Sunday, January 31, 2016

E Lá Vamos Nós...


Mal o ano começou, janeiro terminou e muita coisa já aconteceu. Gente famosa que deixou este mundo material, boataria, histórias mal contadas, suspense... Isso nos 31 dias do mês e pior que tem muito pano pra manga...

E eu, durante o mês de janeiro inteiro minha rotina foi a mesma - casa, trabalho, casa, dia de folga, dia de faxina, dia de pagar contas, dia de pegar tempo livre e revisar os estudos se quiser progredir na vida...

Mas vamos nós cuidar de nossas próprias vidas, porque o mais importante é mantermos a mente e o corpo em ordem, para que possamos tocar o barco adiante. 

Cheguei a conclusão de que quanto menos a gente saber de certas coisas (especialmente no assunto sobre show business), a gente pode viver melhor. Mas existem outras coisas que quanto mais a gente saber, evoluimos (aprender uma lingua estrangeira e/ou fazer qualquer curso).

Esperamos que ao menos nos próximos meses, possamos melhorar.

(Imagem do twitter @55_kumamon)

Wednesday, January 27, 2016

A Unica Flor no Mundo

Não precisa ser o número um
Desde o começo você será sempre o único

Eu vi muitas flores diferentes enfileiradas na floricultura
Pessoas têm suas preferências, mas todas as flores são bonitas

Sem competir para querer ser o primeiro,
Elas estão em pé e orgulhosas em seus vasos

Então, por que nós humanos continuamos querendo comparar um com outro?
Por que enquanto um é diferente do outro, ainda queremos ser o número um?

Está certo, somos uma e a única flor no mundo
Todo mundo tem uma semente diferente,
Tudo o que precisamos é nos esforçar para fazê-la florescer

Existem pessoas que continuam a sorrir como se estivessem perdidas
E ainda continuam a perder no seu caminho
Bem, as flores que se esforçam para florescer são todas bonitas
então, isso não dá pra ajudar

A pessoa finalmente sai da floricultura
Carregando um buquê de flores coloridas
Mostrando a felicidade em seu rosto

Embora eu não saiba seu nome,
Ela era como uma flor cheia
Num lugar onde ninguém perceberia
Ela me fez sorrir naquele dia

Existem flores pequenas, existem flores grandes, mas nenhuma é igual a outra...

"Sekai ni Hitotsu Dake no Hana", letra e música de Noriyuki Makihara. Traduzido do inglês do site "What is Life (Closed):"

Sunday, January 24, 2016

Starman

There's a starman waiting in the sky
He'd like to come and meet us
But he thinks he'd blow our minds

O que mais me surpreendeu na segunda semana de janeiro foi quando li a notícia de que David Bowie resolveu visitar as estrelas e esqueceu de retornar no quarto dia, tal como Lázaro. Isso porque em meados de novembro/dezembro do ano passado, eu li a notícia de que ele ia retornar com um álbum novo depois de alguns anos ausente, e o álbum seria lançado no dia em que completaria 69 anos, no dia 8 de janeiro.

Ok, promessa cumprida, mas o que eu não esperava era que dois dias depois, ele resolve ir pro espaço e não voltar mais??? Mas como assim? Sim, eu fiquei em estado de choque - mais porque ele nunca havia comentado em entrevista, nem os mais chegados, que estava muito doente. Acredito que ele não queria sensacionalismo em cima de sua doença e foi da forma como chegou - repentino, influenciou muita gente famosa ou não e deixou um legado para que as gerações futuras possam saber quem ele foi.

Não importa se Bowie teve seus momentos de delírio criativo, com temas de viagens espaciais, androginismo, glam, soul music, o que fosse. Todos têm suas fases, mas acho que ele teve de tudo um pouco, até fases bem fracas, como o próprio disse, mas depois retornou renovado com novos admiradores e reconquistando os antigos.

Existem pessoas que começaram a ouvir a música dele na época de "Let's Dance" (1983) ou devido ao filme "Labirinto" (1986), ou até bem antes, época de "Heroes" (1977) ou até em filmes como "Christiane F." (1981) e "Merry Christmas Mr. Lawrence" (1983). Ou até ter ouvido a versão de "Starman" feito pela banda gaucha Nenhum de Nós (quem não lembra de "Astronauta de Mármore"?). Seja como for, esqueçam comentários como "só porque o cara foi desta pra melhor é que vai virar fã", muitas vezes nunca é tarde demais para começar a ouvir o que a maioria pode dizer de "boa música" (depende do ponto de vista).

(Momento confessionário: fui virar fã dos Beatles depois que John Lennon morreu. Antes, ouvia uma música ou outra aleatóriamente, mas na época foram tantas notícias que sairam que fui tentar saber quem era. O resto, nem preciso falar.)

No meu caso, fui saber quem era David Bowie quando saiu o PV "Ashes to Ashes" nos programas "Som Pop" (TV Cultura) e "Super Special" (Band TV, antigamente era Rede Bandeirantes), em 1981 ou 1982. Meu irmão gravou somente a música no gravador de fita cassete (porque naquela época, videocassete era pra poucos) e acho que ouvi nem sei quantas vezes. Aliás, é uma das músicas que volta e meia ouço.

I've never done good things
I've never done bad things
I never did anything out of the blue

Daí na minha adolescência, época que eu ouvia Beatles, felizmente surgiu a revista BIZZ, que trazia tudo o que era novidade no mundo do rock (do tempo que o rock nacional era muito bom e éramos muito felizes e despreocupados), e na época era "Absolute Begginers". MTV nem passava e a gente se contentava com os programas mencionados.

Let's dance
Put on your red shoes and dance the blues

Mas Bowie mostrou pra nós que todos nós podemos ser heróis - nem que seja por um dia.

We can beat them, forever and ever
Then we could be heroes, just for one day.

(Trechos das músicas, na seguinte ordem - "Starman", "Ashes to Ashes", "Let's Dance" e "'Heroes'" - mas existem muito mais músicas que podem ter marcado a vida de muita gente que ouviu, seja como Ziggy Stardust ou nas fases norte americana, Berlim...)

Uma das últimas coletâneas que compreende desde o início até antes do recém lançado "Blackstar"



Tuesday, January 12, 2016

Eu, Beatles e Uva Passa

Chega final de ano, leio uma enxurrada de comentários, desabafos e reclamações sobre uva passa. E' que em alguns pratos feitos para as festas de fim de ano, algumas pessoas meio que exageram na dosagem da iguaria na receita, aí o que era para ser um momento de agradecimento por nunca faltar nada na mesa, vira uma guerra familiar.

OK, eu entendo que gosto nunca se discutiu e que tudo o que é em excesso, enjoa, inclusive água, que pode acabar terminando em tragédia, mas ao menos tentemos ver os benefícios da uva passa, por mais que estranho que ela fique em uma salada de batatas ou no arroz. Confesso que, quando vi uma salada de maionese com batatas e legumes com uva passa, fiquei com aquela cara de "que raios é isso?", mas como estava em uma festa de casamento, não tinha nem como reclamar (e na minha época, ai se reclamasse...), e aquela história: nem pode falar que é ruim, se nunca experimentou.

Mas eu gosto de uva passa, especialmente em pães, bolos e panetone (momento confessionário: quando criança, eu tirava todas as uvas passas do panetone para comer tudo em separado, depois), até mesmo em chocolates e sorvetes. Se quiser colocar no arroz, eu como do mesmo jeito. Fica estranho? Pois é...

Não tem gente que gosta de abacate, por exemplo? Eu nem sou tão chegada na fruta, apesar que, se tiver um guacamole bem feitinho, já mergulho os nachos nele. Mas se tiver, eu como meio a contragosto, especialmente quando se tem algum sanduíche havaiano, que costuma ter. E não fico fazendo tragédia porque meu sanduíche veio com uma fatia fina de abacate no meio da cebola, queijo e hamburger, porque se eu pedi tal comida, eu já estava ciente que vinha. O duro que, no caso da uva passa nas receitas natalinas, chega a beirar o cúmulo da falta de bom senso. Se não gosta, então faz uma quantia sem, oras. O duro se é durante uma festa na qual foi convidado...

Pior ainda que infelizmente existem pessoas que não medem (no sentido literal do verbo) a quantia a ser colocada na comida, resolvem colocar até onde nem tem a necessidade, ou seja, pra forçar a(s) pessoa(s) comer(em) uva passa na marra. Aí eu já acho o fim da picada.

Aí, num momento de surto psicótico por causa da ojeriza de uvas passas, teve um(a) infeliz no Twitter que postou (e depois apagou e mudou) um comentário envolvendo uva passa e Beatles, algo parecido como "Fãs dos Beatles são piores que pessoas que gostam de uva passa". Relevei porque, bem, ninguém é obrigado a gostar de tudo (mas que ao menos saibam ter bom gosto, mas aí também depende do ponto de vista de cada um, o que pode ser legal pra ele, é uma droga pra você e vice versa), mas...

O que eu quero tentar concluir é que, ninguém é obrigado a gostar daquilo que você gosta; tudo o que é em excesso, enjoa; mas temos que saber tentar tolerar muitas coisas na vida e seguir adiante, e nem ligar para as críticas. Se ao menos essas críticas fossem voltadas para o bem, ainda vai, o ruim é quando elas te botam no fundo do poço. Mas a gente faz a egípcia e cuida da própria vida.

Na verdade, era o que todo mundo deveria fazer - isso inclui a mim mesma.


Imagem: via littlenicola.com

Thursday, January 07, 2016

[Roteiro Gastronômico] Mr. Farmer



Eu deveria ter postado isso no ano passado, quando fui, mas...

Sempre que posso, eu gosto de experimentar comida de outros lugares. Não que ir nos lugares que costumo comer (fora) sejam ruins, longe disso, mas variar de vez em quando não custa (ok, custa, porque nada é de graça).

Minha amiga (e parceira de comilança) Gesiane, havia postado no Instagram dela, algumas fotos de um restaurante de comida orgânica, o Mr. Farmer. Quando a gente ouve algo sobre comida orgânica, logo muita gente associa como "comida cara" ou "frescurite aguda", assim por diante. Eu diria que, até quando eu morava com meus pais, boa parte da comida em casa era orgânica, porque a gente colhia a alface, couve, cebolinha e outras hortaliças direto da horta no quintal, os ovos vinham da granja onde minha família obtia o adubo, enfim... Se aqui sai um pouco mais caro do que o normal, melhor conhecer como seria uma horta caseira...

Um dia que deu certo de termos folga e nada o que fazer (e recebido pagamento também, porque, como disse, nada sai de graça), combinamos de irmos nesse restaurante, que fica em Omotesando, mas bem afastado da avenida principal, num lugar bem calmo.


O lugar lembra uma casa antiga, de madeira. A entrada bem simples, com terraço feito de madeira, dá uma idéia de como é o ambiente - bem espaçoso e natural.


A decoração, com quadros com tema de fazenda e hortas, combinam com o ambiente, que é bem iluminado naturalmente, e com mesas e cadeiras em estilo country, estofados e confortáveis.





Os pratos são feitos com ingredientes direto de fornecedores naturais, de granjas e hortas no interior do Japão. Inclusive encontrei couve seca (o tal do kale, que em muitos livros de comida vegetariana costumam usar ele seco, em forma de chips), mas o duro realmente é o precinho (um maço médio, com meia dúzia de folhas, sai por 400 ienes, mais ou menos).

O menu, vindo em forma de jornal, traz vários tipos de prato - omelete, salada e pratos quentes. Mas parece que varia conforme a época, pois procurei no site o mesmo prato que eu almocei e não encontrei. O que eu pedi foi o Honey bacon with Egg Benedict com salada, batata cozida com alecrim. Na verdade, era um prato combinado - o principal, com salada e a batata, o preço compensava do que pedir tudo em separado. Bebida era a vontade, era no "Water Bar", ou seja, água com sabores de legumes e frutas (o chamado "detox water"). Otimo para fazer a digestão (normalmente existem lugares que servem água com limão, para facilitar a digestão, mas em lugares como o Mr. Farmer, inclui varios legumes, como pepino, cenoura, nabo, etc., verduras e frutas.

Eu havia pedido esse prato por motivos de que eu queria algo mais leve para comer, pois o almoço tinha virado café da tarde. Mas também estava com fome, então...



E finalizando, nunca pode faltar café para as duas viciadas na bebida. No cardápio, tinha de várias procedências, mas fomos do Brazil Cantagalo Farm, que era forte mas bem encorpado e saboroso, sem deixar aquele gosto amargo no final.

Para quem quer uma opção mais leve e saborosa e sem se culpar na balança, vale dar uma conferida. Quem preferir sopa, também tem. Sem falar dos smooties, muito em alta atualmente.

O estabelecimento ainda não tem home page própria, mas pode ser conferido nos sites da empresa que administra, como o Eat Walk que acessa o link para o gurunabi.


Wednesday, January 06, 2016

Os Melhores de 2015 - Parte 2 - Shows

Dando sequência aos melhores de 2015, vamos a parte de diversão.



Quando a gente vai em shows, eventos e similares, é inevitável surgirem (muitos) comentários. E a maioria nada agradáveis, mas a gente releva porque não temos nada a dever e temos o direito de ter um momento de diversão.

Durante o ano de 2015, fui em 5 shows, dois eventos especiais e sete eventos de manga. Quase nem comento sobre esses eventos porque a maioria não curte/nem vai.

Em matéria de shows, dependendo de quem é, até comento que vou, mas de alguns eu comento depois que eu já fui. Se bem que, depois de uma experiência dolorida que eu tive, procuro dizer que estou indo no show de fulano de tal depois que eu já fui. Mas depende... depende...

Se eu pensar bem, ano passado foi o ano que fui muito mesmo em eventos e shows. E, bem, conseguir ingresso pra shows, só na muita, mas muita sorte mesmo.

Aqui, postarei sobre os cinco shows que eu fui, sendo que dois ainda nem fiz postagem (farei posteriormente, porque quando fui, as turnês estavam em andamento e não seria bom sinal dar muito spoiler pra coisa, apesar que no Twitter...)

1. Paul McCartney - OUT THERE JAPAN TOUR - Tokyo Dome, 27 de Abril de 2015:
Quem me conhece, sabe que eu sou fã dos Beatles desde adolescente. Fui no show do Paul McCartney em 1990, no Maracanã, mas depois disso nunca mais consegui ir. E quando vim para cá, o veinho desembestou de bater ponto no Brasil e quando ele veio no Japão em 2002, eu nem sabia como conseguir ingresso. Depois disso, tive que esperar ONZE anos pra ele aparecer aqui, o que valeu a pena.

O show que fui no ano passado, ficou conhecido como "o show da revanche" pois em 2014, ele teve que cancelar a turnê asiática e adiar a norte americana por motivos de saúde, mas felizmente ele se recuperou e voltou a excursionar.

Como eu acompanho o Paul no LINE, quando recebi a notificação de que ele estaria voltando para cinco shows no Japão e um na Coréia do Sul, logo tratei de fazer meu pedido pra conseguir ingresso (sim, era sorteio e na altura do campeonato, qualquer dia servia).

O resultado, eu fiz uma postagem sobre o show, e espero que ele volte a fazer aqui enquanto puder.

2. Masaharu Fukuyama - Natsu no Daisougyosai 2015 - Nissan Stadium Yokohama, 8 de Agosto de 2015: Aquelas que "antes tarde do que nunca", eu fiz a inscrição no FC do Masaharu depois de 17 anos em que eu acompanho esse cantor, compositor, etc. Até então, eu conseguia ir nos shows dele quando abria venda para o público em geral. Mas, como muita gente me aconselhou a entrar no FC, que conseguir ingresso era um pouco mais fácil. Fui perceber isso quando tentei no Fuyu no Daikanshasai de 2014, que só me deu hazure e consegui só no live viewing no cinema.

Daí no Daikanshasai ele anunciou os shows de verão porque ele completava 25 anos de carreira. Logo no dia seguinte, tratei de fazer a inscrição... pra dar tempo de me inscrever pros ingressos do show.

Feito o pedido, consegui ser sorteada e fui no Nissan Stadium, em Yokohama. Sim, aquele mesmo em que houve a final da Copa do Mundo em 2002. Apesar do calor, o show foi sem problemas, com direito a atração extra em "PEACH!!", encore e ter conseguido um público recorde pra ele de 140 mil pessoas em dois dias!

Música inédita, comes e bebes e todos felizes, apesar do calor, aqui.

3. V6 - "LIVE TOUR 2015 [SINCE 1995 - FOREVER] - Nagoya Nihon Gaiji Sports Plaza Hall, 21 de Outubro de 2015: Este show fui a convite de uma amiga, a Michelle, que é fã do sexteto. Quando ela soube que o grupo ia fazer uma turnê em comemoração dos 20 anos de carreira, ela logo tratou de fazer inscrição pra conseguir ingressos pro show em Nagoya. Inclusive, a rede de lojas de conveniência Lawson, estava promovendo o show também, com sorteio de goods especiais (pagando 700 ienes, comprava um mikuji que teria o número do item) e poderia tentar comprar ingressos para o concerto - em Niigata, Yokohama e Tóquio. (Acho que eu deveria ter tentado o de Tóquio...).

Era a primeira vez que eu ia no show deles e, olha, nunca fiquei tão perto do palco. Do tipo: dava pra ver tudo. O ponto bem forte do grupo é a coreografia e a iluminação, e as músicas foram variadas - desde as mais conhecidas até as recentes e alguns que quase nem cantavam em shows.

Como foi, eu postei recentemente...

4. Arashi - "JAPONISM TOUR 2015" - Nagoya Dome, 8 de Novembro de 2015: Tipo de concerto que deixei pra comentar quando eu já estava no lugar do show e quem sabia foram somente as pessoas que foram comigo. Motivo - falar que conseguiu ingresso em qualquer show dos cinco, já seria motivo de discórdia e aquela pergunta "como você conseguiu???", o que não ocorre quando fui nos shows do Paul McCartney e do Masaharu Fukuyama, por exemplo.

Era a terceira vez que eu tentava ir nos shows deles, via FC, mas quando recebo o mail de hazure, ou perco as esperanças ou me conformo e espero sair em DVD em breve.

Acho que uma vez comentei que uma ouvinte do programa de rádio do Ninomiya, mandou um e-mail dizendo algo assim "se eu fizer coisas boas, talvez eu consiga ser sorteada para ir no show do Arashi". E eu acredito em pensar e fazer coisas boas que possam fazer bem para si mesmo e também para outros. Mas nunca pensei em receber algo em troca. Pois é, faltando menos de uma semana pra turnê iniciar (ia começar em Nagoya), uma amiga minha, a Midori, me manda recado me convidando pra ir no show porque a prima dela tinha sido sorteada na segunda rodada e a Michelle tinha sido sorteada no terceiro - o que aconteceu no final, as cinco terem ido no terceiro dia do Nagoya Dome (as outras duas foram a Andrezza e a Helena, pois a prima da Midori, que conseguiu, acabou nem podendo ir). Enfim, quem me conhecia ficou sabendo quando eu já estava no Nagoya Dome (debaixo de chuva).

Tinha visto algumas fotos (de paparazzi) do show, então dava pra saber mais ou menos (mais pra menos, vamos dizer) como seria o show. Resumindo, porque depois vem postagem: o palco era muito simples, mas eles ganharam no figurino e coreografia. Como o nome da turnê era do álbum do mesmo nome, o tema foi quase tudo inspirado no Japão. Mas o creme de la creme eram os solos - e novamente, adivinhem quem roubou a cena?

Mas o que realmente valeu muito a pena foi reencontrar as amigas brasileiras que moram no Japão e que batalham arduamente no dia a dia e merecemos sim, um dia para surtar, curtir e emocionar em shows (e que se danem os comentários alheios cheios de mimimis).

5. Masaharu Fukuyama - "Fuyu no Daikanshasai Sono 15" - Pacifico Yokohama, 27 de Dezembro de 2015: Pessoal que pensou que, só porque o Fukuyama resolveu dar adeus ao celibato, ele ia sossegar, tá muito enganado. O cara mal casou, no dia seguinte já gravou dois programas especiais para a Fuji Television (o "Uta Fukuyama"), comercial para a Asahi Beer, pros pneus Dunlop, pro BROS. TV... Isso porque antes ele havia programado o show de fim de ano que ele faz quase sempre desde que voltou a atividade. E quem pensou que ele fosse cancelar esse show porque iria ter saldo negativo, erraram feio de novo. Além de ter marcado os dias habituais, incluiu mais dois dias (depois que eu havia feito inscrição via FC, mas esses dois dias ele abriu para quem possui cadastro no F-mobile).

Sem contar que, ele marcou show somente para os homens e outro somente para mulheres. No show para homens, ele fez campanha para conseguir vender 18 mil ingressos, desafio que ele mesmo fez quando realizou em 2014, que foram quase 15 mil pessoas.

Enfim, quando saiu o resultado, consegui para o dia 27 de dezembro, no domingo (foi minha segunda opção, porque eu queria mesmo era o do dia 31, dia do countdown), mas eu tinha lido alguns comentários no twitter que todos os dias do concerto foram lotados e todo mundo saiu contente. Ou seja, diria que o pessoal aceitou até numa boa o casamento do moço. O importante é que ele continua zoando e sendo zoado e não perdeu o pique pra encarar 3 horas de show e casa lotada.

Foto: da autora, logo postarei sobre os dois últimos shows que fui.

Tuesday, January 05, 2016

Instagrando por aí... [9]



Dando sequência a série que ficou meio parada por relapso de minha parte, as fotos que seguem, algumas estão no meu Instagram, outras eu não postei porque talvez ficasse meio repetitivo, ou foi por preguiça mesmo.

Em outubro de 2015, estive em Nagoya por motivos que mencionei nesta postagem atrasada. Mas como eu tive direito a alguns dias de folga remunerada, tirei o segundo dia para dar uma passeada em Osu-Kanon, onde fica o famoso templo e também o shotengai que até hoje não consegui ir em todos os cantos - era a segunda vez que eu passava por lá e não consegui ir no templo (vai ficar para uma outra oportunidade, que não faltarão).


Uma das entradas de acesso do shotengai de Osu, o Banshouji Doori. Quando vim pela primeira vez, em janeiro de 2013, foi nessa entrada que vim parar.


Um dos corredores do shotengai, na entrada de Banshouji Doori. Esse shotengai - chamado OSU301 - existe uma infinidade de lojas e lugares para comer. Variedade é o que não falta e até tinha uma quantidade considerável de gente pelo dia e horário que eu fui. Tá, era quase hora do almoço, mas era uma quinta-feira sem ser feriado.


No meio do Fureai Plaza, tem a enorme estátua do Maneki-Neko, que serve como ponto de encontro, lugar para fotos e descanso. E' tido como uma das marcas registradas do shotengai.


O teto, entre Fureai Plaza e Banshouji Doori. Fotografei porque gostei do detalhe do teto.


Cafeteria tradicional japonesa com decoração de Halloween. O tradicional com o moderno sem problemas (os atendentes estavam com trajes tradicionais com chapéus de bruxa, pena que nem deu para eu tirar outra foto).

Loja de produtos andinos. Sim, em OSU301 existem várias lojas de produtos estrangeiros de várias localidades. Para quem só encontra produtos chineses e coreanos, ao menos algo da América do Sul, com direito a uma alpaca de pelúcia.


E claro, não poderia faltar algo da minha terra natal. Segundo o Igor, o pessoal brasileiro que veio representar no WCS (World Cosplay Summit), foi saciar a fome nesse restaurante - o Ossu Brasil, cuja coxinha é uma delícia (a #gordasafada comeu três como almoço). Detalhe para o frango assado na forma que a gente conhece. No dia que eu fui, a maioria dos clientes era estrangeira (filipinos, coreanos e chineses)!!! O atendente até ficou espantado quando eu disse que eu era brasileira (com essa minha cara, todo mundo já achou que eu era japonesa, coreana, chinesa, taiuanesa, menos brasileira, mereço...).

Portanto, quem quiser saborear comida brasileira, recomendo ir nesse restaurante. A coxinha vale muito a pena (eu deveria ter comprado mais pra viagem, já que depois da ida no OSU301, voltei pra Kisarazu).

Na verdade, eu iria voltar pra Kisarazu a noite, então aproveitei o fim de tarde para umas voltas em Nagoya. Só que a lesada aqui esqueceu que, estava hospedada em Sakae e lá fica a torre da TV Nagoya, um dos pontos de visitação. Pior que fui de novo no mês seguinte e esqueci de novo!!!


Na saída do Sakura Doori, onde ficam prédios como o Central Towers, podemos encontrar também o prédio da escola de artes e moda MODE HAL, cuja estrutura lembra um pouco o de Shinjuku (o famoso Coccon).


A famosa Nana-chan, símbolo da loja de departamentos Meitetsu (demorei pra encontrar, porque não sabia onde era). A estátua, que tem 6,10 metros de altura e pesa 600 quilos, a cada uma ou duas semanas muda de roupa e estilo, conforme a campanha. No site oficial da Meitetsu, tem uma home page dedicada a Nana-chan e seu figurino desde 2004. No dia que fui, era a campanha da UR imobiliária.

Na verdade, era a terceira vez que eu ia pra Nagoya, mas as duas primeiras vezes foi só ida no Nagoya Dome e ter ido embora no mesmo dia. Como desta vez eu não teria condições de ir e voltar no mesmo dia, reservei hotel e fiz tudo com antecedência. Da próxima vez, levar dinheiro extra, porque ir com dinheiro contado, não dá.

Fotos: da autora.

Monday, January 04, 2016

Os Melhores de 2015 - Parte 1 - Cosméticos

No Instagram (quem me acompanha, sabe), fui tageada pelas meninas do Clube da Necessaire, em que pediam para indicar pelo menos 3 itens do melhor que a gente teve em 2015 - versão Japão - seja com beleza, viagens, comida, eventos... No meu caso (e acho que de muitas pessoas), fica difícil selecionar somente 3 itens, mas também se eu fosse citar, essa postagem iria levar o ano todo.

Exageros à parte, resolvi fazer um pouco diferente: fazer em forma de postagem no Empório, mas dividido em partes (não sei em quantas, porque se eu falo que farei em 3, vai que eu faço mais e aí?).

Na postagem de hoje, falarei dos 3 itens que foram muito bons em matéria de beleza. Posso ter tido mais, mas no quesito de cosméticos, sou um zero à esquerda, eu tenho que consultar opiniões de algumas pessoas para eu fazer um teste. Se bem que eu acompanho muito as meninas do Clube da Necessaire, que testam e depois fazem o review. E foi através delas que teve muito produto que testei, comprei e continuo comprando até hoje!

Eu quase nem uso maquiagem, só quando saio para passear. Embora onde eu trabalho o uso da maquiagem é liberada, no máximo um rímel transparente e lápis de contorno nos olhos. E olhe lá, quando eu lembro de fazer isso. Mas se tem uma coisa que não deixo de fazer, é hidratar meu rosto todo dia e noite. Claro que alimentação ajuda (embora eu coma muito chocolate e doces muito fora de hora, mas o fato de eu beber refrigerantes pelo menos duas vezes no mês, será que ajuda?), mas deixar a pele hidratada, me faz sentir melhor.

Confesso que eu já usei tudo o que era tipo de produto desde meus vinte e tantos anos - limpeza, hidratação... - e foram raros os produtos que eu escolhi pra serem itens indispensáveis na prateleira do lavabo (pra desespero do namorido que toda vez que olha e se depara com frascos de demaquilante, sabonete pro rosto, hidratante, creme para corpo, pasta dental...).

Desde o ano passado, quando li alguns reviews da Amanda e da Sílvia sobre os produtos da marca norte americana Kiehl's, resolvi experimentar.

Ainda bem que a loja física mais próxima de casa fica em Kaihin-Makuhari (uns 40 minutos de trem de onde moro). Comprei a loção tônica e ganhei amostras dos produtos. Aliás, um dos pontos positivos da marca são as amostras - e a quantidade delas dá pra vários dias se souber dosar a quantidade (teve amostra que durou mais de duas semanas e olha que eu usava todo santo dia!). A vantagem das amostras é que, mesmo se não der certo para seu tipo de pele, ao menos foi amostra. Outro ponto positivo é que as atendentes procuram fazer testes para você saber que tipo de pele você possui, para indicar o melhor produto para você.

Eu já falei dos produtos uma vez aqui, mas agora vou comentar o que achei dos três produtos que uso e já estou indo pra terceiro frasco!!!



1 - Calendula Deep Cleansing Foaming Face Wash: Tenho pele do rosto mista conforme a estação: no inverno ela é normal, mas no verão, fica oleosa. Já usei tudo o que era tipo de sabonete facial (desde os comuns de farmácia, que resolviam mais ou menos até os "de marca", que chegavam a deixar minha pele muito ressecada no inverno). Os que resolviam mais ou menos eram o Perfect Whip Foam (Shiseido) e o Face Wash da marca Mellsavon, mas quando eu usava maquiagem, especialmente nos olhos, nem o demaquilante da Mary Quant resolvia 100%, e pior que às vezes deixava a pele irritada. Daí que eu li a resenha da Amanda sobre esse produto da Kiehl's, lançado em outubro de 2014.

Infelizmente, para quem tem pele seca, o produto acaba por deixar mais ainda. Tenho pele normal no inverno, e já achei que, após usar, ela fica seca (mas sem deixar a sensação de pele repuxada), imagino quem tem pele seca.

Os pontos positivos de quem usou o produto: pode ser usado durante o banho!!! Porque a maioria dos demaquilantes tem que ser usado no seco mesmo, sem molhar antes, nada. Mas o Calendula não. Inclusive, tem que usar um pouquinho (mas bem pouco mesmo) de água e usar em forma de gel para demaquilar. Mesmo quem use somente creme hidratante, BB Cream e/ou protetor solar, demaquilar é importante, senão podem obstruir os poros e ter resultados nada agradáveis.

Massageando o rosto com o gel, depois só jogar um pouco de água morna no rosto e massagear novamente, pois vai formar uma espuma fina para retirar as impurezas.

Experimentei usando rímel a prova d'água e foi uma maravilha! Além do mais, não deixou a área dos olhos (que é bem delicada) irritada.

Sem contar que o produto rende - o frasco de 230 ml durou mais de dois meses e uso duas vezes no dia (de manhã e a noite). Já estou indo pro terceiro frasco. Praticidade é tudo, minha gente, porque tem produto demaquilante só pra pele, só pros lábios, só pros olhos... Alguns podem ser usados durante o banho, mas podem deixar sua pele ressecada demais ou oleosa demais... Pelo menos o Calendula serve para o rosto todo, sem exceção, pode usar durante o banho e controla o pH da pele facial (exceto para quem tem pele seca, uma pena nesse caso).

2 - Ultra Facial Toner: Depois que você lava o rosto, o próximo passo seria tonificar para deixar a pele preparada para hidratação. O tônico que uso, balanceia o pH do rosto, remove impurezas e o melhor: não possui álcool na composição (pra não alterar o pH e não causar irritações na pele). Pode ser usado para quem possui pele seca, oleosa ou normal.

Além disso, o produto contém óleo de semente de nêspera (rica em vitamina E, e ótimo para hidratar e amaciar a pele) e óleo de abacate (rico em vitaminas A, D e H e potássio, fonte natural de aminoácido e ajuda a recuperar a hidratação natural da pele).

Para mim, o produto deixa a pele com sensação mais fresca, sem deixar excessivamente seca nem oleosa. Basta aplicar o produto com algodão, mas evite passar na área dos olhos.

Estou no segundo frasco de 250 ml - uso duas vezes no dia. Rende porque a quantidade que aplico no algodão, é equivalente ao diâmetro de uma moeda de 500 ienes, mas é suficiente para usar no rosto inteiro. Inclui o pescoço, né.

3 - Micro-Blur Skin Perfector: Depois que tonifico, uso produtos para a área dos olhos, hidrato com creme (uso o Ultra Facial Cream), durante o dia uso esse creme que eu não saberia dizer direito se ele serve como primer ou como um creme hidratante, mas para mim deixa a pele mais lisa o dia todo.

Nos detalhes do produto, promete diminuir a incidência de poros, imperfeições e deixar a textura da pele mais uniformemente definida. Livre de parabeno e testado dermatologicamente. Para melhor efeito, pode ser usado em cima do BB Cream ou protetor solar, que não deixa a pele oleosa.

Fato: esse creme para mim funciona para deixar minha pele mais uniforme (tenho algumas marcas de cravos e algumas sardas) e mais lisa. E não deixa oleosa, apesar da consistência parecer meio gordurosa, mas é só impressão. Pode ser usada para todos os tipos de pele.

Costumo usar durante o dia, mas li no site oficial do produto que o Micro-Blur pode ser usado à noite, na última etapa do tratamento.

(A que aproveita até o fim: meu primeiro tubo do Micro-Blur Skin Perfector durou mais de três meses, pois como eu uso durante o dia, e a quantidade que uso - do tamanho de uma pérola - espalha e absorve facinho na pele. Tive que cortar a embalagem para usar até o final, usando espátula, de tanto que o produto funciona pra mim.)

Na verdade, desde que comecei a usar os produtos da Kiehl's, passei a usar produtos da marca - primeiro uso as amostras para ver se dá certo ou não (infelizmente, teve dois produtos que para mim não deram certo, mas pode ter dado certo para outras), depois eu parto pra comprar o produto em si.

Resolvi postar sobre esses produtos porque são o que uso diariamente. Eu não mencionei esmaltes, batons e maquiagens, porque como eu disse, sou uma negação para essas coisas. Mesmo porque, quase nem uso esmalte (somente o fortificante e base, pois onde trabalho, se eu usar esmalte, pode ter certeza que dentro de dois dias eu tenho que tirar porque descascam e ir com esmalte descascado é o cúmulo do desleixo), batom e maquiagem, então...

Durante a semana, vai ter mais da série! Espero dar certo!!!

Foto: da autora. Os três produtos preferidos e que deram certo. Ok, tenho dois cremes hidratantes e dois serums que também eu gostei, mas como ambos estão em fase de teste pra ver o benefício, por enquanto é o que temos. 

Koro-sensei e tenugui não inclusos na reportagem, só pra foto mesmo.



Saturday, January 02, 2016

Feliz Ano Novo!!!


Eu sei que já estamos no segundo dia do ano, mas está valendo. Aliás, todo ano que se inicia, a gente vem com a lista de coisas pendentes para tentarmos cumprir durante o ano corrente. E sempre ainda resta alguma coisa que deixamos pra depois...

Espero que este ano seja um ano sem muitos problemas, incidentes, que tenhamos menos discóridas, discussões infernais (nem são mais calorosas, já vira fogo mesmo), que tenhamos mais tolerância, mais empatia e muito mais amor (mantra que estou tentando fazer há algum tempo atrás), porque ultimamente, vou falar...

E que este ano inicie com pensamentos positivos, com alegria e todas as coisas boas que desejamos sempre. Mas não basta desejar, temos que nos mover para conseguirmos fazer o que almejamos. O importante é ter saúde, que assim possamos realizar boa parte de nossos sonhos.

Que façamos de 2016 melhores pessoas.

Foto: da autora, na estação de Kisarazu, Chiba. O arranjo foi realizado pelo grupo de voluntários do clube "Ikebana no Kai", que a cada uma ou duas semanas, fazem arranjos florais e expõe na saída Oeste da estação. Desta vez, eles expuseram ao lado da bilheteria da estação, para celebrar o ano novo que chegou.