Sunday, October 24, 2010

A Semana que Passou ou "A Volta dos Que Não Foram"

Perdido? Com essa sinalização acho meio difícil... (Cruzamento em Yokohama, próximo ao Yokohama Stadium, a alguns metros da estação de Kannai, foto pela própria autora. Via celular mesmo...)

Realmente, uma coisa eu tenho que admitir: quando eu resolvo postar, vai um atrás do outro, chegando ao ponto de postar um artigo nas primeiras horas da madrugada e outro pronto pra ser publicado no meio da tarde (sim, temos uma opção em que podemos programar a hora da postagem, antes que falem pra mim "pô, mas tu não trabalha, não? Fica postando ao meio dia, duas da tarde, sete da noite...") por distração da autora aqui, isso se quando no meio de uma postagem, durante a configuração de um texto, acaba pegando um atalho errado, como, ao invés de usar o CTRL+I para fazer a letra itálica acaba usando o CTRL+P e acaba postando o texto incompleto e aí quem me acompanha e tem este sítio nas atualizações, e quem aguarda alguma toupeirice minha, vai acessar e aparece a tela... "Oops, this page appears broken" ou "This page couldn't be find" e por aí vai...

Bem, vamos lá: a semana passada, realmente fiquei alguns bons dias sem postar, se bem que tive meses que fiquei uma ou duas semanas sem postar nada, motivo do PC pifado e procurando um novo. Agora, se da próxima vez eu ficar mais de uma semana sem postar nada, ou eu estou trabalhando direto, ou deu piripaque na internet de casa ou morri e nem eu fiquei sabendo, então ninguém se abale, se bem que por enquanto não tive problema algum. Espero. Um dos motivos de meu relapso, todo mundo está cansado de saber, seria trabalho. Meu horário de trabalho é mais sortido que pacote de bala Soft - tem dia que entro cedo demais e saio cedo; entro no horário normal e volto tarde pra casa; entro cedo demais e saio tarde também. Quando resolvo postar alguma coisa, as idéias acabam se esvaindo, o que atualmente eu tenho que anotar tudo na agenda e quando dá tempo, eu acabo postando.

Muitas vezes eu penso em mudar meu ritmo de trabalho e quem sabe de vida. Sempre falo "vou pensar em mudar de apertamento, morar mais perto da estação, quem sabe mudar de trabalho, pelo menos para ficar mais ou menos sossegada", mas nunca dá certo devido aos vários imprevistos que aparecem quanto menos se espera - desde mudança de trabalho de namorido, passando por três pneus furados, mudança de horário de trabalho e agora sei lá eu que vai acontecer daqui pra frente.

Uma coisa que realmente preciso perder o medo é de mudanças, por mais que no início a coisa vai ser espinhosa, difícil e tortuosa, mas pra quem passou por tanta coisa na vida, como o fato de eu ter decidido pedir as contas do meu emprego no Brasil e vir pra cá com a intenção de "ficar dois anos e só". E quando perder esse medo, uma coisa podem ter certeza: vai ser algo de virar tudo de cabeça pra baixo e começar do nada, ou de 1/4 em diante. Mas preciso parar de ser muito acomodada e dar um jeito.

Semana passada, durante minha constante ida e volta casa-trabalho, fiquei pondo mentalmente na minha balança o que fiz, que deixei de fazer e o que deveria ter feito. Claro que muita gente deve falar pra mim "mas não pode se arrepender do que fez ou o que deixou de fazer", eu sei disso. Existem coisas que a gente pode recuperar, idade nem seria empecilho.

Ah, sim... Nessas alturas deste artigo já devem estar pensando "mudança radical na sua vida?". Pode ser, mas seria mais de um de meus devaneios que acontecem quando fica muito tempo dentro de um trem indo ou voltando do trabalho, quando passo a semana toda nesse ritmo maluco e quando acontecem alguns fatos no cotidiano que a gente acaba pondo a cabeça pra funcionar. Mas também ficar só nos planos, planos, planos, acabo lembrando de que John Lennon disse tempos antes de morrer "a vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos para o futuro".

Se é pra ficar só no papel, vamos ter que fazer na prática.

Calma, pessoal. Não se assustem com o artigo de hoje, é apenas um dito devaneio da autora lesada que muitas vezes surta e acaba tendo essas idéias, nem pra dar conselho e fazer gente pensar refletir eu sirvo, portanto, se eu fosse autora de livros de auto ajuda, estaria falida... A gente volta a programação nada normal, aqui neste mesmo sítio, no mesmo canal... Mas o que estou falando?

9 comments:

  1. Mudança era uma coisa muito comum qdo morava no Japão. Mudei tanto de cidade, de casa, de emprego que quando chegou a estabilidade, mudei pro Brasil hahhaah... mas entendo o que vc quer dizer. Gosto de mudanças, só tenho preguiça na adaptação rs.

    Kisu!

    ReplyDelete
  2. Se tem uma coisa que deixei de ter medo é das mudanças sabia? Nem sempre é fácil vc assumir que precisa mudar e decidir mudar mas em todas as vezes que fiz isso tive resultados muito bons, ainda que tenha enfrentado fases difíceis demais. Mudando também ganhamos coragem, não dá pra deixar a vida passar na acomodação em situações ruins se podemos mudar não acha?

    ReplyDelete
  3. Oi, Bah! Pelos seus posts pre-Brasil deu para sentir o drama. Quando a gente pensa que está tudo bem, estabilizado, sei lá... Realmente, virar tudo de cabeça pra baixo tem que ter MUITA coragem. Seja lá que Ele quiser e muita fé e caaaaaaaaalma...
    Beijao!

    Desabafando, é verdade e estava pensando nisso neste final de semana: se acomodar, o medo de mudar aumenta. Então, o jeito é perder o medo e deixar de ser acomodado(a) e botar a casa em ordem! Nem que seja no começo a gente passar por dificuldades, pois nada na vida é facil...
    Beijao!

    ReplyDelete
  4. Sua vida está assim, não sabe para que lado vai? rsrs. Mas ao mesmo tempo pode indicar que vc pode ir para qualquer lado. Muitas opções na vida. Boa sorte e coragem!
    Elisa

    ReplyDelete
  5. Kiyomi,
    Quando eu era solteira, não tinha medo de mudanças, me lembro de quando decidi ir para o Japão pela segunda vez, aos 19 anos e sem os meus pais, sofri muito, chorei muito e principalmente, errei muito.
    Coloquei num post que errei, porque juntei a ansiedade da idade com a liberdade de ficar longe dos pais, mas nada como o tempo, para ajudar a amadurecer as idéias.
    Bom, mas hoje acho que fiquei acomodada...estou aqui, pensando se faço um curso de confeitaria ou se vou para o Japão...só não fui por causa dos filhos, tenho medo deles não se adaptarem no Japão.
    Aí, vou ficando, olhando o tempo passar,meus filhos crescerem, e alguns sonhos ficarem guardados.

    beijos

    ReplyDelete
  6. Pois é, nós habituamo-nos aquela rotinazinha de que não gostamos, mas é certinha. Mas quem não tem muita queda para passar a vida assim, um dia acorda cheio até á peruca e dá uma voltaça na vida.
    Boa sorte!
    BEIJOSSSSSSSS

    ReplyDelete
  7. Sempre tem uns momentos assim, eu por exemplo, tô querendo sair da casa de mamãe pra viver com meu neko-chan encantado...mas às vezes bate um medo...principalmente de não ter dinheiro...mas se eu for esperar por isso pra por as coisas em prática....

    ReplyDelete
  8. Olá!
    Nossa, deve ser estressante mesmo ficar mudando de turno toda à hora. Também tenho medo de mudanças. Quando surgiu a proposta de um novo trabalho (a que estou atualmente), pensei muuito mesmo antes de aceitar. Agora, passado um ano, tenho certeza que fiz a escolha certa. Mas encarar o novo sempre dá um frio na barriga mesmo. Não tem como escapar.

    Ah, e estou ansiosa pra ler seus e-mails sobre os atores preferidos. Não vai esquecer heim, rs.
    Bjuss

    ReplyDelete
  9. "Beautiful, beautiful, beautiful... Beautiful boy", certo? Adoro essa música!

    Eu também queria uma mudança na minha vida... ou melhor, me mudar aí pro Nihon! A vida aqui no Brasil não me anima! :(

    Ah, obrigado pelo e-mail, Kiyomi-san, vou respondê-lo em breve! Abraço pra vc e pro Roberto! :)

    ReplyDelete