Thursday, September 16, 2010

No Food, No Drink, No Life ... But With Music!


Em meados de julho, quando recebo o e-mail interno da empresa sobre o exame médico anual e obrigatório (afinal, tenho o seguro saúde descontado pra quê mesmo?) e com o calendário, já entro num misto de pânico, desespero e depois respirar fundo e seja lá que Deus quiser. Por que eu tenho esse tipo de reação??? Quem leu as tragicomédias em 2008 e 2009, vão entender.

Eu sei que é importante cuidar da saúde, que temos que nos prevenir, e tudo o mais. Só que existem exames que eu tenho vontade de sair correndo. Sim, os malfadados "exame gastrointestinal" e "exame-que-somente-mulheres-fazem", mas preciso fazer ainda mais que bati a casa dos quarenta anos.

Foi a mesma história? Pior que foi, desde o jejum na noite anterior até terminar o exame, mas desta vez usaram a cabeça e puseram-me para fazer o exame ginecológico primeiro e o gastrointestinal por último. Mas o upgrade deste ano, foi a mamografia, que na verdade não tinha feito - o que eu fiz foi ultrassonografia. E a última vez que fiz foi sei lá que encarnação e quase saí sem peito (na verdade, perante muitas que conheço, nem tenho direito). Quem fez esse exame, sabe.

Não sei se é porque desta vez eu descansei bem no dia anterior, mas desta vez tudo correu bem, tirando o fato de um exame ou mais sentir um desconforto dos infernos, estou com o meu BMI na média; emagreci nove quilos; finalmente na primeira encontraram minha veia para retirar sangue (sempre a enfermeira "peleja" para encontrar); o malfadado líquido branco consegui expelir logo após ter tomado purgante (foi efeito imediato: mal engoli, foi o tempo de entregar a ficha do exame terminado, trocar de roupa e logo correr ao banheiro). E de quebra, ainda deu para ler a revista CREA com o quarentão mais fofo, vitaminado e lindo Masaharu Fukuyama na capa e com entrevista dele sobre o trabalho que vem fazendo como Ryoma Sakamoto e na época do lançamento do single "Hotaru"/"Shonen".

Tendo uma revista destas na sala de espera de qualquer clínica, qualquer exame passa batido...

Eu falei que a clínica onde faço os exames fica próximo ao Tokyo Dome, né? Pois bem: aproveitando que estava por aqueles lados mesmo, e já totalmente recuperada (acho que foi a recuperação pós exame mais rápida que tive em meus oito anos), fui para lá. Pra quê? Não falei que o quinteto Smap está na última etapa de shows no Japão (e no mês que vem, dois dias em Pequim)? E a última etapa da turnê "We Are Smap!" vai ser no Tokyo Dome. Então...

Visão da parte de trás do Tokyo Dome, de quem vem da estação Korakuen do Tokyo Metro. Detalhe para um dos patrocinadores do estádio...

Ele mesmo: Takuya Kimura (o ídalo da Fabiana, Monica e demais meninas da comunidade), fazendo comerciais de imóveis - o Tama Home. Detalhe: comercial do ano passado...

Mesmo caindo aquele chuvisco chato, e ainda a temperatura deu uma queda brusca (até semana passada, eu reclamava que estava um calor dos infernos, agora esfriou a ponto de, daqui a pouco sair de casa com uma malha amarrada na cintura), tinha fila. Fila pra entrar no show? Calma aí, o show começava às seis da tarde, lembra que eu falei bem anteriormente que ingresso aqui é tudo numerado, não precisa chegar tão cedo assim que seu lugar está garantido? Mas a fila era pra quê?

Quem viu a foto do Tokyo Dome, da visão via Korakuen, o local amarelo abaixo dos cartazes dos patrocinadores do estádio, são os pontos de venda das lembrancinhas do quinteto - posteres, fotos, penduricalhos para celular, chaveiros, canetas, estojo para lápis, toalhas, eco-bags, camiseta, os leques tamanho litro (que postei no artigo anterior)... Oficiais, claro. Os itens mais caros seriam a camiseta e a bolsa plástica com forro, mas não comprei-as.

Aproveitando meu segundo dia de folga e já que estava por aqueles lados mesmo, resolvi encarar a fila (que quase contornava o Tokyo Dome) e enfrentar outra fila para comprar algumas coisas (que depois eu posto em algum artigo posterior), porque se eu for para deixar para comprar "na hora", vai que a fila dobra, ainda mais que vou no último dia do show (19 de setembro).

O melhor daqui é que, mesmo andando pra cima e pra baixo e pegando trem, metrô ou qualquer condução coletiva com a sacola com a estampa do show deste ano, ninguém fica reparando. Inclusive, encontrei algumas alminhas semi perdidas na estação de Yokohama com a sacola dos shows anteriores. (Antes que me perguntem, a eco-bag do show do Masaharu Fukuyama em 2007 no Saitama Super Arena está sendo de uma utilidade quando vou fazer compras com o namorido...)

Verdade seja dita: se as próximas vezes esse exame médico anual for essa tranquilidade, vai deixar de ser tragicomédia para ser rotina. Mas resta saber qual vai ser o resultado este ano, se vai ser a mesma coisa (que eu preciso emagrecer mais, falta de ferro no sangue, pressão sanguinea despencando a ponto de perguntarem "como está viva ainda", taxa de açucar ultra baixíssima...) ou vai ter algum plus a mais.

Fotos: da tirinha do Garfield (o episódio em que pede-se várias pizzas com tudo que engorda e arremata com refrigerante dietético, isso acontece comigo, sim) e da capa da revista CREA, encontrados via seo gugol; do Tokyo Dome e do cartaz do TamaHome foram da autora lesada aqui.

Antes que me perguntem porque já estou plantada no computador em pleno dia de folga, vou avisando: queriam que eu fizesse o quê com um aguaceiro lá fora? Aproveito e dou uma limpada no meu HD do computador que deve estar cheio de novelas torrentadas não assistidas...

8 comments:

  1. Eu tenho que dizer uma coisa pra vc, e é sério! Eu acho que perdi muito tempo não lendo os seus posts...é que adoro o humor, os cartoons, as histórias e os pequenos detalhes sobre a vida no Japão.
    Quanto ao exame, eu se tivesse que fazer, acho que entrava em pânico, tenho medo até de dentista!
    Espero que os resultados sejam todos bons.
    Agora, girl's talk, esse Takuya Kimura, não faz muito meu género não, eu prefiro aquele homem maduro Japonês, charmoso, género Riuchi Sakamoto.
    Então aí já tá começando o Outono. Nossa, foi dum dia para o outro...
    BEIJOS

    ReplyDelete
  2. Oi, lolipop: eu também estou tentando recuperar o tempo perdido lendo os seus, pois os seus traz a parte da cultura japonesa que muita gente não conhece - os meus posts são do dia a dia, o que vejo o que presencio, nada demais.
    Quanto ao Kimura, na verdade os doramas que ele faz é sucesso garantido. Fora das telas, ele é pai de duas meninas quase mocinhas!!! Nao parece, mas ele tem 37 aninhos rs Bem, pra falar a verdade, meu gênero de homem bonito é o Masaharu Fukuyama hahaha
    Eu também gosto do Ryuichi Sakamoto, volta e meia ele aparece com a antiga banda dele, o Yellow Magic Orchestra, lembra?
    Eh... daqui a uma semana começa o outono, e ultimamente tem caido chuva... E esfriou de súbito!!
    Beijos!

    ReplyDelete
  3. Ai ai ai!
    Diferente da lolipop e da Kiyomi (dona desse blog) eu BABO por esse Kimura viu?!
    Ele consegue deixar meus dias mais alegres!

    Viu, então a senhora já foi passear em Tokyo Dome! Isso que é ansiedade, ahahahahhahaha.

    E sobre os exames, eu também odeio todos eles, mas são necessários, né?

    Beijão!

    ReplyDelete
  4. Ah, essa tirinha é ótima..rsrsrs...ri mto! e que bom que tudo correu bem com seus exames mas aproveite suas férias pra ir passear e fazer coisas diferentes...rsrsrs...e depois contar tudo pra gente!

    ReplyDelete
  5. ahahahahah Fabi, eu respeito o Kimura, morro de rir quando ele aparecia como P-chan ou como aquela vendedora de roupas para as "ageha girls", adoro as novelas que ele faz ("Beautiful Life" é minha preferida), mas prefiro deixar ele procê eheheheh
    Tokyo Dome: uni a tragicomédia (o exame) ao agradável - a clínica fica na mesma rua em frente ao estádio, então...
    Eh, eu sei como você se sente fazer exames médicos. No meu caso o que me incomoda é o exame gastrointestinal e os efeitos colaterais posteriores. Nem o fato de tirar amostra de sangue me abala.
    Beijao!

    Desabafando, é que eu fiz coincidir as folgas com o dia do exame para pode fazer com mais calma. Como ontem (quinta) despencou aquela chuva, muita coisa resolvi deixar pra sexta e sabado (domingo vou ao show).
    Mas estou aproveitando, sim. Pelo menos na quarta fui mudar o visual hahaha
    Beijao!

    ReplyDelete
  6. Kiyomi,
    Pode me colocar na lista porque tb gosto do Kimutaku. Não alucinadamente, mas gosto. Assim como gosto do Fukuyama, Odagiri Jo, Oguri Jun, etc.
    Exame médico é uma dureza, mas é melhor que não ter como é o meu caso. Fica por minha conta.
    bj

    ReplyDelete
  7. Nossa, mas nunca fiz exame ginecológico nem gastrointestinal na fábrica, já achava ruim ter que tirar sangue e mijar no potinho rs... ficava angustiada pensando se no próximo ano teria que tirar amostra de cocô rs.... mas pelo menos vale o "esforço"... e nem me fale dessa mamografia... tenho pavor só de pensar que vão apertar meus peitos....

    Dizem que dói e muito...

    Kisu!

    ReplyDelete
  8. Elisa, mas voce tambem fazendo parte da lista "nós amamos Kimura" hahahahaha Tudo bem, a gente respeita ele (mesmo ele ter comido tomate a semana toda, aparecer de poodle rosa como o P-chan e até como aquela balconista quarentona a Shinobu-chan).
    Quanto ao exame, enquanto eu estiver pagando o seguro, vou continuar fazendo anualmente, por "intimação" da empresa...
    Beijos!

    Bah, até tirar amostra de urina, vai lá, pois tiro no dia do exame, em casa. Mas as fezes... (sabe a Lei de Murphy: quando nao precisa, sai. Quando precisa, tranca?)
    Confesso: mamografia dói mesmo. Ainda mais pra quem não tem peito como eu. Fico me perguntando: e quem colocou silicone, como fica?
    Beijao!

    ReplyDelete