Thursday, May 20, 2010

Situações Constrangedoras

Ou: Meus vizinhos são O terror - Parte 1

Quando leio e/ou ouço histórias sobre problemas com vizinhos aqui e acolá, ninguém sai incólume. Ou você é o acusado ou você é a vítima. Se bem que desde que me conheço, (quase) sempre fui a vítima. E ninguém venha me dizer que sou a "coitadinha, pobrezinha, ai que dó" que não é nesse sentido que eu estou querendo dizer. Por mais que a gente tente fazer as coisas na maior tranquilidade, para o bem estar de si e da vizinhança, não tem jeito: sempre tem um vizinho pra acabar com o seu dia.

E muita gente pensa "ah, mas isso acontece com os outros". Pois é, até antes de vir morar no Japão eu pensava quase a mesma coisa. Motivo: a casa onde morei com meus pais, acredite, não tinha casa vizinha nem ao fundo e nem ao lado. Do outro era um depósito que dividia a casa dos meus pais com a dos meus tios. Tirando o inconveniente do botequim que ficava em frente de casa em dia de jogo de tal time (não revelo sob risco de ser espancada), cuja comemoração exaltada a base de fogos de artifício nos custaram um vidro da sala e algumas telhas quebradas. Detalhe: moravámos em um sobrado.

Quando vim morar aqui no Japão, fui advertida de que as casas possuem paredes finas a ponto de conseguir ouvir até os passos da formiga atacando o doce da casa vizinha, então eu teria que me controlar pra ouvir música. Não que quando estava na casa dos meus pais eu botava o som no talo, mas também vivia dormindo com o som ligado. No volume mínimo, mas mesmo assim no dia seguinte ouvia: "dormiu com o rádio ligado de novo???"

Em Hyogo, ainda foi bem tranquilo, apesar de dividir o apertamento em quatro mulheres, nunca tivemos problemas com vizinhos porque não tínhamos vizinho algum nem no andar de cima e nem ao lado!!! Acreditem, se quiser. Quando juntamos as escovas de dentes, eu e namorido fomos morar em Kanagawa, num prédio de quatro apartamentos. O nosso ficava no segundo andar, o que tínhamos que tomar cuidado na hora de andar, pois o vizinho de baixo era um casal de idosos que se vi a cara deles dá pra contar nos dedos pelo tempo que moramos lá. Sério. Mas também nunca tivemos problemas, apesar do vizinho de baixo roncar no meio da noite às vezes de uma forma que eu até ficava com medo d'ele ter um treco.

Agora, no atual prédio onde moramos, são dez apartamentos, sendo cinco em cima e cinco embaixo. Moramos no segundo andar. O que nunca tivemos de problemas nos dois apartamentos anteriores, resolveram juntar tudo no atual. Logo que nos mudamos, achávamos que nem vizinho ia ter, pois quando nós alugamos, dava até pra escolher. Mas preferimos o que ficava perto da escada, o que facilitou (em termos) na hora de subir a mudança. Ledo engano.

Logo na primeira noite em que apenas colocamos a mudança e do jeito que estávamos, fomos tirar um cochilo, ouvimos gemidos, gritos e madeira rangendo. Até pensei que estivesse delirando, pois justo no dia seguinte à mudança, eu tinha exame de proeficiência em língua japonesa e nem tinha dormido nada, além disso estava com resfriado e sintomas de febre (e fiz mudança mesmo assim). Tevê ligada não era pois a dita nem tinha saído da caixa da mudança. Eis que namorido solta a pérola: "pois é, o vizinho do lado está fazendo a dança do acasalamento".

Nada contra um casal se amar intensamente, mas convenhamos, do jeito que aqui as paredes são finas e o pessoal tem um ouvido sensível, o que pra alguns poderia ser algo prazeroso, para outros acaba se tornando uma cena constrangedora. Até mesmo pra quem tenta se concentrar na hora em que também se consome o fato, se é que me entenderam. Pior que quando se trata de s-e-x-o, nem temos a cara de pau de ir reclamar na imobiliária.

O ruim era que o casal fazia tudo na sala. Como sei? Oras, vi na planta quando fomos na imobiliária e também pela lógica: no prédio onde moramos, a parede da sala de um é parede do quarto do outro e por aí vai. O que significa que, nem pensar em deixar a TV em um volume razoável a uma certa hora da noite e tentar fazer as coisas no silêncio. Só que o casal vizinho ao nosso preferiam fazer tudo em volume alto e bom som. Sem falar que às vezes no meio da madrugada, acordávamos com os berros do casal. Isso mesmo: sessão sadomasô! Que mais faltaria?

Nunca ficamos tentando descobrir, mas um mês e tanto depois que nos mudamos, o casal mudou-se. Juro que não fomos nós que reclamamos na imobiliária, mas pelo que ficamos sabendo, o prédio onde moramos a maioria dos moradores ficam no máximo um ano e olhe lá, mas tem um casal que mora na outra ponta que está há mais tempo que nós e um casal que mudou para o andar de baixo ao nosso alguns meses depois que a gente, ficou seis anos.

E acreditem: nunca, mas nunca mesmo chegamos a ver a cara do casal vizinho. Não sei se porque eles saíam pro trabalho muito antes que a gente ou muito depois, ou voltavam pra casa muito antes que a gente. Vai saber...

Antes que me perguntem: não, ninguém nunca reclamou na imobiliária da gente pelo fato de chegarmos tarde em casa (devido tabalho), ter uma noite de diversão, ligar o rádio às seis e meia da matina pra ouvir a previsão do tempo e o tráfego de trens, ouvir noticiário em som razoável, e ouvir música enquanto navego na internet ou faço serviço doméstico, senão até os vizinhos já iam bater na porta de casa e recebermos cartas da imobiliária nada agradáveis (receber, todos os moradores recebem, mas é sobre conscientização de jogar lixo certo na data certa, não estacionar o carro na vaga do outro, mas como é pra todo mundo, então nem falo nada).

Logo logo a parte dois. Fui lembrar do episódio ao ler o post de Desabafando e também relendo o post das Garotas que Dizem Ni.

13 comments:

  1. Hahahaha que comédia. Dorme com um barulho desse! Impossível né? Ainda bem que se mandaram ;)
    Bjus,boa quinta!

    ReplyDelete
  2. Qdo começar a farra, chame a polícia! É o que fazem, não é?
    Aqui tivemos problemas com uma vizinha filipina biscateira. Com a polícia, o apato dela virou uma igreja silenciosa rs.

    bjs

    ReplyDelete
  3. Georgia, pior é que nem a gente conseguia se concentrar! A gente nem sabia se ria ou chorava...

    Alexandre, pra isso a gente nem tinha a coragem de ir no koban. Ja imaginou a gente falando "olha, a gente nao consegue dormir porque tem um casal ao lado pensando que esta fazendo uma sex-tape caseira"? ahahahahah...

    Beijao e boa quinta (ou que resta)

    ReplyDelete
  4. Putzgrila, desculpa mas morri de rir com a sua tragedia! Hilaaaaaario! Eu entendo BEM a sua dor: tb tive umas vizinhas assim tto no alojamento da facul como no primeiro apato que aluguei. Mas teve uma noite, que a garota berrava e chorava tanto que fiquei ate com medo que alguem estivesse sendo estuprada em plena madrugada (detalhe que era um alojamento soh para garotas). Foi moh sinistro!

    ReplyDelete
  5. Que situação... "a dança do acasalamento" do vizinho, kkkk!

    Olha, do jeito que eu sou irritado com gente que não tem consideração pelo sono dos outros, eu era capaz de bater na apartamento deles se me desse a louca... e ainda ameaçava o cara de... bom, deixa pra lá, XD

    E quando você falou que tinha que tomar cuidado ao andar, juro que pensei "nossa, então até o chão era tão fino assim?", XD

    ReplyDelete
  6. MaiK, se prepara que vai ter a segunda parte que foi BEM pior...

    Felipe, é que as construções aqui são feitas de uma forma que, caso precise demolir, fica mais facil. O chao nao é fino, senao eu ja tinha despencado do segundo andar logo que mudamos ahahahah
    Eh que o pessoal tem ouvidos sensiveis mesmo...

    ReplyDelete
  7. Eu também já tive problemas com vizinhos. Os seguintes problemas:
    1. Música alta a partir das 5 da manhã
    2. Crianças mal-educadas a ponto de jogar pedras nos telhados alheios

    Mais o pior não era nem isso: No outro lado da rua tem uma igreja evangélica (nada contra) e nos domingos, TODAS as casas que tem garagem precisavam colocar cadeiras, tábuas, botijões de gás em frente ao portão da garagem para poder garantir o direito de tirar o carro. Senão os "irmãos" estacionavam na porta.

    ReplyDelete
  8. Eu já tive tanto problema com vizinhos que daria pra escrever um livro sobre o assunto com vários causos mas graças a Deus nunca me deparei com esse tipo de situação constrangedora. A coisa mais comum é escutar os gritos de brigas de casal e olha que eu moro em casa, as paredes são grossas e mesmo assim às vezes escuto coisas.
    Será que a parte 2 é pior?

    ReplyDelete
  9. É, realmente complicado escutar gemidos,principalmente em horários de sono(tipo 2,3 da manhã). Por outro lado, imagina a situação, as vezes se vc e seu parceiro escutar, e estiver naquele clima de paixão ardente, os ruídos até não irão incomodar tanto...mas quando eles se tornam diários, deixa de ser uma situação hilária, parecem misseis bombardeando sua cabeça, especialmente, em horários de sono. Mas pior do que isso e´o vizinho(a) estar brigando e vc ouvir palavrões, insultos, aí é embaçado. Como moro no Centro de Sp, Brasil, tive que me adaptar a este tipo de situação.Rs
    Abraço e Sucesso para todos!

    ReplyDelete
  10. Arrematando o comentário anterior... Se fosse eu, sugeriria aos vizinhos que quando fossem "amassar o bombril", já que não conseguem fazer só gemendo, que vão a um motel. Lá os pombinhos podem ir para o rala e rola sem incomodar ninguém.

    E no motel os vizinhos podem fazer isso sem incomodar:
    - Afogar o ganso
    - Amolar o canivete
    - Assinar o ponto
    - Botar cana no engenho
    - Brincar de esconder a cobra
    - Chamar nos alicates
    - Coisar
    - Descarregar a bateria
    - Enforcar o Judas
    - Fazer um menino
    - Passar o ferro na boneca

    E outras coisas mais.

    ReplyDelete
  11. Arrematando o comentário anterior... Se fosse eu, sugeriria aos vizinhos que quando fossem "amassar o bombril", já que não conseguem fazer só gemendo, que vão a um motel. Lá os pombinhos podem ir para o rala e rola sem incomodar ninguém.

    E no motel os vizinhos podem fazer isso sem incomodar:
    - Afogar o ganso
    - Amolar o canivete
    - Assinar o ponto
    - Botar cana no engenho
    - Brincar de esconder a cobra
    - Chamar nos alicates
    - Coisar
    - Descarregar a bateria
    - Enforcar o Judas
    - Fazer um menino
    - Passar o ferro na boneca

    E outras coisas mais.

    ReplyDelete
  12. Isso parece uma situação que eu vivo aqui dentro de casa com meu irmão rs... isso pq as paredes não são feitas de isopor como ai :P

    Kisu!

    ReplyDelete
  13. Problema com barulho de vizinho tem em todos os lugares...infelizmente...aqui no apartamento que moro as paredes não são tão finas pois o prédio é antigo, mesmo assim a vizinha de cima insiste em ficar "desfilando" às 6 da manhã com o maldito salto alto dela.

    Eu levanto mais tarde (entro e saio do serviço mais tarde para evitar o trânsito) e mesmo assim só coloco o sapato perto da porta de saída para não incomodar o vizinho de baixo.

    Agora porque a maldita vizinha de cima não pensa nisso?? Para piorar a maldita colocou piso frio na casa inteira, ou seja, o barulho fica mair ainda. Além do sapato de salto ela costuma deixar o filho brincando com bolinhas e outros brinquedos...

    Relação com vizinho é realmente complicada...

    Abs,
    Carlos

    ReplyDelete