Tuesday, October 21, 2014

Quando o fim do ano se aproxima

No comecinho do mês, ao acessar a pagina da Johnny's Web no celular, toda segunda, na HP do Arashi, sempre um dos membros passa alguma frase relacionada (ou não) da semana...


Logo na primeira segunda-feira de outubro, veio esta frase do Sho Sakurai - "Eh? Já estamos em outubro? Restam 3 meses, vamos passar isso."

Muitas vezes eu tenho a péssima mania de que, quando chega junho, o ano já está acabando, imagino quando chega outubro, aí eu tenho a certeza que o ano acabou mesmo, porque pra chegar o dia 31 de dezembro, vai ser num piscar de olhos.

E uma das coisas eu posso dizer é que este ano, pelo menos para mim, passou muito rápido demais. Sério. Ou eu estava muito ocupada e nem percebi que o tempo passou.

Ao menos desta vez eu posso sentir que aproveitei o ano melhor do que os outros que andei tendo. Teve seus baixos, mas sinto que desta vez as coisas boas vieram para mim. E espero que continue assim por um bom tempo.

(Uma coisa nada a ver com o post, mas quando postaram a tradução na page da JStorm Station, uma pessoa comentou - eu não sei se porque não gostou da frase ou porque não gosta mesmo do Sakurai - "Cada vez que leio algo que o Sho escreve, menos eu gosto dele". Ok, minha cara, cada vez que eu ler um comentário seu, mais eu fecho o site e vou cuidar da vida.)

Foto: da própria autora, screenshot do celular (desconsiderem o que tem em cima e aos lados).

Monday, October 20, 2014

J-Dorama Review ~ "Yoiko no Mikata - Shinmai hoikushi monogatari" (2003)

"Pergunte a qualquer menina do jardim de infância o que ela quer ser quando crescer e ela vai te responder que quer ser enfermeira, dona de floricultura ou bailarina. Pergunte a qualquer menino do jardim de infância o que ele quer ser quando crescer e ele vai te responder que quer ser policial, bombeiro, esportista ou piloto de avião. Mas para o jovem de 20 anos, Taiyo Suzuki, ele teve ambições diferentes em sua vida. Motivado pelo seu professor de jardim de infância, Taiyo decidiu que um dia que ele também seria um. Agora, tendo sido aprovado no exame que lhe possibilite a trabalhar como professor de jardim de infância, o radiante e animado Taiyo estaria pronto para fazer carreira numa profissão completamente dominado por mulheres. Designado a trabalhar na escola Himawari, para substituir uma professora em licença maternidade, Taiyo tem poucos meses para provar a si mesmo, para as professoras e para as mães dos alunos - que são contra ele - que ele é capaz de fazer o mesmo trabalho que elas. E mais importante, com o tempo, ele deixará sua marca registrada com sua energia e brilhantismo como um verdadeiro amigo para as crianças na escola." (Traduzido da home page do dorama na NTV e do inglês via d-addicts)

Quem me conhece, eu sempre menciono o dorama "Yoiko no Mikata ~ Shimai Hoikushi Monogatari" (traduzido algo como "O Aliado das Boas Crianças ~  A História do Aprendiz do Jardim de Infância"), como um dos meus favoritos e até hoje não canso de rever. Primeiro, foi um dos poucos doramas que consegui assistir em tempo real sem pular um capítulo (por causa do meu trabalho naquela época); e segundo, eu me vi nessa história. (Ok, também foi o primeiro dorama que vi do meu ídolo fofo e lindo Sho Sakurai *leva tijolada pra parar com fangirlice aê*)

Bem, a história é sobre um jovem de 20 anos, recém formado e que conseguiu passar no exame de qualificação para ser um professor de jardim de infância. Sim, isso mesmo que vocês leram.

Aí muita gente vai questionar "porque raios um rapaz resolve trabalhar numa área em que quase 100% é formada por mulheres?" Isso que eu também me questionei na época, mas assistindo a história, vai entender o porquê esse jovem, chamado Taiyo Suzuki (Sho Sakurai), resolveu ser professor de jardim de infância.

Seus pais faleceram em um acidente quando ele tinha três anos e foi criado por um senhor que era professor de jardim de infância. Por ter sido praticamente criado por esse professor, Taiyo resolve seguir seu exemplo e decide que, quando crescesse, se tornaria professor como o seu tutor, Murabayashi (Shinji Fujimura). Mas não vai ser tão fácil como ele sempre sonhava.

(Quando esse dorama foi transmitido, no inverno de 2003, ainda era muito raro ter homens como professores no jardim de infância, hoje em dia, existem, mas poucos em comparação com mulheres).
[No Japão] o campo de trabalho para professores de jardim de infância é 99,9% predominantemente feminino. O 0,01% restante seriam da ala masculina.

Taiyo havia enviado sua carta de recomendação para uma escola e foi aceito. Para desespero das professoras que estavam inconformadas do fato da escola aceitar um rapaz para cuidar de crianças (isso porque elas só haviam ouvido as notícias, não tinham visto o menino ainda). A diretora não tinha como voltar atrás, mesmo porque não tinha outra alternativa devido a uma das professoras estar em licença maternidade.



Logo que entra na escola, Taiyo é confundido com uma pessoa que seria responsável de animar os alunos na cerimônia de início das aulas. Depois de um pequeno incidente, foi desfeita a confusão e foi designado a cuidar de uma classe de alunos, junto com a professora Minako Sakai (Kazue Fukiishi). Claro que a tarefa não vai ser as das mais fáceis.

Primeiro, era ter que enfrentar toda a sorte de ijime sofrido por parte das demais professoras, que de um jeito ou de outro, não admitiam que um homem pudesse tomar o lugar delas. Mesmo sabendo que Taiyo ia ficar por três meses.


Segundo, como conquistar a confiança das crianças, que estavam sempre com a imagem de que professores de jardim de infância eram somente mulheres.


Dados sobre o dorama:

"Yoiko no Mikata ~ Sinmai Hoikushi Monogatari" (よい子の味方 ~ 新米保育士物語) foi transmitido pela emissora Nihon Television (NTV) e suas afiliadas, no período de 18 de janeiro de 2003 a 15 de março de 2003, todos os sábados, na grade de horário das 21 horas.

Dirigido por Makoto Naganuma (mesmo diretor de "Mother", "ST" e "Yasuko and Kenji")

Músicas:

- "Tomadoi Nagara" (Arashi)
- "violet flow" (Ruppina)

Personagens Principais:

- Jardim de Infância Himawari:

Taiyo Suzuki (Sho Sakurai): Perdeu os pais num acidente aos 3 anos de idade. Voltou a sorrir quando ficou aos cuidados do tutor Murabayashi (que ele chamava de "ojiisan sensei") e, aos cinco anos decidiu ser professor de jardim de infância. Começou a trabalhar na escola Himawari a partir do mês de janeiro como professor substituto.


Shizuka Mita (Yuki Matsushita): Responsável pelas professoras da escola, que não aceitava que um rapaz pudesse trabalhar na escola como professor.

Minako Sakai (Kazue Fukiishi): Uma das professoras que ajuda Taiyo na escola (nas escolas de jardim de infância, uma classe possui dois ou mais professores responsáveis conforme a quantidade de alunos).

Kiyoko Yoshikawa (Hideko Yoshida): Diretora geral da escola Himawari.

Sayuri Yokoyama (Mari Hamada), Rie Tanaka (Nahomi Matsushima), Erika Arai (Yuka Itaya), Kaoru Kojima (Shin Yazawa) e Rumi Otomo (Otoha): as demais professoras da escola Himawari.

- Demais personagens:

Shuzo Sasaki (Shozo Endo): Guarda do posto policial do bairro onde fica a escola. Ex-colega de jardim de infância de Taiyo, quando criança, Shuzo queria ser policial.

Ryohei Koike (Ryusei Tayama) e Sumire Koike (Kumiko Mori): casal dono de um izakaya que hospeda Taiyo enquanto este trabalha na escola.

Kanichi Murabayashi (Shinji Fujimura): Ex-professor do jardim de infância que Taiyo e Shuzo estudaram. Quando os pais de Taiyo faleceram, Murabayashi foi quem ficou responsável pelo menino.

Ikue-sensei (Shoko Takada): A professora que estava de licença maternidade e retornaria em abril.

- Aparições especiais:




Kazumi Miyamoto (Tae Kimura): Mãe do Kenta (Takumi Kamata). Aparece no primeiro capítulo. Kenta era um menino solitário porque ia se mudar antes de terminar a escola e ficou mais retraído. Taiyo consegue se aproximar do menino, que aos poucos ganha a confiança de ambos e passa a interagir com os colegas.

Yuri Hayase (Atsuko Sakurai): Mãe de Marina (Ibuki Ueno). Sonho da filha ser enfermeira, já que a mãe também era uma.

Akira Mataki (Masaki Aiba): Trabalha para a família, cuidando de idosos. (Nota: Aiba aparece no capítulo 7 do dorama, transmitido no dia 1 de março de 2003. Foi uma forma subliminar de promover o tampatsu dorama que participou - "Kaiko Kazoku ikka ~ sakimakka" - que foi transmitido 3 dias depois)


Satoshi Ohno (ele mesmo): Funcionário da empresa "Claim Agent Arashi". (Nota: Satoshi Ohno, líder do grupo Arashi, aparece para divulgar o programa que era transmitido pela mesma emissora, o "C no Arashi").

Shin Sawada (Jun Matsumoto) e Kuma (Tomohiro Wakai): Alunos do colégio Shiragane. (Maiores detalhes, vide dorama "Gokusen". Matsumoto e Wakai aparecem no último episódio do dorama para divulgar o especial "Gokusen" que foi levado ao ar no dia 26 de março do mesmo ano).

Curiosidades:



- "Yoiko no Mikata" foi o primeiro dorama protagonizado por Sho Sakurai. Os trabalhos anteriores ele foi como coadjuvante (vide "Otousan" e "Kisarazu Cat's Eye"). E, ao mesmo tempo que ele protagonizou o dorama, estava com o programa "C no Arashi" e no terceiro ano do curso de Economia, na Universidade Keio.

- A atriz Yuki Matsushita é conhecida nos doramas  da série "Nurse no Shigoto" (como Shoko Ozaki, amiga de Izumi Asakura (Arisa Mizuki), "Ooku" (transmitido em 2004) e "Mukodomo" (2000 e 2003). E' amiga de longa data do casal Keisuke Kuwata e Yuko Hara (Southern All Stars), tanto que chegou a participar de uma música de Kuwata em 1985, num programa de TV.

- Nahomi Matsushima (que era da dupla Othello), é mais conhecida como apresentadora (vide programas "Kira Kira Afro" e "Himitsu no Arashi-chan"). Fazia a dupla Othello com a humorista Tomoko Nakayama, mas devido a problemas pessoais de Nakayama, a dupla acabou se desfazendo (contra a vontade de Nahomi).

- Otoha (Kazuyo Fujii), foi gravure model . Casou-se em 2005 com o humorista Takeshi Fujii. No dorama "Kimi wa Petto" (2003), Otoha interpreta Haruka Kurimoto, que trabalha na cafeteria do jornal.

- Kazue Fukiishi trabalhou com Sakurai em, pelo menos dois doramas, um especial e um filme - "Yoiko no Mikata", "Yamada Taro Monogatari" (como Kyoko Torii), "Kobe Shimbun no Nanokakan" e "Kamisama no Karute 2" (como Chinatsu Shindo).

- Kumiko Mori é cantora de ópera (meio soprano), mas aparece em programas de variedade na parte de culinária e gourmet. Chegou a emagrecer quase 30 quilos por motivos de saúde em 2008. Fez parte do musical "Endless Shock!", protagonizado por Koichi Domoto (Kinki Kids), na temporada de 2013.

- Shozo Endo faz parte da dupla de humoristas Cocorico, com Naoki Tanaka (que aparece no dorama também, como companheiro de copo de Shuzo). Aparece no programa de variedades "Hirunandesu" todas as tardes na emissora NTV. Foi casado com a atriz e cantora Chiaki e tem uma filha.

- Por problemas de agendamento, naquela época, Kazunari Ninomiya não pôde fazer participação especial no dorama. Ele estava gravando um dorama na mesma temporada que o do Sakurai, mas em emissora diferente - era "Netsuretsu teki chuka hanten", pela emissora Fuji Television. (Não estou bem certa se foi a partir de "Yoiko no Mikata" que, se um membro do grupo fazia uma participação especial, na temporada seguinte vinha algum dorama/especial com aquele membro contracenando, independente da emissora).

- A música de encerramento - "Tomadoi Nagara" - interpretada pelo grupo Arashi, ficou em segundo lugar na primeira semana de vendas na Oricon. O promotion video (em que os cinco interagem com objetos de uma cidade em miniatura), foi dirigido por Tetsuo Inoue - que também dirigiu PVs de artistas como Kumi Koda, Kobukuro, Sayaka, Ayumi Hamasaki, entre outros.

- O índice médio de audiência foi de 10,7%. Foram nove capítulos, sendo que o último foi um especial de duas horas (a previsão era de 10 capítulos, mas resolveram fazer o nono capítulo mais longo).

- Normalmente, os doramas transmitidos aos sábados pela emissora NTV, possuem enredo envolvendo escola ou fantasia. De vez em quando as duas coisas juntas (vide "Akumu-chan").

- Um dos doramas que também envolvem "homens que exercem profissões dominadas por mulheres", foi "Nurseman", protagonizado por Masahiro Matsuoka, na temporada de inverno de 2002 e teve dois especiais (Sakurai participou no segundo - "Nurseman ga Yuku", em 2004).

Opinião da Autora do Post:

Sou suspeita para dizer o que eu achei de "Yoiko no Mikata". Primeiro, quem me conhece muito bem, sabe que meu ichiban desde que o Arashi surgiu, é o Sho Sakurai (mesmo ele sendo muito fail, demonstra claramente quando não gosta de atitudes de algumas fãs pentelhas, não pode ver comida que logo já é o primeiro que ataca, enfim), então qualquer coisa que eu falar, vai soar pra muitos como "fangirlice doentia". O que eu posso dizer é que, assistam independente de quem atua. Se a história agradar, ou não, fica a critério de quem assiste.

São raros os doramas com temas em que homens fazem papéis em que mulheres desempenham (e melhor, até). Chef de cozinha, não conta. Nem professor de escola primária em diante. Mas como professores de jardim de infância (vide também "My Girl", Shingo Murakami interpreta um, na história), pais solteiros (exemplos: "Bara Nai no Hanaya", com Shingo Katori; "Good Life", com Takashi Sorimachi; "Beautiful Rain" com Etsushi Toyokawa; "My Girl" com Masaki Aiba, entre outros), enfermeiros ("Nurseman", com o Masahiro Matsuoka), são poucos. Ao menos os que eu conheço.


"Yoiko no Mikata" me surpreendeu com o tema. Sem falar também do enredo (embora algumas partes podem ser meio exageradas). Mas um dos motivos também que me fez gostar muito (até demais, confesso) deste dorama, é porque eu também fui professora de jardim de infância como estagiária. O quanto é difícil conquistar a confiança das crianças, seus pais e também dos colegas de trabalho.

Há quem diga que as professoras exageram no "tratamento" dado a Taiyo, mas quando você entra por último num lugar onde o bonde já está na metade do caminho, as pessoas demoram muito pra te aceitar.

Daí a gente tira algumas lições, ao assistir esse dorama (acredito que não só esse dorama, mas muitos deles a gente acaba aprendendo muita coisa):

- Otimismo e preserverança: mesmo tendo tido uma infância triste, Taiyo trazia sempre o otimismo e alegria. E mesmo as professoras humilhando-o, desprezando-o, ele não desistia.

- Tentar realizar seu sonho: todos nós temos um sonho a realizar, traçar um objetivo de vida. Ok, pode soar beeeeeem utópico, mas se desistirmos de nossos sonhos, futuramente podemos nos arrepender, sempre se perguntando: "por que raios eu não fiz isso ou aquilo". Pior que isso acontece. Comigo, inclusive.

- Por mais que não aceite tal condição, tente relevar. As professoras tiveram sorte que no final Taiyo ainda tinha grande consideração por elas.

O dorama foi feito mais para entretenimento, apesar de ter uma mensagem subliminar sobre que todos nós podemos fazer alguma coisa mesmo sabendo que não seremos aceitos logo a primeira vista. Não somente profissionalmente, mas também quando vamos morar em algum lugar diferente, mas aí seria outra história.



Fonte: Wikipedia Japan, link aqui

Imagens: via Google, Stormy Team, Aibaland Forum


Thursday, October 09, 2014

John

Se você ainda estivesse entre nós, hoje você faria 74 anos. Mesmo assim, feliz aniversário, John.

(Foto da page do grupo "Paul Get Back to SP" do FB)

.... e concordo contigo, Paul ~ você sempre vai ser o fã número um dele. Sempre.

Sunday, October 05, 2014

Ever and Never: The Art of Peanuts (2013, Mori Arts Center Gallery)

Na verdade, eu era para ter postado sobre esse evento logo que eu soube, em outubro de 2013, quando vi o noticiário, mas acabei esquecendo e fui na exposição bem no penúltimo dia do ano, justamente o dia em que estava bem lotado, mas enfim...


Friday, October 03, 2014

Tolerância Zero

Esses dias deparei-me com essa montagem no FB (é, só entro pra ver tosqueiras, atualizações dos sites da Lominha, do J-Storm Station e Rotaroots)...

Page do FB Disney Ironica
De uns bons tempos pra cá, ando muito sem paciência. Eu sei que muitos vão dar aqueles velhos sermões, do tipo, "pra que tanto ódio nesse seu coração, se é que você tem", "ah, toma aquele chazinho infalível de camomila", "olha aqui, porque não toma Maracujina, que passa?" e por aí vai, mas vou falar a verdade: tem gente que dá vontade de ir mandar passear de tanto que me torra a paciência (que nem tenho mais).

A gente até tolera certas coisas que a vida nos apronta, mas o duro é quando isso faz com que nossa paciência chega no limite, aí depois nem venham dizer que somos ruins, e tudo o mais. A verdade é que a gente não percebe que a pessoa não tem nada a ver com seus problemas e o motivo do mau humor e a gente não tem culpa se naquele dia acorda com o pé esquerdo e vira a Lei de Murphy: o que tudo tem que dar errado, dá errado. Mas também tem gente que abusa.

Eu tenho uma facilidade incrível de conviver com gente que consegue zerar minha paciência. Muitas vezes eu me pergunto se essas pessoas são irritantes, ou eu que sou muito intolerante, ou as duas coisas, tanto faz. Mas a verdade é que, quando não vou com o gênio da pessoa, nem adianta tentar insistir que eu continuo não me dando bem com ela. A coisa piora no ambiente do trabalho.

Tá, vai ter gente agora pensando que eu não sirvo pra trabalhar em equipe.

Explico melhor: não é que eu goste de trabalhar em grupo (sempre trabalhei), mas o ruim é que, dependendo com quem você trabalha, sua paciência esgota rapidinho. Principalmente quando seu gênio não bate com o da outra pessoa. Pior ainda quando essa pessoa resolve testar o seu grau de tolerância.

Ultimamente só não mando certas pessoas do meu convívio social pro inferno, porque deve estar com falta de lugar, mas que eu ando estourando fácil... Mas sabe quando existem pessoas que conseguem te tirar do sério? Do tipo...

- Gente que cuida mais da sua vida do que a dela própria: Nem minha mãe, que me gerou, criou e até hoje quando telefono pra ela, ainda me dá alguns sermões típicos de mãe é mãe, fica especulando tanto da minha vida como de algumas pessoas que fazem. Eu não tinha tanto contato de gente desse tipo até uns meses atrás.

Não é um dia que tiro folga que no dia seguinte a tal pessoinha fica perguntando o que eu fiz, o que eu deixei de fazer, e ainda diz que folgo demais. Uma vez eu respondi "folgo sim, e se reclamar, eu tiro minhas folgas remuneradas", porque pra aguentar gente assim, prefiro mil vezes tirar meu dia de folga e fazer as coisas que eu gosto do que vir trabalhar no meu dia de folga e acabar tendo um colapso nervoso, porque olha...

- Se der trela, vai continuar torrando a sua paciência: Namorido tem um amigo (se é que posso chamar assim) que é mais folgado que pastel de vento. Logo de cara não gostei dele, e namorido sabe disso e até hoje ele tenta me convencer que fulano é gente boa, mas é "o jeito dele". Não adianta, quando pego birra com a pessoa, pra me convencer o contrário pode levar a eternidade. E' o tipo de pessoa que quer ser o que não é, faz você passar em situações constrangedoras e tudo tem que ser do jeito dele (ok, eu também gosto de fazer as coisas do meu jeito), especialmente quando vai fazer compras e ir em restaurantes. Quando comecei a ignorar tudo o que ele fala/faz (porque descobri que, se travar uma discussão com o cara, ele continuará a torrar minha paciência), bem, comigo ele nem fala mais nada. (Se bem, que, um belo dia ele perguntou pro namorido porque eu estava brava com ele. Namorido bem curto e grosso: "A Kiyomi TE ODEIA, fulano!")

Pensando melhor, eu estou precisando descansar mais e parar de esquentar a cabeça com banalidades, porque eu tenho a certeza de que são essas banalidades que me fazem a perder a paciência, de me irritar por qualquer coisa...

Troque "setembro" para "este mês" que pra mim virou um mantra (foto via HP "B1TOUM4NIA" do FB)