Menu of the Emporio

Friday, April 19, 2019

Curiosidades (Outras nem tanto) da rapaziada da J&A

(Na minha conta do Twitter eu tinha posto JE, mas como JE significa Johnny's Entertrainment, uma subsidiária da empresa JA aka Johnny's and Associates, que já seria todo mundo nesse bolo todo, então a partir de agora vai ser JA mesmo.)


O esperado countdown no Tokyo Dome, onde quase toda a galera da JA se reune. Nessa foto, foi o de 2018-19, que foi o final da dupla Tackey and Tsubasa.

Wednesday, April 17, 2019

Todo dia é dia de café



Acho que eu já comentei muitas vezes, mas não tomo jeito - sou uma verdadeira coffee addict (viciada em café). Daquelas que passa quase todo o dia bebendo café em intervalos mais ou menos regulares, e nem está nem aí se vai ter uma úlcera ou com o tempo o efeito "despertador" nem faz mais.

Wednesday, April 10, 2019

Quando Melhorar é Possível (e não deixar cair pelo negativismo de terceiros)



Recentemente, lendo as postagens e stories no Instagram das meninas do site Ajuste a Rota (recomendo seguir no Instagram), mesmo elas morando em Nova Zelândia, não deixam nunca de dar dicas sobre o Japão e o ponto de vista sobre a vida aqui. E acredite, me identifico como elas. Embora eu esteja trabalhando quase doze horas por dia classificando placas eletrônicas, uma das coisas que eu nunca abri mão seria levar uma vida normal. O que eu diria como "vida normal"?

Enquanto muita gente que vive aqui, fica no esquema casa-trabalho-casa, muitas vezes eu fujo desse esquema, como ir em livrarias, passar algumas horas na biblioteca, finais de semana indo para lugares diferentes. Como eu costumo mencionar no Twitter, o dia que não saio de casa (por dois motivos - quando chove demais ou quando estou doente), eu aproveito para estudar, ler, assistir meus doramas atrasados e programas de TV variados.

E vocês acham que nunca ouvi gente dando pitaco pelo meu estilo de vida? Olha, gente assim o inferno tá cheio. Poucas pessoas chegaram para mim e deram apoio. E agradeço elas por isso. Talvez se não fosse o fato de eu ter ido parar numa cidade minúscula onde o trem só passava a cada meia hora, eu nunca chegaria ao que cheguei, embora meus conhecimentos da língua japonesa ainda estejam aos trancos e barrancos, mas consigo me virar melhor do que vinte anos atrás.

Uma pequena amostra do que já ouvi (e ainda ouço mesmo sendo indiretas diretas):

1. Estudar pra quê se vai morrer numa fábrica? E' o que mais ouço quando fico no intervalo de trabalho com um livro de estudos em gramática e vocabulário ou algum manga diferente do que muitos estariam acostumados. Procuro, nessas horas, fingir demência e continuar a ler. E o mais irônico é que teve gente assim que veio me procurar para ajudar a traduzir muita coisa, desde consulta de médico até nome de estação de trem.

2. Você gasta seu dinheiro com essas coisas? "Essas coisas" leiam-se, revistas, livros, mangas, DVDs, CDs, cinema, eventos e shows. Como diria minha mãe, "você trabalha pra isso, ué". Para essas pessoas, diversão é sinônimo de perder tempo e dinheiro. Não para mim. Foi através de gostar de idols, conheci gente muito mais interessante por aí. Aprendi a ler muito mais, descobri mangas diferentes do que os tradicionais (é que muita gente só conhece One Piece e Dragon Ball, nada contra esses mangás, mas existem outros que possam ser muito mais interessantes), passei a gostar mais de j-pop e ir em muitos eventos de manga alternativo e independente. E aproveitando para conhecer mais os lugares.

3. Nunca vai dar certo. Não a curto prazo. Existem muitas coisas que temos que ter um período para que concretize. Mesmo que tenha alguns percalços no caminho, a solução é nunca desistir. Posso não ter conseguido ainda o N2 da proeficência em língua japonesa, nem 990 pontos no TOEIC, mas não perco o foco e ignoro os comentários maldosos.

4. Não acha que passou da idade para isso? Se não é o primeiro, é o mais que ouço depois do item 1. Ninguém passou da idade para estudar, para ir num show, para mudar de vida, para começar um hobby que te faz bem. O que eu já conheci de gente mais velha do que eu se divertindo igual a um adolescente, isso não está escrito.

Existem muitos mais, e se eu enumerar todos, vai até o ano que vem. Mas existem pessoas que gostam de reclamar mas não sabem resolver, nem melhorar, porque é fácil chorar as pitangas pros outros, mas não levanta o traseiro da cadeira para tomar alguma providência. E' fácil falar mal de qualquer coisa, mas não enxerga as coisas boas. De qualquer coisa.

Infelizmente o mundo está lotado de gente assim. Por isso que temos que ter o maior cuidado para não sucumbir e acabar em depressão. Aí que essas pessoas vão te apontar com o dedo ao invés de estender a mão e perguntar se precisa de ajuda.

Foto: da autora. Starbucks Coffee Nagoya (Sakae Station).



Tuesday, April 02, 2019

Primavera

Dia 21 de março, quem mora no hemisfério norte, a primavera chegou. Antes que me chamem de sem graça e desalmada, eu tenho um motivo maior porque a primavera não é minha estação do ano favorita - sofro de febre de feno, aka polinose, aka kafunshoo. E quem sofre disso, sabe do que estou falando.

Meu sofrimento já começa depois da segunda quinzena de fevereiro, quando a temperatura começa a subir e os cedros entram na fase de polinização. No momento que eu começo a espirrar e já usar uma caixa de lenços de papel, podem ter certeza que já estou com os sintomas do kafunshoo. Se fosse somente o nariz escorrendo e espirrando, vai lá... A coisa se agrava quando meus olhos começam a coçar, parecendo que entrou um caminhão de areia neles, e nem o melhor colírio resolve.

Eu sei que eu deveria ter ao menos me prevenido, para que meu organismo não sofresse tanto, mas nunca aprendo. E olha que quando entra o inverno, quase sempre estou de máscara cirúrgica (para não contrair gripe e muito menos influenza).

As meninas do Ajuste a Rota indicaram ano passado iogurtes e produtos cosméticos que prometem aliviar os sintomas do kafunshoo. Recentemente, incluiram chá verde e peixes na dieta alimentar, se bem que chá verde é bom para qualquer coisa. Mas os iogurtes indicados para amenizar os sintomas, seriam os probióticos. Nos mercados e lojas de conveniência daqui têm uma variedade enorme de iogurtes probióticos (no link que postei, elas indicam os quatro mais indicados).

Sobre os remédios que surgem antes da época do kafunshoo, eu seria a pior pessoa para indicar, pois tenho problemas com eles - a maioria deles me dá um sono (aliás, até remédio para dor de cabeça já é o suficiente para eu dormir e acordar dois dias depois). O mais certo seria consultar o médico para saber qual se adequaria ao seu organismo, porque esses remédios possuem contra indicações.

Existem também sprays que possuem uma camada protetora para evitar a proliferação de pólen. O da Shiseido, a linha IHADA, tem uma linha voltada para kafunshoo e o vírus PM2.5. Um dos produtos que eu costumo usar (e ameniza um pouco minhas crises de espirro) é o Ohana no Baria, um gel que impede a entrada de pólen pelo nariz.

Mesmo assim, entra ano e sai ano, eu continuo com esse problema e nunca aprendo: antes de chegar a época, tenho que me prevenir, nem que seja a alimentação, pelo menos. Porque depois que pega, nem adianta tentar consertar. Mas, ainda bem que final de abril as crises de espirro passam.

Vamos pelo lado bom da primavera - depois de um longo inverno, finalmente o sol resolve aquecer um pouco e as flores surgindo para tornar a vida mais colorida. Também é época de renovação, que muitos se graduam, mudam de trabalho, começam nova vida, em todos os sentidos. Pode ser muito batido que todo ano, nessa época apareçam milhares de fotos e artigos sobre as flores de cerejeira (aka sakura), e muitos avisos de bons modos com as árvores, porque sempre existem pessoas de má índole ou falta de bom senso mesmo que resolvem quebrar os galhos com as flores junto para levar de lembrança, esquecendo que podem contaminar (e serem contaminados também).

Isso porque muita gente (eu, inclusive) confunde até hoje que, em fevereiro, o que floresce primeiro, são as flores da ameixeira (ume), e, tirando a diferença da época em que floresce, as pétalas das flores da ameixeira possuem formato diferente.

Flor de ameixeira que surgiu no bairro onde moro, no início de fevereiro.
Mas fazer hanami (apreciação das flores com direito a fazer um piquenique), é a prática mais comum e muita gente chega a madrugar no parque para garantir um bom lugar. Quanto mais florido, melhor. Por isso que até existem aplicativos e sites que informam onde e quando as cerejeiras vão estar completamente floridas.

Flor de cerejeira, próximo ao Mozo Wonder City, Nagoya. Reparem no formato das pétalas.

Pelo menos onde eu moro, a rua do Kounomiya Jinja já está com as cerejeiras florindo e até metade do mês de abril, terá iluminação noturna. E o matsuri, porque  não basta somente passear e apreciar as flores, mas os petiscos são muito bem-vindos.

Hana yori dango. O mais apreciado em qualquer matsuri que existe.
Taiyaki. Se for feito na hora, melhor ainda! (Só tomar cuidado com o Nyanko-sensei rs)
Pensando muito melhor, a primavera não se torna um empecilho quando existem coisas melhores para apreciar e acabamos esquecendo que está com kafunshoo.

Fotos: todas da autora. 
Pela ordem, começando do alto - Cerejeira próxima a estação Kamiootai, Nagoya. Flor de ameixeira, perto de casa, Inazawa. Flor de cerejeira, Mozo Wonder City, Nagoya. Hana yori dango, durante matsuri em Okazaki, 2018. Taiyaki, durante o Hadaka Matsuri em Inazawa, 2019.