Thursday, November 25, 2010

Esclarecendo (ou respondendo alguns comentários passados) - Parte II

Bichinhos de Jardim - Bichinhos fofinhos de língua afiada, vale a pena!

Amigos leitores de pobre mas limpinho sítio (preciso mudar esse bordão, ano vai, ano chega e continuo falando a meeeeeesma coisa...), aproveitando que hoje a autora aqui está disposta e vamos lá responder de uma vez só neste artigo alguns dos últimos que publiquei e eu acho que esqueci de muita gente. Ou melhor dizendo: estou com preguiça de ficar respondendo hoje nos comentários, mas circulando, circulando, gente...

- Tower Records Shibuya (Postado dia 18 de Novembro deste ano): Uma das melhores lojas especializadas em música, segundo a autora que vos posta, tanto que semanalmente, bate ponto pra ver o que tem de novidades. Alguns pontos legais da loja seriam as promoções que a rede faz - queima de estoque de DVD e CD a precinhos camaradas, livros e revistas estrangeiras com desconto, os dias do "W Point" (double point, onde acima de uma faixa de compra seus pontos dobram) e seu point card tem um ano de validade a contar da data da última compra e pode ser utilizado em qualquer loja da rede, de Hokkaido a Okinawa. Pro Carlos (Tabeteimasu), dependendo do CD, o preço pode encarecer mesmo - principalmente se for edição especial (só pra comparar - o novo "best album" do Masaharu Fukuyama, por ser duplo já custa 4980 ienes. Se for a edição especial, que vem o novo single junto, sai 5980 ienes e com uma toalha de brinde). Mas nas lojas de segunda mão, como a Book Off, consegue albuns novos a precinhos mais baixos. Quanto ao fato de não abrir as revistas e ler sem comprar, se a revista estiver lacrada, nem pensar. Em algumas conveniências, têm o aviso de que não é pra ficar muito tempo lendo. Mas no geral, pelo menos a maioria das livrarias que frequento, tem até bancos para o pessoal sentar e ficar dando uma lidinha. E o mais surpreendente: a maioria lê e compra!


- Requeijão Caseiro (Postado dia 21 de Novembro deste ano): Sério, acabou sendo o artigo mais comentado dentro e fora do sítio. Até no twitter. Agora quero saber se tentaram fazer e no que deu. E olha que a receita nem minha era (quem passou a receita foi a @joyjovi ). Na verdade, eu não sei no Brasil qual seria o queijo semelhante ao utilizado e se daria pra usar o creme de leite convencional que a gente conhece lá (ou se seria o creme de leite fresco direto da leiteria). Ao pessoal que já morou boa temporada aqui e está no Brasil (Fabiana, Bah, Denise) se puderem descobrir, divulguem, porque  eu perdi a noção mesmo. Fernanda, quanto ao artigo sobre como eu e namorido kinguio nos conhecemos, em breve neste bat-sítio, neste bat-canal.... ops, confundi tudo. Hide (do Portal Nippon - visitem o site que ele e sua trupe fazem, recomendo a visita URGENTE...), fala pra _@sayurinha publicar a versão dela no Portal que vai chover comentários e visitas. Falou em comida + praticidade + economia = lota a caixa de comentários e ganha popularidade. Bem, meu post não era beeeeeeem o propósito, nada subliminar...


- De Volta a Programação (A)normal? (Postado dia 24 de Novembro deste ano): Na verdade quem nunca bateu direito dos pinos sou eu (hahaha), por isso sou o que eu sou. Bem, pelo jeito o pessoal que comentou queria saber mesmo de...

- Cacá (The Doramas), os livros do Bistro Smap foram publicados de 1997 a 2004. São as receitas que eles mesmos fazem - sob a devida orientação das escolas de culinária Tsuji e Hattori - durante o programa semanal. Prometo um artigo sobre isso. Quando é ao vivo, vira um deus-nos-acuda, pois as duas duplas (não me pergunte como eles escolhem entre eles) têm vinte a trinta minutos para fazer um prato escolhido pelo convidado - lembrando que o Bistro NAO possui menu. O convidado escolhe o que quer comer na hora. Claro que já houveram algumas gafes (teve uma atriz que, quase no final do preparo, disse que detestava tomate e todos eles colocando tomates na receita), desastres (quase puseram fogo na comida ao invés de flambar) e constrangimentos (muita gente não gostou do que a Madonna comentou quando ela veio).

Quanto ao fato de eu chegar ao ponto de ir dormir quase na hora de acordar, já fiz muito disso... no tempo de faculdade? Não, algo de algumas semanas atrás?

- Fabiana (Sonho Doce Sonho), eu estou tirando o atraso dos j-doramas via torrentagem, alugando na promoção do Tsutaya (lembra da promoção deles, 4 a 5 filmes por mil ienes?) e cheguei a encontrar no iuchubi ("My Girl", com Aiba Masaki, consegui encontrar, mas tem que ver se não retiraram). Quanto as receitas do Bistro Smap, talvez no iuchubi encontre. Como fazem mais de seis anos que eles não publicam as receitas, existem algumas que a gente fica curiosa em saber. No site oficial deles, eles dão algumas dicas, mas até o próximo programa. O que eu deveria ter anotado era o molho tártaro que Goro Inagaki fez para uma receita de peixe e usava a maionese Dijon que você comentou. Pior ainda: era MUITO fácil de fazer... Se eu encontrar o programa nos meus DVDs eu vou anotar e publico (acho que foi no programa do ano passado, vou ver).

- Fabiana Yoko (Yoko e seu Mundo Multicolor): E olha que eu consegui três livros (tem mais, mas pergunta se eu consegui encontrar) e sorte que foram os que têm as receitas mais acessíveis e menos complicadas. Uma das receitas eu consegui fazer, embora faltou um ou outro ingrediente. Publicarei assim que possível. Spoiler: quem quase sempre levava a melhor era a dupla que tivesse o Takuya no meio... Ah, eu vivo em comunhão de pecado com o namorado há onze anos, no mesmo lar apertado lar... Não assinamos os papéis, porque é uma burocracia, então vivemos bem assim. Detalhe: ele é minha cobaia para minhas experiências culinárias...
Em segunda mão (porque a foto já saiu em um post meu de aniversário do ano passado), a autora e a cobaia... ops, o namorido que a atura há quase doze anos, cúmplice na gastronomia, de ter feito a autora adorar Masaharu Fukuyama e incentivado também a mesma ir ao Tokyo Dome tentar ao menos levar o Takuya Kimura pra casa. Foto mal focada, mas não fui eu.

- Bah (BahBlog): Eu confesso: até o almoço ainda como decentemente, como salada, arroz, carne, alguns bons legumes. Mas à noite, desde minha adolescência, sempre fui uma pessoa difícil de jantar. Exceto se eu não almocei, aí eu como à noite. Mas procuro comer algo leve, mas que já cheguei ao cúmulo em várias vezes de me empanturrar de feijoada... A verdade é que eu preciso cuidar mais da saúde, ainda mais que atingi a casa dos "enta". Tomar cuidado para não passar do peso e acarretar problemas no coração, controlar o colesterol, pressão, taxa hormonal... Se bem que minha taxa de colesterol é baixa e minha pressão só falta ser negativa, pois estou pra conhecer gente que tenha pressão sanguínea mais baixa que a minha (8 por 5 estou ainda normal, normal...). Por isso voltei a andar mais de bicicleta e caminhar. Carro somente quando preciso mesmo.

Sobre horário invertido, e olha que não trabalhamos no mesmo lugar, mas acredite se quiser, mas o senhor kinguio diz que trabalhar a noite consegue pensar melhor. Não, longe de pensar que ele quer se ver livre de mim, especialmente em dias de TPM (aka pra muitos homens, "Tou Pronta pra Matar" e outros trocadalhos do carilho infames), imagina...

- Andrea Inoue (Papiando), agora que você está em terra brasilis, conte-nos como está hoje na parte de reciclagem, aproveitamento de materiais. Sei que aí aos poucos estão incentivamento muito na parte de sustentabilidade. Espero que nesse ponto melhore (lembra do meu post sobre "Sustentabilidade", que a Oetker está na campanha?). Bem, quanto ao fato de eu estar mais pilotando o fogão, não é de hoje. Já tive meus desastres culinários, mas pelo menos de fome, a gente não passa (quanto aos livros, foi de tanto assistir - e até hoje assisto - o programa semanal).

Falei pra vocês que estes são os combustíveis para me manterem em pé o dia todo?

- Carlos e Denise (Tabeteimasu), o dito requeijão dinamarquês, eu encontro na loja da rede Kaldi (não sei se vocês chegaram a conhecer, mas a rede é bem antiga), mas se comprei foi muito raro devido ao "precinho". Na "minha época" (faz tempo), em casa não que racionávamos, mas supérfluo era coisa rara em casa. Sabe ovo de Páscoa? Comprávamos o maior que tivesse e teria que dividir em cinco pessoas (pai, mãe e três irmãos com diferença de idade meio estranha). Ultimamente uso o carro na hora da emergência mesmo, mas para ir pegar o trem pro trabalho estou indo de bicicleta. Quando chove, aí não tem jeito, tenho que pegar ônibus mesmo. O hábito de eu acordar cedo vem desde o colegial, que eu levava dupla jornada (cursava Magistério de manhã, estagiava durante a tarde e à noite eu cursava técnico em administração de empresas). Mesmo assim, continuo acordando cedo. Levantar aí seria outra história...

- Gesiane (Suki yo), na medida do possível vou testando e publicar as receitas. Não garanto a indigestão depois haha, brincadeira. Em breve, um ratatouille improvisado por falta de algum ingrediente.

- Desabafando (Desabafando e Sonhando), só pra ter uma idéia, esta semana levei uma hora andando de casa até a estação... E andando em ritmo normal, sem parar para ver vitrines ou outras coisas (exceto na hora de atravessar a rua). Mas chega no final de semana dá vontade de dormir mais, mas o corpo e o organismo já se acostumaram né...

Espero ter tentado esclarecer alguns pontos, mas aos poucos a gente vai se virando.

Fotos: da autora lesada, exceto a tirinha que está no site "Bichinhos de Jardim" e a foto da autora e da cobaia, ops, namorido não lembro mais quem foi.

5 comments:

  1. É te confesso que fiquei na duvida se a receita do requeijao daria certo aqui pq eu nao saberia que queijo usar e fico feliz que vc esteja bem e caminhando.

    ReplyDelete
  2. Confesso que eu como o requeijão comprado em mercado mesmo, porque se eu for experimentar fazer essa arte na cozinha, é capaz de sair um bolo de queijo ahahhah... mas pulamos essa parte rs.. Que bom que a srta está se alimentando bem, ficamos felizes... aproveita que no Nihon dá pra levar uma vida saudável com qualidade de vida, diferentemente daqui que podemos levar uma vida saudável, comendo alimentos mais baratos e de boa qualidade (quer dizer, nem sempre rs), mas mesmo assim com tanques de guerras e traficantes saindo pela culatra....

    Kisu!

    ReplyDelete
  3. Desabafando, sobre o queijo, acho que no Brasil seria o queijo prato e o creme de leite melhor seria o fresco adquirido nas leiteirias (se ainda existe).
    Eh... andar muitas vezes está me deixando mais resistente e cansando menos.
    Beijao!!

    ReplyDelete
  4. Bah, não é dificil de fazer não! So tem que tomar cuidado na potencia do microondas (que no Brasil nem sei como é, pois antes de vir pra ca NUNCA tivemos um) e no queijo, que não pode ser aquele tipo que, quando derrete vira puxa-puxa. Se bem que sair um bolo de queijo não seria má ideia haha
    Na real: qualquer lugar tem o lado bom e o lado ruim. Aqui, sabe que as frutas e verduras custam caro pra dedéu e ainda consegue-se a um precinho razoável indo nos ichiba (que lembram o Ceagesp), mas por enquanto dá pra sair de casa no meio da madrugada comprar um chocolate na conveniência e voltar ileso. O que peca aí é a segurança.
    Beijao e se cuida!

    ReplyDelete
  5. Olá Kiyomi,
    Um pouco atrasado mas vamos lá...rs...
    Geralmente eu olhava os preços de CD's no Donki....gostava daquela bagunça...mas não comprei nenhum CD aí...achava realmente caro...rs... Faz muito tempo que não compro CD aqui no Brasil pois fico ouvindo J-Pop com a Denise e como não se acha CD's desse gênero por aqui o jeito é baixar as músicas...

    Valeu pela explicação sobre ler revistas nas lojas...eu ficava com receio por causa das placas mas não entendia ao ver um monte de japa lendo...rs...Por aqui, na Saraiva e na Fnac dá para ler sem problemas. Gasto um tempão lá...rs...mas no final, se gosto da revista levo para casa também...

    Ovo de Páscoa era um em casa tb para dividir...rs...Como não tinha muito supérfluo quando era pequeno, acho que fiquei esfomeado e por isso acabo comendo um monte de coisa agora e indo em tudo que é restaurante que aparece pela frente...rs...

    Abraço,
    Carlos

    ReplyDelete