Thursday, February 23, 2012

J-Dorama: Entregando de Corpo e Alma no Personagem

Kazunari Ninomiya em "Letters from Iwo Jima" (2007) - o ápice em sua interpretação.
Quando um ator ou uma atriz quer dar maior autenticidade ao personagem que interpreta, não mede esforços, nem que tenha que se submeter a sacrifícios, mas o resultado acaba sendo bem compensador.

Exemplos, bem, não faltam, especialmente em cinema e TV.

Lembro-me bem do filme "A Balada de Narayama" ("Narayama Bushido"), em que a atriz Sumiko Sakamoto, para dar mais realismo ao papel que ela interpretou, extraiu os dentes da frente, ao invés de somente pintá-los de preto (era a senhora que estava prestes a completar 70 anos e o filho a carregava nas costas até Narayama, onde ela poderia ter seu descanso eterno).

Outro caso também, foi o ator Robert de Niro, no filme "O Touro Indomável" ("Raging Bull"), biografia do lutador Jake LaMotta. Treinou boxe por um ano com o verdadeiro LaMotta e ainda engordou 25 quilos para interpretar o personagem já aposentado.

Tom Hanks emagreceu vinte quilos para interpretar o advogado que contrai HIV no filme "Philadelphia", especialmente na fase terminal.

Em j-doramas a situação não muda. Por mais que possam usar efeitos especiais, uso de artífices e o que puder ter ao alcance da produção para que os atores e atrizes não precisem se sacrificar tanto assim e manter a beleza sempre, existem artistas que não medem esforços para dar maior realismo ao personagem que interpretam, mesmo que tenham que perder peso, mudar o corte e côr de cabelo... Eis alguns exemplos - que eu lembrei no momento, mas caso houverem mais, por favor, na caixa de comentários, no twitter (@kiyomiiwasaki)...

Não basta somente interpretar, tem que saber na prática mesmo!


- Takuya Kimura chegou a fazer curso de cabelereiro e tirou até licença para exercer a profissão devido ao seu personagem no dorama "Beautiful Life" (por sinal, um dos doramas de maior audiência na história da TV).

- Goro Inagaki chegou a fazer curso de sommelier (especialista em vinhos) na França, para interpretar um no dorama "Sommelier". Resultado: acabou sendo um aficcionado pela bebida, chegando a indicar qual tipo de vinho seria ideal para certa refeição.

- Toshiaki Karasawa dispensou dublê na cena final da cirurgia na refilmagem do dorama dos anos 70 "Shiroi Kyoto". Ele mesmo fez as cenas.

- Junichi Okada foi outro que dispensou o dublê no dorama e no filme "SP - Security Police" nas cenas de ação. Fez questão de ele mesmo pular de lugares altos, correr pela parede, subir nos carros, mesmo sabendo que poderia se ferir seriamente.
Junichi Okada em cena do filme "SP (Security Police)" - sem dublê nem efeitos especiais!


Dieta forçada...: Para fazer um personagem acima do peso, é relativamente fácil - uso de roupas especiais e enchimentos, tal como a atriz Saki Aibu fez no dorama "Rebound". O mais difícil seria emagrecer...

Akiko Yaida e Tsuyoshi Kusanagi no cartaz de "Boku no Ikiru Michi" (2003)

- Tsuyoshi Kusanagi emagreceu 10 quilos para viver um professor universitário em estágio final da doença no dorama "Boku no Ikiru Michi" - isso porque ele já era magro e muita gente ficou preocupado quando emagreceu mais ainda.

Masahiro Nakai e Yukie Nakama em uma das cenas do filme "Watashi wa Kai ni Naritai" (2008)

- Masahiro Nakai também foi outro que emagreceu mais ainda para interpretar um suposto assassino e desertor de guerra no filme "Watashi wa Kai ni Naritai".

Sho Sakurai como professor da pós-guerra na primeira parte da trilogia "Blackboard"  - além de ter mudado o corte de cabelo, emagreceu para dar mais realismo ao personagem que enfrentou a Segunda Guerra Mundial.

- Para interpretar um professor que sofreu os efeitos da Segunda Guerra no especial de três capítulos "Blackboard" (a sair na primeira semana de abril), Sho Sakurai também teve que emagrecer (não sei dizer quantos quilos chegou a perder).

Shingo Katori na refilmagem do clássico de Yusuke Matsuda - "Yomigaeru Kinrou" (1999). Musculação e dieta.

- No dorama "Yomigaeru Kinrou", Shingo Katori teve que se submeter a musculação para interpretar um assassino de aluguel que se vinga do irmão. Chegou a fazer um ensaio quase in natura para a revista "an-an" em 1999.

Tomohisa Yamashita (esq.) e Yusuke Iseya (dir.) em matéria do jornal na época em que anunciou o filme "Ashita no Joe", com as informações de que, para darem mais realismo aos personagens, fizeram treinamento intensivo a ponto de terem 5% e 3% de gordura em todo o corpo!

- No filme baseado no famoso anime e mangá "Ashita no Joe", Tomohisa Yamashita e Yusuke Iseya fizeram treinamento intensivo de boxe, e chegaram a ter cerca de 3 a 5% de gordura no corpo todo devido aos exercícios diários.

Não se preocupem, que cabelo cresce... Em filmes de época de samurais e xogunatos, fazem-se muito uso de perucas, apliques e maquiagem. Mas dependendo do tipo de filme e personagem, há a necessidade de mudar a cor, cortar, raspar... eu disse raspar?!

Satoshi Ohno como Ryo Naruse
("Maou"/2008)

Sobre mudar a cor das madeixas, nada que uma boa tintura e hidratação possam resolver. Para quem estava acostumado ver Satoshi Ohno com o cabelo quase loiro, muita gente levou um susto quando ele deixou na cor natural (castanho escuro) para interpretar o advogado Ryo Naruse em "Maou" (e voltou a deixar escuro de novo devido ao próximo dorama que fará nesta primavera - "Kagi no kakatta heya"); o ator Satoshi Tsumabuki, sempre teve cabelo escuro, tingiu de loiro para o filme "Akunin" e Osamu Mukai deixou loiro platinado para ser o baixista Taira no filme "BECK"... (Shingo Katori nem incluo, porque ele sempre está mudando a cor das madeixas toda hora!)

Deixar crescer, só mesmo com persistência e nem saber o que seria uma tesoura por meses, tal como fez Masaharu Fukuyama, em meados de 2009 quando participou do filme "Amalfi", quando apareceu de cabelos compridos (e com suporte) e assim deixou, para interpretar o reformista Ryoma Sakamoto, no taiga dorama "Ryomaden". Quando o dorama terminou, no Kouhaku Utagassen de 2010, teve um bom pedaço cortado ao vivo pelo ator Teruyoshi Kagawa.

A cena que emocionou o público no 61 Kouhaku Utagassen - ao vivo no Pacifico Yokohama, Teruyoshi Kagawa corta as longas madeixas de Masaharu Fukuyama - que interpretou Ryoma Sakamoto no taiga dorama "Ryomaden" - indicando que o ciclo havia encerrado.

Agora, cortar radicalmente, temos alguns bons exemplos e nem tiveram medo das reações posteriores... Mas nada de pânico, porque felizmente cabelo cresce e dá pra dar uma disfarçada usando peruca...

Eri Fukatsu, como Sanzou Hoshi, a sacerdotisa.
- Para interpretar a sacerdotisa Sanzou Hoshi, na refilmagem do dorama "Saiyuuki", a atriz Eri Fukatsu raspou os cabelos. Embora passasse boa parte da história usando véu branco.

- Em "Sukoshi wa Ongaeshi ga Dekitakana", história verídica de um estudante universitário que sofre de um tipo raro de câncer, Kazunari Ninomiya raspou os cabelos na parte em que o personagem se submete a quimioterapia. Passou algum tempo usando peruca até o cabelo crescer um pouco - e aproveitou para fazer os filmes "Kiiroi Namida" (ele era o mangaka, ambientado nos anos 60) e "Iwo Jima Kara no Tegami" (no qual fez o soldado Saigo).

- Não bastou apenas emagrecer, como mencionei no item anterior. Masahiro Nakai também raspou os cabelos devido ao personagem no filme "Watashi wa Kai ni Naritai". Passou o ano de 2008 inteiro usando chapéus, bonés, gorros e bandanas até o cabelo crescer. No Bistro SMAP, usava peruca para disfarçar.

- Tatsuya Ueda, do quinteto KAT-TUN, fez corte quase zero nas madeixas ao interpretar um fugitivo no dorama de outono "Runaway".

Karina, no cartaz promocional do dorama
"Daisuki!!" - de cabelo curto!
- Karina, que sempre teve cabelo bem comprido, cortou bem curto para interpretar Yuzu, uma jovem com retardamento mental no dorama "Daisuki!!", baseado no manga do mesmo nome. Logo no primeiro capítulo, quando Yuzu se dá conta de que seu namorado morreu em um acidente e descobre-se sozinha e grávida, num surto, corta os cabelos.

- Yui Aragaki, que também sempre teve cabelos compridos, deixou-os curtos para interpretar Akane Tendou, no live action baseado no famoso anime e manga "Ranma 1/2" (na verdade, até um certo ponto, a personagem tinha cabelos compridos, mas devido a um incidente, Akane deixa-os curtos - o que permaneceu assim até o fim da série). Detalhe: Aragaki não os cortava tão curto desde o ginasial.

Quando a vida imita a arte (e vice versa):


- Osamu Mukai, antes de entrar na carreira artística, enquanto fazia faculdade, trabalhou por bons anos como bartender perto da estação de Yutenji (Tóquio). Gosta tanto de cozinhar que acabou encarando a cozinha em, pelo menos, dois doramas - "Bambino!" e "Hungry!".

- Masahiko Kondo pegou gosto pela velocidade quando foi fazer aulas de direção em um autódromo (por falta de tempo). Resultado: em meados dos anos 90, dedicou-se exclusivamente ao automobilismo e quando tem o Gran Prix de Fórmula 1 no Japão, é comentarista pela Fuji Television.

- Masaharu Fukuyama e Aoi Miyazaki têm um hobby em comum - a fotografia. Ambos já protagonizaram com a câmera em mãos - Fukuyama, no tampatsu dorama "Tengoku no Daisuke", como um fotojornalista cobrindo um atleta do Ekiden; e Miyazaki, no filme "Kamisama no Karute", no papel de Haruka Kurihara, fotógrafa e esposa do médico Ichito Kurihara.

Lembram do anime/mangá "Ranma 1/2" de Rumiko Takahashi? Virou live-action em dezembro de 2011, com destaque para Yui Aragaki, no papel de Akane Tendou.

Estes são alguns exemplos de que, quando quer ser bom ator/ boa atriz, tem que se dedicar completamente ao papel que desempenha. Muitas vezes, os resultados são compensadores, isso podem ter certeza...

Observação: postagem feita a partir das twittadas das minhas amigas arashians e viciadas em doramas, quando saiu a notícia de que Sakurai ia fazer o especial "Blackboard", na parte da pós-guerra e que além de seu personagem ter perdido um braço, emagreceu e mudou o cabelo. E como tem muita hater que se diz "fã", desceram a lenha sobre o cabelo. Oras...


Fotos: via google. 


Fontes: The Doramas, DramaWiki, sites oficiais das emissoras.

Thursday, February 16, 2012

Fase de Reflexão (Ou: Divagando novamente)


Lá vem eu novamente com essas fases...

Certo. Desde o ano passado atravessei algumas fases boas e algumas ruins. Como numa montanha russa, onde existem altos e baixos, teve época que passei uma fase baixa e ruim do caramba, mas felizmente, a curva está sendo cada vez mais ascendente.

Essa fase de transição que eu passo no momento, seria de reflexão, na verdade. Muitas vezes eu me pego pensando no que será o amanhã, sendo que nada espero, nem alimento esperanças. Nem planejo, porque quase todas as vezes que planejo algo, acaba dando errado. Mas o correto seria eu traçar um objetivo e uma meta a ser cumprida, e uma das vezes que fiz isso, foi quando consegui retornar de férias, seis anos atrás.

Pelo jeito vou ter que fazer isso novamente, quem sabe eu levando muito mais à sério eu consiga atingir alguns de meus objetivos?

Os seis meses que fiquei de férias permanentes, levaram-me a concluir que existe muita coisa a ser feita e a ser trabalhada. E quando voltei ao mercado de trabalho, decidi que este ano terei que dar uma guinada de 360 graus na minha vida, mesmo sabendo que vai doer muito, mas existem lições a serem aprendidas. Se eu quiser me reerguer, terei que me esforçar. E muito.

Recuperar o tempo perdido? Desatar nós feitos ou atar as pontas soltas?

Nunca é tarde recomeçar. Na verdade, parti quase do zero. E aos poucos recuperando o que perdi. Mas nunca perdi a esperança de melhorar, nem o ânimo (por mais que eu continue dormindo tarde e acordando mais cedo do que antes). O caminho vai ser árduo, eu sei, mas sei que vou superar muitas dores.

Mesmo que custe noites insones e lágrimas amargas, mas seguirei adiante.

E nada melhor que a família e os melhores amigos para entenderem e apoiarem, nem que seja conversarmos e surtarmos de rir juntos.

O que têm horas que faz uma falta danada...

Foto: via tumblr



Saturday, February 11, 2012

Fotos Randômicas (ou: Ok, só pra dizer que estou viva)

Eis algumas fotos que andei tirando do meu celular, alguns para testar a qualidade do dito cujo (já que eu troquei há alguns meses aproveitando uma promoção e usando meus pontos, mas seria outra história), mas como muita gente diz, cada foto traz uma história por trás dela, então eis algumas...

Quem disse que eu curei meu vício de café? Desde que tinha ingressado na faculdade, tornei-me uma viciada compulsiva em café. O que seria para um tira gosto, já que até meus dezessete anos eu raramente tomava, tornou-se um hábito diário. Cheguei no cúmulo de, em um dia, beber um litro de café, puro e sem açucar.

Resultado: quando terminei o estágio, quase terminei com uma úlcera.

Mesmo assim, parece que não tomei foi juízo, porque eu ainda continuo tomando café como se fosse água, cerca de duas a três canecas por dia, se deixar. Depois que voltei a trabalhar, devido ao horário e ritmo de trabalho, seria uma caneca de manhã e uma à noite, enquanto estou no computador pesquisando sobre doramas (cof, cof, cof) ou assistindo "Lucky Seven" (nota: dorama de segunda a noite) ou ao noticiário.

Quando eu posso, ainda frequento o Mister Donut, onde, pela manhã (até onze horas), tem o set donut coffee. Como o café e o café com leite pode-se repetir à vontade, então... No auge do meu período de férias forçadas, cheguei a tomar sete xícaras de café com leite nas três horas que fiquei, estudando....

Acorda o prédio todo, menos a dona do despertador... Desde que me conheço por gente, eu acordo cedo pra caramba, e atualmente, o mais cedo que estou acordando, seria cinco horas da manhã, para dar tempo de me lavar, trocar de roupa, tomar café com leite, comer algo, dar uma espiada no noticiário da manhã e pegar a condução pro meu atual trabalho, que fica a uma hora de casa (20 minutos de ônibus + 40 minutos de metrô). Ah, lembrando que tenho que estar no trabalho, já devidamente pronta antes das oito horas...

Raramente eu tenho dificuldade para acordar e levantar, a não ser que esteja muito mal. E a última vez que eu segui aquela história do "ah, só mais cinco minutinhos", eu acabei acordando duas horas depois.

Antes eu deixava um despertador apenas, mas agora estou deixando o celular também, por segurança. Ah, meu despertador...

Tenho um despertador, acho que contei a história dele. Mas recapitulando: meu despertador nem sei se encontra mais, mas nos anos 90, conheci muita gente que tinha o dito cujo, que era um personagem da época da guerra, chamado Norakuro, um cachorro ou gato, sei lá, mas o que eu sei que, o danado tem história. Comprei numa loja em Hadano (Kanagawa), porque queria que queria o dito. Bonitinho, lindo, maravilhoso, mas quando toca, é uma corneta e a voz estridente do personagem. Se não desligar logo, posso correr o risco de um dia encontrá-lo em pedacinhos...

Prevenida? Quando vim ao Japão, meu cabelo era curto, eu parecia um menino, porque, bem, contaram-me que o corte de cabelo aqui o pessoal enfiava a faca e torcia o cabo de tão caro que era e eu tinha o hábito de cortar "dois dedos" do comprimento todo santo mês. Depois que soube que não era tanto assim, passei a deixar meu cabelo crescer até um pouco abaixo dos ombros. Mas volta e meia (pra não dizer sempre), eu tenho que prendê-lo, senão incomoda para tudo, inclusive no trabalho.

Teve um belo dia que eu esqueci o elástico em casa e nem pra ter na bolsa. Fui lembrar quando já estava no trabalho, fazia um calor dos infernos, e quem tem cabelo comprido sabe o drama que passa.

Depois desse apuro, passei a carregar alguns elásticos (simples) dentro da bolsa e inclusive no pulso, pra prevenir. No atual serviço, como uso boné, fica difícil usar rabo de cavalo, então acabo  fazendo duas "maria chiquinha". Acho que o pessoal deve me conhecer como "a nikkei que usa dois rabos de cavalo com elásticos coloridos". Triste, eu sei, mas seria a melhor forma de prender o meu cabelo (que passou dos ombros). Mas no dia a dia, uso somente um rabo de cavalo, só no trabalho eu faço de outra forma e ninguém me venha pedir foto que nem que fosse a última coisa do mundo eu faria.!!!

Modelito novo. Eu havia comentado que tinha trocado de aparelho celular, certo? Sim, esperei penosos dois anos para trocar pelo modelo e marca que sempre fui fiel desde que cheguei ao Japão, e finalmente consegui, numa promoção e troca de pontos, o modelo NEC Medias NC-06, da operadora DoCoMo. O modelo, seria um smartphone com câmera, TV e tudo o mais, inclusive fazer e receber ligações. Embora ainda não sei todas as funções do aparelho, ao menos está sendo melhor que o anterior que eu tive, que me deixou na mão várias vezes. Os poréns seriam que dentro do metrô a conexão não seja boa (bem, acho que qualquer celular) e a bateria está descarregando muito rápido, apesar de não usar quase nada o dia todo. Acho que devem ser os aplicativos que andei fazendo download e nem estou usando.

O aparelho é extremamente fino, de espessura. Levinho. E para não riscar o aparelho (que originalmente é preto), comprei uma capa protetora de bateria que vinha um filme plástico na tela, sem interferir no manuseio, já que a tela é touch screen, ou seja, responde tudo ao toque na tela. Ah, sim. A capa protetora traseira é vermelha (a cor do meu signo, ou como queiram interpretar, vai). E pra não perder o hábito, vai lá eu colocar um penduricalho pra enfeitar. Tá, eu sei que eu preciso recolocar os outros que tenho... (Na foto: a tela parece embaçada, mas é por causa do filme protetor de tela, o wallpaper é a foto que peguei no tumblr, a pose "vejam meus músculos" por conta de Sho Sakurai e Kazunari Ninomiya Mal dá pra ver, mas a capa protetora de bateria é vermelha metalizada. E meu strap comprei no Kokuritsu no ano passado...)

Leitura para relembrar... Falando que eu levo cerca de uma hora para chegar no meu atual trabalho e como dentro do metrô a conexão é uma maravilha, eu aproveito para ler. Dentro da minha bolsa eu carrego pelo menos um livro, mas como recentemente comprei a coleção completa (cinco volumes) de "My Girl", então vou aproveitando o tempo para ler e reaprender a língua japonesa pelo menos na leitura, já que esse mangá tem muito pouco furigana e quando tem, seriam nas palavras mais difíceis ou que raramente aparecem nos diálogos.

Pra resumir esse mangá, ilustrado por Mizu Sahara, é a história de um rapaz que cria sozinho a filha, fruto de um relacionamento com uma colega de escola que partiu para o exterior e acabou morrendo. A história virou dorama no ano retrasado, que vou ter que fazer a resenha logo assim que eu assistir de novo, porque tem muitos detalhes que eu preciso anotar e muita coisa é diferente do mangá e do dorama.

E esta semana preciso voltar a estudar a língua japonesa, já que prometi a mim mesma que este semestre vou prestar o JLPT pra ontem....

Testando a qualidade da câmera... Ainda preciso descobrir como tem gente que consegue fotografar a si mesma e sair legal, porque eu tento e nunca dá certo. Até onde sei, o iPhone tem câmera na frente do aparelho, dando para ver a si mesmo na tela, o que não acontece no meu aparelho, cuja câmera fica na parte de trás e consigo tal proeza olhando no espelho. Sim. Essa foto consegui tirando no espelho. E ainda acho que não ficou boa (estou toda torta, cara lavada e precisando urgente acertar as sobrancelhas...)

São raras as fotos que eu tenho usando óculos. Quando vão tirar minha foto, a primeira coisa que eu tiro são os óculos, porque não tenho foto que eu fique bem com eles. E olha que eu gosto de usar óculos (exceto no verão, por causa do sol, meu rosto fica marcado por mais que eu use protetor solar fator 50!). E, bem, nesse teste eu estava com óculos...

O próximo teste, auto retrato com maquiagem e seja lá que Deus quiser, porque eu pra me maquiar sou um zero à esquerda e no meu atual trabalho, fica difícil usar, mesmo porque as poucas mulheres que trabalham lá, nem um batonzinho básico... Se ficar boa, eu tentarei tirar alguma foto...

Tuesday, February 07, 2012

J-Dorama: Sobre os Doramas de Masaharu Fukuyama - 43 anos!

Postagem especial devido aos 43 anos de vida do cantor, compositor, produtor, fotógrafo, ator...




Muita gente conhece o artista Masaharu Fukuyama como cantor, compositor e dos comerciais dos televisores Toshiba e da cerveja Asahi Super Dry, mas poucos sabem que ele também é ator. E quando lembram do lado ator, lembram dele do taiga dorama de 2010 "Ryomaden", porque foi um dos trabalhos que ele mais se destacou.

Nascido na cidade de Nagasaki, província do mesmo nome, em 6 de fevereiro de 1969, já pensava em ser músico durante a adolescência, tocando em festas de escola, chegando a tocar em cafeterias para ganhar doces. Quando terminou o colegial, juntou 200 mil ienes e se mudou para Tóquio, onde foi tentar a carreira de cantor ao mesmo tempo que trabalhava em uma imobiliária para poder pagar as contas.

Sua tentativa como ator, foi num filme independente chamado "Honno 5g", no papel de um jovem que gostava de jogos. Hoje o filme é raro e se encontrar somente em VHS.

Ao mesmo tempo que começou sua carreira musical, logo foi convidado a fazer parte do elenco de "Ashita ga Aru Kara" ("Porque sempre terá o amanhã"), em 1991. Mas foi com "Ai wa douda" ("Do que seria o amor") que Fukuyama deu um impulso em sua carreira, ao ter uma de suas músicas como tema incidental no dorama - "Good Night".

Cena do dorama "Homework" (1993)
"Galileo" (2007), baseado no livro de Keigo Higashino.
"Homework", de 1993, foi um dos protagonistas, junto com o veterano Toshiaki Karasawa (que por sinal, os dois novamente trabalharam juntos no dorama "Galileo", em 2007, mas Karasawa só participou no primeiro capítulo). Mas um dos doramas dos anos 90 que Fukuyama ficou mais conhecido como ator foi nas duas séries de "Hitotsu Yane no Shita", que era um dos irmãos da família Kasuragi, separados depois que os pais faleceram (Fukuyama era o médico Masaya Kasuragi que na segunda temporada acaba indo para o exterior em missão humanitária).

Os doramas seguintes - "Itsuka mata aeru" ("Até nos encontrarmos de novo"), "Meguriai" ("Mudança do Destino") e "Perfect Love" ("Amor Perfeito"), Fukuyama fazia papéis românticos, mas quando protagonizou um diretor de TV de atitudes nada convencionais em "Bijou ga Yajuu" ("A Bela ou a Fera"), ganhou tons de comédia.

"Galileo", baseado nos livros de Keigo Higashino, foi um dos getsukyu da Fuji Television que saiu do tema convencional da grade da emissora - que normalmente seriam doramas de história de amor e romance. O dorama, que passou no outono de 2007, trazia mistério, suspense e investigações. Fukuyama fazia o protagonista, o físico Manabu Yukawa, que colaborava com a polícia usando sua mente para desvendar mistérios. O dorama fez tanto sucesso que teve duas spin-off - "Galileo Zero" e "Yogisha X no Kenshin", com quase o mesmo elenco do dorama.

Quando em 2009 saiu o filme "Amalfi", protagonizado por Yuuji Oda, muitos espantaram-se ao ver Fukuyama com outro visual - de cabelo comprido e com uma leve permanente. Apesar que no filme ele era apenas coadjuvante, mas o motivo da mudança radical foi que ele foi escolhido para protagonizar o taiga dorama da vida do reformista Ryoma Sakamoto, na série "Ryomaden", que foi ao ar em 2010 e durou o ano todo, tornando-se um dos papéis mais conhecidos do cantor.
"Ryomaden", um dos melhores papéis do cantor.

O taiga dorama fez tanto sucesso que Fukuyama chegou a ganhar um dos maiores prêmios na indústria de entretenimento japonês - em 2011 ganhou o Galaxy Awards como melhor ator; participou três anos seguidos no Kouhaku Utagassen, depois de dezesseis anos!! Uma das cenas que marcaram o evento, em 2010, foi quando teve sua longa cabeleira cortada em pleno palco do Pacifico Yokohama pelo ator Teruyoshi Kagawa, que contracenou em "Ryomaden", significando que o taiga dorama já tinha encerrado.

Recentemente, Masaharu Fukuyama tinha aparecido num anime especial do gato Doraemon (como Masaaki Fukuyama), tanto que no show da recente turnê em Osaka, Doraemon e Shizuka apareceram em pleno palco, dividindo com o cantor. No filme "Doraemon ~ Nobita to Kisetsu no Shima - Animal Adventure", Fukuyama assina e canta a música "Ikiteru, Ikiteku".

Doramas mais conhecidos:


- Ashita ga aru kara (1991)
- Ai wa douda (1992)
- Homework (1992)
- Hitotsu Yane no Shita 1 & 2 (1993 e 1997)
- Itsuka mata aeru (1995)
- Meguri ai (1998)
- Perfect Love! (1999)
- Bijo ga Yajuu (2003)
- Galileo (2007)
- Ryomaden (2010)


Especiais e filmes:


- Tengoku no Daisuke e (2003, tampatsu dorama)
- the Naminori Restaurant (2008)
- Yougisha X no Kenshin (2008)
- Amalfi (2009)
- Andaluzia (2011)

Sunday, February 05, 2012

[Discoteca Básica do Empório]: TOKIO - "TOK10"



Faz tempo que não estava atualizando essa seção (e muitas outras) e a última foi... foi quando mesmo?

O quinteto TOKIO se difere dos demais da agência Johnny's Entertrainment por ser um grupo que foca mais em tocar instrumentos como uma banda do que ser um grupo que dança e canta, apesar que os membros, quando entraram na agência, começaram como backdancers do grupo Hikari Genji. Mas quando o guitarrista Shigeru Joshima e o baixista Tatsuya Yamaguchi descobriram que ambos tocavam instrumentos, formaram uma banda - sem que a agência soubesse - com mais um terceiro membro.

Quando Johnny Kitagawa soube o potencial de Joshima e Yamaguchi, decidiu que eles formassem mesmo uma banda que tocassem, tal como o finado Otokogumi e incluiu o baterista Masahiro Matsuoka e o tecladista Taichi Kokubun. E como o segundo guitarrista Hiromu Kojima, que ficou até 1994, antes mesmo do quinteto debutar. O grupo chamava-se, inicialmente, Tokio Band, mas só faziam backing de outros grupos, sem ainda debutarem como o grupo que é formado hoje.

Com a saída de Kojima em 1994 e a inclusão de Tomoya Nagase, como vocalista principal, o grupo fez apenas uma pequena mudança do nome para TOKIO, que seria a forma romanizada da capital japonesa, sendo essa grafia usada em alguns países. E em setembro de 1994, com o lançamento do single "Love You Only", ficou a formação que conhecemos hoje - Shigeru Joshima (líder do grupo e guitarra), Tatsuya Yamaguchi (baixo), Taichi Kokubun (teclados), Masahiro Matsuoka (bateria e responsável por alguns PVs do grupo) e Tomoya Nagase (vocalista e recentemente toca guitarra).

TOKIO - da esquerda pra direita: Shigeru Joshima, Taichi Kokubun, Tomoya Nagase, Masahiro Matsuoka e Tatsuya Yamaguchi (foto circa 2005-06)
Em quase dezoito anos de carreira, o quinteto continua muito bem na ativa, seja musicalmente (final de fevereiro, sairá o 45゚single do grupo - "Narita Kuukou no Kiseki", que está sendo tema do recente dorama estrelado por Matsuoka), seja nos programas de TV (possuem em grupo dois programas de boa audiência - "The Tetsuwan DASH!", pela Nippon Television, que dura desde 1995 e "5LDK", pela FujiTV, desde 2008 quando terminaram com o "Mentore G", que durou quase dez anos) e nos comerciais (recentemente estão fazendo CM do serviço de entregas expressas Yamato e de jogos para celulares para a empresa Gree). Além de trabalhos solo como atores, mas aí seria outra história.

Musicalmente falando, o TOKIO seria um dos bem sucedidos como banda, que varia entre o rock e baladas, a maioria cantada por Nagase. Desde seu debut, o quinteto participa do evento anual Kouhaku Utagassen e logo depois vai para o Tokyo Dome para o Countdown que a agência faz com os demais grupos. Devido a essa peculiaridade, o grupo é um dos mais populares do país
Veteranos e seus pupilos no 61゚ Kouhaku Utagassen (2010) - da esquerda pra direita, a partir da atriz Nao Matsushita - Jun Matsumoto, Masaki Aiba, Sho Sakurai, Kazunari Ninomiya, Satoshi Ohno (Arashi); Taichi Kokubun, Shigeru Joshima, Tomoya Nagase, Tatsuya Yamaguchi, Masahiro Matsuoka (TOKIO).

Em 2004, quando o grupo completou dez anos de debut, gravaram um álbum especial de agradecimento - "TOK10", que graficamente brincaria com o nome do grupo e dizendo que seriam dez anos de carreira. As músicas seriam covers e versões das originais gravadas pelos outros grupos e cantores veteranos da agência Johnny's - desde o primeiro grupo, o Johnny's até o V6, com produção de artistas conhecidos como Towa Tei (ex-Deee Lite), Yasuharu Konishi (do Pizzicatto Five), Toshihiko Takamizawa (The Alfee), Adrian Belew (ex-King Crimson).


A capa e o encarte, seriam o grupo em forma dos ursinhos Bearbrick, encenando os programas de TV e alguns doramas e filmes que fizeram, como "Mukodomo 2003" (Nagase) e "Godzilla" (Matsuoka).

As músicas:

1. Namidakun Sayonara (涙くんさよなら, original de Johnny's, 1966): Primeiro grupo da agência que leva o mesmo nome, a música era uma balada, mas na versão do TOKIO é bem mais rápida e com uso de metais com um toque latino, por conta do produtor Yasuharu Konishi.

The Tetsuwan DASH! O mais famoso programa do grupo
2. Bulldog (ブルドッグ, original de Four Leaves, 1977): O quarteto Four Leaves foi um dos grupos da Johnny's que fez sucesso nos anos 70. A música acabou virando um rock por conta dos vocais de Nagase e com a colaboração do guitarrista Paul Gilbert (ex-Mr. Big).

3. Yoroshiku Aishuu (よろしく哀愁, original de Hiromi Go, 1974): Hiromi Go (nascido Hiromi Haratake), foi membro da agência de 1971 a 1975. Nos anos 70, Hiromi era um dos três aidorus mais populares do Japão - junto com Goro Noguchi e Hideki Saijo, eles eram chamados de "Shingosanke" ou "O Novo Trio da Cidade".

4. Dakishimete TONIGHT (抱きしめてTONIGHT, original de Toshihiko Tahara, 1988): Junto com Masahiko Kondo, Tahara era um dos mais populares cantores da agência. Era chamado, junto com Kondo e Yoshio Nomura (ex-Good-Bye) de "Tanokin Trio", devido a popularidade dos três nos anos 80. Atualmente faz shows esporádicos. A música foi tema de um seus doramas de grande sucesso em 1988 - "Kyoshitsu Binbin Monogatari", estrelado pelo próprio. Na cover do TOKIO, foi produzido por Towa Tei (ex-Deee Lite, atualmente bem sucedido em carreira solo).

Um dos esportes favoritos de Kokubun...
5. Gin Gira Gin ni Sarigenaku (ギンギラギンにさりげなく, original de Masahiko Kondo, 1981): Masahiko "Matchy" Kondo seria um dos veteranos que ainda permanece na agência, embora tivesse um período que deu um tempo em sua carreira artística para se dedicar a automobilismo (e continua, atualmente sendo comentarista dos torneios de F1 quando é disputado no Japão). Dos veteranos, ele e Noriyuki Higashiyama (do Shonentai) seriam referência para os demais. A música até hoje é lembrada e cantada pelo próprio em shows e apresentações. Na cover do TOKIO, foi produzida pelo guitarrista Toshihiko Takamizawa (do grupo The Alfee).

6. 100%... SO Kamone! (100%...SOかもね!, original de Shibugakitai, 1982): Um dos trios dos anos 80 que dividia o público com o Shonentai. Formado por Toshikazu Fukawa, Masahiro Motoki e Hirohide Yakumaru, o trio encerrou as atividades em 1988 por não conseguirem disputar com o trio Shonentai que fazia mais sucesso. E um ano depois, os três saíram da agência e atualmente Motoki é bem sucedido ator e Yakumaru é apresentador do matinal "Hanamaru Market".

7. Kimagure One Way Boy (気まぐれ One Way Boy, original de The GOOD-BYE, 1983): Um dos primeiros grupos da Johnny's Entertrainment que era uma banda de rock que tocava (antes do Otokogumi), durou sete anos, encerraram as atividades junto à agência e só se reuniram em 2008 para um show em comemoração aos 25 anos do grupo. A música foi debut do quarteto. Na cover, foi produzida por Adrian Belew, ex-guitarrista do famoso grupo de progressive rock King Crimson.

Um novo astro - Yuiichiro Sakuraba! ("Mukodomo")
8. Kimi Dake ni (君だけに, original do Shonentai, 1986): Outro trio que ficou conhecido nos anos 80 com suas performances de dança e teatro, inclusive uma de suas músicas - "Kamen Budokai" - é conhecida nas apresentações em que pegam o microfone e arremessam pra longe os pedestais. Formado por Kazukiyo Nishikiori, Katsuhide Uekusa e Noriyuki Higashiyama, eles continuam na ativa no teatro, especialmente Higashiyama, que participa ativamente em programas de TV e doramas. "Kimi Dake Ni" é uma das baladas mais conhecidas do trio. No álbum do TOKIO, foi produzida e tocada pelo grupo americano TOTO.

9. DAYBREAK (original do Otokogumi, 1988). Um dos grupos que TOKIO se inspirou, junto com o quarteto The GOOD-BYE, devido a ser bandas que tocam instrumentos e a característica de ser uma rock band, o que seria raro na agência. "DAYBREAK" foi debut do grupo Otokogumi e continua sendo uma das mais conhecidas do grupo. O filho de um dos membros do Otokogumi atualmente é membro do Hey! Say! JUMP (Keito Okamoto, filho do guitarrista Kenichi Okamoto).

10. Paradise Ginga (パラダイス銀河, original do Hikari Genji, 1988). Um dos grupos da agência mais famosos, cujo backdancers ficaram mais famosos ainda (SMAP e TOKIO foram backdancers do grupo antes de debutarem como grupos que são hoje), Hikari Genji era conhecido nas apresentações que faziam com patins. "Paradise Ginga" foi composta por Ryo Asuka, que é conhecido pela dupla Chage and Aska. A versão do TOKIO, foi produzida por Yasuharu Konishi, dando um ritmo mais alegre com uso de metais.

Campanha da JR Shinkansen em 2004!
11. Lion Heart (らいおんハート, original do SMAP, 2000). O quinteto SMAP seria os senpais do TOKIO, inclusive em 1995 os dois grupos, mais a dupla Kinki Kids, participaram de um programa de variedades. Curiosamente, nenhum dos membros dos dois grupos chegaram a fazer dorama juntos, mas em programas especiais de música, como Music Station e FNS Kaiyousai, sim. "Lion Heart" foi tema do dorama estrelado por Tsuyoshi Kusanagi - "Food Fight!" - e está no álbum "S map 014", de 2000. A balada ganhou versão a capella no álbum do TOKIO.

12. Flower (フラワー, original do Kinki Kids, 1999). A dupla, formada por Koichi Domoto e Tsuyoshi Domoto (atenção: apesar de ambos terem o mesmo sobrenome, não tem parentesco algum), começaram como backdancers do SMAP (inclusive a dupla é "apadrinhada" do quinteto) e logo passaram a ser dupla - cujo singles logo entravam no primeiro lugar dos mais vendidos, o que levou ao Guiness Book of Records por terem TODOS os singles serem número um logo no lançamento consecutivamente (hoje tem 32 singles). Atualmente, a dupla apresenta o programa "Shin Domoto Brothers". "Flower" foi usada no comercial da companhia All Nippon Airways na campanha de Okinawa e em uma das apresentações, junto com o Johnny's Junior como backdancers, no meio estava o... Tomohisa Yamashita!

13. WA Ni natte odorou (WAになっておどろう, original do V6, 1997). O sexteto, formado através de dois grupos - o 20th Century, por Masayuki Sakamoto, Hiroshi Nagano e Yoshihiko Inohara; e o Coming Century, por Go Morita, Ken Miyake e Junichi Okada - surgiu no mesmo ano que o TOKIO. A música originalmente era do grupo AGHARTA, que usaram no programa da NHK "Minna no Uta". Alguns meses depois, o V6 fez cover da música, ficando em 3゚lugar nas paradas da Oricon em 1997. A música original foi usada como fundo musical nas Olimpíadas de Inverno em Nagano (1998) e no comercial da Toyota para o utilitário Noah (2010).

14. LOVE YOU ONLY (original do TOKIO, 1994). Foi a primeira música do grupo e a self cover foi modificada para um ritmo mais melódico (a original era mais rápida). Logo que o single saiu, em setembro de 1994, o grupo foi convidado para o Kouhaku Utagassen, sendo o primeiro grupo a ir ao evento logo que debutou (geralmente tem artista que levam anos para ir ao evento). O vídeo que saiu em 2004 para divulgar o álbum foi dirigido e produzido por Masahiro Matsuoka.

Curiosidades:

- "LOVE YOU ONLY" é a única música do álbum que o TOKIO tocou todos os instrumentos.

- O encarte do álbum é inteirinho ilustrado pelos bonequinhos Bearbrick, mas não sei dizer se as cores seriam o "image color" que a Johnny's costuma fazer com a maioria dos membros, porque geralmente o líder teria a "image color" azul e no bonequinho que representa o Joshima seria verde (porque atrás dos bonequinhos, estão desenhados nas costas o tipo de instrumento que cada um toca e a assinatura de cada um - Kokubun (azul e um teclado); Joshima (verde e palheta de guitarra); Yamaguchi (amarelo e quatro cordas do baixo); Matsuoka (rosa e baqueta de bateria) e Nagase (vermelho e microfone - na época ele mais cantava do que tocava).
- Muito embora o TOKIO seja "padrinho" do Arashi, as músicas que compõem o álbum "TOK10" seriam de grupos que vieram antes do TOKIO (até 1994), por isso grupos como Arashi, KAT-TUN e NEWS ficaram de fora (por terem surgido depois do debut do quinteto).
- Apesar do nome ser ligado a capital japonesa, somente um membro do grupo realmente nasceu em Tóquio - o tecladista Taichi Kokubun. Os demais nasceram em Hokkaido (Matsuoka), Kanagawa (Nagase), Saitama (Yamaguchi) e Nara (Joshima).
- Logo no lançamento, dia 1 de setembro de 2004, o álbum entrou em primeiro lugar na Oricon.

Fotos: do álbum e encartes, da própria autora. Do grupo e Kouhaku Utagassen: gugol. Ultima foto: via site marang.

Saturday, February 04, 2012

Surtos, Atrasos, Desculpas Furadas (e Agradecimentos)

O dia que eu chegar nesse estágio, é que a coisa está feia mesmo...

Entramos em fevereiro, ontem foi dia 3 é dia de Setsubun (espantaram os maus espíritos e deixaram entrar a sorte e felicidade neste dia?) e eu com tudo atrasado, tentando pôr ordem neste Empório que desde setembro ou outubro, nem lembro mais, está quase acumulando pó! E olha que tenho tanto assunto pendente pra atualizar que nem melhor eu enumerar senão eu vou acabar enlouquecendo!

Bem, aos poucos estou tentando reestabelecer minha vida em todos os sentidos.

Embora desde dezembro tenha voltado às atividades normais (leia-se: trabalhar todos os dias, numa rotina normal ou quase, como antigamente), ainda estou tentando ajustar o horário para postar aqui, assistir meu doramas atrasados, voltar a estudar (pra garantir os certificados de proeficiência em língua inglesa e japonesa) e pelo meu planejamento furado, vou conseguir acertar tudo a partir de... março!!!

Já comecei bem: vou poder fazer o TOEIC somente em abril por equívoco de data e também despreparo, pois nem peguei direito para estudar os livros que tenho. Felizmente o JLPT (Japanese Language Proeficiency Test) as inscrições para a prova em julho, serão em abril em diante.

Vamos aos surtos...

Quem me acompanha no twitter, eu só consigo entrar quando é noite no Japão. E olhe lá, quando eu lembro de entrar, pois chegando em casa, depois de fazer o que tenho que fazer, acabo sentando em frente ao PC e atualizando outras coisas (e o Empório que é bom...). Hora do meu almoço, nem pensar, que só tenho 45 minutos e é comer, escovar os dentes e voltar ao trabalho, se bem que muitas vezes fiquei acessando a internet e comendo ao mesmo tempo. Nada ético, eu sei, mas que posso fazer???

Pois bem... Um belo dia de inverno congelante aqui em Yokohama, enquanto almoçava e via minha time line atrasada via celular, eis que eu leio um tweet criticando um artigo de um blog. Ok, eu poderia passar batido, como eu faço, mas quando soube que o blog é de uma equipe cujos membros eu conheci pessoalmente e me trataram muito bem (inclusive alguns artigos meus sobre doramas são repassados pelo Twitter), confesso que me revoltei. Explico porquê.

A equipe que tem o blog, são gente como eu aqui no Japão. Além de empresa de recursos humanos, eles possuem o blog para informar e transmitir cultura para os demais compatriotas que aqui residem para que saibam um pouco mais do dia a dia e cultura do arquipélago. E para quem mais interessar, claro.

Eu sei que muitas vezes erros são cometidos, até eu, você, seu vizinho e as formigas que estão de olho no seu doce também. Se detectar um erro, envia um e-mail ou no twitter na chamada DM (Direct Message ou Mensagem Privada, como queiram interpretar), mas não esculhambar na time line como essa pessoa disse, dizendo que "exageraram no assunto sobre isso" e "a [nome da empresa] usa o Google translator porque não é possível tanto erro de concordância" e por aí vai. Viu que tinha algo errado? Ora, envie e-mail para eles que seria mais fácil.

Surtei feio na time line nesta semana com a pessoa. Se ela se acha a "sabe tudo", e "acha que pode fazer melhor", então ela que faça, entre em contato com a empresa e dê seus pitacos. Depois se é criticada, falta de aviso é o que não foi. Particularmente, não gostava das atitudes dessa pessoa, depois dessa, se me desse unfollow, nem ligaria mais.

Caramba, o pessoal que mantém esse blog, é uma equipe que batalha, enfrenta vinte dragões por dia pra sobreviver, fazem pesquisa sobre o assunto para informar aos demais e vem uma pessoa, só porque achou um erro, faz o maior escândalo?! Pode ser que eu deva ter agido errado também, mas fiz minha parte tentando justificar o outro lado.


Ai minha nossa, que vergonha...

Eu sei também que estou atrasada com muita coisa, especialmente na atualização daqui, como eu disse. Falta de tempo? Apesar do meu horário de trabalho, tempo agora eu tenho, voltando um pouco mais cedo pra casa, dando tempo para fazer algumas coisas. Na real: preciso organizar meu tempo para que o dia renda mais. E isso estou fazendo aos poucos, ainda bem.

E agradecendo com grande atraso a todos que frequentam este Empório, dando mensagens de apoio, força e alegria, pois assim eu terei mais ânimo para seguir adiante, além do meu próprio esforço. Unindo tudo, eu tenho mais confiança em mim mesma para tomar quaisquer decisões que vierem.

Fotos que ilustram e acho que nada a ver... A que abre o post, cena do dorama "Yamada Taro Monogatari" (via blog "Surtando na Rede") e a segunda, caption scene do programa da Fuji Television "VS Arashi", transmitido no dia 8 de dezembro de 2011, em que em um determinado jogo, só fizeram vexame pra desespero de Sho Sakurai (que cobriu o rosto de vergonha) e do líder Satoshi Ohno (Nota: foi o programa em que convidaram os fãs moradores de Tohoku e o time convidado eram nascidos em Fukushima, Miyagi e Iwate, províncias atingidas pelo terremoto, recomendo encontrar e assistir que foi muito emocionante.)