Sunday, January 30, 2011

Resolvendo (ou Não) o Problema


Qualquer um já passou poucas e boas em qualquer central de atendimento, seja como cliente ou já ter trabalhado na área. Muitas vezes tenho até pena do cliente e também de quem está atendendo, porque precisa ter muito sangue frio e paciência para aturar certos clientes mas também há de convir que também os clientes não têm culpa e aí fica um maledeto círculo vicioso. 

Esta esquete, de 2004 do programa semanal Smap X Smap - "Innensan" - dá pra entender um pouco o drama de quem atende (Masahiro Nakai) e de quem é o cliente (Tsuyoshi Kusanagi).

No balcão de atendimento de uma loja de aparelhos celulares, um cliente é chamado [No Japão, algumas lojas, bancos e hospitais possuem um contador que fica no balcão. Na entrada, tem uma maquininha onde o cliente pega-se um papel contendo um número. Esse número é o que o cliente será chamado.]
Atendente: - Cliente numero 183, por favor compareça ao guichê...
(O coitado do atendente nem sabe o abacaxi que vai ter que descascar...)
Entra um salaryman (típico funcionário de escritório no Japão) e antes que o atendente pergunte alguma coisa, logo já coloca o aparelho celular na mesa dizendo que o aparelho não funciona e que quer um novo. Disse também que faz um mês que comprou e desde então não recebe nenhuma ligação, acha que o aparelho deve estar com defeito.
Nakai, o atendente, localiza o cadastro do cliente para ter o número e fazer um teste, ligando do celular que utiliza no trabalho para o do cliente. E o celular do cliente funciona.
Uma coisa ficou estranha nesta cena, pois o cliente nem se identificou e logo o atendente localizou o cadastro via computador)
O telefone do cliente toca normalmente, mas mesmo assim...
Atendente: - Mas está funcionando normalmente.
Cliente: - Isso agora, mas até então, não tocava!
Atendente: - Bem, mas mesmo se trocar por um novo, não vai ter as ligações que recebeu...
Cliente: - Mas desde que eu comprei, não tem um histórico de ligações!!!
O atendente torna a fazer novo teste com o cliente estando com o aparelho dele em mãos. Quando toca, o cliente fica totalmente perdido,desesperado e não sabe que botão apertar, nem como segurar o aparelho pra atender:
Cliente (assustado): - Minha nossa, tocou!! Que eu faço agora? Que botão eu aperto?!
(O cliente pega o aparelho e coloca onde fica o conector do carregador do aparelho no ouvido, levando a acreditar que o cliente não sabe mesmo usar um aparelho celular!

Não convencido, o cliente acha que ninguém gosta dele e tira da pasta e mostra ao atendente fotos que provam que ninguém liga pra ele. Na primeira foto, o cliente está no ponto de ônibus com o aparelho na mão enquanto outros salarymen estão ocupados, falando ao telefone:

Cliente: - Durante um mês todo, meus colegas estavam todos ocupados ao telefone, enquanto o meu nem sequer tocava.
Nakai: - Ué, mas quem tirou foto pra você?!

Na segunda foto, o cliente entre seus pais, como se estivesse lendo uma bola de cristal???
                                      
Cliente: - Em casa, eu e meus pais esperando ansiosamente por algum telefonema...
Atendente: - Hum, mas como e quem fotografou vocês?
(Esperar algum telefonema desta forma, nem via mesa branca ou reza forte.)
Cliente: - Isso, uma semana depois e nada.
(E o atendente nem sabe se ri ou chora. De raiva. Mas também, esperar alguma ligação desta forma...)
A quarta foto, o pai do cliente desmaiado:
Cliente: - Isso três semanas depois, acredita?!

A próxima foto, mostra o cliente caído no chão da sala, depois de ter enchido a cara, na esperança de ter recebido ao menos um telefonema…
Cliente : - De tanto desgosto de ninguém ter me telefonado, enchi a cara!!!
Nakai: - Mas por que está mostrando isso?
Logo em seguida, a foto de um cachorro (acho que é um da raça akita).
Cliente: - Este é John, meu vizinho, que está preocupado….
(Mostrando a foto do filhote da mesma raça) … com o seu irmão, Pochi.

Nakai (mostrando nervosismo): - Tá, pode parar com esse drama.
Cliente (duvidando do atendente): - Você deve odiar esse seu trabalho, né?
                                       
Nakai: - Mas o que você quer dizer com isso?

Cliente: - Bem, no momento que entrei nesta loja, tenho a impressão que você guarda algum rancor de mim…
Nakai: - Mas logo na primeira vez???
Cliente: - De qualquer forma, logo que fiz a compra do telefone nesta loja com você… 

O cliente mostra uma foto de Nakai, enfurecido, e com chamas ao fundo, como se fosse o inferno…

Nakai: - Mas isso foi ridículo, né? Bem, voltando, desculpe, você pensa que é impossível, mas, por exemplo você imagina que ninguém estaria te telefonando para o seu telefone, é isso?
Cliente: - Não é bem por aí, né?!
Nakai: - A possibilidade de não receber ligações é nula quando…
Cliente: - Mas o que você quer dizer? Quer dizer que ninguém me telefona porque ninguém tem meu número de telefone, é isso?
Nakai: - Bem, não seria de todo mau se pedir pra algum amigo seu te telefonar…
Cliente: - Tá, então procure uns amigos pra mim.
Nakai (incrédulo): - Hã?!
Cliente: - Por favor, arranje alguns amigos pra que possam ligar pra mim!
Nakai: - … Isso que você está dizendo pra mim, é meio sem sentido, não?

A partir daqui, a situação ficou hilária, o que já leva a crer que, ou o cliente não possui amigos ou porque não possui amigos por ele ser meio inconveniente...
Cliente: - Então, arranja uma mulher pra mim.
Nakai: ……………???
Cliente: - Isso mesmo, uma mulher, para que ela telefone pra mim.
Nakai: -  Isso eu nem tenho como arranjar!!!
Cliente: - Vejamos… Então seja meu amigo!
Nakai: - Impossível!!!
Cliente: - Impossível, nada. Então seja meu companheiro.
Nakai (faz uma cara que não sabe se ri ou espanca o cliente): ………
Cliente: - Estou vendo que esta loja não me ajudou em nada…
(e olha bem na cara do atendente) – Idiota!!!
[Apesar dos clientes virem reclamar seja de coisas sem noção, desabafando e até xingando, o atendente sempre tem que agradecer conforme o manual da empresa, fazendo a reverência e dizer “muito obrigado”. Mesmo esta esquete ser uma piada, tem um fundo de verdade.]

Nota da autora:
-  Na época, em 2004, o aparelho celular que Nakai e Kusanagi estavam utilizando nesta esquete eram os modelos da DoCoMo, mova N506i  e D506i respectivamente (coincidentemente, eu tinha o modelo N506i, igualzinho ao que Nakai fazia o teste, aquele que tinha que levantar a antena para ver se tinha sinal). Obviamente esses dois modelos já saíram do mercado.
- Acreditem se quiser, mas na verdade Masahiro Nakai quebrou o dedo médio da mão direita durante as férias do ano-Novo de 2004, e ficou por dois meses com o dedo enfaixado. Como ele conseguiu isso? Como ele adora baseball, foi brincando de "catchball" com a família e pegou a bola de mau jeito. Vocês sabem como é feita uma bola destas, né? Então...
- Mais Nakai: na vida real ele usa óculos. Mas quando está em casa, de folga ou raramente no trabalho.
- Traduzi (meio "nas coxas") a esquete através deste site (infelizmente parado), o SMAPXSMAP Bangumi Report em que continha quase todos os resumos do programa semanal, mas desde 1999 até 2008. A esquete do "Innesan" foi ao ar no dia 9 de fevereiro de 2004.
- "Innensan" tentei encontrar o real significado, mas subentende-se que seria "destino".
- Fotos: via direto do video mesmo.
- Se alguém quiser tentar acessar o vídeo, se não tirarem do ar, talvez ainda dá pra ver aqui.


Friday, January 28, 2011

Romina "Bah" Recomendou: Pink Floyd - "Pulse"


Do projeto "Discoteca Básica recomendada pelos leitores" - parte 2


Pink Floyd - Pulse (1995). CD duplo e também em DVD não em qualidade HD, mas que dá pro gasto. O álbum inclui uma versão ao vivo completa de Dark Side of the Moon, que é razão por ter escolhido esse álbum. No Brasil foi vendido mais de 100 mil cópias e sendo certificado com Disco de Diamante. Famoso também por ser vendido como edição limitada com uma pequena lâmpada vermelha piscante que estava programada para apagar quando a turnê encerrasse.


Pink Floyd é uma banda de rock britânica famoso pelas composições  de rock clássico, conhecido depois como rock progressivo. O nome deu-se pela admiração do então fundador da banda Syd Barret (06/01/1946 - 07/07/2006) pela arte dos músicos de blues Pink Anderson e Floyd Council. É um dos grupos mais influentes da história do rock, além de ser um dos mais sucedidos. The Dark Side of the Moon (que é a minha parte favorita do álbum) manteve-se no Top 100 Billboard de vendas durante mais de uma década e continua sendo os dos mais vendidos de todos os tempos. Uma verdade porque eu adquiri mais um como edição especial no Japão rs. A banda teve vários percalços durante sua formação, até porque naquela época o rock psicodélico tinha a influência de drogas (como toda banda boa da época rs). A formação oficial e clássica do Pink Floyd se dá por: Roger Waters, David Gilmour (meu ídolo, lindo, maravilhoso, coroa que eu casava fácil mesmo com quase 70 anos rs), Nick Mason e Richard Wright (falecido em 2008).


Disco 1
  1. "Shine On You Crazy Diamond(Waters/Wright/Gilmour) - 13:34 
  2. "Astronomy Domine(Barrett) - 4:21
  3. "What Do You Want From Me(Gilmour/Wright/Samson) - 4:09
  4. "Learning to Fly(Gilmour/Moore/Ezrin/Carin) - 5:16
  5. "Keep Talking(Gilmour/Wright/Samson) - 6:53
  6. "Coming Back to Life(Gilmour) - 6:56
  7. "Hey You(Waters) - 4:39
  8. "A Great Day for Freedom(Gilmour/Samson) - 4:31
  9. "Sorrow(Gilmour) - 10:49
  10. "High Hopes(Gilmour/Samson) - 7:52
  11. "Another Brick in the Wall (Part Two)" (Waters) - 7:08
Disco 2 
Posso dizer que o Disco 2 é o meu favorito do álbum. Não que eu não escute o disco 1, mas todas as músicas do disco 2 são fenomenais. Todas as músicas versam sobre os males que afligem o homem moderno. O tempo escravizador (Time), o dinheiro (Money), solidão (us and them), entre outros.
  1. "Speak to Me(Mason) - 2:29
  2. "Breathe(Waters/Gilmour/Wright) - 2:34
  3. "On the Run(Gilmour/Waters) - 3:48
  4. "Time(Mason/Waters/Wright/Gilmour) - 6:47
  5. "The Great Gig in the Sky(Wright) - 5:52
  6. "Money(Waters) - 8:54
  7. "Us and Them(Waters/Wright) - 6:58
  8. "Any Colour You Like(Gilmour/Mason/Wright) - 3:21
  9. "Brain Damage(Waters) - 3:46
  10. "Eclipse(Waters) - 2:37
  11. "Wish You Were Here(Waters/Gilmour) - 6:35
  12. "Comfortably Numb(Gilmour/Waters) - 9:30
  13. "Run Like Hell(Gilmour/Waters) - 8:36

Comecei a gostar de Pink Floyd desde os 14 anos, influenciada pelo primeiro namorado. Engraçado que até hoje, nenhuma música me lembra ele. Parece que ele nasceu para me apresentar a banda (tá, não posso desmerecer nosso relacionamento rs), mas acredito que Pink Floyd foi um divisor de águas da minha adolescência. E por mais que eu escute até hoje, a idade não passa. E acredito que Pink Floyd faça isso, difunde as músicas através do tempo.

O Enigma Publus teria sido criado pelo próprio Pink Floyd para supostamente abafar a sua conversão para o cristianismo. Este fato deu-se em torno da turnê "Pulse", onde mensagens enigáticas não paravam de chegar ao newsgroup do Pink Floyd, prometendo um prêmio único a quem o desvendasse. Foram um total de 14 mensagens enviadas por Publius, o qual ninguém sabe quem é, mas os fãs queriam alguma prova de sua identidade, foi então que em um show do Pink Floyd, apareceu a expressão Enigma Publius, impressa através de luzes no fundo do palco, outra revelação se deu também através do disco The Dark Side of The Moon, em duas páginas de seu escarte aparece a expressão em letras miudas e brancas, "Enigma" e "Publius", juntamente nas fotos que demosntram passagens bíblicas. Os integrantes do Pink Floyd nada diziam a respeito do assunto, e mostravam-se desconhecer os fatos. Seria impossível alguém ter acesso tão restrito á banda e os integrantes não saberem nada. Isso aconteceu em 1994-1995, o qual movimenta rande legião de fãs em todo o mundo para desvendar o tal "Enigma Publius".



O texto, que está em outra cor (mudei devido a definição do fundo do sítio, senão ia ficar muito claro), são palavras da queridíssima Romina "Bah", do "Bah Blog" (favor visitar, senão a gente pega todo mundo na saída), nikkei comunicativa, recém pós graduada na área de comunicações (eeeeeeeeee! Confete e hanabi pra comemorar!!), esforçada e corajosa: depois de quatro anos ter morado no arquipélago, criou coragem e voltou ao Brasil e logo engatou trabalho e pós graduação, o que ela contou toda a espinhosa trajetória. Mas que teve ótimos frutos colhidos da árdua labuta.


Ela sim, é que temos que ter como exemplo - uma ex-dekassegi que criou cara e coragem, voltou ao Brasil e enfrentou defasagem, mercado de trabalho concorrido e danasse-se tudo o que fosse empecilho na hora de enfrentar os obstáculos e eis que temos uma nova Pós Graudada em comunicação social! 


Não lembro muito bem se foi no blog da Dona Luria e Seu Diogo que comecei a acompanhar o blog da Bah, ainda quando ela estava no Japão (ah, foi sim! Tanto que parece que o Diogo conheceu o primo dela, ou trabalhou junto ... Tá vendo que a gente não pode fazer coisa errada?). Achei bem original o nome dela - Romina é nome de uma cantora italiana que sua mamãe adorava, a cantora Romina Power (filha do ator Tyrone Power). E quem pensou que ela fosse gaúcha por causa de seu nickname de blog - "Bah" é um interjeição do Sul do Brasil, até eu me equivoquei - era devido a uma interjeição de desabafo típico da Turma da Mônica!!! (ah, Romina é paulistana)


Seus hobbies, conforme seus relatos, seriam ter emoções fortes (acompanhem a novela dela), adrenalina (mestra no Pump no Dance Dance Revolution), aceitar desafios (o trabalho dela), nunca ficar parada (encarou um World Bike Tour em Sampa), traça de livros, cinéfila inveterada e fanática de seriados dos Isteites. 


E toda vez que (re)assisto o dorama "Kisarazu Cat's Eye", fica impossível não lembrar dela. Afinal, felizmente ela guarda boas lembranças da cidade, como a ponte do porto e o grupo Kishidan. Só farei a resenha deste dorama quando eu for pra lá e tirar algumas fotos! Isso porque não é tããããão longe de Yokohama...


Bah, muito obrigada mesmo pela sua participação. Tem muito bom gosto nas músicas, Pink Floyd é mais do que "Dark Side of The Moon". Também pode-se recomendar o primeiro álbum do grupo ainda com o doidão Syd Barrett, "The Piper at the Gates of Dawn" ( de 1967, gravado na mesma época e nos mesmos estúdios onde os Beatles produziam "Sgt. Pepper's..."). O dia que eu resolver voltar, espero encontrá-la. 

Wednesday, January 26, 2011

Calma que voltamos as programações (a)normais....

Aya-chan: - Quantas vezes a autora já teve que fazer um post só de desculpa furada?
P-chan : - Hããããã... Cinco vezes?

Nessas alturas do campeonato, muitos já devem estar pensando que volta e meia venho com uma desculpa meio furada. Bem, às vezes, sim.

Por mais que eu tenha tirado mais de dez dias de folga (remunerada, ainda bem, mas com alguns intervalos), parece que quanto mais eu folguei, menos coisas eu fiz. Talvez porque foram me dar as folgas justamente na época em que fator money e folga não coincidiram tanto. Mas tudo bem...

Depois de tanto folgar, volto ao trabalho de sempre, só que até eu voltar ao ritmo normal, já entrou outro dia de folga, e começamos tudo de novo. Não posso reclamar, por enquanto, nos dias de hoje, estar trabalhando e garantindo a ração do kinguio e da leitoa rosada aqui já está bom.

Esta semana volto aos poucos com nossas programações... er... normais.

Por enquanto, visitem os blogs dos amigos conforme a barra ao lado direito ou no "Visite Também!", que eles vão ficar contentes com a visita.

Quanto ao twitter, estou quase que todo dia, pela matina ou pelo final da noite, horários que estou dentro do trem indo e voltando do trabalho, via aquele bendito smartphone que ao menos está dando para ler meus e-mails, os blogs e assistir aos videos.

Saturday, January 22, 2011

A Mesa de Trabalho em Casa...

Não sei vocês, mas acredito que tenham em suas casas um cantinho onde pode fazer inúmeras coisas. Conheço gente que tem um quartinho onde fica o ateliê de artes, como costura, pintura, e outros trabalhos manuais; ou um  espaço para estudar; ou um espaço para sentar e ler um livro ou revista... Enfim, um lugar em que a gente possa sentir-se bem.

No meu caso, como moro com o digníssimo kinguio num apertamento de quarto-sala-cozinha-e-dependências num espaço de 39 m2, então nem tenho como ter um comodo somente para ter o espaço que poderia estudar ou ler ou fazer trabalhos manuais, o que na verdade morar numa casa que seja maior do que isso, o valor do aluguel às vezes é proporcional ao tamanho, mas depende do lugar e das condições.

Num filme que assisti recentemente, o casal morava numa casa bem antiga, nos arredores de Yokohama. Com quintal, espaço nos fundos para estender roupas, quarto do casal, sala, sala de jantar com cozinha, as dependências e um quartinho onde o rapaz tinha toda sua parafernália para escrever. Detalhe: não tinha computador, ele escrevia tudo em papel e caneta - tinteiro. No panfleto que comprei do filme, tinha a planta da casa. E se fosse daquele jeito estava bom para um casal sem filhos como nós...

Como por enquanto a novela do cafofo novo estará em stand by, a gente tem que se virar com o canto que tem. Tivemos que dividir a sala - que já é pequena - com o sofá e TV, a mesa de jantar e a mesa do computador, onde também uso como escrivaninha para estudar (este ano prestarei - finalmente, depois de criar vergonha na cara - o TOEIC e o N3 do Japanese Language Proeficience Test ), ler e assistir aos doramas atrasados.

A escrivaninha onde coloquei o computador, ganhei de uma colega de trabalho dos tempos de Minamiashigara, que foi embora ao Brasil e estava desfazendo de algumas coisas. Naquela época, eu e o dignissimo kinguio tínhamos acabado de nos mudar para a cidade e o que tínhamos eram nossas roupas, o aparelho de som, alguns CDs, livros e a tábua de passar roupa. Uma das coisas que ela nos deu foi a escrivaninha, o que era bem larga e ainda vinha o gaveteiro e uma estante que na verdade era pra ficar embaixo da mesa, mas deixa pra lá, porque acabei por lotar de livros para estudar japonês, livros de culinária e revistas que mesmo depois da grande limpeza que andei fazendo, ainda ficaram pois são de assunto de grande interesse (aham!).

Procuro - no máximo - não deixar tudo espalhado, porque já quase nem espaço tem, e ainda fico lotando em cima, haja paciência de minha parte depois. Isso porque também peço ao dignissimo que "usou, guardou". Mas têm coisas que tem que ficar perto para caso de emergência...


O canto que eu e digníssimo usamos nas horas de folga (aham...), mas neste caso, como ele diz, seria o canto que eu uso para estudar, atualizar o sítio, assistir aos doramas... Como não deu para numerar tudo, vamos por partes. No fundo, a partir da esquerda, a caixa que contém os manuais do computador, informativos e algumas revistas que guardo depois que leio. Ah, dentro também guardo o controle remoto do computador, acreditem; os dois dicionários que quase todos os brasileiros que vieram aqui possuem - o Dicionário Japonês-Português romanizado, de Noêmia Hinata, de grande utilidade nesta casa também; quatro DVD-Box que deixo na mesa porque vai que eu quero assistir de novo... O porta lápis e canetas do Snoopy, tenho dois iguais, sendo que o outro está no cubículo do escritório; sim, ninguém está tendo alucinações - é um spray purificador de ar. Cheguei a falar que o dignissimo fuma e ele mesmo detesta cheiro de cigarro no ambiente? O famoso Sony Vaio Type L que agora nem sei se fabricam mais. O bom que, não ocupa espaço, pois ele é fino e levantando o teclado, tenho espaço pra colocar os livros para estudar. E o telefone residencial (no fone, tem uma etiqueta que eu coloquei com o número de casa, apagado por motivos de segurança).
Na frente, uma lata que outrora veio alguns docinhos, vazia serve para guardar os DVDs que gravo e assisto depois. A pasta rosa, também acomoda mais alguns DVDs que não vieram com a caixa. Minha mascote, a leitoa Olivia. E atrás dela, uma caixa de lenços, motivos óbvios. Alguns CDs que deixo para ouvir enquanto eu teclo este texto torto. Minha caneca que contém chá ou café (atenção, não aconselho deixar perto do computador. Depois vai doer muito. O bolso.). Revista que de vez em quando compro, livro de gramática japonesa e do TOEIC para estudar novamente. E o aparelho celular que tenho que deixar ao lado porque cansei de levar bronca dos amigos que, quando ligam, nunca atendo porque o aparelho ou esqueci no manner mode, ou está tendo a bateria carregada no outro cômodo ou porque esqueço dentro da bolsa e está no bendito manner mode... E embaixo da mesa, fica a tal estante que guardo mais livros, revistas e álbuns de fotos... 


Isso porque diariamente eu tiro o pó de todas as coisas, mas logo no dia seguinte, não sei como, a poeira cobre tudo, vai saber...

Ah, sim...

- Não coloquei porta retrato porque, bem, chega de coisas para acumular poeira né?
- A impressora antes, ficava ao lado, mas ela quebrou de vez e ainda não comprei outra nova.
- Onde moro, não pode pregar nada na parede. Por isso que ela está pelada. A parede...

Thursday, January 20, 2011

Yuntaku Tiampuru Recomendou: Kings of Convenience - "Riot On An Empty Street"


Do projeto "Discoteca básica recomendado pelos leitores"






No wikipedia - Kings Of Convenience é um duo folk-pop indie de BergenNoruega.
Composto por Erlend Øye e Eirik Glambek Bøe, o grupo musical é conhecido por suas melodias delicadas, vozes calmas e sutis melodias de violão. Øye e Bøe são os compositores e interpretes de todas as faixas.



Confesso que, nunca tinha ouvido falar deste grupo - e olha que geralmente costumo ouvir o que seria de diferente. Se vou gostar ou não, seriam outros quinhentos. Quando planejei a idéia de outros leitores recomendarem seus álbuns e artistas favoritos, surpreendeu-me a escolha de Nozomi-san (do blog Yuntaku Tiampuru - que em dialeto de Okinawa significa "troca de culturas" ou "muita conversa" pelo que eu entendi...) de uma dupla que para mim é bem desconhecida. Ainda mais sendo norueguesa (o único grupo que ouvi que veio da Noruega seria o extinto trio A-Ha...)

O estilo musical da dupla lembra muito o folk de Belle and Sebastian e da dupla norte-americana Simon & Garfunkel - no qual o duo Kings of Convenience se inspiraram. O estilo varia entre a folk-music e meio bossa-nova mesclado com pop e surf music - um som fácil de ouvir e delicado para se apreciar. Excelente para quem quer calmaria e relaxar num mundo tumultuado.

Muito embora pertençam ao cenário indie (não pertecem a uma gravadora famosa e tampouco fazem shows em grandes e famosos lugares), algumas de suas músicas já fizeram parte de trilhas sonoras em seriados (como "Grey's Anatomy" e "Smallville"), já chegaram a regravar músicas de gente famosa como do extinto trio A-Ha (que também são noruegueses) e de Antônio Carlos Jobim, e participação da cantora canadense Feist (lembra da música "1234" que foi usada no comercial da iPod nano em 2007?). O primeiro álbum da dupla foi produzido pelo mesmo produtor da banda Coldplay.
A dupla Kings of Convenience (Erlend Øye, à esquerda; e Eirik Glambek Bøe)


"Riot On An Empty Street", segundo álbum da dupla, lançado em junho de 2004, teve a colaboração de Feist em duas faixas - "Know How" e "The Build-Up". 

"Know How" foi utilizada na trilha sonora do filme "A Brokedown Melody", um documentário sobre surf, em que o cantor Jack Johnson protagonizou, bem como ele interpreta três músicas.

"I'd Rather Dance With You", entrou na lista dos melhores vídeos da MTV Européia, em 2004, com um ritmo mais pop (lembrando um pouco o estilo new wave dos anos 80) e o promovideo com a dupla contracenando com alunas mirins de balé.

Embora atualmente estejam bem "low prolife" (lançaram apenas três álbuns), a dupla fez um pequeno show na Noruega no ano passado, para desmentirem boatos de que teriam se dissolvido. "

"Riot On An Empty Street", quem ouvir alguma música do álbum, o menos desavisado poderá achar que seria Jack Johnson - devido ao estilo de música mais calma e apropriado para uma final de tarde de verão, com o pôr do sol chegando - ou mais ainda: nem imaginar que seria uma dupla norueguesa devido ao inglês fluente da dupla. 

A mulher que aparece na capa do álbum (inclusive no primeiro álbum - "Quiet Is The New Loud") é a modelo norueguesa Ina Grung - que é esposa de Eirik na vida real.

Quem pensou que essa dupla da Noruega ou seria estilo folk nordico, contando batalhas e lendas de vikings, quem ouvir principalmente o álbum recomendado, vai mudar de idéia bem rapidinho...

Ouçam (se não retirarem do iuchubi)....

- "Misread"
- "I'd Rather Dance With You" (que ficou no top one da MTV Europe em 2004)
- "Know How" (com participação de Feist e fez parte da trilha sonora de "A Brokedown Melody").

Visitem o blog de Nozomi-san e conheçam também um pouco de cultura de Okinawa de quem é de lá!
"Yuntaku Tiampuru" (http://nozomi.zip.net/)

Meus sinceros agradecimentos à Nozomi-san por enriquecer mais a discoteca básica também da autora, indicando o álbum. Realmente, nunca tinha ouvido falar mesmo da dupla. Quem gostar de Jack Johnson (como a Pri Amelie e a Elisa Fujii), poderá gostar também de Kings of Convenience. Apesar de possuir somente três álbuns e fazer shows em lugares menores.

Resenhada pela autora mesmo, através de Nozomi-san e procurado devidamente no Wikipedia e no site de fã clube da dupla. Foto do álbum - enviada pela Nozomi-san. Foto da dupla, via seogugol.

Tuesday, January 18, 2011

J-Dorama: Saigo no Koi (Never Fall In Love Again)


Em uma noite de verão em Tóquio, o residente de Medicina Toru Natsume é surpreendido por um pedido nada inusitado de uma garota, Aki Shinozaki, que aparece em sua frente. Friamente, ele diz a ela procurar alguém que tenha dinheiro. (Motivo de estar danado da vida - marcou um encontro com uma colega de faculdade e a mesma esqueceu)

Alguns dias depois, no hospital universitário onde trabalha e estuda, Natsume encontra a mesma garota da noite de verão no Tokyo Dome. E descobre que ela, Aki, é a irmã de Jun Shinozaki, paciente que Natsume estaria tratando. Devido ao tratamento ser caríssimo, Aki tem que arranjar um modo de ter o dinheiro para dar prosseguimento à cirurgia que salvará a vida de seu irmão, já que o que recebe como atendente de casa de jogos (pachinko) não seria o suficiente. E acaba tornando-se acompanhante de luxo para executivos (ou garota de programa). Natsume descobre e faz de tudo para que Aki saia desta vida mundana, pois descobre que ele estaria apaixonado por ela e não sabe como se expressar.

************************************************************************

Apesar de ter passado no verão de 1997 (portanto, fazem quase quatorze anos que esse j-dorama foi transmitido), a temática "amor impossível", vida e morte, triângulos amorosos, ainda existe. Transmitido pela emissora TBS entre 11 de julho a 19 de setembro de 1997, passou semanalmente às sextas-feiras, dez horas da noite (um pouco devido ao conteúdo do tema).

Os personagens principais:

- Toru Natsune (Masahiro Nakai): Estudante residente do sexto ano de medicina, esforçado, dedicado e de bom coração, que quer ajudar a quem quer bem. Tamanha bondade e ingenuidade, acaba tendo alguns problemas no trabalho e nas amizades que mantém. Não mede esforços para tirar Aki Shinozaki das ruas e ajudar a custear o tratamento de seu paciente, Jun Shinozaki (que seria o irmão de Aki).

- Aki Shinozaki (Takako Tokiwa): Irmã mais velha de Jun, a qual ficou responsável depois da morte do pai e do abandono da mãe. Trabalha em um pachinko (casa de jogos estilo caça níqueis, popular aqui) mas acaba entrando na prostituição para pagar o tratamento médico de seu irmão. Fica na dúvida se cede aos apelos do seu chefe, Shouichi Sada ou larga tudo para ficar com Natsume. Resolve, depois de uma fatalidade, estudar enfermagem para ajudar outras pessoas, assim como ajudaram seu irmão.

- Jun Shinozaki (Daijiro Kawaoka): Irmão mais novo de Aki, tem uma doença congênita no coração, o qual precisa ser operado para levar uma vida normal. Seu sonho era ser piloto de avião, tanto que ele, enquanto estava internado no hospital universitário, lia sobre aviação e fazia aviões de papel, os quais ele lançava pelo campus. Era o paciente do residente Natsume, o qual tratava Jun mais como amigo do que um simples paciente. Depois da cirurgia, volta para Shizuoka, onde morava com os parentes dele.

- Shouichi Sada (Yoshihiko Hakamada): Era o gerente do pachinko onde Aki trabalhava. Do tipo bon vivant, mas vivia sempre estressado devido ao trabalho. Fazia de tudo para conquistar Aki, até propondo a casar-se com ela e inclusive mudar-se para Sendai, onde ela começou a estudar.

- Naomi "Hime" Kurebayashi (Naomi Hosokawa): Colega de faculdade de Natsume. Vinda de uma família rica, era chamada de "Hime-san" pelos colegas devido a sua beleza. Era ela quem esqueceu do encontro no Tokyo Dome com Natsume. E tentou de tudo para tirar Aki do caminho dele, desde esconder o papel com o número de telefone dela até desculpas para dormir no apartamento de Natsume (sem outras intenções), mas no final chega até a entregar a Aki um anel que Natsume pensava em dar antes de ir para Sendai.

- Kenji "Jijii" Yamasaki (Kazuma Suzuki): Colega de faculdade de Natsume e Hime-san. Também vinda de uma família rica, estudava com eles no mesmo ano. Tentou dar em cima de Aki quando descobriu o curto passado dela antes de ela fazer serviço temporário no hospital, o que chegou a ficar brigado com Natsume antes da formatura.

- Sachiko Nishida (Mari Nishio): Amiga de Aki desde a infância, foi até Tóquio encontrar a amiga. Começou a trabalhar junto com ela no pachinko e ocasionalmente dormir na casa de Aki. Tem um estilo meio doida de  se vestir e de agir, principalmente quando bebe mais além da conta. Foi ela quem deu maior apoio a Aki para decidir mudar de vida, isto é, mudar para Sendai, estudar e começar do zero.

- Reiko Sato (Miki Jinbo): Dona de uma agenciadora que aliciava jovens mulheres para trabalhar como garotas de programa (acompanhantes de executivos). Acabou sendo detida por sonegação de impostos e lavagem de dinheiro.

Curiosidades:


- Foi a primeira vez em que Masahiro Nakai fazia uma novela romântica (até então ou os papéis que ele fazia eram cômicos, como em "Naniwa Kinyudo" ou em que "comia o pão que o diabo amassou", como o protagonista da série "Aji Ichimonme"). Dizem que, apesar de ele ser um bom apresentador e comentarista, Nakai é extremamente desajeitado com as mulheres, que chega até a ficar vermelho de tamanha vergonha (mesmo assim, nas cenas de amor, nem dá pra perceber)!!

- Takako Tokiwa era uma das atrizes mais requisitadas nos anos 90. A maioria das novelas daquela década, ela foi protagonista (inclusive contracenou duas vezes com Masaharu Fukuyama - "Ai wa Doda" e "Meguri Ai"). Um de seus melhores papéis, foi a da bibliotecária paralítica que fez par romântico com Takuya Kimura em "Beautiful Life" (2000), uma das novelas que teve maior índice de audiência até hoje. Esteve recentemente no taiga dorama da NHK - "Tenchijin" (2009).

- Como o dorama passou em 1997, dava para perceber bem o vestuário e os penteados daquela época. Obviamente hoje ninguém usaria calça "santopeito"...

- Aparelho de telefone celular naquela época muita pouca gente possuía. Por isso que Natsume e Aki se comunicavam via telefone fixo ou pelo telefone público. E o risco de desencontro, claro, era muito grande...

- A maioria das cenas se passaram em Tóquio (logo de início, o Tokyo Dome) e Kanagawa (tem uma cena em que Aki e Natsume se despedem e ela pega o trem da linha Keihin Kyuko - que só faz o trecho Kanagawa-Tóquio).

- A novela teve uma audiência média de 16,4%, sendo que o último capítulo bateu a marca de 20,4%.

- Recebeu cinco prêmios pela revista "The Television" - Melhor novela, melhor ator (Masahiro Nakai), melhor atriz (Takako Tokiwa), melhor ator iniciante (Daijiro Kawaoka) e melhor música (Kazumasa Oda).

Observação: Pode ser encontrado em DVD tanto para compra como para locação (foram onze capítulos, divididos em 5 DVDs), mas não contém extras (como making of e biografias dos atores). Mas no último DVD, incluiram a música de Kazumasa Oda com as cenas da novela (se não retirarem, dá pra ver aqui, mas não garanto por quanto tempo).

Foto: via seogugol mesmo. Infelizmente não encontrei as cenas da novela, mas acho que pelo video vai dar para ver um pouquinho...


Pesquisa: via DramaWiki.

Monday, January 17, 2011

Lições Aprendidas depois do dia 17 de Janeiro de 1995


Kobe, capital da província de Hyogo, às 5:45 horas do dia 17 de janeiro de 1995...


Dezesseis anos depois...

Neste mês em que os fenômenos naturais ( ou não ) acontecem em todo o mundo, ao menos existe uma palavra e um ato que se chama prevenção.

Sobre como previnir e o quê fazer em caso de terremotos (ou pode ser qualquer fenômeno natural), leia aqui.


Sobre mais prevenção e reportagem de Roberto Kovalick (jornalista da Rede Globo que morou dois anos no arquipélago), leiam e reflitam aqui.


Desculpem-me pelo artigo curto, mas existem fatos que nem precisamos de palavras, podemos entender pelas fotos e quem viveu quem passou (Nota da autora: visitei Kobe quase quatro anos depois do desastre e nem pareceu que houve uma catástrofe de enormes proporções).


Fotos: Yomiuri Shimbun.


Sites: Lost in Japan, Portal Nippon e Pequeno Buda.

Sunday, January 16, 2011

E-lixo... mas a gente se diverte!


Prezada(o) colega... Este e-mail se autodestruirá em cinco segundos se não abrir...
Desde que muita gente começou a fazer grande uso do e-mail (ou correio eletrônico), recebemos de tudo. Inclusive e-mails indesejáveis, os temidos spams (não é aquela carne prensada e enlatada. Veja a origem do spam aqui!). Seria a mesma coisa, ou quase, das malas diretas que recebíamos pelo correio (bem, na verdade ainda continuo recebendo, em formas de panfletos de serviço de mudanças, casa própria, assinatura de jornais e até conteúdo religioso). Porém, os panfletos de pizza eu guardo até chegar o novo. E quem usa muito e-mail sabe muito bem do que falo.

Atire o primeiro mouse quem nunca recebeu e-mail como...

1) Dicas (furadas, esdrúxulas e estranhas) para aumentar o tamanho do pênis: Campeão de lotar pastas de e-mails de muita gente, cada segundo que passa, um bilhão de usuários recebe vários e-mails deste porte. Neste momento em que estou escrevendo estas linhas, deve ter pelo menos vinte e-mails lotando sua caixa de mensagens com títulos que mereciam ganhar um prêmio de frases criativas. E por mais que a gente marque esses e-mails para cairem direto na lixeira, sempre tem um ou mais engraçadinhos que enviam com títulos bem subliminares possíveis. "Trate bem do que é seu", "Surpreenda todo mundo com a novidade!", "Quer fazer uma garota feliz?" são alguns dos exemplos. Aí que eu fico me perguntando... até cuidar do que é seu e fazer uma garota (ou quem seja) feliz, eu até (tento) entender. Mas surpreender todo mundo com a novidade, como eu li em um certo artigo sobre esses mails - ou o indíviduo tiver uma vida amorosa muito bem variada ou arriscar a ser exibicionista, pois ninguém em sã consciência andaria com o minino pendurado na rua por aí, ou estaria errada? A verdade é que, eles mandam pra todo mundo, independente de sexo ou se   seria de firma, o que seria no meu caso. Desconfio que seria pra repassar pro seu melhor amigo. Ou não.

2) Parabéns, você ganhou na loteria: Não sei vocês, mas ultimamente ando recebendo mails deste tipo. Primeiro que nem na Loto 6 ou Numbers e muito menos Takarakuji ando apostando. Segundo, logo que recebo um mail deste tipo, geralmente em inglês, não penso duas vezes e mando pra lixeira. E se for verdade? Sei lá eu, mas poderei ganhar, sim.

Uma bela d'uma dor de cabeça por causa de vírus e risco de ter  meus dados roubados.

3) Frases em forma de powerpoint: Perdoem-me meus amigos que mandam, mas eu nem abro. Se bem que de uns tempos para cá, parei de receber esses tipos de e-mail. Sei que tem gente que adora, tem boa índole e intenção e quer repartir com os outros. Podem me chamar de fria, sem coração, sem senso de humor, mas eu não tenho paciência em ver quadro a quadro com fundo musical que você tem vontade de hibernar e acordar só quando o corpo permitir. Confesso que teve alguns que tive que abrir mas achava que era e-mail importante com algum arquivo anexado...

4) Correntes: Ando recebendo isso no e-mail da firma. Pra piorar, vem sem título e tenho que abrir pra ver o assunto e quando vejo um monte de endereços de gente mais estranha ainda e no final uma frase "passe para trocentas pessoas e seja feliz blablabla". Quer fazer corrente pra ser feliz? Faça um curso de bijouterias e mande de presente para a primeira pessoa que ver. Agora, se vai gostar ou não, o problema não é meu.

PRORROGADO!!! Lembram sobre "envie sua discoteca básica"? Devido a alguns leitores alegando falta de tempo, o prazo foi prorrogado para mais uma semana, portanto até dia 21 de janeiro estou aceitando o e-mail contendo seu disco e artista de sua preferência devidamente resenhada. Quem já enviou, será publicado a partir do dia 17 de janeiro. Depois do prazo, ficará em stand by para um momento oportuno. Obrigada.


NOVIDADE!!! Finalmente, a leitoa rosada mais lesada da blogosfera finalmente deu o ar da graça no site mais bacana, mais esclarecedora e feito por uma equipe pra lá de competente, dedicada e divertida - o PORTAL NIPPON (http://www.portalnippon.com/) - na qual estarei ocasionalmente comentando, relembrando e tentando passar sobre o mundo do j-dorama, as novelinhas japonesas, pois sei que muita gente assiste mas não assume a espiadela. Obrigada, Hide-san pela paciência e ter dado essa oportunidade (quem está lá também é o digníssimo e nada perdido Alexandre, do "Lost in Japan") e esperamos que os leitores apreciem o site, que traz muito sobre utilidade pública aqui no Japão!


Quem não viu no sítio o artigo, pode ver no Portal Nippon. E aproveitem pra prestigiar o site também.

Friday, January 14, 2011

O Festival do Vermelho e Branco - Kouhaku Utagassen - Saldo Final - Primeiro Bloco


Nao Matsushita, o quinteto Arashi (da esquerda pra direita - Jun Matsumoto, Satoshi Ohno, Masaki Aiba, Kazunari Ninomiya e Sho Sakurai) e atrás deles as mascotes simbolizando as duas equipes - Vermelho e Branco

Confesso: passei a noite do dia 31 de dezembro assistindo ao evento pela tevê. Mas queriam o quê? Com o frio que estava de gelar os ossos lá fora, eu ainda me recuperando daquele resfriado que me deixou até de cama! Também não estava a fim de passar o resto da minha folga ardendo de febre e hibernando, sendo que no dia 2 eu tinha compromisso inadiável. Mas mesmo assim, depois que acabou o evento, eu e namorido kinguio saímos para comemorar a virada de ano em algum restaurante em Sakuragicho mesmo.

Bem, voltando. Como eu sei que tem muita gente que não assistiu ao evento do 61゚. Kouhaku Utagassen por motivos diversos (desde não estar em casa até o canal não funcionar), vou tentar fazer um pequeno resumo do evento (quem me conhece, sabe como vai ser esse resumo né...), mas em duas partes, pois o Kouhaku acabou dividindo em dois blocos (das 19:15 as 21:25 devido ao noticiário e das 21:30 as 23:45).

A Cerimônia de Abertura... Bem, quase nunca muda, exceto o apresentador, os supporters e os convidados especiais. Como muita gente sabe e acompanhou os noticiários, os supporters das equipes Vermelha (Akagumi) e Branca (Shirogumi) são respectivamente a atriz (e cantora) Nao Matsushima e o quinteto Arashi. E quem iniciou o programa foi o golfista (mais bem pago do Japão via comerciais) Ryo Ishikawa. E as equipes entrando para se apresentarem no palco (ops, esqueci se era por ordem alfabética - do Japão - ou por ordem de apresentação mesmo).

Ayumi Hamasaki, abrindo o evento 
Pela segunda (ou terceira) vez consecutiva, abrindo o evento... Quem lembra da resenha do último evento, quem abriu o festival foi Ayumi Hamasaki e o grupo EXILE. Pois bem, novamente eles se encarregaram de abrir o evento e com grande estilo. Ayu, quem sabe da carreira dela, sabe que ela faz uma bela duma hiperprodução. Só que desta vez ela fez diferente: começou da porta da entrada do NHK Hall, vestida de noiva com um véu quilométrico, cobrindo desde onde começa a última fila do teatro até o palco. Fazendo jus ao nome da música - "Virgin Road", que no inglês significa o caminho onde a noiva passa na igreja (ou salão) até chegar ao altar. Detalhe, que todo mundo ficou sabendo na manhã do dia 1゚. de janeiro - casou-se rapidinho com um ator austríaco - Manuel Schwartz - que participou de dois PV dela - e no citado "Virgin Road", ele é o noivo...

Masaki Aiba (esq.) e o grupo EXILE
Quanto ao grupo de quatorze rapazes do EXILE, parabéns a eles, por terem conquistado pelo terceiro ano consecutivo o Nippon Record Taisho, um dos prêmios máximos da indústria fonográfica japonesa. E não seria pra qualquer um, não! Ah, sim. A premiação foi feita na noite anterior ao Kouhaku Utagassen... E apresentaram-se com estilo com a música que os fizeram ganhar o prêmio "I Wish For You" (que também é do comercial de carros da linha Wish da Toyota, que eles fazem propaganda). Prova que, mesmo com a confusão que aconteceu no início de 2010 em relação a pagamento de impostos (por parte do escritório que os gerencia), e todos achando que seria "a maldição do bicampeonato do Record Taisho", blá, blá, blá... Mas superaram tudo e quem sabe este ano será o tetracampeão?

Quando 48 viram 130 meninas...
O Milagre da Multiplicação O ano de 2010 o grupo de 48 meninas que formam o AKB48 foi bem produtivo até demais. Onde deu pra encaixar uma ou mais (senão todas) integrantes do grupo na TV, mídia, etc., o Akimoto Atsushi deu um jeitinho. E claro que a trupe de 48 meninas não poderia faltar no evento, com  o medley  com "Beginner", "Heavy Rotation", "Pony Tail no Shu-Shu". Detalhe: no meio da música, as 48 meninas se transformam em 130! Como? Juntando as 48 meninas do SKE48 (de Nagoya) , mais 16 meninas do NBM48 (Osaka) e 18 estagiárias do AKB48 pra serem do grupo (qual delas sei lá) e no final formando a frase AKB RED V (Ou seja: Vitória para o Vermelho pelo AKB).

Mitsuko (no meio) e o quinteto TOKIO (bem à frente)
Ajuda muito bem vinda: A cantora Mitsuko Nakamura novamente apresentando-se bem ao estilo de matsuri, como no ano passado. E com a ajuda dos cinco integrantes do grupo TOKIO e a presença da... do... ah, que seja, Haruna Ai (sim, a que ganhou o concurso da transexual mais bonita do mundo, torcendo para ambas as equipes) e também das mascotes deste ano, os gorilas Uta-Ukki, que estavam em forma de marionetes pelos convidados. A coreografia também se estendeu até a platéia, que estavam com os discos vermelho e branco e acompanhavam a música intercalando as cores. (Nota: os discos que estavam com a platéia são usados para contar os votos no final do evento)

Natsuko Godai e parte das meninas do AKB48...
...que logo acompanharam também Takashi Hosokawa
Natsuko Godai e Takashi Hosokawa também tiveram a ajuda das meninas do AKB48 na coreografia das músicas. Godai apresentou-se com "Hitori Sake", com 1/3 das AKB48 trajando hakama (vestimenta típica de quem se forma na faculdade), pelo menos elas saem um pouco daquelas roupas repetitivas de xadrez. Hosokawa, conhecido por errar quase sempre a letra de "Naniwa Bushidayo Jinsei wa", desta vez cantou certinho. E acompanhado pelas meninas do
AKB48 - é que logo que Godai encerrou a apresentação dela, logo Hosokawa apareceu, no canto do palco, passando pelo corredor feito pelas
meninas e no palco as mesmas que se apresentaram junto com Godai, apresentaram junto com ele, com os mesmos trajes e também coreografando. (Opinião de quem vos posta: as demais meninas deveriam estar também com o hakama, que variassem as cores ou padronagens, ficaria mais de acordo com a apresentação, mas e depois pra todo mundo trocar de roupa e participar no meio do evento?)

Novos garotos propaganda: Chideshingo e Chideshika
Aprendendo com o veterano: já trocaram o sistema da casa?
Pausa pros nossos comerciais... A partir de 24 julho de 2011, o sistema de transmissão de TV passará a ser digital, então antes que seu programa favorito saia fora do ar, é providenciar trocar a antena, o televisor, ou adquirir o conversor... Quem é o rapaz propaganda para divulgar e lembrar a população disso é Tsuyoshi Kusanagi, que esteve no palco junto com o Arashi para lembrar novamente o pessoal, e no meio da platéia a mascote Chideshika (shika= veado) e... Shingo Katori, parodiando a mascote, com a camiseta amarela e as anteninhas na cabeça, para ajudar o companheiro de grupo, como Chideshingo, que anunciava que a partir de julho de 2011 toda casa vai ter que ter uma antena de transmissão digital. (Nota: naquele bloco, Satoshi Ohno não estava pois tinha acabado de se apresentar no bloco especial sobre desenho animado como Kaibutsu-kun, personagem que protagonizou no j-dorama do mesmo nome)



Convidados Especiais: Quem lembra de uma postagem do ano passado do evento de 2009, eu mencionei o trio Funky Monkey Babys que eles costumam fazer PVs e colocar na capa de seus singles e álbuns, fotos de personalidades famosas, como por exemplo o governador da província Miyazaki (e comediante) Hideo Higashikokubaru, a atriz e comediante Hanako Yamada. O novo single - "Ato Hitotsu" - traz o jogador de beisebol do Rakuten Eagles, Masahiro Tanaka (na mídia ele foi conhecido como "Ma-kun") inclusive o próprio estava no palco junto com o veteraníssimo cantor Saburo Kitajima.

E todo mundo dançando igual a abertura da novela!
No caso da apresentação de Miyuki Kawanaka, a presença do elenco do novo asadora da emissora NHK - "Teppan", que entrou no lugar do sucesso "Gegege no Nyoubo" - reforçou a apresentação no palco, com a dança semelhante ao da abertura da novela.

O quarteto L'Arc~en~Ciel apresentou-se quase no final do primeiro bloco, com "BLESS", que foi música-tema da NHK para a transmissão dos Jogos Olímpicos de Inverno em Vancouver (Canadá). Quem comentou antes do grupo aparecer, foi o patinador no gelo Daisuke Takahashi (que ganhou a medalha de bronze na categoria).

Mantendo as tradições seculares
Tradição e Paz: O quinteto vindo de Okinawa - o HY - não negou as raízes ao fazer a apresentação da música "Toki wo Koe", com direito ao shamisen típico da província (feito de pele de cobra), os músicos de apoio com os trajes típicos e instrumentos idem. E as bandeiras feitas pela população da cidade natal do grupo (daí o nome do grupo - Higashi Yakena). A avó da vocalista Izumi Nakasone estava no meio da platéia para prestigiar a neta, tanto que antes do evento, a NHK fez um quadro especial do quinteto e apresentou a família de Nakasone, contando sobre as dificuldades que passaram na pós-Guerra e após a devolução de Okinawa ao Japão em 1972.

Detalhe: os tsuru também na roupa de Kumiko
A cantora Kumiko - outrora era atriz de teatro e cantora de pequenos lugares (tanto que acho que muita gente nem conhecia). Acabou sendo nacionalmente conhecida com a canção "Inori" ("Oração"), e o PV mostra vários origami de tsuru. Motivo - a canção foi composta pelo sobrinho de Sadako Sasaki, símbolo da tragédia de Hiroshima (Sadako ficou conhecida pela preserverança de um dia poder voltar a ser sã, e na crença de que fazer 1000 origami de tsuru estaria curada. Infelizmente, faleceu ao terminar 600 origimi e suas colegas de escola terminaram para ela e puseram em sua lápide. Em Hiroshima, existem duas ou três estátuas simbolizando Sadako e o tsuru).

A audiência no primeiro bloco foi a média de 35,7% segundo o Tokyo Research, sendo que 40,8% foi quando o grupo AKB48 apareceu.

Notas: 


1. Não postei desta vez os vídeos porque toda vez que posto, em algumas horas eles desabilitam.


2. Quase nem falei dos cantores de enka, pois confesso - quase sempre é a mesma coisa, mas pelo menos felizmente Shin'ichi Mori não cantou pela enésima vez a batidérrima "Ofukurosan", cuja letra foi levemente modificada sem consentimento do autor que deu a maior dor de cabeça.


3. Quis comentar mais os artistas que tiveram alguma performance bem destacada mesmo.


Logo loguinho, a parte final, espero não ter que demorar muito (se o pessoal tiver paciência pra ler tudo).

Fotos: via gugol e do vídeo que a autora conseguiu torrentar. Por isso algumas sairam meio desfocadas, com letra da música junto...