Wednesday, April 29, 2009

[Discoteca Básica do Empório]: Hikaru Utada the Singles Collection Vol. 1


MaiK (do finado uwasa.br) e outras e outros que gostam de j-pop me perdoem, mas por mais que Hikaru Utada seja carinhosamente apelidada de "butada" (buta= porquinho), uma paródia com seu sobrenome, ela continua aparecendo nas paradas de sucesso. Não como no início de carreira, mas continua.

No início de 1999, enquanto Namie Amuro estava afastada por motivos pessoais, Ayumi Hamasaki ainda estava engatando nas paradas de sucesso, eis que nas rádios e PV (promotion video, os nossos "videoclipes") surge uma cantora, com a música "Automatic", entre o dance e o rhythm-n-blues. E aos dezesseis anos de idade.

Sábio que aqui artistas vem e vão, foi natural que logo de cara muita gente dizer que ela não iria durar nem no primeiro single. Assim como muitos artistas que se limitam a um single ou acabam ficando num clube restrito, se é que me entenderam.

Mas não foi o que aconteceu com Hikaru Utada.

No mesmo ano de 1999, três músicas dela foram direto ao top one da Oricon (tipo a Billboard): "Automatic", "Movin' On Without You" e "First Love" (esta, alavancada ã novela "Majo no Joken", a autora aqui já assistiu e chorou pacas! Estava mais que certo que logo a seguir um CD iria aparecer (foi o que aconteceu e ficou em primeiro lugar). Houve quem especulasse que Utada estaria "substituindo" a Namie Amuro, exageros a parte...

O que surpreendeu os críticos na época foi o fato de que ela tinha dezesseis anos, falava mais o inglês que o japonês (tanto que Utada confessou em uma revista que ela não sabe o keigo, o linguajar mais polido, pelo fato de ter nascido e estudado nos Estados Unidos). Por ser filha de Terazume Utada (produtor musical) e Keiko Fujii (ex-cantora de enka), isso era um mero detalhe que poucos comentavam.

A citada "Movin' On Without You", "Automatic" e "Time Will Tell" são de um pop e dance que agrada. "First Love" e "Final Distance" foram baladas que até hoje são tocadas nas rádios (só pra lembrar, "Final Distance" foi dedicada a uma das alunas que foi assassinada em Osaka, no massacre ocorrido em 2001). Sem falar nas batidas eletrônicas misturadas com o rhythm'n'blues que marcam Utada, como "Time Limit", "travelling", "for you". E, de praxe, as soundtrack doramas como "Can't You Keep a Secret" (da novela "Hero") e "Sakura Drops" (tema do game "Kingdom Hearts").

Apesar que durante o período de 2000 a 2007 Hikki (seu apelido) ter passado por problemas de saúde (teve problemas de cisto no ovário), problemas pessoais (o casamento e separação com o diretor de alguns de seus PV Kazuaki Kariya), e fraca recepção nos Estados Unidos e Europa com os álbuns gravados em inglês (na verdade sua língua-mãe), ela ainda continua sendo referência para vários artistas, mesmo não sendo tão popular como no início de carreira.

Só pra constar: Hikki só "brigava" com Ayumi Hamasaki nas paradas de sucesso, pois pessoalmente as duas dificilmente se encontravam (mas a briga - literalmente falando - da Ayu era com a Namie Amuro, tanto que as duas travaram uma "troca de gentilezas", como "macaca de auditório", "Barbie fabricada" e por aí vai...). A mesma coisa entre os Beatles e Rolling Stones nos anos 60, já comentado.

Voltando ao álbum que está no título do post. Em 2003, a EMI-Toshiba (gravadora a qual Hikki pertence) acabou por lançar o "best of" dela, o qual ficou no top one da Oricon. Coincidentemente, no mesmo ano, Ayumi Hamasaki lançou o "Best Of..." dela também (o qual futuramente vai ter a resenha merecidamente feita neste mesmo sítio), o qual acabava-se fazendo um "revezamento" de top one naquele ano. Como eu disse, jogada de marquetingue funciona em qualquer lugar do mundo.

Mesmo ainda Hikki ainda insistir em conquistar o mercado americano e europeu, pode ser que dentro de alguns anos venha o "Singles Collection volume 2". Quem sabe...


Ver outras resenhas na procura "Discoteca Básica"...

3 comments:

  1. Ola! E ae, aproveitando o finalzinho de feriado?
    Meniiiiiiina, tenho uma revelacao a fazer (mas n espalha tah): eu tenho um album antiiiiigo da Butada (digo, Utada)! Abafa o caso, mas eh dos antigos, na epoca que ela fazia umas coisinhas dancantes antes de conhecer o ex-marido. Depois que ela conheceu o falecido soh fazia umas musicas-cabeca estranhas pra chuchu. Alias, ela tah meio sumida ne?
    Outro dia vi na net uma foto dela em um programa no final do ano passado onde estava suuuuuper estranha. Dizem que ela havia acabado de passar por mais uma cirurgia plastica - que alias, deixou ela bem estranha...

    ReplyDelete
  2. Oie, MaiK. Eu trabalhei no feriado, mas como saco vazio não pára em pé, a fila andaaaaaaaa...rs
    Acho que a fase dançante da Utada eram os dois primeiros álbuns. Depois, como você mesma disse, ficou mais "cabeça" mesmo...
    Ela está nos dez primeiros nos rankings das paradas com o novo album, mas tudo em inglês...
    Plástica????? Epa, esse babado não sabia...

    ReplyDelete
  3. Ah eh, hj no Mambo percebi pelos comentarios q vc trabalhou ontem...
    Mas hein, que coisa! A dona Utada nao DESISTE nunca de emplacar cd em ingreis! Aqle album "exodus" eh taaaaaaaao chato que funfa melhor que serenus (remedio pra dormir), rsrsrs.
    Eu nao consegui achar a foto que vi no comeco do ano onde a Utada tava bem estranha, parecia meio inchada. Eu fico pulando tto de forum em forum q depois nao sei onde li as coisas... mas soh de ver essa foto aki dah pra ter uma ideia:
    http://i159.photobucket.com/albums/t152/cellwasabi/20070226117243653121939500.jpg

    ReplyDelete