Thursday, September 03, 2009

Procura-se Urgente: Como Ser Feliz no Trabalho

Quase todo mês costumo comprar a revista Nikkei Woman, da Nikkei BP, a mesma do jornal Nihon Keizai Shimbun, especializada em economia. Geralmente compro essa revista por vários
motivos: ideal para mulheres que trabalham em escritório, economia, way of life, dicas de vestuário, comida, beleza, dicas de como aproveitar a vida, mesmo trabalhando 9 to 5 (bem, este não seria meu caso. Por enquanto). E as seções de cinema, livros, música.

A que comprei recentemente, cuja capa publiquei no post aqui, com a atriz e cantora Koh Shibasaki, além de uma pesquisa entre 1500 mulheres (sempre perco essas enquetes!) sobre o quê elas carregam nas bolsas - sabem aquela história que todo homem quer saber o que tanto a mulherada carrega dentro... Sobre como conseguir uma boa pontuação no TOEIC (Teste de Lingua Inglesa para Comunicação Internacional, em inglês)... e o mote principal: "Inicie uma nova vida aproveitando as manhãs". Como?

Explicando: para ter melhor aproveitamento da vida, acreditam-se que, tendo atividades off-work pela manhã, literalmente falando: entre cinco ou seis da matina, o trabalho em si renderá. E aí à noite poderá aproveitar mais para atividades leves e até dormir melhor. Exemplos: ioga, ouvir música, cozinhar, lavar a roupa, limpar a casa... Tudo bem, eu sei que vocês, leitores, vão me vir com essa: mas isso eu faço quando eu consigo acordar cedo, mas se feito diariamente, bem, acostuma.

Em Tóquio, existem lugares que as pessoas se reunem desde sete da manhã em cafeterias para bater um papo e discutir sobre literatura, música e afinidades, antes de trabalhar, além de já tomar um lanchinho. Até pensei em me inscrever, mas para isso terei que acordar cinco da manhã quase sempre que eu quiser ir. Isso porque dependendo da comunidade, tem que pertencer a uma pelo site de relacionamentos mixi (o equivalente Orkut ou Facebook).

Tem uma universidade que, por três meses, das sete às nove da manhã, as pessoas frequentam para aulas de ioga, agricultura e outras atividades. Vagas limitadas. Pra quem mora mais ou menos perto, vale a pena (agora, eu, pra chegar em Tóquio, levo quase uma hora...).

Sem falar de cursos de inglês, meditação e até participar de limpeza coletiva no bairro.

Outra revista que compro de vez em quando também, é a an-an, que fala de tudo um pouco. Sei que existem assuntos que sei lá eu se seriam hoje adequados à minha faixa etária, mas como trabalho, cinema, música, atividades off-topics eu gosto e muito, eu compro quando tem algo de meu interesse. A revista é semanal, toda quarta nas bancas, semana passada comprei sobre fotografia (que tem o ator Eita na capa). Claro que, nas últimas páginas tem um resumo sobre a próxima edição.

Como ser feliz no trabalho.

Ontem, antes de pegar o trem pro meu trabalho, passei na conveniência e comprei um exemplar. Metade da revista fala sobre como ser feliz no ambiente de trabalho e dicas de como contornar certas situações. Não li a revista toda, mas pelo meu entender (precário) de leitura japonesa, deu para perceber que, não é tão fácil assim. Principalmente nos dias de hoje. Para isso, teria que dedicar mais ao potencial que si próprio possui e tentar administrar seu tempo para outras atividades, como outros cursos para aperfeiçoamento (no meu caso: inglês, japonês, voltar aos estudos de programação e computação gráfica...).

Agora, se a situação no trabalho parecer insuportável, o jeito é se preparar com três meses de antecedência, juntar uma boa grana pras despesas, ao mesmo tempo preparar o terreno para procurar algo melhor (ou pior, vai saber depois, pois como no Joseph Climber, a vida é uma caixinha de surpresas). Conversar com amigos que passaram por essa situação também é aconselhavel.

De quebra, uma (longa) entrevista com Tsuyoshi Kusanagi, que responde às perguntas das leitoras sobre trabalho, problemas, e como contorná-las. Na entrevista, ele admite que trabalho por mais que seja penoso e com a agenda lotada, tem que fazer o que realmente gosta. Ter uma visão otimista e olhar para si mesmo e dizer que "não sou uma pessoa ruim" e se perder a autoestima, ser conformista com isso ou aquilo, pode levar a ruina. Taí um exemplo dele próprio quando ficou 35 dias de férias forçadas...

Bem, depois do que passei na quarta no meu ambiente de trabalho, vou ter que repensar melhor no futuro...

Duas edições que serão leituras obrigatórias para a autora por um bom tempo...

5 comments:

  1. Desculpe minha ausência...minha vida anda uma correria só!!! Mas sempre que posso dou uma passadinha aqui tá?

    Boa quintaaaaa

    Miquilisssss
    Bru

    Vc entrou no sorteio do blog? Hj eh o último dia!

    ReplyDelete
  2. Uia, dia 13/07 saíu na capa revista Época "Dá para ser feliz no trabalho?"...
    Pra ser feliz no trabalho é simples, é só ele te pagar muito bem, e ter de trabalhar pouco... Pronto, fico feliz!! xD

    Abraços

    ReplyDelete
  3. Ah, essas dicas da revista não rolam cmg de jeito nenhum! Imagina, perder 2 preciosas horinhas de sono limpando a casa ou fazendo outras coisas qdo eu poderia estar nos braços do Morfeu - há, desenterrei essa expressão fundo do baú.

    Concordo com o comentário anterior do Eloy: pra ser feliz no trabalho basta trabalhar menos e ganhar mais! Em resumo: basta ser funcionário público XD

    ReplyDelete
  4. Nossa, quantas informações úteis nessa revista rs... Nunca comprei uma revista feminina pra mim qdo morava ai. Comprei somente uma revista de cortes de cabelo para dar de presente para o cabelereiro daqui do Brasil que sempre corta meu cabelo. A bicha amou! rs... mas fora isso, a ignorância não me permitia a leitura em nihongo rs...

    Kisu!

    ReplyDelete
  5. Bru e Qui, nem deu para entrar no sorteio, pra falar a verdade, nunca levo sorte nisso rs. De qualquer forma, agradeço a visita tambem....

    Eloy, sabe que nem vi o newsletter que recebo da Epoca? Se bem que a revista Nikkei Woman saiu no final de agosto e a an-an na ultima quarta, mas foi coincidencia.
    Eh verdade, se pagassem bem pra trabalhar pouco, ficaria feliz...

    MaiK, é verdade, varia de pessoa pra pessoa mesmo. Eu, dependendo do dia, eu madrugo. Mas chega no dia da minha folga, só se tiver algo muito importante e urgente que me faz sair mais cedo da cama...

    Bah, até 2000 eu vivia nos mangás. Sabe quando resolve criar vergonha na cara e compra uma revista pra tentar ler?
    O vicio continua ate hoje.
    Quanto a revista de cortes de cabelo, quando tirei minhas ferias, levei tambem uma dessas, acabou ficando com uma prima de uma prima minha que é cabelereira no Brasil.

    Beijos e abraços!!!

    ReplyDelete