Monday, October 31, 2016

Redes [Nada] Sociais



Um dos motivos que me fizeram estar meio sumida nas redes sociais, seria o tempo. Eu sei que seria mais uma questão de eu administrar melhor o tempo, mas para quem trabalha e tem que cuidar da casa, da vida, entrar nas redes sociais só pra dar uma olhada por cima no que interessa e acabou.

Mas quando entro, eu tenho vontade de chorar. Acabo saindo e fazendo outras coisas para matar o tempo, como ler mangas, assistir o último capítulo do dorama que perdi...

Eu não sei o que acontece com essa gente nas redes sociais, que a cada dia que passa, eu fico impressionada o quanto essas pessoas têm o coração cheio de ódio. Cada postagem que leio, os comentários são diversos, desde os legais, passando para os engraçados e culminando com os ódio extremo, que só faltava matar o leitor com as palavras.

Eu entendo que ninguém é obrigado a concordar com tudo que o outro fala, mas que saiba discordar de forma mais civilizada, melhor dizendo. Porque vira um festival de xingamentos de baixo nível, que nem esfregando a boca com soda caústica adiantaria. Nessas horas que eu quase nem comento no FB para evitar a fadiga (*Jaiminho feelings*). Quem vê, no máximo eu comento nas postagens dos (poucos) amigos, nas comunidades de meus ídolos, doramas, comida e café, e compartilhando postagens fofas, porque num mundo como esse, um pouco de fofura nunca matou.

O Twitter para mim ainda continua sendo a salvação, porque foi através dessa rede social que conseguimos nos comunicar no dia do terremoto. E foi através dessa rede que conheci muita gente legal e bacana e continuamos a nos comunicar até hoje, e que muitas vezes me faz acreditar que o mundo sim, ainda tem esperança.

Só que às vezes existem pessoas que fazem a gente diminuir as esperanças de um mundo melhor. E cada comentário que dá vontade de retrucar, mas o jeito é ignorar, senão piora (ou melhor dar unfollow de uma vez, assim poupa muita dor de cabeça). Não é tanto como no FB (porque lá sim, a coisa pega fogo!), mas já li cada coisa que, quem ler, fica chateado mesmo.

E' normal a gente reclamar da vida (eu também tive minha fase de pessimismo tanto que levei muita, mas MUITA bronca mesmo), mas quando se torna constante, nem os mais fortes aguentam, outros acabam dando diretas. Dói, eu sei, mas só assim pra acordar pra vida.

Gente que reclama comparando a vida do lugar atual com o do anterior:  E' batata: se alguém morou muito tempo num lugar fora da sua terra natal e retorna, comparações são inevitáveis. Eu sei como é, porque quando fiquei um mês de férias, senti a diferença, mas procurei mais ver o lado bom - família, especialmente. Mesmo se a gente muda de uma cidade para outra, é normal sentir falta ou excesso de alguma coisa. O duro quando tem gente que leva ao extremo. Começa a falar mal de tudo, que tudo é uma droga, o povo é uma droga, e compara TUDO com a vida que levava no outro lugar. Já tive vontade de dizer na caruda "levanta o rabo da cadeira e vá fazer algo de útil, e se quiser voltar a tal lugar, que se esforce pra conseguir e sossega o facho", mas até hoje não fiz isso porque a probabilidade da pessoa me mandar pro inferno seria grande.

Gente que fala mal de um fandom para defender o outro: Acontece e muito. Já fui dessas e hoje me arrependo até o fio do cabelo. Portanto, hoje eu fico quieta, assisto/ouço as músicas nos programas de rádio/TV e comento somente o necessário. Só porque não gosta de tal grupo/artista que vai ficar tacando pedra e falando impropérios. Pode até não gostar, mas se a gente se limitar "ah, não faz meu gênero", até dá pra passar batido. Agora, quando desce o nível... Pior ainda quando o artista que a gente não gosta vai num programa onde o seu favorito está, aí o circo pega fogo. Já li comentário pesado mesmo, daquelas declarações de ódio ao ponto de dizerem "tomara que morra porque falta não fará". MELDEUS pra que isso???

Se bem que, no caso de fandom, ultimamente eu só observo. Nem meto mais a colher porque sei que não valerá a pena. Dói muito ler comentário de gente que fala mal horrores de tal fandom para defender com unhas e dentes o outro. Aí eu me pergunto: que raios de fã é esse que fica falando mal de um para proteger o outro? Foi numa dessas que um conhecido meu deu-me a maior bronca mas que me fez acordar pra vida: "Você fala mal de artista X, mas se a gente falar mal do seu, você iria gostar?"

Como eu havia mencionado alguns parágrafos antes: nem tudo está perdido, porque existem pessoas que ainda dão aquela luz de esperança que tudo vai melhorar. Gente que não se mete nem briga; que compartilha coisas boas, mensagens de otimismo, fotos e vídeos alegres. Puxa, o mundo já anda carregado de tanta maldade, porque não compartilhar alegria para dar um sopro de alívio nessa maluquice toda?

(E quando a gente compartilha algo fofo, muita gente ignora.)


Thursday, October 13, 2016

[TAG: Roteiro Gastronômico] Cafeterias

Antes de mais nada, dia 29 de setembro foi o Dia Nacional do Café.

Quem me acompanha nas redes sociais (Twitter, Instagram e FB quando eu resolvo compartilhar algo) e quem me conhece pessoalmente, sabe que eu sou aquele tipo de pessoa viciada em café, já tentei cortar esse hábito porque sei que sempre que recebo resultado do exame médico, dá carência de ferro, médico já me deu bronca e acho que só vou parar de vez quando for desta pra melhor, porque nem mesmo quando quase fui parar no hospital porque quase me deu úlcera na etapa final do TCC, eu cortei esse hábito. Posso ter diminuido, mas TODO DIA eu tenho que, ao menos, beber uma xícara ou copo da bebida.

Wednesday, October 12, 2016

[TAG: Instagrando por aí...] Coisas randômicas


Um dos meus grandes problemas em fazer a postagem coletiva, tal como a Lominha faz todo mês no Instagram, é conseguir postar alguma coisa relacionada ao tema do dia. Bem que eu tento, mas devido ao meu horário ingrato de trabalho que eu fui escolher + minha vida = vira um desastre.

Tuesday, October 11, 2016

Hit Parade Particular - Segunda Quinzena de Setembro



Tamos entrando na primeira semana de outubro e ainda nem postei a lista do que andei ouvindo na segunda quinzena de setembro, mas juntaram muitas coisas de uma vez, que melhor nem falar...

Friday, October 07, 2016

Outubro Rosa

Oasis 21 e Nagoya Tower ao fundo com a iluminação rosa (creditos na foto)


Acredito eu que muita gente deve ter ouvido a respeito de Outubro Rosa (ou Pink Ribbon), mês dedicado a prevenção do câncer de mama. Por esse motivo, muitos lugares conhecidos em todo o mundo, ganham iluminação rosa (no Japão, por exemplo, o Marine Tower de Yokohama, a torre do Porto de Kobe, Rainbow Bridge, Tokyo Tower, Sky Tree e Oasis 21 de Nagoya, ganham essa iluminação no dia 1o. de Outubro).

Já tinha comentado sobre o evento em posts como estes anteriores, especialmente um dorama da vida real que resultou numa das melhores campanhas que já teve aqui. Na verdade, as campanhas são muito discretas, raramente vejo propagandas a respeito em larga escala. O que eu já vi sobre o Pink Ribbon, foi na farmácia que passei a comprar produtos de uso diário - o algodão que costumo usar, o fabricante dá apoio a campanha e a própria farmácia também.

Eu sei que o mais correto seria a divulgação na TV, revistas e outros meios de comunicação (aka dentro dos trens, onde os vagões possuem uma grande variedade de cartazes), mas como disse, a campanha é bem discreta e ganha destaque quando chega a época e/ou alguma pessoa bem conhecida descobre que está com esse mal. Mesmo assim, em comparação em relação a quase duas décadas atrás, quando eu cheguei no Japão, só descobre tarde demais quem não pesquisa ou corre atrás (volta e meia as prefeituras enviam informativos sobre exames diversos).

A verdade é que a grande maioria das mulheres aqui ainda têm um certo receio de abordar temas como prevenção de doenças ginecológicas, tanto que pra ir fazer uma consulta, por mais que tenham clinicas e anúncios em revistas direcionadas para elas, eu raramente ouço alguma dizer que foi ao ginecologista. Ok, pode falar que foi ao médico e morre o assunto por aqui. Mas acho incrível a maioria delas nem em joshikai da vida conversam sobre isso.

Apesar desse grande porém, o site Pink Ribbon Japan felizmente acredita que esse quadro pode ser revertido e se depender de nós. E ultimamente vem dando resultado: além dos pontos famosos serem iluminados de rosa, campanhas e caminhadas pela cidade (Tóquio, Sendai e Kobe).

Momoimoto, mascote da campanha Pink Ribbon Japan (prtimes.jp)


Mas outras províncias também aderem a essa causa muito importante e a gente acaba descobrindo através de outros meios de comunicação. No caso de Nagoya, eu descobri numa revista que vem mensalmente e gratuita em casa. O Pink Ribbon Nagoya também faz a campanha e se estende para outras duas províncias - Mie e Gifu. No dia primeiro de outubro, um dos símbolos da cidade, o Oasis 21, ganha iluminação rosa, bem como a Nagoya Tower, que fica quase ao lado.

Sobre o Outubro Rosa (ou Pink Ribbon, como queiram), o certo seria eu fazer a postagem sobre a saúde feminina - no assunto sobre conscientização, ler mais sobre prevenção de outras doenças, bem-estar, etc. -, mas o que eu posso fazer é compartilhar eventos e notícias, como no FB (sigo duas páginas, uma delas feita por um grupo de estudantes de Psicologia da PUC-Campinas). E indicar o filme que passou em 2009 (e eu só fui assistir um ano depois quando saiu em DVD), "A Noiva Que Restava Um Mês de Vida" (Yomei Ikkagetsu no Hanayome).

Que o eventos e campanhas sejam divulgados sempre, não somente em outubro, porque informação é tudo.

Fotos: mikaest777.tumblr.com e prtimes.jp

Thursday, October 06, 2016

[J-Dorama] Relação entre sempai - kouhai da JE nos doramas (Parte 4)

Quando sai anúncio de dorama para a próxima temporada, escreve que é batata: quem da JE vai protagonizar e quem será o coadjuvante-que-serve-de-escada-mas-acaba-roubando-a-cena domina nas redes sociais, gerando até cada teoria da conspiração furada que nem te conto...

Goro Inagaki (SMAP)


Programa "Goro DeLuxe", exibido pela TBS nas madrugadas de quinta porque o humor é ácido demais.