Wednesday, May 02, 2012

Vale mesmo a pena?

I read the news today...

Algumas semanas atrás, eu tinha feito uma postagem sobre o fato de termos um certo ecletismo em nossos gostos - no caso musical - e muitas pessoas torcerem o nariz por isso (vide "Ecletismo ou Fanatismo?"), chegando ao cúmulo de atacarem sob forma de críticas. Não no artista em si, mas no fandom. Sabe quando um ataca o outro sem saber o motivo que gerou tal discussão? Bem por aí.

Vou apanhar, ser criticada, mas ao menos tenho meu ponto de vista. 

Esse assunto de discussão entre membros de vários fandons, isso existe desde que o mundo é mundo. Pior que isso sempre vai existir e não encontraram uma forma de acabar, mas existe uma forma de amenizar. Ou melhor o relacionamento entre eles, o que seria tarefa difícil, mas não impossível.

O que eu quero dizer é que não quero atacar ninguém, criticar as opiniões alheias, dizendo "você está certo" ou "você está errado", porque, quem sou eu para julgar as pessoas! Uma das coisas que eu queria, na verdade, seria o respeito entre os membros, inclusive dos próprios fandons. Achar ruim, eu entendo, mas ofender, aí seria um desrespeito com o próprio fandom. Depois os outros criticam, acham ruim. E assim vira uma reação dominó.

Reação desastrosa
Eu pertenço/pertenci a vários fandons e sei o quanto sofre ser uma fã sensata. E o quanto dói ter sido no passado uma fanática. Posso dizer com "uma certa" segurança porque eu senti os dois lados. Meu lado fanática eu comentei na postagem mencionada no primeiro parágrafo, mas relembrando meu passado negro, que fui aquelas fanáticas a ponto de não admitir que outro grupo fosse melhor que o meu, que meu grupo era o primeiro em tudo, que não poderia quebrar o recorde deles, e assim por diante. Só não cheguei ao ponto de falar "eu me mataria por eles" porque o grupo acabou antes de eu nascer.

Felizmente meu pensamento mudou quando mostraram para mim que "não se vive de um artista só", e foi bem a tempo, ou eu me tornaria uma pessoa obsoleta, obtusa e nem estaria aqui postando. Foi quando passei a ampliar meu gosto musical, e foi aos poucos para acostumar e poder discernir o bom do ruim. Claro que os ditos guilty pleasures vamos ter, atire o primeiro CD quem não tem um ou uma dúzia deles.

Claro que eu tenho meus gostos pessoais, que mais me sobressaio, que eu tenho grande admiração, desnecessário eu ficar citando quais são, mas isso não significa que sou aquela fanática doente daquelas que poderia se matar caso tal artista fazer tal besteira. Se fosse assim, eu nem estaria aqui faz muito tempo. Afinal, eles são simples mortais como nós, apesar da grande abismo que nos separa - somos pessoas anônimas e eles são pessoas famosas, mas que pagam impostos como a gente, que pagam as contas, que trabalham para garantir o futuro. Vão dizer que eu estou exagerando, ou tapando sol com a peneira?

Acima de qualquer suspeita?
Erros também eles cometem, ninguém é 100% perfeito. 

O que mais me decepciona, é saber que muito fandom acaba sendo dissolvido justamente por causa de fãs sensatos acabarem sendo criticados pelos fãs doentes. No meu ponto de vista - fã verdadeiro é aquele que acredita que seus artistas são humanos como nós, com direito a cometerem falhas e saberem respeitar outros artistas, ou outros fandons. Como eu disse: eu também fui fã doente. E paguei um preço muito alto por isso, chegando até a perder amizades. Voltar a aproveitar a vida, a gente recupera seja de que forma for, como eu havia comentado no post citado, mas amizade a gente não recupera por mais que se redima.

Algumas pessoas vão me dizer "mas você pertence a um fandom A, a um fandom B e você surta, participa, o diabo a quatro". Não nego, mas eu também não fiquei ofendendo outro fandom para defender o outro. O que eu posso fazer é expôr minha opinião a respeito do que acho disso tudo. Respeito, sim. Mas ofender...

Tá certo que tem certos artistas que eu nem penso duas vezes para soltar o verbo, mas porque antes de expressar o que sinto, procuro saber quem, como, quando e porquê! Pra ter a certeza de que não vou jogar m**** no ventilador depois. Mas não fico criticando de graça, como disse, eu procuro conhecer primeiro sobre o que vou opinar e depois dou meu parecer. Muitas vezes nem dou meu parecer, porque dependendo do que for, nem vale a pena.

"E se a gente falar mal do artista que você gosta, vai ofender a gente também?" "Você ofende tal artista, você gostaria que ofendessemos o seu também?" 

Posso ficar chateada na hora, mas depois dou de ombros, muito embora já tivesse desabafado sobre esses pontos de vista, desses comentários. Parando para pensar, cada um tem uma forma de expressar sua insatisfação. Tem artista que eu critico, eu admito. E eu sei as consequências posteriores e eu tenho que estar psicologicamente preparada. Da mesma forma que tem gente que ofende os artistas/pessoas que eu gosto, mas é opinião delas, que eu posso fazer? Ninguém é obrigado a ter a mesma opinião que outros, senão o mundo seria uma droga.

Não sou fã de chá verde, mas quero aprender o "chadou"
Eu costumo dizer, por exemplo, que não consigo beber matcha (chá verde), mas nunca proibi meus amigos de beber; eu não gosto de melancia, mas nunca critiquei dignissimo de comprar para ele comer, já que, quem adora a fruta é ele (da mesma forma que ele detesta abacaxi, mas nunca deixou de comprar para mim, que eu adoro). Mesma coisa sobre gostos musicais/artísticos. Respeito quem goste, desde que respeite os meus. 

Claro que já deixei escapar "PQP! Que péssimo gosto!", mas também já ouvi - e muito. Tive que estar preparada, né...

O assunto sobre isso rendeu no twitter esta madrugada - uma pena que quando essas confabulações acontecem, eu estou no vigésimo sono, e depois eu tenho que ficar mais de uma hora tentando ler e absorver as idéias (mas felizmente esta semana estou de férias e aproveitando para dar uma geral em tudo, mas quando digo tudo é tudo mesmo), o que geraram duas postagens nos dois blogs que eu frequento (e colaboro), muito embora seja de um grupo, a mensagem vale para qualquer fandom na face da Terra.

A pessoa que postou originalmente, eu consideraria uma pessoa corajosa, porque com certeza ela não teve medo de postar, muito embora anonimamente (ou sob pseudônimo), porque ela falou a verdade. E as pessoas que fizeram as postagens, seriam fãs sensatas, que sabem ter o que eu chamo de ecletismo, não ficam presas a uma coisa apenas. Que possamos falar, comentar de uma coisa só, bem, até eu, reconheço. 

Como disse EffaS e Gabs, "devemos mostrar nosso respeito com outros fandons", porque uma vez que houver desrespeito, para ter o respeito de volta vai ser difícil. Se quisermos ter respeito, então temos que ter a nossa parte - que seria respeitar a opinião dos outros. Que saibamos criticar, de forma sensata, e não simplesmente falar "tal coisa é uma droga, não presta", etc., sem ao menos ter conhecimento do que estaria criticando, como mencionei alguns bons parágrafos anteriores.

Outro tópico que confabulamos há pouco, seria a [velha mas sempre atual] questão: "Você se mataria/morreria pelo seu artista porque ele é sua vida? E se a resposta fosse sim, acha que seu artista gostaria de saber disso?"

Em toda minha vida, eu convivi ouvindo gente falar que se mataria mesmo pelo artista, daria a vida e mais um pouco para ele. O máximo que eu fiz na minha vida foi gastar parte do meu salário comprando discos, CDs, filmes e livros, mas eu chegar a ponto de me matar por causa deles, aí eu estaria no limite da minha sanidade. 

Eu ouço até hoje pessoas falando sobre isso. Pior ainda que já ouvi, li notícias de fãs que se mataram pelo seu artista favorito, principalmente quando souberam que cometeu suicídio (aqui no Japão, os casos mais conhecidos foram dos cantores Yukiko Okada, Yutaka Ozaki e hide), repetindo o mesmo gesto, achando que ou a vida para ele acabou com a morte de seu artista favorito ou achando que vai encontrar com ele na outra encarnação...
Vale mesmo a pena morrer por isso?

Mas será que, muitos artistas vivos gostariam de saber que um(a) fã se matou por causa deles? E a pessoa acha mesmo que seu ídolo se sentiria bem se soubesse o que ela fez em nome dele?

Eu posso dizer que os artistas sentiriam-se muito mal quando soubessem disso. Se matar por amor ao artista, ao ídolo? Isso seria amor? Confesso que nunca consegui entender a mente das pessoas, e não vai ser agora que vou entender. Muitos vão falar "a vida é de cada um, cada um faz o que quiser". Eu sei. Mas desde que não prejudique o outro lado, certo?

Eis meu ponto de vista, agora se concordam ou discordam, tudo bem, são livres para fazê-lo, porque cada um tem o modo de pensar (mas desde que saibam criticar, seja positiva ou negativamente). 

Observação: Se quiser criticar, critique a autora que aqui vos fala, e não o Empório todo.


Para Fabi (Tia EffaS), que acabei copiando a ultima frase e corre das pedradas e Gaby (Gabs), que acabei copiando a pergunta dos paragrafos finais no twitter e corre das pedradas também.


Fotos: via Google mesmo.


Eu também apoio a campanha para um fandom mais consciente e prudente. Saiba mais aqui.
(Mas lembrando que isso vale para qualquer fandom da face da Terra e tenho dito.)

5 comments:

  1. Oie Kiyomi!
    Ah, faz tempo que não te visito aqui!
    Aliás, tinha abandonado a vida de blogueira, mas dá saudade de compartilhar e receber da partilha, rs... Não é?!
    Bem, sabe que tem até um termo usado hoje em dia, que eu não gosto, mas... "Talifã" - Aquela fã extremista, sabe?!
    Também não acho legal esa postura. Respeito é bom e todo mundo gosto! E defender o seu gosto todo mundo quer, é preciso saber conviver com as diferenças!
    Dos poucos artistas que eu conheci pessoalmente, a maioria não gosta de ser tratado como ídolo. Eles preferem tratamento de mortal, rs... Senão fica aquela coisa meio de "personagem" quando na verdade é "pessoa"
    Mas, não duvido do estrelismo de alguns!
    Admiro a dedicação de vcs quanto aos blogs e comunidades relacionado e até fã clubes, mas como eu também gosto de uma porção de coisa louca, prefiro viver um pouco de cada!
    Espero não ter falado nenhuma bobagem aqui nesse comentário, rs...
    Já respondi seu comentário no Just a Ride, espero logo ficar em dia por lá!
    Um beijão!
    ^^

    ReplyDelete
  2. Nossa, eu sabia que você é fã de Arashi e outros artistas, mas não sabia que: 1- você é tão fã assim, de fandons e ter que aturar essas brigas por artistas e 2 - você colaborava num fandom! Me surpreendendo sempre, Kiyomi! Olha, concordo com TUDINHO que você postou, mas eu sempre fui dessas fãs que defendem o ídolo pela boa música, pela boa dança e pela sua produção. Conheço tanta menina que acha que ídolo é 'marido' e isso meio que me cansa. Que são lindos e desejáveis, poxa, são. Mas tem gente que é doente mesmo, como você citou. Se tem uma banda que me enlouquece é L'arc, há mais de 12 anos. Mas eu sei que comprar material e divulgar é uma forma de agradecer a banda por seu bom trabalho e incentivar que continuem. Tenho certeza que nenhum artista gostaria de saber que um fã se matou por eles, essa idéia é um horror! LOL - confesso que me assustei que até hoje existam essas rixas com fandons e fãs, seria tão mais prático se todos nos uníssemos para apoiar nossos artistas amados e fazê-los ver o quanto apreciamos seus trabalhos né? Uma pena que nem todos pensem assim. Amei o seu post, estava com saudades. =*

    ReplyDelete
  3. Kiyo, eu estou me sentindo importante sendo citada assim no seu blog, wah.
    Concordo absolutamente com você, para termos que ver esse lado fanático doentio, um dia nos tivemos que ser fanáticas doentias para ver que nos prejudicou. Eu não sou mãe de ninguém mas eu vejo que prejudica meus amigos, eu vejo que as pessoas perdem amigos por isso, eu vejo que as pessoas são maltratadas por uma opinião diferente, isso me irrita!. Nunca ninguém propôs isso que eu saiba, então é bom, é bom nos darmos um jeito ao menos que pouco para melhorar o convívio, se é preciso coragem, vamos ter coragem e falar!
    Você se mataria/morreria pelo seu artista porque ele é sua vida? E se a resposta fosse sim, acha que seu artista gostaria de saber disso? Primeiramente, eu como fã de Arashi, agradeço imensamente à eles por me darem motivos, me incentivarem à viver nos momentos aonde eu queria realmente queria me suicidar (Não é brincadeira) Mas antes de tudo, eu possuo amor próprio, possuo amor à minha vida sem ninguém me dizer. Se não fosse viva, eu não conheceria Arashi. Então, se matar por alguém é realmente estúpido, tenha amor próprio senão nunca conseguirá andar sozinho. E eu não creio que um artista conseguiria dormir bem à noite sabendo que uma pessoa se matou por ele, ele se sentiria um "assassino indireto" porque mesmo não querendo vai se sentir como alguém que tirou uma vida.

    ReplyDelete
  4. Nossa, se matar por causa de uma ídolo acho que é demais... mas o ídolo sabe que tá sujeito a ter um fã meio despirocado mesmo... não sei... não queria estar na pele deles pra saber rs...

    Kisu!

    ReplyDelete
  5. Kiyomi~ eu queria fazer um comentário mais decente, mas sério, meu cérebro já tá pifando~ sono.
    Mas então, como falei no post sobre ecletismo, acabo muitas vezes me apegando mais à música do que ao grupo/banda/cantor.
    Nunca mataria ninguém nem por minha mãe, quanto mais pelo Arashi?? [disse isso agorinha no Arashizando] Nem me mataria, sou mtooo covarde para tal, nem sendo por um causa nobre [qual?].
    Se quiser, lê isso: http://emycaroline.blogspot.com.br/2011/04/oi-pessoas-boa-noite-sei-que-posso.html
    É um post de um ano atrás, mas continuo pensando como expus nele.
    Amei o artigo! Vc é muito boa~ e em tudo que li, parece que somos mto parecidas [?]

    Bjo bjo!

    ReplyDelete