Sunday, February 27, 2011

Motomachi, Yokohama


Motomachi, um pequeno bairro da cidade de Yokohama, fica próximo ao Yokohama Stadium (berço do time de beisebol Yokohama Bay Stars e volta e meia é palco para grandes concertos musicais), ao Yamashita Park (prometo que farei um artigo sobre esse parque que é enorme) e ao Chinatown (bairro chinês, outro que preciso dar uma visitada mais detalhada, pois só passei perto). Compreende uma rua principal contendo muitas lojas de roupas e acessórios da marca da própria cidade e de outras mais famosas, restaurantes, bistros e cafeterias (inclui também as conhecidas Starbucks Coffee, Doutor Cafe e Excelsior Cafe). Mas o charme deste bairro seria a rua principal e suas adjacências.
Logo na saída da estação de Ishikawa-cho (linha da JR, Negishi-Keihin Tohoku Line), a placa para não ter erro.
O bairro, situado entre Yamate (estação vizinha a de Ishikawa-cho) e Yamashita (onde fica o parque), até 1859 era conhecido como uma vila de pescadores. Depois da abertura dos portos para empreendimentos estrangeiros, em 1859, Motomachi passou a abrigar também muitos estrangeiros de vários países, o que houve aumento de abertura de lojas de influência ocidental, como padarias, cafeterias e lojas de roupas, algo que demorou em outros lugares do Japão. Uma das padarias mais conceituadas, aberta nos anos 1960, é o Madame Pompadour Bakery (conhecido pelos seus pães e doces elaborados, estilo alemão, mas de preços bem acessíveis). Nakaya's, uma pequena loja também em Motomachi, é conhecida por vender produtos alimentícios importados, especialmente europeus e geléias vindo da antiga Tchecoeslováquia, sem falar da grande variedade de vinhos e licores. E a preços acessíveis, se conseguir ir na época do evento "Motomachi Charming Sale", os preços ficam mais baratos.
O "Arco da Fênix", escultura de aço indicando onde começa (ou termina) a Motomachi Shopping Street, esta foto é de quem vem da estação de Ishikawa-cho, pois quem vem da estação de Motomachi-Chuukagai (linha Toyoko-Minato Mirai), também tem outro igualzinho (foto à esquerda). Uma das casas de chá existentes em Motomachi Shopping Street (foto à direita).

Motomachi Shopping Street, a rua principal do bairro, é mundialmente conhecida pelas cinco quadras repletas de lojas, restaurantes, bistros e cafeterias. As lojas de roupas e acessórios são bem ao estilo ocidental que foi implantado assim que o Porto de Yokohama foi aberto. Existem três marcas que são a tradição de Yokohama - o "hamatora" (Yokohama toradijionaru, lido em forma japonesa) - como os artefatos de couro Kitamura, calçados Mihama e roupas Fukuzou. Tanto que nas placas, fazem questão de informar que são de Motomachi.

Banco situado na calçada de Motomachi Street,
o símbolo de Motomachi presente também.
Motomachi Shopping Street, ao cair da tarde. Se aumentar
a foto, ao lado esquerdo, na placa escrito em verde,
a loja tradicional em produtos importados, Nakaya.
Em eventos, Motomachi Shopping Street costuma fechar a rua principal para passagem de pedestres, no horário das 11 da manhã até 7 da noite. O que pode-se fazer as compras, ver as lojas e aproveitar as adjacências do bairro tranquilamente, pois a rua é estreita e fica impossível andar na calçada nestes dias. O Motomachi Charming Sale, fazem a cada estação do ano, dura uma semana e consegue descontos incríveis. O lado bom dessas lojas geralmente são roupas que podem-se usar quase o ano todo que não saem de moda (normalmente, a moda de Yokohama é baseada nas cores marinhas, como vermelho, branco e azul, fáceis de serem combinadas). Agora, se vai encontrar do seu tamanho, bem... Aconselho ir na época do Charming Sale pois encontra-se muita coisa boa, bonita e barata, sem problemas. E sem estresse, pois pode andar no meio da rua nestes dias, como disse, a rua é fechada para passagem de veículos (exceto cargas) para dar preferência aos consumidores e turistas. Quem gosta também de cosméticos, encontrei uma lojinha bem minúscula bem no centro de Motomachi com preços bem baixos mesmo! E cosméticos de grandes marcas, bem como perfumes variados (Nota da autora: não resisti - acabei comprando dois perfumes da Calvin Klein - Eternity Moment 100 ml e o lançamento Beauty 50 ml - pelo preço de um somente e no tamanho normal!).


Quando vi algumas iluminações em Motomachi Shopping Street, eu pensei que o Natal ainda não tinha acabado para eles, pois logo no Arco da Fênix, já tinha um enorme pingente (a foto que abre o post, fotografei logo na hora de ir embora, sete da noite), enfeitado. E ao andar pela rua principal, vi outros enfeites, como os postes de iluminação e algumas armações feitas em formas de cornucópias, lembrando árvores de Natal, depois que fui lembrar que a iluminação fazia parte desde o Evento de Natal e também o Charming Sale seria pelos 50 anos do evento das vendas.

Em quase os cruzamentos de Motomachi Shopping Street, possuem esses portais com a inicial estilizada, o símbolo do bairro. A diferença seria a iluminação. Perdão, eu tirei no final da tarde, por isso não dá pra ver a iluminação completa (isso porque minha câmera raramente colabora).



Natal em pleno fevereiro?! Digamos que Motomachi resolveu aproveitar o evento de Natal e prolongar para o 50aniversário do evento do Charming Sale, que fazem a cada virada de estação do ano. O da esquerda, fica bem em frente ao Yokohama Ginko e o da direita, foi em uma das adjacências de Motomachi.



Aproveitando também e dar uma ida ao templo Itsujima, que fica em uma das ruas de Motomachi. Pena que a hora que fui já estava fechado. Tradição oriental num bairro tido como "ocidentalizado".

Chinatown ou Chuukagai, fica vizinho a Motomachi (basta atravessar a ponte), mas como eu fui meio tarde para o bairro, Chinatown ficará para uma próxima visita.

Para chegar:
1) Via Japan Railway (JR): linha Negishi (faixa verde) ou linha Keihin Tohoku (faixa azul), descer na estação de Ishikawa-cho. Tem duas saídas, o de Chuukagai ou Motomachi. Fica a critério do visitante onde quer ir.
2) Via Toyoko Line/Minato Mirai Line (Tokyu): estação Motomachi-Chuukagai (se for pela saída 5, era para o antigo prédio da Imigração, mas dá pra chegar em Motomachi, atravessando a ponte, mas aconselho olhar as placas indicativas, estão em inglês também. Também pode ir ao Yamashita Park por esta saída, pois fica três quadras abaixo da rodovia expressa).


Site oficial de Motomachi Shopping Street, com lojas e eventos: http://www.motomachi.or.jp/html/index.html

Fotos: todas elas milagrosamente tiradas pela autora, cuja câmera resolveu colaborar na foto de abertura (pois toda vez que fotografo algo à noite, sai toda distorcida e pelo celular não dá por falta de zoom).


O título do post tive que acrescentar, sim, que fica em Yokohama porque em Kobe também tem um bairro com o mesmo nome e mesmo ideograma - 元町 - que significa "cidade de origem", mas o primeiro ideograma pode ser visto como 元日 ou "Ano Novo".

Friday, February 25, 2011

Coma Mais Legumes!

(Planta do meio): - Impressão minha ou o cheiro de abobrinha esturricada vem da casa da autora?
De bons meses pra cá, comecei a ficar mais tempo na cozinha e experimentar novas receitas. Não que antes eu não cozinhasse, longe disso, mas é que recentemente meu horário de trabalho ficou um pouco mais curto e estou ainda tirando minhas férias remuneradas. Aos poucos, senão o pessoal fica doido. Bem, voltando. Resolvi variar mais o cardápio em casa, e levar o almoço nosso de cada dia pro trabalho, pois eu é que não vou ficar gastando todo dia comendo fora.

Eu sei que vocês gostaram do requeijão caseiro e do bolo de iogurte, que aqui em casa volta e meia resolvo fazer, desde que eu consiga framboesa e morango congelados. No final do ano passado, eu fiz um projeto de ratatouille que vi a receita em um dos meus livros do Bistro Smap. Digo projeto, porque até agora não consegui fazer 100% igual a receita original do livro por falta de ingredientes secundários (explico logo porquê). Cheguei a postar uma foto da iguaria no facebook, o que levei crítica totalmente destruidora - a pessoa disse-me que ratatouille nunca é dessa forma, que vai gengibre, vai alho poró, bla bla bla. Sabe aquele filme "Ratatouille"? Então, a pessoa acha que tem que ser igualzinho ao do filme essa história toda.

Lembram que falei destes livros? A receita eu peguei do livro "KANTAN Recipe" (o de capa laranja, à esquerda)
Isso porque nem falei de onde peguei a receita, senão aí que ia virar baixaria mesmo.(Motivo: essa pessoa que criticou a receita, odeia mortalmente o quinteto. Tá, gosto é gosto, mas respeita, né?) Mas claro que isso não me afetou e fiz novamente a receita, 90% de ingredientes completos. Mesmo assim, pelo menos minha cobaia... ops, meu digníssimo kinguio aprovou as três vezes que fiz. Seja como for, vou avisando que o nome da receita se chama "Ratatouille Don" - pois foi feito no estilo para ser um donburi - prato típico aqui encontrado facinho facinho em redes como Yoshinoya, Sukiya, Matsuya e outros menos cotados.

Donburi (丼), para quem não sabe, é um prato consistido de vegetais, peixes ou carne ou qualquer outro ingrediente cozidos e colocados em cima do arroz e servido em uma tigelona funda - daí o nome "donburi", que significa "tigela". Ultimamente, muitos falam abreviado de donburi para "don".

Quem fez essa receita no programa semanal, no quadro "Bistro Smap", foi Takuya Kimura (na foto dos livros, é que usa uniforme em detalhes em vermelho). No livro, faz parte de "receitas vegetarianas". Na verdade, estava procurando uma receita que levasse berinjela e abobrinha (aqui se chama zucchini) e como lembrei que tinha visto a receita em nem lembro mais qual livro foi, fui eu procurar.

Eis a receita original:

Ratatouille Don  (ラタトゥイユ丼) - para 4 pessoas.


Ingredientes: 
- 8 tomates
- 4 berinjelas
- 1 cebola
- 1 pimentão vermelho
- 1 pimentão amarelo
- 1 pimentão verde
- 1 abobrinha italiana ("zucchini")
- 1/2 talo de alho poró
- 1 dente de alho
- 1 pedaço de gengibre
- 1/2 colher (sobremesa) de toubanjan (tempero chinês picante a base de soja)
- 4 colheres (sopa) de catchup
- 1 tablete de caldo consomé
- 1 copo de água
- 1 colher (sobremesa) de sal
- 1 colher (sopa) de vinagre
- Um fio de óleo de gergelim 
- 2 colheres (sopa) de óleo (pode ser de canola)


Modo de preparo:


A) A parte dos legumes:
1) Ferva os tomates na água a ponto de poder tirar a casca (não deixar muito tempo senão os tomates ficam muito moles) e corte em cubos pequenos. Reserve.
2) Corte as berinjelas e a abobrinha em cubos com a casca.
3) Aqueça os pimentões diretamente no fogo do fogão. Vai queimar a casca, mas é para tirar depois debaixo de água fria. Corte em cubos.
4) Pique o alho poró bem miudinho.
5) Pique a cebola, o alho e o gengibre.


B) Numa frigideira aqueça o óleo e frite a cebola até ela ficar dourada.


C) Coloque a cebola frita em uma panela e junte o alho e o gengibre picados e misture com o toubanjan e depois o catchup. Cozinhe bem e junte os legumes (A) exceto o tomate. Misture bem devido aos temperos.


D) Junte os tomates picados, o tablete de consomé e a água e tampe a panela.


E) Quando a água acabar, junte o sal, o vinagre e o óleo de gergelim. Retire do fogo.


F) Junte a mistura em cima do arroz branco.


Não ficou lá aquela maravilha, mas ao menos o pessoal (leia-se: dignissimo ) adorou!

Notas: 
- Toubanjan ou doubanjian (豆板醤) é uma pasta feita a base de favas, soja fermentada, arroz, sal e outros temperos variados. Usado na culinária chinesa principalmente para pratos rápidos e em caldos de rámen.
- Geralmente os pimentões vermelho, amarelo e laranja são chamados de páprica aqui, devido ao tamanho, mas podem ser do tamanho convencional mesmo.
- Não sei se no Brasil tem o caldo de consomé, como aqui (no supermercado tem os caldos de carne, de frango e o de consomé, que seria uma mistura de carne, frango e legumes). Caso não encontrar, pode usar o caldo de legumes - já que a receita não leva carne.
- Usei óleo de canola de 0% de colesterol (costumo usar o da Aji-no-moto). Mas pode usar óleo de girassol ou qualquer óleo com 0% de colesterol caso queiram cortar o máximo de calorias e diminuir o colesterol alto, né?
- Quando fiz pela terceira vez, eu não tinha o toubanjan, nem o gengibre. Mas deu certo do mesmo jeito. Pelo menos minha cobaia, ops, meu dignissímo kinguio e cara-metade aprovou e ainda perguntou se eu tinha feito mais (na verdade, fiz meia receita, por causa dos tomates, sabem...)


Fotos: a que abre o post, explicando - era uma esquete antiga chamada "Grassy's - Kusa no Kimochi", em que - na foto da esquerda pra direita - Goro Inagaki, Takuya Kimura e Tsuyoshi Kusanagi eram três plantas falantes numa crítica ácida e irônica da sociedade humana, como o aumento do imposto sobre produtos, uso de celulares e consumo de água mineral. Mas a esquete foi uma das que mais eles erravam - as falas eram longas demais e já teve hora na gravção em que um falou do assunto do outro.


As do livro, da receita e do prato feito, são da própria autora.

Tuesday, February 22, 2011

Divagando

Sei que faltaram os olhos e bocas, mas como aqui é raro nevar, a gente faz o que pode...
Uma das coisas que eu detesto (e deveria ter mencionado no meme) é planejar. Toda vez que planejo alguma coisa, chega no dia ou um dia antes, dá tudo errado. Mas se a gente não traça planos nem almeja atingir uma meta, como ficamos? Bagunça completa, né?


****************************************************************************
Outra coisa que está me deixando com uma tremenda raiva, mas só não deleto minha conta no twitter porque existem pessoas muito legais que repassam muita informação legal, tem um senso de humor peculiar e recomendam coisas boas, que compensam aqueles malditos RT de pura inutilidade pública (se alguém ficar repassando futilidades, que não vou ficar falando pois aqui é um sítio família e quero poupar de detalhes, eu juro que mando um DM - direct message - nada educado...)


****************************************************************************
Chegando o final do ano fiscal japonês (março) e muita gente agora fica na incerteza - vamos continuar no mesmo lugar ou se preparar pra arregaçar as mangas e batalhar por uma nova vida? Ultimamente eu ando mais me preparando psicologicamente pra enfrentar um monte de dragões pela frente.


****************************************************************************
Olha a neve caindo e acumulando - Rota Um ou Ichi-gou-sen, a rota que liga Tokyo até Mie-ken?

Semana passada nevou em Yokohama, mas logo no dia seguinte, cadê a neve? Eu afirmo: aqui, pra acumular neve, só nevando uma semana seguida. Aí vira uma maravilha de caos total - estradas e ruas paradas, pessoal se arriscando a levar uns tombinhos...

****************************************************************************
Falando em Yokohama, por mais que eu literalmente viaje todo santo dia pro trabalho, eu adoro essa cidade. Embora eu traia às vezes com Shibuya, mas pra que tem mesmo a linha férrea que liga Yokohama-Shibuya?
Sentido pra Minato Mirai, vista do Bay Quarter Yokohama. A esquerda, predio da Fuji Xerox e à esquerda, Nissan
****************************************************************************
A vantagem de pertencer a uma certa comunidade é que acabamos descobrindo que existem pessoas que além de ter uma coisa em comum, são pessoas legais! A ponto de trocarmos presentes, recados, e mantermos contato mesmo via twitter, redes sociais... 
Presente muito delicioso que ganhei da Monica, que conheci via comunidade do SMAP e foi quem me deu as dicas de como se associar, comprar o ingresso e ir no show. Tamanho contato olha no que dá... Claro que no meio das nossas conversas via internet há troca de receitas, novelas e o programa semanal (PS: ela é uma Kimura-addicted, tal como a Fabiana Yoko). Tudo feito por ela, de coração!

Sunday, February 20, 2011

Sete Coisas Sobre Mim em Sete Dias... (Sétimo Dia e Bônus Extra 3)

Feliz Ano do Coelho, gente! Atrasada até no calendário chinês...
Finalmente consegui terminar a saga do meme "Sete Coisas Sobre Mim em Sete Dias" que na verdade levou MAIS DE DEZ DIAS!!! Bem, agradecendo aos prezados e pacientes leitores fiéis (ou fiéis leitores, tanto faz) que aturaram essa odisséia que parecia nunca ter fim. Tem gente que faz uma postagem de uma vez só. Não sei, eu prefiro dividir em partes. Ao menos parece que não cansa. Eu acho.

Agora lá vai a parte mais polêmica, mais chata, mais terrível de qualquer meme. Mas não tem jeito, na vida sempre teremos os opostos. Sim, se na postagem anterior, mencionei as coisas que eu gosto, agora vem o oposto. Sim, prezados leitores, depois desta, até vou entender porque o índice de frequência vai zerar, pois aí vem...

Sete Coisas Que Eu Detesto!!!


- Ignorância.
(Isso eu digo no sentido de pessoas mal educadas, mal amadas e mal compreendidas. Pra qualquer coisa já partem pra violência verbal, uso de palavras de baixo calão, um verdadeiro atentado à nossa saúde mental, física e moral. Perdi a conta de quantas vezes tive que ouvir um repertório indigno pra quem se diz "estudado".)
- Falta de respeito alheio.
(Lembra do meu artigo sobre "Quem Cala Consente..."? Pois é: teve época que sofri muito com isso. Posso até no passado eu ter brigado muito quem criticava ali e aqui, mas com o tempo a gente amadurece e percebe que, ninguém é obrigado a gostar da mesma coisa que a gente, cada um tem seus gostos e preferências. Desde que haja respeito mútuo, tudo bem. Uma pena que nunca é correspondido. Hoje respeito quem gosta de verde limão ou goiaba madura, gosto é gosto; mas teve muita gente que me criticou severamente o fato de eu ter preferências BEM diferentes que a maioria. E se eu criticasse, eu levaria esporro do mesmo jeito.)
- Dieta.
(Apesar de eu ter emagrecido oito quilos e meio, nunca segui uma dieta seja maluca ou recomendada pelo médico. Mesmo se eu seguisse, nesse ponto eu sou totalmente desorganizada. Confesso: tentei uma dieta de duas semanas, mas os resultados foram catastróficos - perdi dois quilos, perdi a paciência e ganhei um "rebound" de seis quilos!!! Ah, como perdi os oito quilos e meio? No ano passado, criei vergonha na cara e voltei a andar mais de bicicleta e parar de comer besteiras nos intervalos... Acho que dieta eu faria à risca se eu tivesse algum problema de saúde e precisaria fazer mesmo, como foi o caso que precisei quando tive hepatite... trinta anos atrás?)
- Natto (ou soja fermentada).
(Todo mundo pergunta se eu como qualquer comida japonesa. Digo que sim e logo emendo que "menos o natto". Muita gente costuma perguntar "come qualquer comida japonesa mesmo?Até o tal do natto?", então antes que perguntem, eu já respondo. Motivo: bem que tentei, mas o cheiro foi pior que a vontade de comer. Mesmo porque minha família nunca foi habituada a comer essa iguaria, especialmente pelo lado paterno, que é de Kumamoto e lá natto era comida rara de se digerir. Mesmo se falassem que "faz bem pra emagrecer", eu preferia continuar gordinha a comer essa... esse... )
- Verão.
(Deixa eu explicar antes que me espanquem: sofro de hipoglicemia e calor em excesso, minha pressão sanguínea despenca a ponto de eu passar mal, muito mal mesmo. A ponto de acordar no pronto socorro. E levei azar nesse ponto - a cidade onde nasci e morei até meus 27 anos, o clima no verão é seco e abafado. Mesmo com a janela aberta, é impossível dormir direito. Vim pra cá e fui morar numa cidade onde a praia fica no quintal de casa. Resultado: no verão, o cheiro de maresia é intenso e o calor é tão abafado que a pele fica "melada" e haja banho! Sem falar que, sim, nessa época do ano eu vivo comendo salada de folhas, curry (pra combater a indisposição) e bebendo líquidos mais do que nunca. E sorvete. Depois engorda e não sabe porquê... Explicado porque detesto verão neste sentido.)
- Kafunshoo ou alergia ao pólen.
(Era algo que eu não tinha questão de cinco anos atrás. Acabei de um ano pra outro vivendo com máscara cirúrgica, colírio, remédios e tendo que limpar a casa toda manhã e ao chegar da rua, passar um spray pra eliminar boa parte do pólen. Essa alergia acontece logo que começa a primavera. Aí pros olhos coçarem, o nariz viver pior que torneira quebrada e pele seca, pra mim é um tiro. E toca eu andar de máscara, carregar colírio e chegar até a tomar remédios homeopáticos para amenizar a crise. Ah, acham que é frescurite aguda? Nunca teve? Sorte de vocês...) 
- Pessoas sem noção (de qualquer coisa).
(Esse item vai ter muita gente caindo matando em mim, mas nada pessoal, eu espero que entendam. Obviamente todo mundo detesta gente sem noção pra tudo. Conheci uma pessoa que vivia no mundo da fantasia, pra ela tudo tinha que ter marca disso ou daquilo. A cada uma frase vinha três ou quatro marcas famosas. Era uma conversa que me irritava. Por dentro, porque se eu abrisse a boca... Pior que até hoje essa pessoa continua a mesma coisa. Eu, hein! Tirando o carro que nos deu uma dor de cabeça no ano passado e compramos com muito esforço, tendo que engolir cada sapo no nosso trabalho, eu e o digníssimo vivemos normalmente. Não faltando comida e saúde, está bom.)


Bônus Extra 3 - Uma música que expressa os lados negativos mas têm seus lados positivos!


Não pode parar de pensar em pessimismo?
Não pode ser sincero e agradecer alguém?
Não pode achar que todo dia é uma desgraça?
Por que não se divertir e dançar comigo?
De qualquer forma, sinto-me sempre azarado (Pessimismo)

Tendo um romance que traz muito problema, nunca pode tornar-se amor (Pessimismo)
Trabalho pra caramba mas ninguém reconhece meu valor... (Pessimismo)
Não vejo alegria alguma pensando no futuro... (Pessimismo)

As coisas ruins podem te fazer feliz quando algo de bom acontece... (Otismismo)

Um romance turbulendo pode fazer a vida mais legal do que aquele sem nada (Otimismo)
As noites solitárias foram feitas pra você ver o lindo nascer do sol... (Otimismo)
Se você não quer pensar sobre o futuro, então melhor imaginar (Otimismo)
Você não é o único

E é a mesma coisa para todos
Tudo bem sentir-se inseguro
Persita, seja perseverante, facilite

Tudo bem se você não tem nada

Não é como se você não fizer nada
Existe algo que você pode fazer
Divirta-se, eu quero dançar!
Dance quando estiver triste, para um sorriso que logo virá

Dance quando estiver perdido, para que logo possa continuar se divertindo
Dance quando estiver na escuridão, para que surja uma luz
Dance, dance, dê uma chance, dance com otimismo
Dance quando estiver com medo, para que alguém venha te acompanhar
Dance quando estiver com dor, para que alivie seus ferimentos
Apenas dance agora, para que venha uma oportunidade


Quanto mais eu trabalho, parece que estou desperdiçando meu talento
Sentindo como eu desperdiço meu talento, me faz perder toda a motivação
Perdendo toda a motivação, faz tudo parecer sem sentido
Decidindo coisas que poderão fechar as portas

Toda vez que eu vejo o horóscopo, o meu signo está na última posição... (Pessimismo) [1]

Quando eu recebo um convite de casamento, não consigo ficar feliz... (Pessimismo)
Eu faço relatórios todo dia mas ninguém reconhece meu valor ... (Pessimismo)
Não tenho esperança, nem futuro, nem sonhos, nada me alegra... (Pessimismo)

Pessoas sortudas são aquelas que sabem como se divertir mesmo quando tem azar (Otimismo)

As vezes pode ser engraçado se olhar a si mesmo ... (Otimismo)
As noites escuras são para você ver o lindo nascer do sol ... (Otimismo)
Se você não tem esperança, nem futuro, nem sonhos, então melhor imaginar (Otimismo)
Você não é o único
E é a mesma coisa para todos
Tudo bem sentir-se inseguro
Persita, seja perseverante, facilite

Você não tem que ficar correndo o tempo todo

Não é como se você não puder voltar
Existe algo que você pode fazer
Divirta-se, eu quero dançar!
Dance mesmo se estiver viajando, para que continue tudo bem

Dance enquanto estiver em pé, porque se sentirá melhor
Dance mesmo se estiver rindo, porque é legal
Dance, dance, dê uma chance, dance com otimismo

Dance enquanto olhar pro alto, talvez aparecerá uma estrela cadente

Dance e limpe suas lágrimas, para que possa continuar a ver seus sonhos
Apenas dance agora, para que venha uma chance
Dance, dance, dê uma chance, dance com otimismo


Dance quando estiver triste, para um sorriso que logo virá
Dance quando estiver perdido, para que logo possa continuar se divertindo
Dance quando estiver na escuridão, para que surja uma luz

[1] No Japão, é costume fazer o ranking dos signos diariamente, com dicas e conselhos. Geralmente quando é o último colocado, pede-se desculpas e indicam o que pode fazer.

A música chama-se "Smap no Positive Dance", do último álbum "We Are Smap!" (2010). A tradução peguei do inglês no Live Journal. Não tem o PV (promotion video), no show eles cantaram somente a primeira parte bem como no programa semanal (a música inteira tem quase seis minutos). A música original dá pra ouvir ainda se ninguém retirar... (Nota da autora: em partes, a música lembra o que acontece comigo, até no horóscopo!!!)

Foto: da autora via revista. Sinal que preciso comprar logo uma impressora com scanner urgente...

Thursday, February 17, 2011

Sete Coisas Sobre Mim em Sete Dias... (Sexto Dia)

Um dia aprenderei na tentativa e erro a decorar cupcakes como esses...

Voltando ao meme que ao invés de ser dia corrido, tá que a lesada autora aqui conseguiu. Mas não importa, melhor assim pra ninguém cansar da mesma batedeira de sempre. Um fato inesperado aconteceu onde me escondo, é que segunda-feira à noite despencou uma boa neve. Como assim?! Enquanto em Hokkaido, extremo norte do Japão, daqui a pouco a neve derrete, sem antes eles fazerem o famoso festival de inverno, com aquelas esculturas lindas lindas de neve e gelo, aqui em Yokohama, neve mesmo só em fevereiro...

Sete Coisas que eu Adoro:


- Minhas raízes (Brasil e Japão).
(Sim, nasci no Brasil. Típica caipira do interior de São Paulo, com direito a sotaque bem carregado, daquelas que puxam o "erre", fala acentuado e ainda por cima insiste em dizer que a tal tiara que segura a franja do cabelo das mulheres - e alguns homens - se chama arquinho. Com o erre pronunciado. Sem falar que minha ascendência vem de Hokkaido, Kagawa e Kumamoto. Daí minha brancura total, ser tampinha e detestar o tal natoo. Explico um dia o porquê...)
- Ler, estudar e adquirir conhecimentos.
(Nunca é tarde para se aprender alguma coisa. Na verdade, sempre estamos em constante aprendizado. Seja no aprender propriamente dito, seja no aprendizado no cotidiano. Dizem que aprendemos com os erros, mas insistir no mesmo, seria idiotice, mas aí é outra história...)
- Frequentar bibliotecas, livrarias, lojas de CDs...
(Lembram que eu falei que se saírem comigo e se perderem em Shibuya, me encontrem na Tower Records de lá? Pois é: eu sou uma verdadeira rata de biblioteca, frequentadora de livrarias - seja as de livros novos como a Book-Off - a maior rede de livros, CDs e DVDs de segunda mão que pode fazer um belo escambo - e sempre indo que possível em lojas de CDs, como Tsutaya e Tower Records. Muito da língua japonesa eu aprendi me virando nessas lojas, sem falar que enriquece a cultura.)
- Conhecer lugares diferentes.
(Não parece, mas adoro passear. Conhecer lugares novos e diferentes. Nem que seja na vizinhança que, fazem oito anos que moro em Totsuka e não conheço nem a metade da cidade, que vergonha, mas aos poucos a gente acaba descobrindo. Desde descobrir um parque a alguns metros de casa até um restaurante bem pitoresco no meio do nada. Mas que ainda vou a Hokkaido e Kumamoto - os dois extremos da minha ascendência -, eu vou.)
- Minha família.
(Não precisa falar mais nada. Por mais que a gente leve uma vida independente, já andar com as próprias pernas, a gente ainda tem aquele laço indestrutível com os pais, irmãos, primos...)
- Boa companhia.
(Quem não quer uma boa companhia para bater papo, trocar idéias e confabular?)
- Doces.
(Não tenho jeito: sou uma formiga em forma de gente. Adoro doces. Só que há um grande paradoxo nisso tudo - eu NAO adoço de jeito algum leite, café e chá preto. Tomo do jeito que está mesmo. Tá, no caso do leite, costumo adoçar com mel. O que eu quis dizer é que não adoço com açucar nem adoçante. E adoro doces - apesar de um brigadeiro ou qualquer doce do Brasil hoje mal consigo passar da segunda bocada. Motivo: acostumei-me com os doces daqui do Japão, que são leves e nada enjoativos, acho que por isso que uma fatia de bolo não basta.)


Ah, eu sei que vocês vão me dizer - "mas você não gosta de j-dorama que tanto fala?", "cadê seus ídalos Masaharu, Kimura e companhia?", "e do seu digníssimo cara metade que te atura?" -, mas esta parte do meme eu revelo AS OUTRAS coisas que eu adoro e que dificilmente eu menciono. Tirando a parte de rata de livraria e doceira compulsiva, o resto quase nunca mencionava...

Foto: via seo gugol

Tuesday, February 15, 2011

O Fenômeno do "Getsu Kyu" em Novelas Japonesas


"HERO" (2001), um j-dorama cuja audiência vai ser MUITO difícil de ser batida...
Quando eu consigo, eu posto sobre j-doramas no site do Portal Nippon. Infelizmente, o assunto sobre os tipos que existem no j-dorama acabei nem publicando aqui, por relapso da autora, mas acessem o site e prestigiem também os outros, o administrador e a equipe antecipadamente agradecem a visita. Atenção que o artigo vai ser longo...

Tenho notado de alguns anos para cá que a mídia japonesa na parte de doramas ficam muito em cima no assunto que se trata de "audiência do getsu kyu", qual vai ser a próxima novela da temporada seguinte, quem seriam os protagonistas, etc. Ah, explicando pra quem não lembra o que era o getsu kyu ou nos jornais e noticiários japoneses aparece o "月9" em ideogramas garrafais: foi um termo "adotado" pela emissora Fuji TV para as novelas que passam no horário nobre, que seria segunda-feira (月= getsu, de getsuyoubi ou segunda-feira), nove horas da noite (9 em japonês se lê kyu). E a novela para ser encaixada no getsu kyu, geralmente conta com roteristas e diretores de respeito e atores bem conceituados. E o enredo muito bom a ponto de elevar a audiência, que ultimamente não passa da média de 17 a 18%.

Nos anos 90, época da "bolha econômica", as novelas que passavam no horário do getsu kyu geralmente eram românticas, seja com temática adulta, ou junsui  (amor puro, sem maldade), ou rennai (romance). O que dava uma audiência média de 20 a 21%. Começou a aumentar quando a novela "Sunao no mama de" (primavera de 1992), que tinha a cantora Akina Nakamori como protagonista, teve a média final de 26,4% - para a época já era surpreendente.
"Tokyo Love Story" (1991) com Honami Suzuki, Yuji Oda e Yosuke Eguchi - uma das primeiras "getsu kyu" a passar 20% de audiência 
Depois em diante, existiram muitos doramas que passavam facil facil a porcentagem de 20%. Descobriram como tempo que, se a novela tiver atores bem populares, a audiência poderia disparar. Desde que o enredo também agradasse o público, muito mais que óbvio. Quem era certeza de audiência alta eram os atores Yosuke Eguchi, Yutaka Takenouchi e Takuya Kimura. E as atrizes variavam, mas Miho Nakayama, Nanako Matsushima, Takako Matsu e Hikari Nishida também eram garantia de audiência alta, desde que elas fossem as mocinhas boazinhas.
"Asunaro Hakusho" (1993), o primeiro "getsu kyu" de
Takuya Kimura 

Um ano ou outro, a audiência do getsu kyu poderia cair, mas ficava na média de 15 a 18%, não muito preocupante. Mas quando os doramas "Hitotsu Yane no Shita" (primavera de 1993) e "Asunaro Hakusho" (outono de 1993) passaram de 25%, já estavam prevendo que as próximas getsu kyu os roteiristas teriam que pensar que enredo e que atores colocarem. "Long Vacation" (primavera de 1996) atingiu quase 30%, mas foi com "Love Generation" (outono de 1997) em que realmente o getsu kyu passou a ser importante para a emissora. Mas até hoje, não houve getsu kyu que batesse a audiência obtida com o dorama "Hero" (inverno de 2001), que teve audiência altíssima para a emissora - 34,2% .

Depois disso, a maior audiência que teve foi os doramas "Galileo" (outono de 2007) que teve 22,0% na média e "Change" (primavera de 2008), que foi de 21,7%. Depois disso, a audiência despencou vertiginosamente. Um dos piores índices de audiência média foi "Konkatsu" (primavera de 2009), que foi de 10,9% - uma vergonha para um getsu kyu. As mais recentes, não está passando da média que mencionei - 17 a 18%. O que aconteceu?

Fica difícil explicar, mas há quem diga que houve pessoas que "enjoaram" de novelas. Ou que o enredo não está sendo convincente ou os atores não foram bem encaixados nos papéis. Ou porque os atores não criaram  lá aquela empatia com o telespectador. Ou as novelas estão perdendo espaço para as novelas via internet ou para celulares. E o investimento pra um getsu kyu é alto - além do horário ser nobre, é um dos mais caros da emissora.
Esperança pro próximo "getsu kyu" de primavera pra ver se a audiência aumenta (da esquerda pra direita): Shingo Katori, Meisa Kuroki e Naohito Fujiki
Recentemente, assistindo ao noticiário, soube que a Fuji TV já está com a próxima novela do getsu kyu já definida com enredo e atores principais idem. O enredo seria uma agência matrimonial e um triângulo amoroso entre o atendente da agência, a candidata e para quem a agência estaria indicando para a mocinha. Os atores? Shingo Katori (o atendente da agência matrimonial), Meisa Kuroki (a mocinha que procura a cara metade) e Naohito Fujiki (para quem a agência está tentando juntar com a mocinha). O nome do dorama ainda não foi definido ainda no fechamento deste artigo.

Alguns getsu kyu (desculpem-me, mas não dá pra citar todos) que tiveram audiência acima de 20%, desde 1991 (entre parênteses, a temporada, o ano e a porcentagem média da audiência):

- Tokyo Love Story (inverno de 1991/ 22,9%): com Yuji Oda, Honami Suzuki e Yosuke Eguchi. Uma das novelas que se caracterizou pelo way of life dos salarymen no início dos anos 90. Os ternos que Oda e Eguchi usaram na novela viraram moda entre os assalariados japoneses.

A família Katsuragi, em "Hitotsu Yane No Shita" (esquerda pra direita): Koyuki (Noriko Sakai), Koumi (Megumi Oji), Tatsuya (Yosuke Eguchi), Kazuya (Issei Ishida) e Masaya (Masaharu Fukuyama). Na frente, Fumiya (Koji Yamamoto)

- Hitotsu Yane no Shita (primavera de 1993/ 28,2%): com Yosuke Eguchi, Noriko Sakai, Masaharu Fukuyama, Issei Ishida, Megumi Oji e Yoji Yamamoto. Drama familiar - sobre união, tragédia e conflitos internos - que fez muita gente se emocionar, os atores principais estavam em início de carreira (como Eguchi, Fukuyama e Yamamoto). Teve a sequencia em 1997, audiência de 26,7% e com os mesmos atores.

- Asunaro Hakusho (outono de 1993/ 27%): com Hikari Nishida e Takuya Kimura. Sobre amizade durante os tempos universitários, com conflitos emocionais e tragédia. Muita gente conhece o dorama devido a música "True Love", balada de Fumiya Fujii (ex-Checkers) que fez muito sucesso. Aliás, a música faz sucesso até hoje.

- For You (inverno de 1995/ 21,5%): com Miho Nakayama, Hiroko Moriguchi, Katsunori Takahashi, Shingo Katori e Megumi Yokoyama. Naquela época, Nakayama fazia mais sucesso como atriz do que como cantora; Moriguchi era famosa pelo programa "Mori Mori"; Takahashi fez mais sucesso como o herói em "Tokumei Kakaricho Tadano Hitoshi" e "Salaryman Kintarou"; foi o primeiro getsu kyu de Shingo Katori, apesar de ele ter sido coadjuvante; Yokoyama participa até hoje no programa semanal "SMAPXSMAP" desde o início.

Audiência média de... 29,2%!!
- Long Vacation (primavera de 1996/29,2%): com Takuya Kimura, Tomoko Yamaguchi, Yutaka Takenouchi, Izumi Inamori e Takako Matsu. Foi a partir daí que, ter Kimura e Takenouchi em algum getsu kyu era certeza de audiência boa (embora as últimas novelas de ambos não foram tão bem sucedidas). Curiosidades: Tomoko Yamaguchi é casada com o ator Toshiaki Karasawa (que também atuou em alguns getsu kyu como "Oishii Kankei", "Brothers" e "Galileo"). Takako Matsu contracenaria com Kimura mais duas vezes - "Love Generation" e "HERO".

Dorama que muita gente lembra até hoje
- Love Generation (primavera de 1997/30,7%): com Takuya Kimura, Takako Matsu, Norika Fujiwara, Masaaki Uchino. Novela que até hoje muita gente lembra de ser uma "das melhores novelas de romance" que  a Fuji TV já teve. Se perguntarem para muita gente da época, vão responder esta novela e também "Beautiful Life" (2000/TBS), apesar de ser outra emissora, mas também teve Kimura como protagonista.

- Yamato Nadesico (outono de 2000/ 26,1%): com Shinichi Tsutsumi e Nanako Matsushita. O dorama cujo tema era "moça pobre procura rapaz rico para sair da pobreza", acabou ganhando versão coreana para "My Fair Lady" em 2006.

- Hero (inverno de 2001/34,2%): com Takuya Kimura, Takako Matsu, Hiroshi Abe. Olha novamente a dupla Kimura-Matsu num dorama bem diferente para um getsu kyu. Geralmente os getsu kyu seriam de romance, amor, drama familiar... Mas o enredo - sobre investigação criminal com pitadas de humor - conquistou muita gente. A novela estava fazendo tanto sucesso que, a cantora Hikaru Utada - que interpretou a música tema - fez uma ponta no episódio 8, que teve uma das maiores audiências na história.

- Last Christmas (outono de 2004/21,8%): com Yuji Oda, Akiko Yada, Hiroshi Tamaki e Nana Katase. Os últimos capítulos passaram em dezembro, o que deu a esse dorama um índice bom de audiência. Foi um dos poucos doramas que o tema principal era romance em época de final de ano. Foi o último getsu kyu que Oda chegou a protagonizar. Yada fez mais dois doramas antes de casar e ter um filho (e depois separar-se) do ex-ator Manabu Oshio.

"Saiyuuki" - refilmagem dos anos 70 com tema incomum mas garantiu ótimo índice de audiência. Da esquerda pra direita os atores Atsushi Ito (Cho Hakkai), Teruyoshi Uchimura (Sagojo), Shingo Katori (Son Goku) e Eri Fukatsu (Sanzou Hoshi)
- Saiyuuki (inverno de 2006/23,8%): com Shingo Katori, Eri Fukatsu, Atsushi Ito e Teruyoshi Uchimura. Baseado na lenda chinesa "A viagem para o Oeste", teve a primeira versão nos anos 70 com Masaaki Sakai. A versão de 2006 foi tão bem sucedida que chegou a ser filme, com os mesmos atores do dorama. A empresa aérea Japan Airlines, para promover o filme,  teve o personagem de Katori - Son Goku - estampado nos aviões para vôos domésticos em 2006. Eri Fukatsu chegou a raspar o cabelo para viver a monja Sanzo Hoshi. Teruyoshi Uchimura é a outra metade da dupla humorística "Un-chan, Nan-chan".

- Galileo (outubro de 2007/22%): com Masaharu Fukuyama e Kou Shibasaki. Baseado nos dois livros do renomado escritor de novelas policiais e suspense Keigo Higashino, o enredo era diferente também para um getsu kyu (casos semelhantes foram "Hero" e "Saiyuuki") - um renomado físico que resolve casos difíceis com o codinome de "Detetive Galileu". Sua companheira para resolver os mistérios, é uma investigadora policial temperamental mas com grande senso de justiça. Cada episódio não era ligado a outro, e tinha suspeitos... ops, convidados especiais, como Toshiaki Karasawa, Ryoko Hirosue, Shingo Katori, Miki Mizuno, Maki Horikita, Kyoko Fukada. A música tema era interpretada por Koh Shibasaki e produzida por Masaharu Fukuyama.

- Change (primavera de 2008/21,7%): com Takuya Kimura, Eri Fukatsu, Hiroshi Abe, Akira Terao. Foi o último getsu kyu que teve audiência acima de 20% (porque depois, nem com "Tsuki no Koibito", Kimura conseguiu segurar). Outro tema incomum: sobre eleições para Primeiro Ministro, a estratégia para eleger e também como derrubar.

Algumas curiosidades:


- Quase todas as novelas do getsu kyu em que Takuya Kimura protagonizou, tiveram audiência acima de 20%. Exceção feita foi a recente "Tsuki no Koibito" (primavera de 2009 correção: primavera de 2010...), que além de ter sido uma das mais curtas da emissora (oito capítulos), a audiência deu na média de 17%, apesar que no primeiro episódio ter tido 23% de audiência.

- Todos os membros do quinteto SMAP já protagonizaram algum getsu kyu - já os citados Kimura e Katori,  Masahiro Nakai ("Brothers" e "Konkatsu!"), Goro Inagaki ("Hatachi no Yakusoku" e "Nagareboshi") e Tsuyoshi Kusanagi ("Oishii Kankei" e "Jinbe").

- "TOKYO DOGS" (Outono de 2009) com Shun Oguri e Hiro Mizushima, foi a primeira novela policial de verdade a passar num getsu kyu.Curiosidade: Mizushima mal tinha terminado as filmagens do j-dorama "Mr. Brain", que passou na primavera do mesmo ano, mas era outra emissora.

A equipe de resgate via helicóptero - Erika Toda, Yui Aragaki, Yosuke Asari, Manami Higa e Tomohisa Yamashita
- "Code Blue" (2008/2009), com Tomohisa Yamashita (NEWS), Yui Aragaki, Erika Toda, Manami Higa e Yosuke Asari, teve um fato bem curioso - a primeira temporada foi transmitida no verão de 2008 mas toda quinta-feira, dez da noite. A segunda temporada - com o mesmo elenco - é que tornou-se getsu kyu. Detalhe: os serviços de resgate e  primeiros socorros via helicóptero foi legalizado a partir de 2007 no Japão. Aproveitaram para fazer um dorama com o tema para divulgar o serviço. Embora a audiência ficou na média de 16%, ainda teve entre uma temporada e outra um tanpatsu de duas horas. Detalhe: tanto nas duas temporadas e no tanpatsu, quem se encarregou das músicas temas foi o quarteto Mr. Children.

- Grande maioria das músicas temas dos getsu kyu fizeram sucesso e chegaram ao top one da Oricon: "Love Story wa Totsuzen ni" (Kazumasa Oda, de "Tokyo Love Story"); "Saboten no Hana" (Kazuo Zaitsu, de "Hitotsu Yane no Shita"); "True Love" (Fumiya Fujii, de "Asunaro Hakusho"); "Kimi ga Irudakede" (Kome Kome Club, de "Sugao no Mama de"); "La La La Love Song" (Toshinobu Kubota, de "Long Vacation"); "Taisetsu" (SMAP, de "Brothers"); "Can You Keep a Secret?" (Hikaru Utada, de "Hero"); "Sea of Love" (Southern All Stars, de "Boku Dake no Madonna"); "Tokyo" (Masaharu Fukuyama, de "Slow Dance"); "Hanabi" (Mr. Children, de "Code Blue 2"); "Love Rainbow" (Arashi, de "Natsu no Koi wa Nijiiro ni Kagayaku"); "Ryusei" (Kobukuro, de "Nagareboshi").
"Tokyo Dogs" (2009), primeiro policial a ser um "getsu kyu", com Hiro Mizushima, Yuriko Yoshitaka e Shun Oguri

(Lembrando que, os atores e atrizes que fizeram novela na emissora Fuji TV, eles têm a total liberdade de atuarem em novelas de outras emissoras, pois eles são de agências particulares e não contratados diretos da emissora x ou y como nós já sabemos, em certas emissoras do mundo.)

Fotos: pesquisados via google

Monday, February 14, 2011

Sessão Pipoca: "Boku to Tsuma no 1778 no Monogatari" (2010)


Home page oficial:http://www.bokutsuma.jp/index.html de onde, bem, peguei a foto...
"Minha esposa tem apenas um ano de vida... Que eu posso fazer?"


Sakutaro Makimura  (Saku) e Setsuko Kataoka (Se-chan) se conheceram no primeiro ano colegial durante as férias de verão. Dezesseis anos depois, casaram-se e viviam em plena harmonia. Sakutaro tornou-se escritor de contos de ficção científica, seu local de trabalho (um quartinho nos fundos da casa) era repleto de miniaturas e coleções de robôs, sua fonte de inspiração, tanto que a entrada da casa era decorada deles. Setsuko era bancária e admirava o trabalho e a criatividade do marido, dona de casa dedicada e amorosa. Apesar da editora onde Sakutaro enviava os manuscritos insistir que ele também escrevesse contos de amor como o colega de faculdade e também de editora Ren Takizawa, Makimura insistia era em continuar escrevendo histórias de ficção científica.
"Faça sua esposa contente. Se ela ficar contente, a doença poderá estacionar."
Um dia, Setsuko sente-se mal e a vizinha (e proprietária da casa onde o casal Makimura moravam) leva-a ao hospital, achando que estaria grávida. Ao saber que a esposa estava internada e sofrendo uma intervenção cirúrgica, Sakutaro vai ao hospital e tem uma conversa com o médico responsável por ela, Dr. Matsushita. Sakutaro descobre que Setsuko na verdade estava com câncer colorretal em estágio adiantado e teve que extrair boa parte do intestino e útero, porém estava se alastrando e a esposa teria apenas um ano de vida.


Mas o médico dá um conselho ao casal ao sair do hospital - se a esposa sempre ficar contente, a doença poderá estacionar (e ganhar mais alguns anos de sobrevida). Foi a partir daí que Sakutaro começou a escrever contos de três folhas por dia para que Setsuko lesse e se divertisse. Nos primeiros contos, não foi tão bem sucedido, mas foi criando histórias misturando ficção científica com fatos do cotidiano que ela começou a se divertir com os contos de três folhas por dia. 


Quando completou um ano e vendo que Setsuko estava melhor, ela, o editor Kentaro Niimi e o casal Ren e Mina Takizawa fizeram uma festa surpresa pelo fato de Sakutaro ter conseguido fazer a esposa continuar viva. Mas logo depois, a doença regrediu nela e foi necessário tentar junto com outro tipo de medicamento. Mesmo assim, Sakutaro continuou a escrever três folhas por dia para Setsuko ler. Mesmo recebendo via fax no hospital onde fazia o tratamento.
"... é tão bom poder sempre te acompanhar..."
Apesar da doença ter estacionado, o casal Makimura resolve ir para Hokkaido, onde Setsuko queria encontrar a árvore que tinha visto no quadro que eles tinham na casa - e descobriram que a árvore existia, numa planície verde e tempo bem claro. Que ela poderia esquecer que estava doente e que cedo ou tarde poderia ser a última vez que poderia estar contemplando essa beleza com Sakutaro.


Ao retornarem para Yokohama, algo muito inesperado acontece para os Makimura, o que poderá mudar a vida deles e as de que os acercam por alguns meses...


***************************************************************************

No ano passado, quando soube do que era o filme, fiquei esperando pela estréia, no dia 15 de janeiro deste ano. Cheguei a ver o trailer quando fui assistir ao "Space Battleship Yamato", daí já tinha certeza mesmo de que, se eu fosse assistir ao "Boku to Tsuma no 1778 no Monogatari", poderia já levar pelo menos uma caixa de lenços de papel no cinema.

A tradução livre - "1778 Histórias Minhas e de Minha Esposa". Soube também que era uma história verdadeira e que saiu em livro mesmo. Era a história do escritor de ficção científica Taku Mayumura, que, quando soube que a esposa estava com câncer em estágio bem adiantado, escreveu 1778 contos de três folhas para ela ler e se divertir, pois o médico aconselhou-lhes que ela tivesse diversão e ficasse contente, pois teria talvez uma sobrevida maior do que um ano diagnosticado.

As histórias que Sakutaro escrevia para Setsuko eram mesmas do Mayumura - que foi um dos roteiristas do filme. Alguns contos dele foram transmitidos no filme, como o encontro com os robôs, a misteriosa mulher que dava trotes aleatórios dando conselhos, o polvo cor de rosa e a viagem espacial, por exemplo.

Sabendo que a história era baseada em fato real, foi o suficente para eu sair do cinema chorando. Se só de ver o trailer já me deu um nó na garganta...

O filme, dirigido por Mamoru Hoshi, encerraria a série iniciada em 2003 - a famosa série "Boku..." ("Eu", pronome pessoal dito por homens). Coincidentemente, as quatro histórias foram dirigidas por Hoshi e quatro atores participaram da série toda - Tsuyoshi Kusanagi, Ren Ohsugi, Kazuyoshi Asano e Fumiyo Kohinata. Para quem não sabe, os três episódios seriam:

1) "Boku no Ikiru Michi" ("A Vida que Escolhi"/2003): Um professor universitário de apenas 28 anos descobre que tem uma doença fatal e deram-lhe um ano de vida. Repensa na vida que ele não pôde aproveitar durante os 28 anos. O tema aborda sobre "Amor e Morte".

2)  "Boku to Kanojo to Kanojo no Ikiru Michi" ("A Vida que Nós Escolhemos"/2004): Um casal separa-se e a filha passa a viver com o pai. Que efeitos podem acontecer após a separação? O tema aborda sobre "Laços".

3) "Boku no Aruku Michi" ("O Caminho que Resolvi Seguir"/2006): Um rapaz de 31 anos com mente de 10 anos vivendo em seu próprio mundo. A chance de integração na sociedade e amizade com uma amiga de infância para quem escreve pequenas cartas. O tema aborda sobre "Pureza".

Outras curiosidades:


- Era o segundo filme em que Tsuyoshi Kusanagi e Yuko Takeuchi protagonizaram juntos. O primeiro, foi "Yomigaeri" (2003).

- O filme começou a ser rodado em novembro de 2009 (um ano depois de Takeuchi ter tido um divórcio traumático com Shido Nakamura; e sete meses depois do incidente com Kusanagi).

- Muitas das cenas se passam em Yokohama (o banco onde Setsuko trabalhava era o Yokohama Shinyo Kinzo; a editora ficava num prédio em Nihon-doori, perto do Yamashita Park; uma das cenas em que Sakutaro escreve um dos contos, é a famosa roda gigante, o Cosmo Clock, em Minato Mirai; a cena da mulher que passa trotes, um dos locais é o Akarenga Soko), mas teve locações no Tobu Dobutsuen (onde Sakutaro e Setsuko lembram do tempo de universidade, onde tem uma foto com a girafa), Tóquio (a cena da livraria, em que Sakutaro e Setsuko se fotografam é a livraria Junkudo, dentro da loja de departamentos Mitsukoshi, em Shinjuku) e Hokkaido (onde ficava a árvore que Setsuko queria encontrar).
Uma das cenas mais lindas - e triste também - do filme.
- Nos dois primeiros dias de estréia (15 e 16 de janeiro), em 315 salas exibidas em todo o Japão, teve bilheteria de 1 bilhão, cinquenta e nove milhões e seiscentos e noventa e cinco mil e duzentos ienes com um público de mais de 120 mil pessoas. Detalhe: em todas as salas exibidas. (Apesar que no mesmo dia foi exibido o filme "A Rede Social", teve arrecadação maior em 328 salas, mas foi para um público de mais de 110 mil pessoas).

- A imperatriz Michiko assistiu ao filme no dia 20 de janeiro, no cinema Toho de Yurakucho e elogiou as atuações de Kusanagi e Takeuchi - que fazia o casal principal da história e que estavam junto da imperatriz na sessão - e que ambos disseram que "foi uma grande honra ter a presença da imperatriz conosco".

Boku to Tsuma no 1778 no Monogatari (2010). Baseado nos contos reais de Taku Mayumura - "Boku to Tsuma no 1778 no Monogatari". Direção: Mamoru Hoshi. Co-roteiro: Taku Mayumura. Elenco: Tsuyoshi Kusanagi (Sakutaro Makimura), Yuko Takeuchi (Setsuko Makimura), Shosuke Tanimura (Ren Takizawa), Michiko Kichise (Mina Takizawa), Tai Kageyama (Kentaro Niimi), Fumiyo Kohinata (o coletor de taxas), Kazuyuki Asano (o dono da loja de brinquedos), Ren Ohsugi (Dr. Teruo Matsushita), Jun Fubuki (Asako Kataoka).
Em Hokkaido, uma das últimas fotos de Sakutaro e Setsuko juntos (foto tirada de forma bem peculiar)


Fotos: a que abre o artigo, foi direto do site oficial. O restante, do panfleto que a autora comprou (e como minha impressora foi desta pra melhor, acabei fotografando pelo celular, daí algumas fotos meio tortas, embaçadas...)


(Na verdade, pensei em postar o artigo para o dia dos Namorados no Japão, mas como muita gente costuma associar a data com filmes de amor com finais felizes também, achei deixar pra lá. Mas antes do lançamento do filme, no trailer, Tsuyoshi Kusanagi e Yuko Takeuchi fizeram uma campanha para incentivar casais a irem ao cinema, se não retirarem o vídeo, acho que ainda dá pra ver...)

Sunday, February 13, 2011

Dá pra quebrar o galho...

De vez em quando, passar uma(s) camada(s) de esmalte faz bem pra auto estima, bem pras unhas... até quando tem que tirar e mudar de cor...


A foto não saiu tão beeeeem assim, mas acho dá pra ver que o esmalte era de um azul meio pra verde, metalizado (não estou ganhando cachê, mas é o X04 - Pinch of Luck da Mary Quant).


Os poucos esmaltes que eu tenho (da esquerda pra direita): B32 (um bege perolizado, da Orbis); W03 Nougat (creme, da Mary Quant); o citado Pinch of Luck; A08 (lilás claro perolizado, Mary Quant); A02 (rosa antigo perolizado, Mary Quant); L03 (verde menta perolizado, Mary Quant) e BE115 (dourado, da Majolica Majorca, Shiseido). Sem falar da base e top coat ambos da Mary Quant (sim, eu gosto desta marca) e uma base da Rimmel que uso para cobrir as imperfeições da unha (é o Smoother Ridge Filler Base Coat, da Rimmel London).

Motivo porque não tenho vidros e vidros de esmalte: raramente faço as unhas por pura preguiça - no máximo corto, lixo, dou uma polida e passo base. Mas quando dá na telha, acabo pintando mesmo. Evito o verde menta pra ir trabalhar senão o pessoal vai achar estranho, esse eu deixo quando eu saio. Uso mesmo os mais clarinhos como o lilás claro ou o bege perolizado ou creme...

Por pura falta de postar alguma coisa no domingo mesmo...

Saturday, February 12, 2011

Quem Cala, Consente... Mas se Opina, Leva Esporro! (Ou: vai entender essa gente...)

Uma das coisas que eu não gosto de me manifestar seria do que eu acho sobre política, campanhas ambientais, enfim, o que tudo que causa polêmica a ponto de sair no tapa. Podem chamar-me de individualista, egocêntrica e todos os adjetivos possíveis, mas se eu faço minha parte sem alarde algum, e sem prejudicar o vizinho, posso dormir sem peso na consciência.

*********************************************************************
Certa vez indagaram (pra não dizer que criticaram) comigo sobre o fato de eu prefereir assistir aos j-doramas do que as novelas brasileiras; de ter um gosto muito suspeito em matéria musical (leia-se: gostar de Beatles, ter ido três vezes no show do Masaharu Fukuyama e pertencer ao fã clube do Smap...); de ir ao cinema quase sempre no night show (porque é mais barato, oras!). Quando respondo que gosto é gosto, nunca se discute, da mesma forma que nunca indaguei aos outros sobre os gostos pessoais de terceiros, a pessoa ficou um mês sem falar comigo.

*********************************************************************
Mais ainda: quando saiu o novo CM (comercial) da operadora au by KDDI dos smartphones (mas também demoraram, hein?) com o quinteto Arashi (que já eram garotos propaganda desde o ano passado), não lembro se foi um DM do twitter ou mensagem privada que recebi de alguém, que também nem lembro mais pra não variar, perguntando do que eu achava terem trocado os outdoors e os panfletos com a foto da Lady Gaga pela foto do Arashi. Na minha pura inocência e espontaneidade, comentei que ficou mais divertido os comerciais com eles e... Resultado: deram-me unfollow e bloquearam-me. Pelo menos não comentaram nada, mas então, se é pra agir desta forma, por que pede minha opinião??? Vai entender...

*********************************************************************
Se existe uma coisa que me deixa mais danada da vida em matéria de redes sociais, é darem RT (re-twitt) de postagens de nada a ver. Eu sei que se entrei na chuva é pra se molhar, mas existem postagens que beiram entre o ridículo e o extremo do péssimo gosto. Pensava eu, na minha inocência que no twitter era apenas postar alguma coisa de 140 caracteres ou passar informações (houve muitos RTs ótimos que recebi, como o Festival of Media Arts in Tokyo no ano passado ou o Design Festa que também fui no ano passado, dicas de beleza, receitas culinárias, assuntos de ótimos blogs...), mas de um tempo pra cá recebo cada RT que eu tenho vontade de dar um unfollow assim como fizeram comigo no tópico anterior, mas depois é bem provável que eu receba um DM (direct message) ou até uma carta bomba. Vai saber quando é que essa gente está de "ovo virado" ou não...


*********************************************************************
Se tivéssemos pessoas que soubessem opinar e levantar o astral de outras, o mundo não estaria tão perdido assim.

*********************************************************************
Alguns meses atrás, recebi um comentário meio irônico de algumas pessoas sobre o meu jeito. Pra tudo. Como por exemplo, trabalhar comigo. Na hora fingi que nem era comigo, mas doeu por dentro. Mas não dou-me por vencida e estou me esforçando para dar o melhor de mim e, quem sabe, provar que não sou aquilo que pensavam. Apesar de eu preferir ficar no meu canto e fazer o trabalho na medida das minhas possibilidades.

*********************************************************************
Muitas vezes eu pergunto a mim mesma: "se é pra levar esporro, então por qual motivo pedem a nossa opinião sobre isso ou aquilo? E se a gente não fala nada, vão dar duas alternativas: 1) ou você concorda com tudo o que foi falado ou 2) o gato comeu sua língua".

Vai entender...

Para quem não sabe, essa operadora é a preferida das leitoras da revista japonesa "an-an", então...