquela frequência, já que fica logo na saída de Kawasaki: 1) muitas vezes indo direto, logo enjoa e 2) costumo ir quando folgo no final de semana, mas logo desisto só de saber que fica extremamente hipermegaultra lotado aos sábados e domingos.

Antes de ser uma grande loja de departamentos, o terreno onde fica o Lazona, era antes a fábrica de eletroeletrônicos Toshiba. Que por sinal, tem participação na construção. Levou cinco anos para ficar pronto, e hoje além de compreender várias lojas nacionais e internacionais, a parte gastronômica, entretenimento e comercial é muito grande.


O nome "Lazona" na verdade, vem da junção das palavras em espanhol "Lazo" (laços) e "Zona" (terra). O espaço central, onde é uma arena ao ar livre, quase todos os finais de semana, costumam ter atrações musicais, talk shows e eventos. Numa destas, a atual vencedora do concurso do "travesti mais bonito(a) do mundo", Haruna Ai, chegou a aparecer, o qual superlotou o local. Do tipo: parou tudo mesmo. Isso antes de ela (?) ser eleita (?) a (o, ah, sei lá) travesti mais bonito(a) do mundo.


As últimas vezes que eu e namorido fomos até lá, foi para jantarmos. Tem um restaurante do estilo americano, o qual você paga na entrada, pode ficar uma hora e meia cometendo todos os sete pecados capitais de uma pancada só. E uma vez que fomos na matriz de Odaiba, ao descobrirmos que tem uma matriz mais perto de casa, segura a gente, senão o risco de sairmos rolando é grande. (Em breve, uma resenha sobre o local)

Tem uma parte da arena onde constam os doze signos do zodíaco. O meu é esse...

Se forem para lá, aconselho irem de semana. Menos cheio, dá pra andar tranquilo e ver as lojas - que tem de tudo um pouco, desde marcas conhecidas (Uniqlo, GAP, Zara...) até as brand shops como Coach, Banana Republic... Passando pelas de (in)utilidades para o lar, cosméticos (Body Shop, Marks&Web, L'Occitane, só pra citar), restaurantes e loja de eletroeletrônicos.

E também tem cinema ( o 109 Cinemas), que vez por outra, algumas lojas do Lazona oferecem desconto de 50% no ingresso caso fizer alguma compra ou almoçar ou lanchar lá.


Não pude tirar fotos de dentro da loja, o interessante seria irem conhecer nem que seja para ver o que tem de diversificado num complexo de lojas.

Muita gente que mora aqui conhece esta rede de escolas de culinária. Se quiser ir uma vez para ver como é, pode fazer um curso de um dia. Basta fazer a reserva, levar consigo um avental, toalhinha e pantufas. E dependendo da campanha, ou sai de graça ou por 500 ienes. Recomendado pela autora lesada aqui que já fez isso três vezes na unidade de Yokohama...

Para chegar (via trem, não aconselho carro, a não ser que vá com mais gente para dividir tudo: estacionamento, gasolina, pedágio...), na estação de Kawasaki (JR), saída da catraca, do seu lado esquerdo. Não tem erro: a estação de Kawasaki (JR) só tem UMA catraca mesmo... Se forem pelo lado direito da catraca, vão conhecer a loja de departamentos Kawasaki BE e o Marui Kawasaki (só que este fica ao lado de fora mesmo).

Se vierem pela outra linha, a Keikyu Line, tem que andar um bom pedaço da estação Keikyu Kawasaki até Kawasaki (JR). Indo pelo subterrâneo, é melhor: acabarão por conhecer o depachika (depaato = loja de departamentos + chika = subterrâneo) Azalea, onde também tem lojas interessantes. Subir dois lances de escada rolante para chegar no corredor da estação de Kawasaki e seguir reto e direto para o Lazona.

Ainda não percorri os quatro andares (dentro e fora) desta loja, mas se eu pegar um dia de semana que estiver de folga, provavelmente ficarei o dia todo e não conheci tudo. O meu problema é que, quando entro numa loja, dependendo, eu chego a ficar mais de meia hora olhando...

Saturday, June 05, 2010

Mas de Novo?

Amigos e amigas leitores e frequentadores deste sítio, eu sei que vocês vão chiar, gritar, dar vivas e soltarem um monte de fogos de artifício, mas como esta semana estou mais do que direto no trabalho, dá pra perceber que minhas postagens estão sendo meio esporádicas, mas espero que logo logo eu consiga colocar tudo nos eixos (leia-se: arranjar logo um cafofo novo).

Enquanto ainda estou nessa vida semana sim, semana não em Tóquio-Yokohama, vou postando na medida do possível, isto é, quando volto pra casa depois de ficar alguns dias com namorido.

Precisam-se de temporários (arbeit). Tipo de trabalho: Primeiro-Ministro do Japão... Ironia ou não, depois de Junichiro Koizumi, ser premiê no Japão, virou trabalho temporário. Pra dizer a verdade, eu perdi a conta de quantos primeiro-ministros passaram no parlamento. Quatro? Cinco? Em questão de quatro anos. O último, Yukio Hatoyama, pediu demissão do cargo, o que virou e está até hoje no noticiário. Como disseram o pessoal no twitter: tem certos países que deveriam fazer como aqui - falhou, não prometeu o que cumpriu, peça as contas. Agora, resta saber quem vai assumir a batata quente...

A vinda da Cegonha... Que Mariah Carey, Kelly Preston e Celine Dion estão aumentando a prole, quase todos os sites publicaram. Aqui, eu não sei, falar que uma atriz ou cantora está esperando filho, a probabilidade de ser um dekichatta kekkon (ou casou grávida) é de 90% dos casos. E destes 90%, a chance do relacionamento durar mais de uma década, é pela metade (casos raros são os casais Yosuke Eguchi-Chisato Moritaka e Takuya Kimura-Shizuka Kudo). Pode ser que eu esteja redondamente (com o perdão do trocadilho...) enganada . Bem, esta semana, na Oricon, saiu a notícia de que a cantora e modelo Kaela Kimura (que começou como modelo de revistas descoladas e apresentadora do programa "Saku Saku" e agora é cantora e compositora e garota-propaganda da DoCoMo) está grávida de cinco meses. O pai? O ex-modelo, agora ator e garoto-propaganda da Shiseido, Kirin e UFJ, Eita. Isso porque os dois já estão juntos e morando no mesmo lar há oito meses. Seja como for, esperamos que dê certo!
Eita e Kaela Kimura, o mais novo casal no showbiz japonês. Ele, ator e recentemente nos comerciais da Kirin Free e do Fog Bar. Ela, cantora e agora garota-propaganda da DoCoMo na campanha de verão.

Em terra firme: O astronauta e "twitteiro" Soichi Noguchi retornou à Terra depois de 163 dias no espaço. Muita gente deve ter levado um susto no noticiário, pois mostraram a capsula onde aterrissou em terra firme parecendo toda quebrada e ele sendo carregado dando sinal que está tudo bem. E eu pensando que tudo caía no mar para amortecer a queda, ou estou muito enganada. Pra quem não lembra, Soichi divulgava o dia-a-dia e fotos do espaço via Twitter... E chegou a fazer um sushi em pleno espaço.

Melhor que produtos cosméticos de linha? Navegando na internet, li uma matéria sobre um tipo de chocolate que foi criado para combater e até prometer acabar com as temidas rugas da idade. Claro que ninguém vai ficar saindo por aí e comprar o primeiro estoque de chocolates no mercado da esquina, pois esse chocolate tem nome e marca específicos, chamado de Acticoa, produzido pela Barry Callebaut, um dos maiores fabricantes da iguaria do mundo. Só que o problema é que não explicaram onde será vendido e o precinho...


"Butterfly", sucesso do ano passado de Kaela Kimura, foi tema do comercial para quem quer casar e não sabe por onde começar (catálogo Zexy, do grupo Recruit), debutou no Kouhaku Utagassen em 2009. Quem acompanha a carreira musical dela, até devem ter estranhado ela ter feito sucesso com uma música romântica (e o PV era bem fofinho, pena que o iuchubi & cia retiraram do ar...)

A autora volta na semana que vem, aguardem! Ou não...

Friday, June 04, 2010

A Esperança é a Ultima Que Não Vai Morrer

Pra ver como aqui estou indo mais em shows e cinema do que enquanto estava no Brasil. Primeiro, que pra ir ao cinema, onde eu morava, teria que pegar vinte minutos de estrada. Sério. Só pra verem o quão no meio do mato eu morava. Segundo, sempre que eu pensava em ir ao cinema, acontecia de algum imprevisto acontecer. Ou porque precisava ficar trabalhando até mais tarde.

Shows, então, só fui em um enquanto no Brasil. Sim, fui no show do Sir Paul McCartney quando o mesmo foi pela primeira vez no Maracanã, no dia em que foi batido o recorde de público pagante em shows. Quase fui espremida, mas valeu o sacrificio, afinal, sair do interiorzão paulista, encarar doze horas de onibus, numa estrada que era algo a pensar e arriscar na Cidade Maravilhosa, em 1990.

Poderia ter ido em 1993, quando Sir Macca foi fazer show em um lugar mais perto de casa (digamos no Estádio do Pacaembu, Sampa), mas não consegui ingresso nem por decreto ou em 2002 quando foi no Tokyo Dome (não sabia que os ingressos eram comprado por antecipação de um ano), justo no dia em que fui fazer entrevista de emprego.

Sir Paul McCartney, antes de ele receber o título de "Sir", mas quando os infames mullets eram moda, em ação na turnê mundial de 1989-1990. Sim, eu estive no Maracanã, o que valeu cada centavo investido.

Mas ainda tenho esperança que o Sir Macca ainda venha fazer shows no Japão e no Brasil (se bem que era para ter feito em abril deste ano em Brasília, mas sabe o que deu né?), espero que eu ainda esteja pra assistir, pois, como todo mundo sabe que ele está quase com setenta anos e, se fizer uma turnê mundial, aproveitem que vai ser a última.

Comecei a ir em shows em 2006, quando minhas colegas de trabalho compraram ingresso pro show do U2, que havia sido cancelado antes e, quando remarcaram, quase todo mundo comprou. Eu confesso: não estava com aqueeeeeeeele ânimo pra ir, mas acabei indo pra me distrair, pois estava numa fase meio ruim. Apesar de eu gostar da fase antiga do U2, o show foi bom: tirando empurra-empurra, gente te espremendo, e eu só ter visto o show via telão, pois como ficamos na arena (no Saitama Super Arena), imaginem o povo que estava na sua frente... (a maioria era estrangeiro, e com dois metros de altura)

Show do U2 - "Vertigo Tour 2006", no Saitama Super Arena. Acreditem: tive que ver o show todo via telão, porque haviam pessoas BEM mais altas do que eu e impediam de ver o Bono Vox e seus amigos. Ah, sim. A piada infame do biscoito Bono que foi oferecido a ele no meio do show, nem preciso dizer de que nacionalidade onde o(a) individuo(a) era.

Mal recuperei-me de todos os traumas quando, em questão de dois meses, fui eu de novo no Saitama Super Arena pro show do (quarentão mais vitaminado e faz quase tudo) Masaharu Fukuyama. Antes que vocês digam que eu virei masoquista, já não bastou o espreme-empurra-pisa-e-passa-por-cima no show do U2, eu explico: junto com o ingresso, veio o mapa onde ficam os lugares - pois aqui, quase tudo é numerado. E o lugar onde fiquei, era na arena, mas com cadeira e bem posicionado. O show, uma maravilha. Quem falar que japonês não se anima, depende da música e de quem.

Masaharu Fukuyama, durante o show no Yokohama Arena, março de 2007. O DVD dos 17 anos de carreira, foi gravado no show que eu estive. Se eu apareço no filme, sei lá, era tanta gente...

Tá, eu sei que vocês vão bater em mim, e botar pra assar num rolete embalado em papel alumínio, mas fui mais duas vezes no show do Masaharu (março de 2007, no Yokohama Arena e setembro de 2009 no Yoyogi Taishokan), o que valeu cada iene investido. Pelo menos para quem é fã...

Fui também no show do grupo escocês Franz Ferdinand, em novembro do ano passado. No Tokyo International Forum. Lá só faltou mesmo o pessoal subir no palco, mas tá que os seguranças deixaram. Tirando este inconveniente, valeu a pena. Isso porque o quarteto não costuma fazer shows em lugares enormes. Exceto os festivais de Coachella (EUA), Glastonbury (Inglaterra) e Fuji Rock (Niigata), que junta muita gente de tudo o que é estilo.

Achava até então que este ano eu não iria a show algum. Era para ter ido no do Ivan Lins, que geralmente em fevereiro ou março ele costuma fazer no Blue Note, ou do Bob Dylan, no famoso Budokan que foi em março. Motivo de não ter ido: esqueci das datas e quando lembrei os ingressos esgotaram. Isso no que dá não comprar a revista "Pia" (ぴあ) ou ir na loja de conveniência Lawson que tem a revista "Lawson Ticket" na faixa.

Pois é: eu sei que vai ter metade de meus conhecidos querer me internar e a outra metade que restar querer que eu queime no purgatório, mas dia 19 de setembro, se ainda estiver viva, estarei no Tokyo Dome devido motivo conforme foto abaixo:

Por livre e espontânea pressão de algumas conhecidas de uma comunidade, acabei-me por tornar membro do fã clube oficial do Smap - com dez anos de atraso. Mas pra conseguir ingresso num lugar bom, só desta forma. Antes tarde do que nunca mais, pois nunca se sabe...

Pronto, agora que vou ser espancada em praça pública (se bem que quando postei no Facebook, teve amigo meu que perguntou o que andei tomando), muita gente vai dizer que eu pirei, que estou trabalhando demais, preciso de férias, mas como sempre digo: gosto é que nem traseiro, cada um tem o seu. Se eu nunca reclamei de ninguém que quase morreu espremido em show até de feira de domingo...