Wednesday, April 06, 2011

Sessão Pipoca: "Kobe Shimbun No Nanokakan"


Comercial da TV sobre o documentário, com os atores que protagonizaram os personagens principais
Eu sei que deveria parar no momento de falar de terremotos e outros desastres naturais, ainda mais agora que a vida está se normalizando, mas recentemente assisti - em DVD mesmo - um especial da FujiTV feito em janeiro de 2010 especialmente para lembrar os 15 anos do terremoto de Hanshin-Awaji (o que muita gente conhece como o "Terremoto de Kobe"), baseado em relatos de quem esteve na hora exata onde ocorreu o tremor, mais precisamente, a redação inteira do jornal Kobe Shimbun, um dos maiores da província.

"Kobe Shimbun no Nanokakan ~Inochi to Mukiatta Hisaikishatachi no Tatakai" (神戸新聞の7日間~
命と向き合った被災記者たちの闘い ou "Os Sete Dias do Jornal de Kobe - Vida e Luta, Afetados pelo Desastre") foi um especial produzido pela FujiTV e foi transmitido no dia 16 de Janeiro de 2010. Conta os sete dias que o maior jornal da província - Kobe Shimbun - teve que enfrentar as consequências de um dos maiores terremotos que o Japão teve.
A caminho de Kyoto - quando resolvem parar no alto das montanhas e viram a dimensão da tragédia
Devido ao impacto, a sede do jornal acabou sendo seriamente danificado, somente uma linha telefônica funcionava e o computador principal, que recebia e repassava as informações para as gráficas imprimirem os jornais e distribuir, acabou sendo quebrado, impossibilitando de transmitir qualquer dado. Com um acordo feito com o Kyoto Shimbun no ano anterior - que em caso de calamidades poderiam utilizar os serviços e equipamentos dos escritórios -, os diretores de ambos os jornais, concordaram que alguns repórteres e fotógrafos de Kobe utilizassem o escritório do Kyoto Shimbun para dar prosseguimento às notícias, nem que fossem três folhas.

Estradas destruídas, incêndios, falta de necessidades básicas. Isso os repórteres e fotógrafos teriam que registrar e passar para os jornais, para que a população saiba do que realmente aconteceu (lembrando que emm 1995, a internet não era o que é hoje em dia). Em Kyoto, os repórteres recebiam as informações por telefone dos outros funcionários que ficaram em Kobe. E os fotógrafos tiveram a dolorosa missão de registrar em fotos a real situação, sofrendo represálias, agressões e caindo em choro compulsivo, pois as imagens eram dolorosas.
Mesmo o prédio em risco de desabar e com apenas uma linha telefônica funcionando, o trabalho não pode parar

Durante uma semana, o jornal circulou de forma provisória, com seis páginas e muitas distribuidoras, especialmente em locais mais afetados, distribuiram os jornais a todos os moradores em locais improvisados de forma gratuita. Por volta do quarto ou quinto dia que a direção do jornal resolveu dar mais ênfase ao lado de depoimentos da própria população que sobreviveu, como era a vida nos abrigos, a dor da perda de familiares. Partiu a iniciativa de um dos editoriais-chefe de escrever uma crônica sobre o que passou nos dias seguintes ao desastre, pois ele mesmo perdeu o pai. O diretor-chefe da redação também havia dado um basta em falar somente da tragédia em si e repensar sobre o futuro do jornal.
O prédio do Kobe Shimbun, tirada quase duas semanas depois da tragédia.
Com o editorial de Yasuhiro Miki, contando o que passou nos dias seguintes do terremoto, e os fotógrafos visitando os sobreviventes, conversando e vendo o lado mais humano do desastre, o jornal, que já tinha uma boa tiragem, passou a ser um dos mais vendidos na região de Kansai ao mostrar nas páginas principais durante a tragédia, uma ponta de esperança.

O drama-documentário foi baseado em fatos reais e depoimentos dos ex-funcionários que estiveram no momento do desastre. Intercalando o filme e os relatos dos personagens reais, este documentário tem grande valia também sobre jornalismo.

Kobe Shimbun no Nanokakan - Inochi to Mukiatta Hisaikishatachi no Tatakai (2010)


Direção: Go Shichitaka e Yuji Mobara


Elenco: Sho Sakurai (Tomohiko Mitsuyama), Kazue Fukiichi (Kaoru Kofuji), Masato Hagiwara (Mitsuyoshi Kanai), Kei Tanaka (Yuiku Chin), Takehiko Ono (Takayuki Hirata), Kei Yamamoto (Yasuhiro Miki), Masahiro Takashima (Manshuji Shudo), Takashi Naito (Hideo Yamane), Keisuke Horibe (Akiyoshi Watanabe), Dankan (Tadao Sasa), Kenichi Yajima (Nagatomi Norimoto).


Exibido dia 16 de janeiro de 2010, no especial "Douyobi Premium" pela Fuji Television.


Audiência: 19,3% (região Kansai) e 15,3% (região de Kanto).


Baseado também no livro publicado pela mesma Kobe Shimbunsha - "Kobe Shimbun no 100 nichi".


Geralmente em todo site oficial do programa ou novela tem este gráfico de personagens e suas relações com outros.


Notas:
- Foram baseados também em fatos reais, em depoimentos feitos por Mitsuyama (fotógrafo do Kobe Shimbun), Kofuji (na época, era trainee de fotógrafa), Hirata (ex-diretor do Kyoto Shimbun, que ajudou os reporteres, cedendo o espaço para que o jornal prosseguisse), Yamane (ex-diretor do Kobe Shimbun), que apareceram no documentário.
- Os quatro funcionários do Kobe Shimbun que foram para Kyoto para continuar com o jornal circulando perante a tragédia foram o editor-chefe Manshuji Sudo, o revisor Akiyoshi Watanabe, o fotografo Tomohiko Mitsuyama e o motorista Tadao Sasa.
- Foram inseridos cenas de arquivos de muitos documentários filmados na época.
- Os pais do ator Masahiro Takashima (que interpretou Shudo, um dos revisores do jornal que deu segmento em Kyoto) tiveram a casa destruída no terremoto, como o ator descreve no site oficial do programa.
- Este especial saiu em DVD em junho de 2010.
O prédio onde atualmente situa-se a redação principal do Kobe Shimbun, proximo ao Kobe Harbor
Fotos que ilustram a postagem: via google. 
Texto baseado no Wikipedia, DramaWiki, site oficial do programa: http://wwwz.fujitv.co.jp/kobe/index.html

Postagem publicada na seção Entretenimento no Portal Nippon dia 6 de Abril de 2011: http://portalnippon.com/entretenimento/cinema-e-tv/j-dorama-kobe-shimbun-no-nanokakan.html

5 comments:

  1. Kiyomi!
    Quero muito assistir!
    Como eu fui perder essa?!

    Imagino como deve ser estressante a cobertura de um acontecimento desses, por várias vezes eu vi jornalistas japoneses se emocionarem nas reportagens desse último em Touhoku!
    Não sei se daria conta, viu!

    Agora que estou respondendo os comentários do Muffin!
    A Fabi arrasa, né!
    Vc fez a receitinha?!

    Ah, mais tarde tem postagem nova... Simples, mas nova!

    Bjao!
    ^^

    ReplyDelete
  2. Oi Pri! Eu também perdi esse especial e foi um custo encontrar na locadora (onde moro, nao tinha nas duas que conheço e acabei alugando em Shibuya).

    Quando assisti, fiquei impressionada o quanto os jornalistas tiveram que dar o sangue para correr atrás das informações, registrar e ainda fazer uma via-crucis para Kyoto entregar a pauta e voltar pra Hyogo para a grafica.
    Sem falar da tristeza e represálias que sofreram.

    Bem que eu tentei no d-addicts, mas nao deu certo!!! Ficou pensando, pensando, pensando... resolvi aproveitar a promoção 4 DVDs por milão e de quebra peguei SP (Security Police)

    Eu tambem estou beeeem atrasada nos comentarios. So que nao deu pra fazer a receita do muffin, esqueci pela 5a vez seguida nesta semana de comprar brocolis! =P Mas eu fiz aquele bolo de farinha de rosca.

    Beijao!!!

    ReplyDelete
  3. Kiyomi,
    Não sabia desse documentário.....
    Mas fiquei curiosa, principalmente porque na época estava morando em Tsurumi e senti o impacto do terremoto de longe, e segundo porque trabalhei com uma das sobreviventes desse terremoto.
    Ela sempre contava detalhes do acontecido...e.de que ficou soterrada com a filha.
    ah, não pude deixar de reparar no comentário da Pri...
    Nem imagina o quanto fico feliz....
    beijos e um ótimo final de semana

    ReplyDelete
  4. Adorei!!!!!
    Caramba um documentário~~ Quero muito assistir!! Eu não sabia desse documentário!! Provavelmente devem fazer um desse que aconteceu em março. Puxa, vai ser interessante saber como realmente foi, saber sobre os sobreviventes e tal... É bom pra gente entender melhor, e eu não consigo nem imaginar a dor dessas pessoas, porque é muito triste pra nós, imagina pra que vivenciou tudo isso.
    Quero assistirrrr!!! To curiosa ¬¬'

    Kissus~~

    ReplyDelete
  5. Eu nunca havia explorado muito o terremoto de Kyoto porque achava que tinha sido muuuitos anos atrás, como aquele de Tokyo a long time ago rsss... mas quando teve aquele terremoto de Niigata que estava no Japão inclusive em 2007 se não me me engano, eu passei a ter mais interesse nos estragos, ver a importância de se fazer uma caixinha de emergência, de estar preparado caso acontecesse alguma coisa... Acho muito legal isso do país inteiro estar preparado para um evento e, mesmo assim, controverso, por Deus mandar um tsunami... novamente, os estragos poderiam ser maiores claro, mas nunca nada é previsível.

    Kisu!

    ReplyDelete