Tuesday, June 23, 2015

Paul

Que continue encantando o público com sua simplicidade em seus shows.


Foto: via twitter na conta oficial do Paul - "Out There Japan Tour 2015", Tokyo Dome.

(P.S.: Era para ter postado no dia 18, mas a vida real da autora nem deu...)

Monday, June 22, 2015

It's Only Love

Normalmente eu quase nem falo do namorido aqui neste Empório, mesmo porque ele é a pessoa que mais morre de vergonha nesse mundo. Mas engraçado que gosta de vida social, eu não entendo.

Desde que a gente se conheceu, dezesseis anos atrás, já passamos por muitas fases, altos e baixos, tudo que a gente possa imaginar. Se a gente está vivo e junto até hoje é porque a gente acredita que no final tudo vai dar certo, mesmo sendo uma coisa por vez.

Uma das coisas que admiro nele é dar a liberdade de fazermos nossas coisas particulares. Claro que temos nossas coisas em comum, mas também temos nosso lado particular, como ele ir nos eventos dele e eu nos meus.

Acho que só ele para aturar meus surtos quando vejo meus ídolos na TV, quando vou nos eventos do tipo Comic Market da vida, quando vou nos concertos...

Outra coisa que ele me ensinou foi agradecer pelo dia que se foi e poder acordar para enfrentar outro que segue. Só o fato de estar vivo e com saúde, faz com que a gente possa enfrentar os dragões nossos de cada dia. E' cliché mas a frase "o importante é ter saúde, porque sem saúde como você vai poder enfrentar a vida?", mas saúde é um fator que não é o forte dele, mas ele nem pensa nisso (mesmo ele se cuidando e tudo o mais), porque se ele pensar, provavelmente ele cai em depressão, e isso, ainda bem que ele nem possui.

Muitas pessoas acham estranho a gente não trocar declarações de amor melosas nas redes sociais, não postar tanta foto juntos, não mencionar sobre dia dos namorados, porque a gente nem precisa ficar mostrando pro mundo todo o quanto a gente sente um pelo outro. Bem, cada um tem seu jeito de demonstrar, uns mais espalhafatosos, outros mais discretos. A gente se encaixa no segundo caso.

O importante para nós é estarmos bem, vivendo em paz. Se a paz na casa e na vida terminarem, tudo termina. Mesmo se porventura não der mais certo, que seja de uma forma amigável (porque seria a coisa mais constrangedora nesse mundo terminar a amizade).

Seja como for, espero que complete muitos mais anos pela frente e que estejamos sempre um ajudando ao outro para superarmos os perrengues que passamos e seguir adiante com a cabeça erguida.




Sunday, June 14, 2015

Dieta só na Segunda-Feira...

Uns dias atrás, dia de minha folga, fui eu alimentar minhas acompanhadas, indo na famosa cafeteria Starbucks (ou como diz um amigo meu, "café da sereia", por causa do logotipo). Quem lê isso, pensa que vou todo dia, mas ledo engano - apesar que aqui em Kisarazu tem três lojas da rede, todas elas ficam um tanto distante de casa.

Mesmo se eu quisesse ir todo dia, eu enjoaria em três tempos. Tudo o que é em excesso, enjoa.

Voltando, toda vez que eu vou no Starbucks Coffee, é quase inevitável eu acabar pedindo alguma bebida sazonal. Porque os tradicionais já tomei todos, inclusive o Matcha Frappuccino, que até uns anos atrás eu evitava porque eu não gostava. E os sazonais, sempre trazem aquele "algo mais" que faz você voltar de novo antes que termine.

O lado ruim de quando você resolve experimentar os produtos sazonais é que, quando você gosta, quer mais e logo sai de cartaz. E sabe lá quando esse produto volta (se é que volta)!

Três dos muitos Frappuccinos sazonais que todo mês aparecem na cafeteria, mas nem sempre consigo experimentar todos (mesmo porque nem tenho condições pra isso)...

1 - Chocolate Crunch Frappuccino: Quando o Clube do Necessaire postou a informação de que essa bebida tem 1044 calorias, tinha acabado de tomar um tamanho venti (sim, esse tamanho comporta 590ml de bebida) e comido uma torta folhada de ricota com mel. Resultado: naquele dia, não consegui nem jantar alface.

A bebida é formada pelo frappuccino tradicional (gelo, leite e café do dia triturado), acrescentando biscotti (um tipo de biscoito italiano, que normalmente comemos mergulhado em café quente, deixando ele amolecido - sim, essa iguaria é bem dura), amendoas picadas, com cobertura de chantili feito de café, salpicado com lascas de cacau torrado e calda de chocolate.

Por ter o biscotti, para tomar, o canudo tem o diâmetro um pouco maior que os habituais.

Dica: se restar, obviamente coma com a colher. Porque o biscotti é picado de forma tão aleatória, que têm pedaços que não passam pelo canudo.

No Portal Mie, chegaram a comparar a quantidade calórica do Chocolate Crunch Frappuccino com sete latas de cerveja ou dois Big Mac!!!

Chocolate Crunch Frappuccino (venti size) e Honey Ricotta Pie. (Starbucks Coffee Kisarazu Mitsui Outlet Park)

2 - Fruits on Top - Yogurt Frappuccino with Crunch Nuts: Essa bebida eu tinha visto no Instagram da Gesiane (a outra viciada em Starbucks *apanha*) e justamente naquele dia eu estava no centro de Chiba. O que eu não esqueço, foi o fato de que naquele dia eu enfrentei uma fila de uma hora para poder comprar o meu, mas tinha muito lugar para sentar.

Esta bebida era consistida em leite, iogurte e gelo triturado, com cobertura de geléia de frutas (com pedaços de laranja, morango, pêssegos branco e amarelo), chantili e amendoas picadas. Quantidade calórica informada: 492 calorias na embalagem tamanho tall  (350ml).

Por conter iogurte e frutas na composição, o produto não era tão calórico nem "pesava" no estômago, mas não sei se era a geléia, achei um tanto doce demais (e olha que, pra quem costuma pedir o Dark Chocolate Frappuccino, que é bem mais doce que o habitual...) e meio que enjoativo pro meu paladar, tanto que eu experimentei uma vez só.

Mas para quem queria algo mais leve e não é fã de café, era uma boa pedida, pois o produto ficou dois meses nas lojas da rede. Mas teve lugar que já esgotou bem antes.

Fruits on Top - Yogurt Frappuccino with Crunch Nuts (Starbucks Coffee Sen Chiba Mall)
 3 - Caramel Sakura Chocolate Frappuccino: Esse sim, o mais procurado pelo pessoal durante os meses de fevereiro e março. Para celebrar o fim do inverno e a entrada da primavera, época em que as flores das cerejeiras começam a aparecer em todo o Japão, a rede costuma lançar esse produto, que caiu no gosto dos consumidores - tanto que acho que já é o terceiro ou quarto ano consecutivo que esse produto volta nessa época do ano. Mas a cobertura muda às vezes (teve ano que foi calda de chocolate, calda de morango, mas em 2015 foi calda de caramelo).

Não costumo tomar a versão quente, apesar que em fevereiro ainda está frio. Mas confesso que espero essa época do ano para tomar essa iguaria, pois eu acho bem leve. Vai a mistura de leite, chocolate branco e gelo triturados, e mistura a calda de flores de cerejeira, com cobertura de chantili tradicional e calda de caramelo, com lascas de chocolate branco com sabor de flor de cerejeira (é, foi isso que eu entendi).

Acharam a mistura estranha? Mas você sente bem o gosto de cereja, achei bem leve e nada enjoativo. E, para acompanhar, cherry blossom chiffon cake. Como todo mundo deve saber, o chiffon cake tem uma consistência muito leve (teve gente que disse que parece esponja, hahahaha), mas o gosto da cereja é bem marcante e não enjoa. Tanto que eu queria mais, mas o bolso não permitiu.

Na ocasião, as lojas da rede Starbucks puseram a venda tudo o que poderia imaginar com o desenho e cores das flores das cerejeiras - desde tumblers até café com a embalagem das flores. Inclusive os copos servidos eram desenhados com as flores, o que dava pena de descartar.

Acabei não comprando o tumbler nem mug cup por motivos de que eu tenho um monte de canecas em casa e só uso o mesmo, pra desespero de alguéns, e tumbler eu tenho dois, mas só uso um.


Caramel Sakura Chocolate Frappuccino e Cherry Blossom Chiffon Cake (Starbucks Coffee Lalaport Tokyo Bay)

Claro que antes destes, já experimentei vários, como o Matcha Chocolate Brownie Frappuccino (foi em 2014 e aí estou curando a minha aversão a matcha, assunto que abordarei em breve neste Empório), Almond Latte Crunch Frappuccino (foi neste ano, depois do Caramel Sakura Chocolate Frappuccino), Chocolate Orange Latte (foi em janeiro, mas foi a versão quente, não tinha Frappuccino deste produto)...

Postei somente os sazonais no meu Instagram, porque os "de sempre" muita gente conhece e estes nunca saem de linha. Referente ao valor calórico, eu confesso que nunca dei muita importância (o que eu tenho que tomar cuidado seria nos produtos que podem me dar alergia, mas por enquanto, não posso abusar do camarão, que me dá coceira no dia seguinte).

Muitos podem dizer que "ir tomar café em cafeteria de marca é só pra quem pode", eu entendo, mas de vez em quando, vale a pena. Porque a vida da gente aqui não fica restrito a trabalho e dor de cabeça, a gente tem que ter vida propriamente dita de vez em sempre.

Quanto ao assunto dieta...

Fotos: todas da autora via Instagram.

Lembrando que a opinião da autora não influi na opinião dos outros, porque gosto é pessoal. 

Não estou ganhando nada para informar sobre os produtos apresentados e/ou mencionados. Sigo a linha "provei e vamos fazer resenha para todo mundo saber".

Monday, June 08, 2015

Quando o ano passa muito rápido (a.k.a., Caramba!!! Já estamos em junho???)

Quando virei a folha do calendário, recebi notificação de novidade via e-mail e o clima começou a esquentar e chover sem aviso prévio, percebi que entramos no mês de junho.


"Já chegamos na metade de 2015 ... é isso!  - Sakurai" 


Entra ano, sai ano, eu sempre tenho a (péssima) mania de dizer que "caramba, o ano passou depressa demais" ou "Já chegamos em junho???". Quando chega julho, mês que eu completo mais um ano de vida, cheguei a dizer "o ano acabou"...

Sem brincadeiras, eu achei que este ano está passando muito depressa demais. Nem parece que quase dois meses atrás eu estava lá no Tokyo Dome no show do Paul. E num piscar de olhos.... entramos em junho!!!

Daí a gente para e pensa - que fizemos de bom na primeira metade do ano? No meu caso, tirando o fato de que estou trabalhando direto, ao ponto de até trabalhar aos domingos e dias de minhas folgas, o primeiro semestre foi bom - um live viewing, um concerto, cinema, eventos de doujinshi e ter começado a engordar o cofrinho, eu não posso reclamar. Muito.

Primeiro, ao menos quando eu quero, eu posso tirar três dias de folga em uma semana. Depois, o que me resta do pagamento após pagar tudo o que é preciso, dá pra comprar o que ultimamente andei querendo (leia-se: mangás, DVDs, CDs, produtos de beleza...), e ainda sobra pra juntar.

Agora, vamos que vamos enfrentar a segunda metade do ano...

Imagem: printscreen feito a partir do celular na página da J-web ~ cada semana um membro do grupo posta um recadinho na faixa, seja um lembrete de algum evento, show, lançamento de álbum, filme, whatever, mensagem de aniversário ou até coisas aleatórias...

Monday, May 18, 2015

Compartilhando Novidades


Recentemente, li um artigo do blog "Mulher Vitrola" (que eu leio ocasionalmente, dica da Lominha) sobre o motivo porque a autora não frequenta eventos blogueiros.

Recomendo a leitura: "A busca desenfreada do sucesso (e porque eu não vou mais a eventos blogueiros".

A última vez que eu participei de um evento do gênero foi há exatamente quatro anos atrás, quando os twitteiros brasileiros (e alguns japoneses) que moram aqui resolveram fazer um encontro a fim de nos conhecermos melhor pessoalmente (até então, a maioria era tudo virtual). Eu tinha ido a um anteriormente, em Tóquio, antes do terremoto de Tohoku, mas foi na semana do ano Novo, então, nem deu pra encontrar tanta gente como esperávamos.

Mas o encontro feito na cidade de Komaki (Aichi), reuniu a grande maioria dos twitteiros (e alguns blogueiros) e até hoje não esqueço do dia. Naquela época, para comunicar com o restante do pessoal que morava aqui quando ocorreu o terremoto em 2011, foi na base do Twitter (sim, a gente usava - e usa até hoje - naquela época), porque telefonar era inviável, mas a internet funcionava, apesar de ter ficado muito lento, mas funcionava. E foi através do Twitter que muita gente que morava quilômetros e quilômetros distante do epicentro, que puderam saber o que havia acontecido e, o mais importante, respirarem aliviados por estarem bem.

Depois disso, não lembro mais se teve algum outro encontro, porque se teve, infelizmente nem pude comparecer. Na verdade, uma boa parte dos brasileiros que moram aqui não possuem blog, e quem possui, bem... fica difícil eu descrever que tipo de assunto eles tratam, porque é um pouco de tudo (viagens, modo de vida, cosplay, dicas de beleza, cinema, diversão, receitas culinárias, curiosidades, etc.).

Eu entendo o real motivo de não ter esses eventos: muita gente mora muito longe, e quem mora na região, possui outros compromissos e nem sempre o dia de folga coincide com o de todo mundo. Mas se a gente resolve fazer, obviamente temos que fazer a divulgação nos principais meios de comunicação e sabemos que vai ter gente reclamando de que seria perda de tempo em fazer esse tipo de evento. Na verdade, quando fizemos, foi um encontro num restaurante, sem patrocínio algum. E quem bloga, só pensa em transmitir o que a gente acha de interessante e mais nada. Até onde sei, os brasileiros que aqui residem nem visam ganhar dinheiro com blogs. Somos daquela filosofia "vi, gostei, bora fazer resenha". Pelo menos os blogs que costumo seguir seguem dessa forma.

A maioria que bloga aqui visa apenas transmitir o que tem de interessante aqui, desde a visita de um lugar pitoresco até como participar de um evento de cosplay. Até fazemos resenha de um produto de beleza que pode prometer milagres, de um chocolate diferente, mas sem fins de ganhar $$$ como eu já cansei de falar.

Tenho este Empório há quase dez anos, e se eu quiser ganhar alguns trocados com isso, tem a alternativa de usar o AdSense e olhe lá, mas alguém me pagar pra fazer resenha de algum produto ou qualquer coisa que seja, aí, não. Eu posto conforme o momento. Ou daqueles dias em que "vi, gostei e vamos mostrar pros leitores". Eu sei que ultimamente estou em dívida com muita postagem, mas vamos combinar que, a gente aqui também trabalha direto e temos nossos afazeres, por isso que nossas postagens nunca serão diárias.

(Claro que eu admiro gente que posta tutoriais, gente que posta quase que diariamente e, principalmente, gente que posta resenhas sem fins lucrativos.)

Teve uma época que eu postava muito mais, aquelas que eu via algo novo e interessante, ia pesquisar e logo estava postando. Mas, depois de alguns problemas pessoais, eu passei a postar muito pouco, ao ponto de eu parar pra pensar se estava postando por postar ou postando porque eu gostava. Mas também já recebi cada indireta (em comentários em outros blogs) de que eu estaria sendo paga para postar sobre doramas e filmes que eu assistia, o que me deixou irritada, nervosa e desanimada tudo ao mesmo tempo.

Mas com o tempo, a gente faz a egípcia e segue em frente, porque gente que faz esse tipo de comentário, nem merece um pingo de atenção. E', eu sei.

Enfim, quando li o post do blog da Mulher Vitrola, eu parei para pensar sobre esses eventos. Mas não cabe o nosso caso, entre o pessoal que bloga aqui. O nosso intuito seria postar o que para muita gente seria novidade. Não era pra isso que os blogs servem? Informar, divulgar e compartilhar?

Não sei vocês, mas ainda sou daquelas que vejo algo de novo/interessante/legal e quero mostrar pra todo mundo. (Mesmo que custe algumas críticas destrutivas em comentários alheios, mas a gente fica triste na hora, se acalma, tira a poeira e não vamos desanimar, porque gente assim quer ódio pra cultivar o coraçãozinho, se é que tem coraçãozinho, né?)




Wednesday, May 13, 2015

Maio



Fazem dezessete anos que vim parar aqui e dezessete anos que passo o segundo domingo de maio longe de minha mãe. Eu bem que ultimamente tento retornar para um mês de merecidas férias, mas sempre acontece algum imprevisto que me impede de fazer isso.

Seja como for, eu não lembro de minha mãe somente em dias especiais, mas todos os dias - embora eu telefone para ela uma vez por mês por questões de algo chamado... economia!!! Explicando: quando cheguei aqui no Japão, em 1998, na época, ligação internacional era caro pra caramba. Então, eu telefonava pra minha família uma vez por mês e quando não muito, duas, no caso de extrema urgência. Se eu telefonasse mais de duas vezes no mês, era fatal a pergunta: "Aconteceu alguma coisa???"

Apesar dessa distância geográfica, eu sempre lembro da minha mãe como se ela estivesse ao meu lado. Qualquer coisa que eu vejo, faço e até falo, lembro dela. Desde os panos de prato feitos de saco de farinha alvejada com barradinho de crochê (e o primeiro que falar que é coisa brega, vai levar uma chibatada com esse pano, viu?), até certas superstições (ou hábitos, que seja), como não comer frango na véspera do ano Novo.

Mas se meus pais estivessem morando aqui (não necessariamente no mesmo teto), além das conversas cotidianas, as broncas seriam as mesmas. Aquelas broncas típicas de mãe, sabem? E talvez com algum upgrade. Ah, sim. A hora do almoço, o pão de ló (que até hoje eu nunca acertei fazer igual), a farofa de abobrinha e a torta de sardinha com tomate.

A macarronada de domingo, fazer compras no supermercado e ficar pesquisando o melhor preço (nem preciso dizer de quem eu peguei esse hábito), assistir filme (minha mãe nunca foi chegada em novela), regar as plantas, os afazeres domésticos.

Eu sei que às vezes as mães exageram (um pouco), mas se tem algo que minha mãe sempre deu apoio foi na escolha de nossas decisões quando entramos na fase adulta. Embora a gente sempre teve aqueles altos e baixos na vida e as broncas merecidas. Na hora a gente acha ruim, mas depois a gente cai na realidade e "ela estava certa".

Hoje, mais do que nunca, eu valorizo muito mais o que minha mãe fez (e ainda faz) por mim e pelos meus irmãos. Embora a gente já tenha passado da casa dos "enta" (exceto meu irmão mais novo, que ainda está entrando nos "inta"), tudo o que ela nos ensinou, continua sendo válido. E toda vez que converso com ela, nem ligo se fico uma a duas horas no telefone conversando (e ela: "Vai sair caro essa ligação"), mas só de saber que estão todos bem e com saúde, eu agradeço por esse dia.

E uma das coisas que aprendi com ela é que, temos que agradecer pelo dia que passou, sinal que estamos vivos, por mais que o trabalho seja ingrato, que o dia nem foi tão bom assim, mas o fato de poder dormir e acordar para mais um dia, seria o suficiente.

E saúde também - sem saúde, sem vida.


Feliz dia das mães, 24 horas por dia, sete dias na semana, 365 dias no ano.

Imagem: do FB na timeline da minha amiga Cintia "Lina Style".

Monday, May 11, 2015

Pretty (Wo)men...?!

Uns dias atrás tanto no site The Doramas como no FB, eu havia me deparado com essa foto...

Septeto novo na parada, as Canjani Eito!!! (Esquerda pra direita) Kurako, Yasuko, Nishikiko, Subako e Yokoko. (Atrás): Maruko e Murako. (foto cr: kanjani LJ)

Thursday, May 07, 2015

Instagrando por aí... ~ Especial Sakura

Eu sei que era para ter postado no máximo em abril, mas foi um mês tão corrido que, quando eu tinha meu dia de folga, eu tinha outras coisas pra fazer. Enfim, quando chega a primavera, as flores se abrem depois de um longo inverno.

Sunday, May 03, 2015

"Out There Japan Tour 2015" ~ Tokyo Dome, 27 de Abril de 2015

(Mais conhecido como "The Revenge Tour")

Ainda estava me recuperando do baque que eu e mais de 200 mil fãs tivemos no dia 17 de maio de 2014, quando no final de janeiro, recebo no LINE a notícia...

Wednesday, April 29, 2015

Cada Ingresso conta uma História...

Acho que nos últimos dez anos fui em muitos concertos do que eu não fui quando eu era uma estudante universitária semiperdida no campus.



Desde 2006, fui em 10 concertos e dois eventos (live viewing não coloquei aqui porque foi no cinema). Eram para ser onze, mas infelizmente um foi cancelado. Como consegui essa proeza (ou doideira, como queiram), vou contar pra vocês, mas aviso que o post vai ser looooooongo....

Wednesday, April 15, 2015

Thursday, April 02, 2015

Fã Clube

Toda vez que eu tentava ir no show/evento do Masaharu Fukuyama, tinha gente que me perguntava se eu era membro do fã clube dele. E quando eu respondia que ainda não, ninguém acreditava...

MAS COMO???

Tuesday, March 31, 2015

Redes Emanharadas

Não está sendo fácil entrar em qualquer rede social e fechar a janelinha com um misto de raiva, decepção, tristeza e vontade de espancar o primeiro pela frente (o que nem valeria a pena). 

Sempre tive a idéia de entrar em rede social ou blog x, y ou z e me entreter, ter algum informação legal, espairecer a cabeça depois de um dia (ou uma semana, tanto faz) de um trabalho penoso. Bem, isso há alguns anos atrás, porque de uns tempos para cá, de dez artigos que eu tento ler, pelo menos metade deles são de ódio, de protesto, de raiva, de chorar (literalmente, mas vai da interpretação de cada um)...

Eu não sei o que acontece na mente desse pessoal, porque qualquer coisinha que comenta, pra começar uma Terceira Guerra Mundial basta apertar um botão. Num tópico qualquer que seja, obviamente vai ter uma parcela de gente que vai discordar e vai ter outra parcela que vai concordar. Ainda se o argumento fosse válido... Mas nãão... só falta sair na facada mesmo. Sabe do tipo as batalhas na história do Rurouni Kenshin? 

Daí se a gente fala que essas pessoas estão exagerando, vêm dizer que somos um porre. Da mesma forma que elas não concordam com isso, a gente também tem o direito de não concordar com o ponto de vista delas. E quando isso acontece, começam os discursos cheio de "moral" e que somos obrigados a concordar com elas. 

Existem pessoas que realmente a gente nem pode discutir, que seria uma perda de tempo. Nem comento mais nada nas redes sociais sobre muitos assuntos porque não existe mais aquela discussão saudável dos tempos em que existia o Fórum das Garotas Que Dizem Ni ou o Fórum Beatles Brasil, que a gente discutia, zoava mas todo mundo ficava na paz e amor. Um ou outro era um porre mesmo, mas a gente relevava. Mas hoje, nem dá mais pra fazer isso. Se esses dois fóruns ainda estivessem ativos, eu nem saberia dizer se iríamos continuar ser os mesmos.

Porque seríamos chamados de reacionários, elite, retrógrados, preconceituosos... 

Porque realmente, nem sei mais o que acontece com as pessoas, a tolerância esvaiu-se como fumaça.

E eu pergunto: vocês compram esmalte pela cor ou pelo nome?






Monday, March 30, 2015

[Promotion Video] "Sakura iro maukoro" ~ Mika Nakashima (2005)

"Sakura Iro Maukoro", single de fevereiro de 2005 da cantora Mika Nakashima, é tida como uma das mais bonitas baladas, especialmente em se tratando do tema "Sakura Songs".

A letra é sobre o amor da primavera que, tal como as pétalas das cerejeiras, dançam no ar. Mas o que também chamou a atenção na época (e até hoje) foi o promotion video.

Durante a música, é contada uma história de amor de duas crianças, que tinha como fundo uma cerejeira, que foi testemunha de todas as passagens da vida delas até a adolescência, quando o casal acaba se separando devido a mudança da menina para outra cidade, deixando o rapaz solitário e sua única lembrança é a árvore.



O piano que está na capa do single é o mesmo que Mika toca durante o promotion video. O cenário onde se passa a história das duas crianças com a cerejeira, estava em cima desse mesmo piano.


A animação, feita com bonecos, e filmado quadro a quadro, dá um tom mais nostálgico na música.


O single foi lançado no dia 2 de fevereiro de 2005 (e sua versão analógica no dia 16), ficou em quinto lugar na Oricon. Embora tivessem várias músicas com o tema das cerejeiras, dizem que foi a partir desta música que deu maior ênfase ao "Sakura Songs", devido a música trazer o vídeo que representou melhor "a passagem das quatro estações do ano contando uma história de amor".

A música está no álbum de estúdio "MUSIC", lançado em março do mesmo ano e nas coletâneas "BEST" e "TEARS". Ganhou versões de cantores como Ryoko Moriyama e Hideaki Tokunaga (vide álbum "VOCALIST 6", série em que Tokunaga interpreta músicas em que somente mulheres cantaram).

Em 2013, foi usada a versão "natural" para o comercial da Kanpo Senmei.

Nota da autora: infelizmente não consegui encontrar o PV inteiro, portanto somente duas cenas que encontrei na net. Talvez encontrem no site PV Sites mas não são vídeos do YT. E também queria encontrar os dados de quem fez o vídeo, mas nem o Commercial Photo, revista que traz sobre CMs, PVs e anúncios, encontrei. Se alguém encontrar, por favor, informem-me.

Sunday, March 29, 2015

J-Pop e Anime

Assim como muitos comerciais aqui no Japão usam músicas de artistas conhecidíssimos da j-pop como música de fundo (uma forma de divulgar o artista também, atire a primeira lata de bebida quem nunca comprou um single do artista só porque ouviu no comercial e gostou. Recomendo conferir o blog do fmass, o CM's Japan, que ele traz as novidades), no mundo anime a coisa não muda muito.