Tuesday, October 26, 2010

O Passado Te Condena. As Vezes.


Toda vez que eu (re)vejo alguns vídeos e programas musicais de alguns bons pares de anos passados, eu fico imaginando se hoje eles vêem as fotos e vídeos do passado, eles não devem estar morrendo de vergonha, algo como "Minha nossa, eu tive coragem de usar/ ostentar/ dançar (ou qualquer ato que seja) isso???" Só não dá pra queimar as fotos e os filmes porque na altura do campeonato todo mundo já viu, mas fazer o quê, né?

Experiência própria: meu cabelo já passou por poucas e boas (exceto máquina zero, mas se bem que determinados cortes eu tive vontade de passar a máquina), já usei calça "baggy santopeito", camisetas maiores que a dona, cores "cheguei pra abafar" e nem lembro mais. Mas eu era uma alminha semiperdida nos anos 90, por favor, dêem um desconto, aposto que a maioria também já teve uma situação "meu passado me condena".

Gente famosa também já teve aquela fase "não acredito que já usei/fiz isso" e dependendo do que for, fica difícil tirar aquela mancha no currículo. Ainda mais que agora a internet existe e pra publicar as fotos, videos, que seja, é um pulo e como processar só é mais dor de cabeça, então melhor assumir e rir que vai ser a melhor coisa (muito embora a gente morra de vergonha).

- Catástrofes capilares: E pensar que "naqueeeeeeela época" era a maior febre, todo mundo queria ostentar aquele mesmo penteado que viu na revista/tevê. Passado algumas estações, você queimaria as fotos, faria de tudo pra trocar a foto que consta no seu R.G. ou carteira de trabalho (experiência própria: só vou poder trocar a foto do meu R.G. quando incluir o sobrenome do namorido, mas enquanto isso vai demorar, fazer o quê!) cuja foto saiu estranha, pra dizer pouco. Exemplos famosos de que hoje eu diria "nunca mais ostentarei novamente a não ser que surtei" seriam....

1 - Os mullets do Sir Paul McCartney nos anos 70 a 90: uma das coisas que macula a imagem do ex-Beatle, era o terrível penteado que por duas décadas ele teve a coragem de ostentar (mas nos anos 80 até que ele deixou curtinho), assim como Roberto Carlos e Fábio Júnior e também algumas duplas sertanejas. E alguns cantores também. Sim, aqueles temíveis mullets que a franja era picotada e comprimento o suficiente pra fazer um rabo de cavalo. Macca, eu até posso adorar suas músicas, a forma de tocar, mas pra senso fashion algumas décadas atrás, me perdoe...

2 - O penteado estilo "Lady Diana" nos anos 80 e que muita cantora japonesa dessa década resolveu fazer igual: quem é mais ou menos da minha faixa etária (ou a geração mais nova e gosta de j-pop retrô), vai lembrar das aidorus Seiko Matsuda, Yukiko Okada, Akina Nakamori e outras que agora minha memória falhou e aquele penteado que nem sei como vou descrever. Hoje eu acredito que a maioria delas quer queimar as fotos, velar os filmes... Mas também se não usavam esse penteado, deixavam as madeixas mais lisas que quiabo, parecendo que passaram o cabelo - literalmente - a ferro de passar roupa, tal como a Shizuka Kudo e as meninas do Onyako Club, com direito a franjinha armada com laquê.

Seiko Matsuda, na fase dos anos 80, quando fazia o gênero "boa moça" (caham...) e como teve mulher que queria que queria copiar o penteado dela. Depois queria ser a "Madonna Nipônica" e o resto muita gente que acompanhou a carreira dela, sabe, né?

Onyanko Club - nos anos 80, elas foram o que a Morning Musume foi nos anos 90-2000 e o que o AKB48 é hoje. Detalhe: o empresário do AKB48, foi quem empresariou o Onyanko Club e inclusive casou-se com uma delas...

3- Suporte pros mancebos: nos anos 70 a início dos 90, teve muito cantor aqui que, para dar mais volume às madeixas, fizeram suporte. Seria um tipo de permanente mas cujo líquido não fica muito tempo no cabelo. Quem já fez deve estar tentando entender como é, porque na verdade fiz a permanente daqueles que deixou minhas madeixas parecendo o Urso do Cabelo Duro. Voltando, se as moçoilas japonesas dos anos 80 quiseram imitar o penteado da Lady Diana, os mancebos aqui queriam imitar... imitar quem mesmo nos anos 80?! Nessas alturas do campeonato, o expoente máximo do suporte capilar é o Masahiko "Matchy" Kondo, grande "ídalo" aqui nos anos 80 (tanto que ele foi ao Brasil e conheci gente que sabia até a coreografia!).

Masahiko "Matchy" Kondo, em 1980 e alguma coisa. O suporte no cabelo e a faixa na testa todos os artistas daquela época usaram. E pensar que ele já foi ao Brasil no auge da fama, deu uma pausa na carreira para dedicar-se ao automobilismo (e voltou a cantar novamente, dando-se a entender que "acabou a grana, vamos ganhar uns trocos cantando?")...

- Roupas que nem brechó aceita e que você jamais usaria nem em festa dos anos 80/90: A gente chegou a fazer uma postagem coletiva sobre "Os Sete Itens da Moda que Eu Não Teria Coragem de Usar", mas uma das roupas que ainda bem que consegui desfazer, senão eu iria continuar morrendo de vergonha, mas não citei na postagem porque, apesar de ter voltado na moda, ainda bem que não pegou, que era a calça baggy e de cintura alta, o que a gente chama carinhosamente de "calça santopeito" (paródia com o modelo "saint-tropez", que é o inverso, isto é, cintura baixa). Confesso sim, eu usei anos a fio esse modelo, na intenção da desculpa furada de que "ah, esse modelo disfarça a tanajura avantajada". Ledo engano, toda vez que vejo foto minha com esse modelito, fico me perguntando "como tive coragem de usar uma roupa dessas". Bem como vestido trapézio e camisetas de cores cítricas (bem, eu tive uma camiseta verde limão que até que era bonitinha... nos anos 90).



Nosso passado nos condena: quando o hoje quinteto Smap eram seis, e neste PV de 1995 - "Shiyouyo" - dá pra sentir o drama do desastre fashion: além das calças estarem sobrando além da conta, põe cintura alta nisso. Dá pra perceber o quanto o cós das calças estão bem no alto quando Masahiro Nakai (de camiseta branca e de suspensórios), Katsuyuki Mori, Takuya Kimura (do tempo que ele tinha cabelo comprido) e Goro Inagaki (de camiseta cinza e curta) levantam os braços enquanto dançam, porque Tsuyoshi Kusanagi e Shingo Katori ainda deram uma disfarçada com camiseta comprida...


Fotos: via seo gugol. A que abre a postagem de hoje, foi extraído do comercial da NTT East, num comercial - antigo pra caramba - na promoção de "inscreva-se na provedora NTT Flets e ganhe o boneco 'atarimouse'", com a participação da mascote da época, o Atarimouse e Masahiro Nakai (esse, sim, até hoje o desconfiômetro de coordenação de roupas vive pifado).

9 comments:

  1. hahahahaha! Eu rio horrores quando assisto a esse vídeo!

    fiquei curiosa em assistir ao SMAPXSMAP. Será que acho pelo torrent?

    ReplyDelete
  2. Kiyomi,
    kkkkkk..ah essas viagens que faço no tempo com você, são maravilhosas!
    Estou eu aqui, morrendo de rir, e lembrando das roupas que eu usei.
    Também usei muito a calça baggy, roupas verde limão, tudo que era moda na epoca do Menudo, saia balonê..kkkk
    Eu ainda tenho a calça semi baggy guardada, mas ela nem entra mais.
    O meu cabelo também, já viu de tudo, ainda mais a minha mãe sendo cabelereira, e eu e minha irmã sendo as cobaias.
    O pior de todos foi fazer uma permanente na parte de cima do meu cabelo....que horror.
    beijos

    ReplyDelete
  3. Eu tinha o corte da cabelo igual da Matsuda Seiko rsrsrs ai q mico! kkkkk

    ReplyDelete
  4. Fabiana Yoko, talvez consiga pelo torrent, mas onde eu consigo, faz algum tempo que nao postam do programa :(
    Mas bem que você queria ver a barriga do Kimura, confessa!

    Fabiana, pior de ter usado essas roupas, é ver as fotos e morrer de desgosto (pior que uma de minhas fotos eu estava legal, exceto pela calça...).
    Nossa, eu tambem cheguei a fazer esse tipo de permanente na parte de cima do cabelo e o resto liso...
    Vantagem de mae cabelereira: corte de graça. Desvantagem: vira cobaia para novos penteados...
    Beijao!

    Satie, em que fase da Matsuda Seiko voce chegou a ter esse corte?!

    ReplyDelete
  5. Lendo seu post lembrei de uma época em que cheguei a usar calças jeans coloridas...rsrsrs..sabe cores assim tipo amarelo, rosa..rsrsrs...meu deus..nunca usaria aquilo hj!

    ReplyDelete
  6. Ms. Piggy Sakura,

    O cabelo das moças japonesas na epoca eram horriveis,mesmo pq cada tipo de cabelo tem seu corte.

    O cabelo delas não são ondulados como as ocidentais, e fica com aspecto estranho e artificial, assim como as negras com cabelos artificialmente lisos.

    ReplyDelete
  7. Nossa ri horrores com esse post, Kiyomi!

    Até hj somos vítimas da moda com a volta dos que não foram como os tamancos de madeira, calça e saia "santropeito", etc... e temos que lembrar que a calça baggy eram a skinny de hj! Nem quero ver o que usaremos nas próximas gerações...

    Odiei quando a minha mãe mandou cortar o meu cabelo "Chitãozinho e Xororó" qdo criança e adorava o efeito que o suporte fazia no meus cabelos na "aborrecência", hahaha!

    O pior de tudo que me lembro qdo era pequena queria ser a Mastuda Seiko qdo crescesse, fala sério...

    Bjão!

    ReplyDelete
  8. Sou particularmente vidrado nessas retrospectivas, quando aparece uma imagem de arquivo de determinado artista e este tem uma reação de espanto/surpresa/vergonha/riso. As maiores vítimas desse tipo de pegadinha são, pela ordem: Matsuda Seiko, Go Hiromi e Nakamori Akina. Os mais recentes também não escapam. Já vi Koda Kumi (que veio ao RJ na miudinha) dando risada nervosa por causa de visuais de começo de carreira.

    Mullets estilo "Chitãozinho e Xororó" são altamente zoáveis, mas alguns se orgulham. Ou então o cabelo do Zezé di Camargo na fase "É o amor".

    Penteado "Lady Di" no J-pop: Desde as idols da primeira divisão (Matsuda Seiko, a finada Okada Yukiko, Nakamori Akina, que no futebol equivalem ao Flamengo, ao Corinthians e ao Palmeiras) até aquelas altamente obscuras, que lançaram uma ou duas (quando muito três) músicas de razoável sucesso e que, comparando novamente com o futebol, seriam o Madureira, o Barreira de Bacaxá, o Guarany de Sobral, o Colo-Colo de Ilhéus e o ASA de Arapiraca. Muitas com o mesmo penteado, algumas saídas do Star Tanjou (a fábrica de fazer cantoras). Lembro que no meio tinha uma que nasceu no Vietnã, foi pro Japão fugindo da guerra e foi apadrinhada pelo Tanimura Shinji, tinha um estilo meio Akina, meio Momoe. E faço coleção de MP3 de idols pouco conhecidas.

    Quanto ao Onyanko Club, de onde veio a hoje "Senhora Kimutaku" ou Kudo Shizuka, até hoje seu Akimoto Yasushi (que casou com a Takai Mamiko, da música "Cinderella-tachi e no dengon) deve estar colhendo alguns dividendos. Tem muito cara saudosista perdido por aí e tem outros que são malucos nem eu, que acabaram conhecendo o Onyanko Club via Youtube e gostam das músicas. E reafirmo que se fosse eu naquela fila de banco daquele comercial de café em lata e várias delas aparecessem (lembra daquele post, Piggy?), certeza que eu iria cair durinho pra trás no chão. E continuo jogando aqueles números quando a megasena acumula. Teve uma vez que saiu um terno (três números). Mas ainda não ganhei nada.

    Kondo Masahiko, voz de taquara rachada mas era uma máquina de dançar e vender disco. E resolveram jogar luz de novo no cara, completando 30 anos de carreira nesse ano. Será que um dia resolvem trazer o Matchy de volta? Acho que vai dar mais uma confusão daquelas na Liberdade. E além de cantar, Matchy também resolveu se lançar em outro meio: As corridas de carro. Tudo começou porque quando ele foi tirar carteira de motorista, por já ser famosão, não podia ir numa auto-escola comum para não provocar tumulto. Resultado: Teve que aprender a dirigir em autódromo, e acabou pegando gosto por velocidade. Tanto que já participou algumas vezes da famosa corrida francesa de 24 Horas de Le Mans, uma delas ao lado do ex-piloto de Fórmula 1 Ukyo Katayama (apelidado por Galvão Bueno [o narrador, não a rua da Liberdade] de "Catagrama"). E esse cabelo era padrão para os Johnnys dos anos 80: Shibugakitai, Shonentai, The Goodbye, Hikaru Genji... se citar todos só termino sexta-feira. E faixinha no cabelo também era usado por algumas meninas, tipo Ishikawa Hidemi, que acabou se casando com um o Shibugakitai Yakumaru e teve cinco filhos com o sujeito. Um dia o Matchy volta pro Brasil, faz uns shows em SP e é convidado para pilotar em Interlagos.

    Sempre quando tem esses comentários "flashback" eu acabo me empolgando. E olha que eu nasci em Showa 57, quando alguns dos citados já estavam nos píncaros da glória.

    ReplyDelete
  9. MELDELS... lembrei que eu vivia usando umas calças pantalonas bem fininhas com blazer com ombreiras (só não tinha pochete na cintura rss) mto brega... mas poxa... eu me achava super chique na época. Achava que abafava nas festinhas rs..

    Kisu!

    ReplyDelete