Thursday, March 04, 2010

Minha Nossa, Que Fizeram com Seu Cabelo?

Smasan Boyle, a nova diva da música contemporânea... no momento....

Toda vez que vou ao salão de cabelereiro cortar o cabelo, retocar a tintura (sim, pinto o cabelo desde que apareceram uma bela duma colônia de cabelos brancos na minha cabeça) e se o fator tempo e dinheiro disponível coincidirem, alisamento (meu cabelo vira uma vassoura piaçava em clima seco se eu não usar um reparador de pontas), volto pra casa com a impressão de que todo mundo olha como se dissesse "menina, que fizeram com seu cabelo?". Geralmente não gosto muito de variar corte e côr, muito apesar alguns pares de anos atrás, por erro de tempo em que a tintura ficou no meu cabelo, voltei para casa loira-surfista (felizmente não tenho foto para provar).

Quando ainda estava na faculdade, mantinha o cabelo comprido, no meio das costas. E com franja, às vezes presa com os arquinhos (ou tiara, tanto faz). Uma semana antes de vir pra cá, um de meus tios, cujas filhas (no caso minhas primas) também mantinham as madeixas compridas, soltou a "pérola": "Então, no Japão, o corte de cabelo custa uma fortuna, não dá pra ficar cortando todo mês..." (Isso porque, quando estava morando no interior, eu costumava cortar as pontas todo mês) No dia seguinte fui a cabelereira que costumava cortar as madeixas desde meus quinze anos e quando disse "corta bem curto, aquele chanel com franja", ela não acreditou.

Até eu criar vergonha na cara e ir no salão daqui e tentar falar o pouco de japonês que sabia num lugar onde tudo fechava às oito da noite, levou uns bons meses. Desde então, problema pra ir cortar o cabelo não tenho. Só que meus cabelos começaram a perder a côr de uma hora pra outra e antes dos 30! Até acertar o salão que tenha uma tintura que cubra totalmente os (terríveis) fios brancos levou-me quase sete anos. Sem contar o do it yourself que gerou-me várias idas ao salão pra consertar o estrago...
O dia que eu conseguir fazer isso no meu cabelo igual à peruca, ops, cabelo da Lady Gaga, me internem, pirei de vez mesmo...

Particularmente, gosto de ir nos salões daqui: cafezinho (ou chá), massagem, a lavagem dos cabelos (fica tão relaxante que já cheguei a puxar altos roncos...). Tirando o fato do cabelereiro querer trocar idéias comigo e não entendo até hoje eles deixam pra eu ler revistas pra quem está próximo (ou passou) dos quarenta. Ainda se fosse "Domani" ou "Oggi", vá lá, mas têm revistas que meu fator poder aquisitivo x dona-de-casa abastada não existem, mas eu leio pra ver se me divirto um pouco.

Eu não sei aí no Brasil, mas no tempo que estava na faculdade, vi de tudo um pouco em matéria de penteados e desastres capilares. Meu irmão mais novo, segundo minha mãe, chegou a deixar as madeixas mais compridas que o da irmã aqui, mas gostaria de tê-lo visto usando aquele cabelo igual ao do personagem de Rurouni Kenshin (infelizmente teve que cortar curto devido ao trabalho que arranjou). Se estivesse aqui, ele iria passar desapercebido, pois o que eu já vi de variedades de cortes, cores e arranjos, que, até hoje não entendo como o cabelo deles não estragam!!! Deve ser o creme para tratamento capilar, bons condicionadores e grana, muita grana, pois pra ir ao salão todo mês, eu teria que fazer trabalho extra para manter as minhas na cor maiomeno original...

Na verdade, toda vez que assisto ao programa semanal "SMAP X SMAP" (toda segunda as 22 horas na FujiTV) e "SmaStation" (todo sábado às 23 horas na TV Asahi), não me conformo o quanto o Shingo Katori (sim, ele mesmo, que parodiou a Susan Boyle na esquete "Smasan Boyle", dêem uma espiada aqui, cortesia do HidePN, do Portal Nippon) faz no cabelo: uma hora está descolorido, outra está "normal", outra vez muito curto (até máquina dois), outra está comprido.... Só quando tem que fazer novela que ele sossega e deixa como está por uma temporada (vide quando ele fez "Shinseigumi", "Bara nai no Hanayasan", "Kochikame": ficou uma temporada ou equivalente a quatro meses com o mesmo corte e côr de cabelo). Isso porque na foto ao lado, foi de novembro de 2009, em Nova York para promover a peça "Talk Like Singing" e logo em seguida a campanha "Color Life" da SoftBank.

Outro também que tomei um baita dum susto quando vi na divulgação do filme "Amalfi" (com o Yuji Oda, o sempre lembrado Sargento Aoyama em "Odoru Daisousaisen") o vitaminado, faz tudo e um pouco e ídalo da autora aqui Masaharu Fukuyama. Pra quem viu ele de cabelo curto, às vezes ajeitado (pero no mucho) com gel ou qualquer produto pra cabelo, como naquela novela em 2007 "Galileo", ver o digníssimo Masaharu parecendo o Urso do Cabelo Duro foi um choque. Depois, explicado o motivo: foi escalado pra interpretar o famoso político Ryoma Sakamoto na série da NHK "Ryomaden". Quem viu a foto do verdadeiro Ryoma, vai entender tudo... E seo Masaharu, em 2007, quando fez Manabu Yukawa na novela baseada dos livros de Keigo Higashino - "Galileo" (que no episódio 4, teve participação especial do citado acima Shingo Katori).

Só uma coisa? Passem pra mim o telefone e o nome do salão onde vocês tratam as madeixas, pode ser? Pro cabelo de vocês aguentarem tanta tintura, permanente, alisamento, mousse, gel, laquê, descolorante e tudo o mais, tem que ser um salão muito bom, senão estariam sem um fio pra contar a história...


Tudo pela novela: Masaharu "meldels que fizeram com seu cabelo" Fukuyama como o personagem real e histórico Ryoma Sakamoto. Para isso, crescem-se as madeixas e dá-lhe permanente...
Fotos: via seo Gugol.

9 comments:

  1. Verdade... tá aí uma coisa que não enetendo.... como que o cabelo destes artista resiste... o meu coitado que não faço nada é quase uma vassoura ¬¬

    Se descobrir o segredo me avisa...

    Beijos

    ReplyDelete
  2. Pode deixar, Gesiane, que se eu souber eu aviso.
    As minhas pobres madeixas eu tenho que assentar todo dia com um oleo da L'Oreal, senão fico parecendo aquela bruxa igual do desenho animado.
    Tem artista que varia o corte e a cor, mas o Shingo ganha batido!!!

    Beijao!

    ReplyDelete
  3. Muito bom o post Kiyomi,

    Me lembrei da época que pintava o cabelo todos os meses. Quando estava no colégio, isso ainda no Brasil me chamavam de sayajin por causa do cabelo comprido e pintado de tudo quanto é cor. Já experimentei todas as cores e como sempre fui fã do Glay e X-Japan fazia cada coisa no cabelo. E naquela época no Brasil o pessoal não pintava muito o cabelo, só quando ia no bairro da liberdade me sentia em casa. Tinha gente no seinenkai que perguntava quando eu chegava no bunkyo, ué você foi pro Japão e já voltou.rs Mas precisa de muito cuidado, tratamento sempre e os japoneses são bem cuidadosos na hora de fazer a tintura. Achei muito legal quando fui pela primeira vez em um salão japonês. Atendimento muito bom com opção de escolher nível de profissional, uma entrevista básica para saber qual o tipo de cabelo, servem bebidas (sem álcool), fazem massagem, secam, passam produtos, fazem a sobrancelha e tudo. Enfim você sai de lá sentindo um artista. :D

    ReplyDelete
  4. Ah esqueci de agradecer o link. Muito obrigado! ^^

    ReplyDelete
  5. Hide, bem vindo ao sítio. Pobre mas limpinho rs. Descobri o Portal Nippon devido meu namorido ter sido jurado no Top Model Japan do ano passado. Daí pra encontrar vocês foi um pulo: como o Alexandre Mauj colabora com vocês, pra me encontrarem no twitter ne...
    Confesso: comecei a pintar meu cabelo e fazer tratamento aqui mesmo. Realmente, a gente sai sentindo-se uma estrela! As massagens capilares são tudo de bão! Ja tirei altos roncos, que vergonha!
    Imagino você em Sampa na epoca que o "visual-kei" estava em alta aqui...
    Abraços e sinta-se a vontade!^^

    ReplyDelete
  6. Eu nunca entrei em um salão aq no Japao.Por eu não saber falar japones e tb pq sempre dizem q é mt caro...
    Dessa vez eu trouxe a tinta do Brasil, quem sabe eu vá até um salão só p cortar rs
    bjs

    ReplyDelete
  7. Primeiro: não sei como o cabelo do Katori Shingo aguenta tanta química rs. Toda hora o cabelo tá de um jeito.

    Qdo era adolescente quis deixar o cabelo crescer. Só que nos 80's pros 90's era uma heresia ter cabelo comprido. Como minha mae, minhas tias torraram meu saco, g-zuis.

    Eu tb gosto dos paparicos dos salões daqui. Só que é um perigo: várias vezes cai no sono...e qdo acordei minha sombrancelha era só um filetinho. Rasparam sem dó.

    Agora, lendo o seu post, entendi o que o Masaharu Fukuyama fez com o cabelo. Eu tb tinha tomado um susto na época.

    Ando muito pouco vaidoso. Anos que não dou uma colore no cabelo (black is beautiful, mas os brancos na minha cabeça estão ganhando terreno)...e só fico no xampu e nada mais.

    Meu amigo careca dizia: se cabelo fosse bom, não nascia no c*

    bjos

    ReplyDelete
  8. Taí uma coisa que eu adoro nos japas, os cortes e cores de cabelo, aqui no Brasil quase nao vejo algum homem com o cabelo diferente, sempre eh aquele corte super comum...
    Eu sempre quis pintar o meu, mas se ele ja eh uma vassoura sem fazer nada, imagina depois que colorir!
    Se descobrir o segredo me avisa [2]

    Muito bom o post ^^

    ReplyDelete
  9. Dea, a primeira que fui num salão daqui, eu também não sabia falar nada, como cortar curto, tirar as pontas ou diminuir o volume. Com o tempo (e muita cara de pau depois), passei a cortar o cabelo só aqui. Tirando que ate hoje somente um salão acertou a tintura, o resto nem tenho queixas...
    Beijao pra ti!

    Alexandre, essa pergunta sobre "como o cabelo do Katori aguenta tanta quimica e continua lindo" até namorido faz. Se passarem o telefone e o nome do salão onde ele faz tratamento capilar, eu agradeço...
    Nunca fizeram sobrancelha em mim, nao... Será que perguntaram e eu marquei touca?
    Meu cabelo na verdade era preto como asa de corvo, depois que a quantidade de fios brancos resolveram tomar espaço, ja virei até loira-surfista por erro de tempo da tintura ter ficado no cabelo...
    Meu irmao mais novo quando deixou o cabelo comprido, minha mãe nem tanto implicou com ele, mas meu pai... tirava uma da cara dele rs
    Beijao e bom final de semana!

    Gabriela, se voce me visse em dia de tempo umido, se eu nao passar aquele oleo que falei da L'Oreal nas pontas, viro uma vassoura...
    O bom que aqui, os rapazes usam varios cortes e cores. O pessoal repara mas ninguem fica comentando ou falando mal na cara dura.
    (PS: se eu descobrir o segredo eu aviso rs)
    Beijao!

    ReplyDelete