Sunday, November 01, 2009

Quem disse que morte tem que ser triste?


Antes que muita gente já lotem minha caixa de comentários dizendo que eu pirei de vez, que sou insensível, que nem respeito pessoas falecidas, vou logo explicando: já que 90% de meus, nossos, vossos amigos blogueiros falaram sobre o Halloween ("Dia das Bruxas"), por que não posso mencionar sobre o Dia dos Muertos, que seria o Finados do México?

Data celebrada nos dias 1 e 2 de novembro, o dia dos Muertos tem origem asteca. Segundo consta na "Folha de São Paulo":

(...)"diz que a crença popular que os mortos têm permissão divina para visitar parentes e amigos uma vez por ano. Na época de Finados, as pessoas dão boas-vindas às almas que já partiram oferecendo-lhe flores, incensos, alimentos especialmente preparados, velas. Considerado um dia de paz e contentamento e não de morbidez (...) Bonecos de açucar, pães e guloseimas são decorados com caveirinhas, acreditando que os mortos absorvam seu aroma e essencia, mas quem come tudo são os vivos(...)"

Quando eu era mais nova, ainda no Brasil, muita gente achava estranho missa de japonês: rezava-se, acendiam-se os incensos e depois todo mundo (geralmente os parentes) sentava à mesa para comer, geralmente temakizushi, onigiri, inarizushi, manjyu e se tivesse, youkan (lembrando que, vinte e tantos anos atrás, pra minha mãe conseguir o tal do feijão azuki e arroz mochi tinha que : ou alguém ir pra São Paulo, na Liberdade, ou algum parente que está de passeio no Japão e trazer na mala). Quem não fosse descendente ou não entendesse direito o que se passava, achava muito estranho mesmo.

Imagine: reza a missa pro falecido e depois todo mundo fica comendo? Não sei vocês, mas como minha família é católica, mas mantém as raízes do xintoísmo, é estranho. Mas a gente respeita as raízes, acreditando que nem toda morte significa "acabou por aí". Acreditamos que, a pessoa foi para descansar e que ela continua sempre presente entre nós, por isso lembramos todos os dias rezando no hotokosan (réplica de um altar xintoísta), oferecendo algum alimento.

Muita gente acha estranho também velório de japoneses: ao final da cerimônia, tem-se alguma coisa para comer e beber. A família do falecido entende que, como muita gente veio de longe para dar "o último adeus", fica de péssimo grado não oferecer algum alimento e bebida.

Sim. Em meus onze anos aqui, fui uma vez num velório daqui. Triste, com certeza, não dá pra negar...

No dia de Finados, se no Brasil é tido como data triste, cuja visita aos cemitérios aumenta mais do que no dia normal, no Japão faz-se em agosto e uma semana ( facultativa) para irem ao furusato (terra natal) rever parentes e visitar os antepassados, no México vira carnaval. Acaba virando uma festa alegre, com direito a comida, bebida, doces e fantasias, como disse, os mexicanos ( também ) acreditam que os mortos estão vivos em um segundo plano, e em novembro, segundo a crença, os mortos vêm visitar o mundo dos vivos. Mas uma vez por ano.

Se tem uma das coisas que eu gostaria de conhecer, seria as culturas de outros países. Enquanto estivermos aqui, dá pra aproveitar e bem, sim. Basta dar um pulinho em Chukagai (Chinatown) e Yamate (Yokohama); ir em restaurantes e procurar eventos de outras nacionalidades (sabe a revista Metropolis? Sempre tem um guia de eventos, vale a pena dar uma conferida)...


Ontem, fui em Honmoku (bairro onde fica o lar doce lar da Elisa) conhecer a
festa do "All Hallows Eve", muito bem divertida, lugar bem diversificado e com grande miscigenação cultural. E claro, principalmente conhecer pessoalmente a Elisa, muitíssimo simpática, culta, esposa e mãe dedicada. Não temos foto porque a privacidade é nosso forte. Ah sim, cozinheira de mão cheia. Claro que também quero conhecer todos que frequentam este lugar, quando retornar ao Brasil, coloquem água no feijão que quero visitar todos, na medida do possível e se o tempo der...
Fontes de pesquisa: Folha de São Paulo, Wikipedia. Foto: Giancarlo Calabrese.

10 comments:

  1. Oi, fiquei muito contente com os elogios.

    "muitíssimo simpática, culta, esposa e mãe dedicada" tudo isso? Obrigada mesmo se assim pareci. Foi muito divertido o dia de ontem. beijinho.

    ReplyDelete
  2. Elisa, você é e muito mais! Simples no seu jeito de ser e viver. Seu filho também, subarashii ele ser bilingue sem trocar nada! E bem educado também.
    O convite para o Cafe Tres ainda está na agenda rs (ela fecha somente as quartas).
    Girls just wanna have fun rs

    Beijos!

    ReplyDelete
  3. Tá vendo? O melhor lugar pra encontrar pessoas confiáveis é através dos blogs rs... Sobre finados, aqui nem parece, mas os cemitérios estão mais floridos. Eu particularmente não curto cemitérios, mas entendo o q vc quis dizer qdo a parentada se reune nesses eventos. Aliás, ainda bem que por enquanto minha parentada está se vendo por causa dos casamentos e não dos velórios rs.

    Kisu!

    ReplyDelete
  4. Pois eh o dia dos mortos eh bem animadinho lá, já vi na tv ^^

    Boa Segundaaaa!
    Miquilis

    Bru

    ReplyDelete
  5. Atrasada mas sabe como é...
    Bah, já melhorou da fratura?! Pelo que li no seu post, espero que não tenha tido efeitos colaterais dos remédios que tomou... Se bem que rir é melhor que chorar rs
    Olha, sabe que é verdade o que voce disse? Se bem que o cemiterio da cidade onde nasci vive cheio de flores o ano todo. Sério. Teve uma época que minha família (olha que nao é pequena) se reunia pra velorio!!! Chegou a ponto do marido da minha prima (ironia, ele faleceu alguns anos depois) dizer: espero que da proxima vez a gente se encontre num casamento...
    Detalhe: já fazem cinco anos que não tem mais casamento da minha familia, e quando teve, adivinha onde eu estava...
    Beijo e se cuida!

    Bru, e olha que um restaurante aqui do Japao fez o Dia dos Muertos... Em SP teve um restaurante que fez em homenagem ao MJ, você viu ?

    Beijos!

    ReplyDelete
  6. Em um ponto é verdade. Se todos só temos a morte como única certeza, porque não lembrar-se de quem partiu com um pouco de alegria? Não gostaria que ninguem ficasse lembrando de mim chorando não.
    Acho que estarei até melhor lá do que cá rs.

    Que bacana vc e a Elisa terem se conhecido. Sempre gostoso fazer novos e bons amigos. Gostaria também um dia de conhecer esse Halloween do bairro dela, pq aqui não tem.

    ReplyDelete
  7. Concordo contigo, dia dos finados não tem que ser triste.

    Gostei disto do japão, uma semana para ir a cidade natal e ver os parentes e visitar os antepassados...

    beijos

    ReplyDelete
  8. Oi!
    A Elisa falou de vc e vim te visitar rs...
    Eu particularmente não gosto de ir ao cemitério e nem de chorar pelos mortos no dia de finados!
    bjinhos

    ReplyDelete
  9. Olá Kiyomi,
    Meu primeiro comentário no blog....
    Lendo o seu post, me veio várias lembranças também....
    Sou católica, meus pais também....
    mas como mantínhamos a cultura japonesa, eu ía muito nessas missas, acendia senko e comia.
    Na minha casa em Sampa, também tinha o hotoukesan.
    Adorei o seu blog, e sempre que tiver um tempinho, venho cá dar uma olhadinha.
    bjs

    ReplyDelete
  10. Alexandre, ninguém gosta de choradeira em velorio, mas se a gente fizer festa, com direito a serenata, os menos avisados vao pensar que "pra essa felicidade, o falecido era uma peste". Mas é verdade que 11 entre 10 dizem que "a unica coisa que temos certeza é a morte".
    Oportunidades não faltarao em te conhecer, tenha certeza disso rs

    Gesiane, mesmo no Brasil, meus pais unem até hoje o útil ao agradavel: como a maioria dos nossos parentes moram (nos dois sentidos da palavra, se me entendeu) longe, eles fazem a visita aos cemitérios e depois vão visitar os parentes vivos... Mas se fosse aqui no Japao, teria que pedir um mes de ferias pra isso. Imagine: eu ter que ir pra Hokkaido, Kagawa e Kumamoto...

    Andrea, seja bem vinda. Só não repare a bagunça e posts sobre assuntos aleatorios... Espero que goste (e dê boas risadas).

    Fabiana, pode olhar e ler a vontade. Como disse, nao repare a bagunça, os assuntos aleatorios... Sobre tradições de reza, meus pais mantem ate hoje, porque os filhos que moram longe...

    Beijos e abraços e obrigada pelos recados!

    ReplyDelete