Saturday, August 12, 2006

Lembranças Guardadas em uma Foto

Quando temos alguma coisa ou algum acontecimento que queremos registrar para sempre e nunca esquecer e ficar lembrando também, a fotografia foi a melhor invenção que existiu até hoje, bom depois do sorvete, claro. Imagine registrar todos os acontecimentos, os flagrantes, as lembranças tristes e alegres em um pedaço de papel.
Eis a história da fotografia, segundo a Wikipedia:

"A primeira fotografia reconhecida é uma imagem produzida em 1825 por Nicéphore Niépce numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo chamado betume da Judeia. Foi produzida com uma câmera, sendo exigidas cerca de oito horas de exposição à luz solar. Em 1839 Jacques Daguerre desenvolveu um processo usando prata numa placa de cobre denominado daguerreotipo. Quase simultaneamente, William Fox Talbot desenvolveu um diferente processo denominado calotipo, usando folhas de papel cobertas com cloreto de prata. Este processo é muito parecido com o processo fotográfico em uso hoje, pois também produz um negativo que pode ser reutilizado para produzir várias imagens positivas. Hippolyte Bayard também desenvolveu um método de fotografia, mas demorou para anunciar e não foi mais reconhecido como seu inventor.

O daguerreotipo tornou-se mais popular pois atendeu à demanda por retratos exigida da classe média durante a Revolução Industrial. Esta demanda, que não podia ser suprida em volume nem em custo pela pintura a óleo, deve ter dado o impulso para o desenvolvimento da fotografia. Nenhuma das técnicas envolvidas (a câmara escura e a fotossensibilidade de sais de prata) era descoberta do século XIX. A câmara escura era usada por artistas no século XVI, como ajuda para esboçar pinturas, e a fotossensibilidade de uma solução de nitrato de prata foi observada por Johann Schultze em 1724.

Recentemente, os processos fotográficos modernos sofreram uma série de refinamentos e melhoramentos sobre os fundamentos de William Fox Talbot. A fotografia tornou-se para o mercado em massa em 1901 com a introdução da câmera Brownie-Kodak e, em especial, com a industrialização da produção e revelação do filme. Muito pouco foi alterado nos princípios desde então, além de o filme colorido tornar-se padrão, o foco automático e a exposição automática. A gravação digital de imagens está crescentemente dominante, pois sensores eletrônicos ficam cada vez mais sensíveis e capazes de prover definição em comparação com métodos químicos.

Para o fotógrafo amante da fotografia em preto e branco, pouco mudou desde a introdução da câmera Leica de filme de 35mm em 1925."

Interessante, não? Como é possível reproduzir tanta coisa em um papel! Ser fotógrafo pode lhe dar fama mas também muita dor-de-cabeça, como os paparazzi. Mas cada retrato pode vir futuramente marcar história, vide o flagrante durante a Guerra Espanhola de Robert Capa ou o beijo do mariner americano em uma moçoila francesa em frente ao arco do Triunfo após a vitória dos aliados na Segunda Guerra.
Recentemente, a FujiFilm japonesa, para incentivar os amantes da fotografia, lançou a campanha "Photo Is...", que depois os narradores complementam. Quem iniciou (perdoem-me os mais fanáticos) a campanha foi a Yoko Ono, passando por Tulio Tanaka (jogador de futebol brasileiro naturalizado japonês) e Masaharu Fukuyama. Sem falar também do comercial da mesma FujiFilm sobre revelação rápida para quem utiliza cameras digitais, tendo desde o ano de 2005 os artistas Tomoya Nagase (do grupo TOKIO) e Kiki Kirin, ambos em situações bem cômicas.



Momentos que precisamos deixar registrado para a posterioridade!!!

No comments:

Post a Comment