Tuesday, March 31, 2015

Redes Emanharadas

Não está sendo fácil entrar em qualquer rede social e fechar a janelinha com um misto de raiva, decepção, tristeza e vontade de espancar o primeiro pela frente (o que nem valeria a pena). 

Sempre tive a idéia de entrar em rede social ou blog x, y ou z e me entreter, ter algum informação legal, espairecer a cabeça depois de um dia (ou uma semana, tanto faz) de um trabalho penoso. Bem, isso há alguns anos atrás, porque de uns tempos para cá, de dez artigos que eu tento ler, pelo menos metade deles são de ódio, de protesto, de raiva, de chorar (literalmente, mas vai da interpretação de cada um)...

Eu não sei o que acontece na mente desse pessoal, porque qualquer coisinha que comenta, pra começar uma Terceira Guerra Mundial basta apertar um botão. Num tópico qualquer que seja, obviamente vai ter uma parcela de gente que vai discordar e vai ter outra parcela que vai concordar. Ainda se o argumento fosse válido... Mas nãão... só falta sair na facada mesmo. Sabe do tipo as batalhas na história do Rurouni Kenshin? 

Daí se a gente fala que essas pessoas estão exagerando, vêm dizer que somos um porre. Da mesma forma que elas não concordam com isso, a gente também tem o direito de não concordar com o ponto de vista delas. E quando isso acontece, começam os discursos cheio de "moral" e que somos obrigados a concordar com elas. 

Existem pessoas que realmente a gente nem pode discutir, que seria uma perda de tempo. Nem comento mais nada nas redes sociais sobre muitos assuntos porque não existe mais aquela discussão saudável dos tempos em que existia o Fórum das Garotas Que Dizem Ni ou o Fórum Beatles Brasil, que a gente discutia, zoava mas todo mundo ficava na paz e amor. Um ou outro era um porre mesmo, mas a gente relevava. Mas hoje, nem dá mais pra fazer isso. Se esses dois fóruns ainda estivessem ativos, eu nem saberia dizer se iríamos continuar ser os mesmos.

Porque seríamos chamados de reacionários, elite, retrógrados, preconceituosos... 

Porque realmente, nem sei mais o que acontece com as pessoas, a tolerância esvaiu-se como fumaça.

E eu pergunto: vocês compram esmalte pela cor ou pelo nome?






Monday, March 30, 2015

[Promotion Video] "Sakura iro maukoro" ~ Mika Nakashima (2005)

"Sakura Iro Maukoro", single de fevereiro de 2005 da cantora Mika Nakashima, é tida como uma das mais bonitas baladas, especialmente em se tratando do tema "Sakura Songs".

A letra é sobre o amor da primavera que, tal como as pétalas das cerejeiras, dançam no ar. Mas o que também chamou a atenção na época (e até hoje) foi o promotion video.

Durante a música, é contada uma história de amor de duas crianças, que tinha como fundo uma cerejeira, que foi testemunha de todas as passagens da vida delas até a adolescência, quando o casal acaba se separando devido a mudança da menina para outra cidade, deixando o rapaz solitário e sua única lembrança é a árvore.



O piano que está na capa do single é o mesmo que Mika toca durante o promotion video. O cenário onde se passa a história das duas crianças com a cerejeira, estava em cima desse mesmo piano.


A animação, feita com bonecos, e filmado quadro a quadro, dá um tom mais nostálgico na música.


O single foi lançado no dia 2 de fevereiro de 2005 (e sua versão analógica no dia 16), ficou em quinto lugar na Oricon. Embora tivessem várias músicas com o tema das cerejeiras, dizem que foi a partir desta música que deu maior ênfase ao "Sakura Songs", devido a música trazer o vídeo que representou melhor "a passagem das quatro estações do ano contando uma história de amor".

A música está no álbum de estúdio "MUSIC", lançado em março do mesmo ano e nas coletâneas "BEST" e "TEARS". Ganhou versões de cantores como Ryoko Moriyama e Hideaki Tokunaga (vide álbum "VOCALIST 6", série em que Tokunaga interpreta músicas em que somente mulheres cantaram).

Em 2013, foi usada a versão "natural" para o comercial da Kanpo Senmei.

Nota da autora: infelizmente não consegui encontrar o PV inteiro, portanto somente duas cenas que encontrei na net. Talvez encontrem no site PV Sites mas não são vídeos do YT. E também queria encontrar os dados de quem fez o vídeo, mas nem o Commercial Photo, revista que traz sobre CMs, PVs e anúncios, encontrei. Se alguém encontrar, por favor, informem-me.

Sunday, March 29, 2015

J-Pop e Anime

Assim como muitos comerciais aqui no Japão usam músicas de artistas conhecidíssimos da j-pop como música de fundo (uma forma de divulgar o artista também, atire a primeira lata de bebida quem nunca comprou um single do artista só porque ouviu no comercial e gostou. Recomendo conferir o blog do fmass, o CM's Japan, que ele traz as novidades), no mundo anime a coisa não muda muito.

Monday, March 16, 2015

Coisas Aleatórias

Sério. Até hoje sempre associo biscoito aquele que é doce e recheado e bolacha, aquele de água e sal ou cream cracker. Se colocam essa questão pra qualquer um, vira discussão, na certa. De qualquer forma, vou comer do mesmo jeito.

***

Uma vez postei sobre "Por que você não assiste/assistiu j-dorama?", que foi o meu ponto de vista sobre os motivos de não ter assistido ou não vai assistir - desde "não gostei do enredo" até "odeio tal ator/atriz". Passado alguns anos, percebi tardiamente que muito me deixei levar na opinião alheia. Moral da história: assiste se quiser, mas se não quiser, fica no seu canto e deixe quem gosta assistir.

***

Twitter foi a rede social que mais me ajudou no dia 11 de março de 2011 quando fiquei impossibilitada de usar o telefone. Felizmente, a internet funcionava (mesmo com uma certa demora no envio/recebimento de dados), mas era o que dava para ficarmos atualizados no que realmente tinha acontecido naquele dia. O que o Twitter e outras redes sociais ajudaram a unir e conhecer as pessoas (conheci muita gente legal desde então), hoje tenho a impressão de que está ajudando a dispersar.

***

Por mais que as opiniões alheias sobre um assunto que eu gosto ferem em mim, aprendi a tolerar. Afinal, ninguém tem a mesma opinião que a sua e vice-versa. Da mesma forma que minhas opiniões possam desagradar outras pessoas também.

***

A gente costuma reclamar de falta de tempo pra isso ou aquilo. Acabo lembrando de uma coisa que um ex-colega dos tempos de faculdade disse "Tempo a gente não tem, a gente arranja". No que eu consigo algum tempo livre, sempre aparece algo inesperado.

***

Perdoem-me, mas comeback pra mim é o que a banda japonesa Southern All Stars fez: quase 10 anos sem lançar álbum inédito, final de março sai um novinho. Isso porque nos dois anos anteriores, lançaram dois singles e voltaram aos concertos depois de cinco anos de ausência (ok, em 2011 eles se reuniram para o projeto do Team Amuse na música/promotion video "Let's Try Again"). E o melhor: não perderam fãs e ganharam novos.

***

Nunca é tarde para aprender algo novo. Inclusive gostar de matcha.

***

Existem assuntos muito óbvios que nem postei recentemente, como o Dia Internacional da Mulher e 11 de março, 4 anos depois. Porque sei que vai dar no que falar, e mesmo porque muita gente postou sobre o mesmo assunto. E li cada comentário que eu fiquei horrorizada.

***

Março e Abril, temos os conhecidos festivais - o Honen Matsuri no templo Tagata, na cidade Komaki (Aichi) e o Kanamara Matsuri em Kawasaki (Kanagawa), respectivamente. Ambos o mesmo tema: fertilidade, saúde e vida longa. Se acessarem as páginas a respeito, vão entender. E se eu for neste ano, em Kawasaki (geralmente no primeiro domingo de abril), foto vai ter, mas se vou postar aqui, posso correr sério risco de ter este Empório fechado mesmo justificando que se trata de uma manifestação cultural e secular.

***

Alguns animes por mais estranho que sejam, no fundo trazem uma lição para a vida. Um que comecei a assistir por culpa da curiosidade do filme que vai sair, é "Ansatsu Kyoshitsu" ("Assassination Classroom" em inglês ou "Classe do Assassinato", tradução livre). Uma criatura  enorme de cor amarela, que mais parece um polvo, além de ter transformado uma lua em quarto minguante (ou crescente, como está na tradução), resolve dar aulas para uma classe discriminada pela própria instituição de ensino. Ao mesmo tempo que os alunos tentam matar o professor, este dá várias lições para a vida (do tipo: professor não somente ensina mas também educa).

Dá até pena de matar uma criatura tão doce como esta.


Imagem: site ZKai, escola preparatória no Japão. O personagem Koro-sensei, do manga "Ansatsu Kyoshitsu" tornou-se professor-propaganda devido a sua popularidade (mesmo ele sendo o alvo dos seus próprios alunos, que ao mesmo tempo querem matá-lo, aprendem muitas lições com o professor).

Monday, March 09, 2015

Caligrafia

De alguns dias para cá, no Instagram, postaram fotos de uma frase escrita à mão e com a tag  #aletradaspessoas. Lembrei de um tema de uma postagem coletiva que consistia em fazer uma postagem escrita à mão e postar no blog (devidamente escaneada, claro), o que achei interessante, mas eu fazer que era bom... (meu scanner foi desta pra melhor e até hoje estou procurando um que preencha boa parte dos meus requisitos, o que vai demorar um pouquinho)

Faz muito, mas muito tempo que não escrevo tanto o quanto eu deveria, e quando eu faço, ou é pra fazer alguma tradução ou quando pego para estudar língua japonesa (sim, eu tenho que anotar tudo o que eu tento aprender, porque olha...), e minha caligrafia sai que é uma maravilha, que depois eu tenho que tentar decifrar o que eu escrevi.

Uma das coisas que eu costumava fazer e hoje quase nem faço mais é escrever cartas. Eu chegava a escrever cartas de duas a três folhas (frente e verso), hoje se é um telegrama é muito.

Talvez essa postagem coletiva no Instagram tenha algum propósito: o da gente voltar a ter o hábito de escrever, não digitalmente, mas usando lápis ou caneta e papel para expressarmos o que sentimos, o que queremos ou até fazer listinha de supermercado.


Foto: Da autora, via Instagram

Saturday, March 07, 2015

Algumas Curiosidades dos Membros do Johnny's Jimusho...



Já que o povo AMA pegar no pé dos membros dessa agência mais famosa (em todos os adjetivos possíveis) do Japão, dizendo que eles não têm nada no cérebro, então vamos lá.

Tuesday, March 03, 2015

Instagrando por aí... [6]

Ultimamente não ando postando como eu gostaria de fazer no Instagram, mas o pouco que consigo captar quando estou em meu dia de folga (ou não), gosto de querer compartilhar com os demais, porque, nunca se sabe se vai acabar gostando também.

A gente acaba postando aleatoriedades, ou algum desafio, que seja, mas cada imagem a gente acaba descobrindo seu significado que fica na lembrança. Mas confesso que sinto falta de montar albuns, ou seja, fotografar, revelar e pregar no álbum, e, se eu fizer isso com as fotos que andei tirando, haja tinta pra imprimir...


Recentemente fui para Yokohama, e de onde moro para lá, aconselho ir de ônibus intermunicipal. Se uma viagem de trem leva cerca de duas horas, de ônibus leva a metade do tempo, até mais (cerca de 50 minutos). Como temos o Aqua Line para encurtar o caminho, a gente acaba vendo paisagens como essa.

Ok, está meio escura porque tinha uma janela entre eu e a paisagem.


Quem pensa que eu não me cuido, ledo engano. Costumo comprar produtos naturais para hidratar a pele, cuidar dos cabelos e da minha saúde. Chega a primavera, junto chega o kafunshoo (polinose) e eu sofro com isso anualmente. Por mais que eu me cuide, não tem jeito, então, pra amenizar as crises, uso colírio próprio para diminuir a coceira nos olhos, descongestionante nasal e, recentemente, descobri um creme que promete bloquear a entrada de polen via fossas nasais. Mesmo assim, eu não deixo de usar máscara. O creme - Ohana no baria - é de uso pessoal e intransferível, pois você aplica o creme diretamente do tubo para a entrada das narinas. O aroma de lavanda é agradável, pelo menos para mim deu uma melhorada. Mas tenho que aplicar cinco vezes no dia.

Fazem três anos ou mais, não lembro, que eu uso os produtos da marca inglesa LUSH, feitos com produtos naturais e testados em seres humanos (eles são dermatologicamente corretos). O creme de limpeza facial "Angels on Bare Skin" para mim deixa a pele naturalmente seca (no inverno ela fica extremamente seca, chegando até a descascar) e macia. Um pote pra mim dura um mês e olha que uso duas vezes no dia. O xampu em barra "Soak and Float" cheguei a comentar aqui: eu tive um problema de xampu e condicionador que me causou caspa e coceira. Passei a usar esse xampu (resenha no blog Clube do Necessaire) e o resultado foi excelente. Não se assustem com o cheiro, no cabelo não fica.



Momento gastronômico: é sair com azamiga que dá nisso - termina ou começa sempre com comida. Desta vez, fomos no IKEA de Minamifunabashi (ao lado da loja de departamentos Lalaport Tokyo Bay) e confesso que eu exagerei. Mas compensa e vale a pena. Mais uma ida e farei uma resenha sobre o lugar (porque ir na hora do almoço de domingo, é uma catástrofe).


A vida é dura, talvez feliz - quem assistiu a série "PIKANCHI", estrelado pelos cinco rapazes do grupo Arashi, sabe o quanto a juventude é a melhor fase da vida mas também a mais sem vergonha. No terceiro (ou 2.5) filme da série, os cinco jovens moradores do megaconjunto habitacional Yashio, se reunem por um motivo muito especial. Mas antes, relembram o que fizeram durante os oito anos que estiveram longe um do outro. O filme passou somente em cinco lugares no Japão, e quando saiu o DVD/Blu-Ray, foi logo sendo o mais vendido da semana.

Quem comprou a edição especial, um DVD bonus contendo comerciais, os bastidores das filmagens (que levou um mês para ser feito), embalagem especial, booklet com pop up (como na foto). Aconselho assistir os dois primeiros filmes senão vai entender metade da trama (porque traz flashbacks e cenas dos filmes anteriores).

Sem falar do marketing que normalmente a maioria dos filmes e doramas costumam colocar no meio da história (forma discreta de divulgar o produto da marca que patrocina e/ou o artista faz comercial), como os eletrodomésticos que Chu vende na loja YodoCherryBic e a operadora de celulares que os cinco utilizam (inclui a marca do aparelho, que aparece na maior cara de pau).

Pra descontrair, vale a pena.


A rede de cafeterias Starbucks mensalmente traz seus produtos sazonais. Um dos que faz maior sucesso, é o Sakura Frappuccino e Sakura Latte. Desta vez, os copos vêm decorados com pétalas de cerejeira e seus produtos - mug cups, tumblers e garrafas térmicas - idem.

O chiffon cake de sakura faz sucesso: macio e fofo e com sabor de cereja. Pena que é limitado e dura pouco (condiz com as cerejeiras: sua floração dura pouco também).



Goods limitados do Daikanshasai do Masaharu Fukuyama a venda durante a exibição do Fuyu Daikanshasai sono 14 ~ Hotel de Fukuyama III nos cinemas. Na Toho Cinemas que fui, em Minamifunabashi, metade de uma prateleira era dedicada aos goods que foram vendidos nos locais onde ele fez os concertos. Desde bags, toalhas, até acessórios que usam em hotéis, como necessaire, mascara para dormir e meias.

Se eu soubesse, eu teria me preparado financeiramente, porque a necessaire é simples, mas muito bonita (acabei comprando foi a bolsa).

Ah, sim. Fui no live viewing que foi exibido na maioria dos cinemas do Japão em tempo real.


Por do sol em Kisarazu. Muito difícil eu fotografar algo após a saída do trabalho, mas essa visão achei interessante e ...


Obento box que comprei. Preciso parar de comprar o guardanapo só pra fazer conjunto, porque eu tenho mais de meia dúzia e uso dois. E nem tenho mais o bentobako do conjunto...


Brooklyn Jar, Mason Jar, vidro de azeitona, palmito, que seja. Esse eu comprei na promoção da Mister Donut - compre o jarro + dois donuts = beba o que quiser, coloque salada de sua preferência, use como pote de geléia (já que vem duas tampas - um com furo para colocar  o canudo que vem junto e o normal), o que sua imaginação permitir.

"Ah, mas é modinha". Que seja, mas pelo menos eu tenho um pote a mais para guardar as conservas e geléias que de vez em nunca costumo fazer.


Nos meses de janeiro e fevereiro, aos sábados, a famosa ponte Nakanoshima Ohashi foi cenário para um festival dedicado aos namorados e casais. Na verdade, a ponte era conhecida como "a ponte dos namorados" e, devido ao Valentine Day chegando, fizeram um evento especial. Na estação de Kisarazu, fizeram um lugarzinho para quem quiser tirar foto...



Na estação de Kaihin-Makuhari (linha JR Keiyo), além da loja de importados KALDI, tem uma livraria e cafeteria para matar o tempo enquanto espera o trem. A rede de conveniência Newdays, junto com a livraria Mirai, além de vender comida e livros, temos a parte de papelaria e decoração de interiores. Quem quiser levar uma lembrancinha de última hora, temos a parte de suculentas, plantas para espaços limitados, produtos de aromaterapia, etc.

Aquelas que até hoje fica enrolando para comprar algumas mudas de especiarias para a cozinha.