Thursday, July 20, 2017

Cine Pipoca de Maio



Reconheço que ultimamente estou indo muito ao cinema, e até a primeira metade deste ano já fui cinco vezes. Comparando com os anos anteriores, que teve época que nem passava perto... O que me fazem ir ao cinema são os fatores enredo que me prende e elenco que vale a pena. Se fosse assim, estaria indo todo dia, porque, querendo ou não tem muito filme interessante, mesmo os japoneses (que muita gente por aí diz que não assiste porque não faz sentido, mas gosto nunca se discutiu, então cada um se diverte como quiser).

Mas também já assisti cada filme que nem deu vontade de rever quando saiu em DVD. Dependendo do filme, confesso, chego a comprar o DVD para rever quando der na telha (ultimamente está sendo quando der mesmo), e olha que este ano tem filme que vai valer a pena o ingresso e a pipoca.




Peach Girl (2017): Direção de Koji Shintoku. Baseado no mangá de Miwa Ueda (Kadokawa). Com Mizuki Yamamoto, Kei Inoo, Mackenyu, Mei Nagano, Yuika Motokariya, Kensei Minami, Takeshi Masu.

Resumo: Momo Adachi (Mizuki Yamamoto) é uma estudante do colegial que devido a sua pele extremamente bronzeada e cabelo descolorido (por fazer parte do clube de natação desde o ginasial, queima-se muito fácil e o cloro danificou seus cabelos), é erroneamente chamada de "garota fácil que dá em cima de todos os caras do colégio", mas na verdade é muito tímida mas esquentada. E' apaixonada pelo colega de classe Kazuya "Toji" Tojigamori (Mackenyu), mas não tem coragem de declarar seus sentimentos por ele. Mas devido a um rumor (que tinha um pouco de verdade) de que tinha beijado o rapaz mais popular da escola, Kairi Okayasu (Kei Inoo), Momo tem que enfrentar as colegas ciumentas, além de descobrir que sua melhor amiga Sae Kashiwagi (Mei Nagano) também estava apaixonada por Toji. Por fim, Momo descobre que Kairi realmente gostava dela e queria fazê-la feliz.

Observações: Pra quem procura um filme leve pra distrair, pode assistir sem problemas (desconsidere o fato da idade dos dois atores principais que até faculdade já tinham concluído faz tempo e que a Momo deveria ser um pouco mais sexy), porque talvez esse seja o propósito do filme: um enredo até batido demais (triângulo amoroso entre colegiais), mas traz humor (a cena do love hotel onde Kairi aparece disfarçado de Sae é impagável) e cenas fofas (Kairi e Momo em Enoshima). E a música ajuda - a conhecidíssima de Carly Rae Jaspen "Call Me Maybe", música da YUKI - "Dramatic" (foi tema de abertura do anime "Hachimitsu and Clover") e a música do trio Ikimonogakari, "Kimi ga iru" (essa música já foi utilizada no dorama "Hotaru no Hikari 2").

-*-*-*-*-*-*-


Guardiões da Galáxia 2 (2017). Direção James Gunn. Baseado nos quadrinhos "Guardians of the Galaxy" (Marvel Comics). Com Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista, Vin Diesel, Bradley Cooper, Michael Rooker, Karen Gilliam, Pom Klementieff, Elizabeth Debicki, Chris Sullivan, Sean Gunn, Sylvester Stallone, Kurt Russell.

Resumo: Peter Quill (Pratt), Gamora (Saldana), Drax (Bautista), Groot (voz de Vin Diesel) e Rocket (Cooper) tinham sido recrutados para serem os Guardiões da Galáxia. Após terem sua nave destruída por drones enviados por Ayesha, a líder da raça Sovereign (Debicki), Quill, Gamora e Drax acompanham a pessoa que os salvou dos drones, Ego (Russell), que diz ser pai de Peter. Enquanto isso, Rocket e Groot tentam consertar a nave e vigiar a meia-irmã de Gamora, Nebula (Gilliam). Peter acaba descobrindo a real intenção de seu pai e tenta eliminá-lo, nem que custe a vida da pessoa que realmente o criou, Yondu (Rooker).

Observações: O ideal seria assistir o primeiro filme para poder entender como o grupo foi recrutado, mas dá pra assistir o segundo sem problemas. O ponto forte do enredo é o humor - começa que o grupo é formado por um meio humano meio celestial, uma alienígena verde, um grandalhão impulsivo, um guaximim humano e um toco de árvore que só fala uma frase (não tem nem como levar a sério); como logo no começo, enquanto tentam destruir um alienígena, Groot fica tentando acompanhar a música; a discussão de quem vai disparar os mísseis enquanto tentam escapar dos drones; até Pac-Man entra nessa história.. Destoa (muito) dos filmes tradicionais da Marvel. Além da trilha sonora recheada com hits dos anos 70, aconselhamos a ficar até terminar os créditos, porque dá pistas de que vem um terceiro filme por aí.

-*-*-*-*-*-*-


Kodomo Tsukai (2017). Direção: Takashi Shimizu. Roteiro de Takashi Shimizu e Burajiri An Yamada. Com Hideaki Takizawa, Daiki Arioka, Mugi Kadowaki, Naomi Nishida, Hiroyuki Onoue, Ken Yoshizawa, Haruto Nakano.

Resumo: Um jornalista local, Shunya Ezaki (Arioka) tenta investigar o caso de pessoas que morreram de forma misteriosa. Ao conversar com Yuri Nakagawa (Momoko Tanabe), fica conhecendo a lenda urbana de "Tommy", ou "Kodomo Tsukai" (Takizawa), que seria uma entidade que cuida de crianças que sofrem maus-tratos dos adultos. Quando a criança retorna, três dias depois o adulto é encontrado morto. Dizem que, se o adulto que cometeu maus-tratos ouve a criança cantarolar uma música, o "Kodomo otsukai", acaba morrendo em três dias. Nesse mesmo tempo, a namorada de Ezaki, Naomi Harada (Kadowaki) prometeu cuidar de um de seus alunos, Ren (Nakano), quando misteriosamente a mãe não comparece à escola para buscá-lo. Quando descobre que a mãe faleceu, Naomi se vê obrigada a entregar Ren para o Conselho Tutelar, quebrando a promessa feita. Shunya e Naomi acabam por descobrir a verdade sobre a lenda urbana de "Tommy" e precisam correr contra o tempo, pois Naomi tem apenas três dias de vida, quando Ren aparece cantarolando a música.

Observações: Avisando pra quem é fã de Takizawa e Arioka mas não suporta filme de horror: o filme dá aquele nó na garganta e aqueles momentos que você fica tenso. O diretor Takashi Shimizu é mundialmente conhecido por seus filmes do gênero, tanto que um dos mais famosos foi a série"Ju-on", que teve remake norte-americano (no Brasil, ficou conhecido como "O Grito"). Embora as filmagens tenham sido realizadas no ano passado, a idéia tinha sido concebida em 2015 (um dos motivos das filmagens somente terem sido concretizadas no ano seguinte, era a agenda de Takizawa, pois estava com dorama e teatro em andamento). A história lembra em partes, o conto do "O Flautista de Hamelin". E, bem, Tackey está irreconhecível devido ao personagem, e até que enfim deram um papel de adulto para Arioka, porque até então vivem dando papel pra ele interpretar personagens de estudante de ginasial, sendo que ele tá com 26 anos, mas nem a altura ajuda *apanha*

Fotos: tumblr (a que abre o post) e Google 

No comments:

Post a Comment