Thursday, April 14, 2016

Moving day



Tentar explicar o motivo de eu estar frequentando muito pouco as redes sociais (Twitter, por exemplo), não fiz o #thefabulousproject da segunda quinzena de maço nem de abril, e até este Empório anda mais devagar quase parando...

Esta semana estarei mudando de cidade. Sério.

Motivo, transferência. Isso mesmo.

Nunca havia imaginado que mais dia ou menos dia, iria acontecer. Quando a demanda diminui, resolvem transferir alguns funcionários para as filiais. Pois é, quase entrei em choque quando me comunicaram que estariam transferindo a gente para outra cidade. Ou aceitava ou estaria na rua.

E na idade que eu estou, encontrar outro emprego ficaria muito difícil (*experiência própria, ou "porque cargas d'água eu não estudei e prestei pra passar no N2 do JLPT").

Eu tenho que ver o lado positivo dessa mudança.

Ok, eu gosto da região de Kanto porque muita coisa eu tenho acesso, mas eu também deveria conhecer outras regiões, como Aichi (onde será nosso novo lar a partir da semana que vem), Osaka e, quem sabe desta vez conseguir ir pra Nagasaki e Kumamoto.

Mas também não impedirá que eu continue frequentando eventos como eu sempre faço nos Comic City da vida.

Pela localização, desta vez acredito que eu volte a estudar.

Pra conseguir logo o N2 que tanto me pedem quando vou fazer entrevista.

E essa mudança estava desde quarta-feira da semana anterior encaixotando tudo o que temos que levar e jogando fora o que já deu o que tinha que dar.

Vida nova dentro de alguns dias. E será como foi mudar de Yokohama para Kisarazu uns 3 anos atrás, mas eu tenho esperança de que as coisas precisam ir pra melhor.

Só agora estou postando? Pois é, depois das seis da tarde a gente encerra a missão para descansar, comer e tentar ter uns momentos de distração.

Cansa, dá trabalho? Verdade.

E que no nosso novo lar, um novo ciclo se inicie.

Wednesday, April 13, 2016

A semana das cerejeiras

Todo início da primavera, aqui no arquipélago, a mesma coisa mas que encanta e faz a gente esquecer por hora dos problemas da vida. O florescer das cerejeiras (sakura), que enfeitam a paisagem que antes eram árvores sem folhas se preparando para receber roupagem nova.


Os tempos estão mudando agora
As estações vêm e vão
As vezes sinto que o tempo está passando para nós

- "Sakura" , Naotaro Moriyama


Apenas com o som de "eu te amo"
Sinto como se pudesse me tornar mais forte
Algum dia, quero te ver novamente neste lugar

- "Cherry" (Spitz)


Embora eu soubesse que era amor
Embora as flores floresceram
Você continua a mesma pessoa de antes

- "Sakurazaka" (Masaharu Fukuyama)


As flores de cerejeira florescem, em meu coração sonhos sem nomes brotam
Não retorne, porque o amanhã não existe atrás, vá em frente, vá em frente
- "Sakura Sake"  (Arashi)




As flores de cerejeira caem e flutuam
Abraçando cada parte do meu amor flutuante
Mesmo até eu imaginando o sonho de ter orado com você naquela primavera
As flores espalhadas...

"Sakura" - Ikimonogakari.

Fotos: todos da autora, em Kisarazu, nas proximidades do rio Yanagawa. Letras traduzidas dos sites wikia.com e yarukizero LJ.

Wednesday, April 06, 2016

[Cine Pipoca] Haha to Kuraseba (2015)



Nobuko Fukuhara (Sayuri Yoshinaga) é uma parteira que trabalha em Nagasaki. Seu filho mais novo, Koji (Kazunari Ninomiya), morreu em consequência da explosão da bomba atômica que caiu na cidade, no dia 9 de agosto de 1945. Três anos depois, Koji aparece diante dela, e, ocasionalmente em suas aparições ficam lembrando do passado, ora felizes, ora tristes.



Mãe e filho lembram dos tempos felizes em que ele estudava com Machiko (Haru Kuroki), que vinha em sua casa. E dos tempos da guerra, onde seu pai e irmão mais velho morreram de forma trágica (o que causava pesadelos em Nobuko).

A história pode ser surreal, mas mostra o vínculo entre mãe e filho, mesmo sabendo que ele não estaria fisicamente com ela, mas em forma de espírito.



"Haha to Kuraseba" (literalmente "Vivendo com minha mãe", ou como saiu no exterior "Nagasaki: Memórias de meu filho"), foi lançado no dia 12 de dezembro de 2015. Dirigido por Yoji Yamada, ele queria fazer um filme em homenagem a Nagasaki e também 120 anos da empresa Shochiku, a mesma que distribuiu o filme, e era a primeira vez que o diretor fazia um filme em forma de fantasia.


Yoji Yamada, o diretor, é mais conhecido (inclusive internacionalmente) pela série que dirigiu - "Otoko wa tsurai yo" ("E' duro ser homem", mais conhecido como "As aventuras de Tora-san") e teve um de seus filmes indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. O filme "Haha to Kuraseba" foi inspirado no livro "Chichi to Kuraseba" (ou "A Face de Jizo"), de Hisashi Inoue, que era ambientado em Hiroshima. Yamada quis fazer a versão de Nagasaki, já que também foi uma das cidades atingidas pela bomba atômica durante a Segunda Guerra Mundial.


As filmagens tiveram início em abril de 2015 e terminaram em julho do mesmo ano. Mas o anúncio do filme e elenco foram feitos em outubro de 2014. (Tanto que, na época, alguns meses antes, tinham anunciado que Ninomiya ia atuar junto com o ator e diretor Takeshi Kitano em "Akamedaka", especial para a TV, mas durante todo esse tempo, o filme ficou pronto e saiu antes que o especial)



Era a primeira vez que Ninomiya atuava com a atriz Sayuri Yoshinaga, muito conhecida desde os anos 60 em filmes como "Kyupora no aru machi", "Izu no Odoriko", "Ai to shi o mitsumete", "Ototo" e na série "Otoko wa tsurai yo". Os atores tiveram que aprender o dialeto de Nagasaki para dar mais realismo à história (e as filmagens foram feitas na cidade).

A música foi composta por Ryuichi Sakamoto, após um ano ausente do meio artístico devido ao tratamento de câncer.


O filme ficou entre os 10 melhores filmes eleitos pelo KineJun (uma das revistas especializadas na área, o Kinema Junpou), e na 89a. edição, ganhou os prêmios de melhor ator (Ninomiya) e atriz coadjuvante (Kuroki).

No 39o. Japan Academy Prize (equivalente ao "Oscar" que conhecemos), o filme teve duas premiações principais - o de melhor ator (Ninomiya) e de melhor atriz coadjuvante (Kuroki). Chegou a concorrer o de melhor filme, direção, atriz principal e ator coadjuvante.



"Haha to Kuraseba" (2015), dirigido por Yoji Yamada. Elenco: Sayuri Yoshinaga (Nobuko Fukuhara), Kazunari Ninomiya (Koji Fukuhara), Haru Kuroki (Machiko Sata), Tadanobu Asano (Kuroda), Kenichi Kato (O Homem de Shangai), Yuriko Hirooka (Tomie), Miyu Honda (Tamiko), Nenji Kobayashi (Funcionário da Imigração), Tsuji Kazunaga (senhor de meia idade), Isao Hashizume (Professor Kawakami). Música de Ryuichi Sakamoto. 

Nota: Empresas como Japan Post e SoftBank por exemplo, ajudaram na divulgação do filme.

Fotos: site oficial do filme, site oficial do Japan Academy Awards, natalie.mu, youtube, tumblr, twitter.


Monday, April 04, 2016

[J-Dorama] Quando amigo é pra essas coisas... (parte 2)



Para quem não leu a parte 1, pode dar uma lidinha aqui!

Dando a sequência dos meninos da JE que fazem doramas e os autores resolvem colocar mais um membro da agência pra co-atuar (ou servir de escada, que seja), e quando são membros do mesmo grupo, os comentários disparam. Aquela velha história que já comentei e nem vou entrar em detalhes. Enfim...

Andei pesquisando, percebi que muitos doramas que membros da JE atuam, dificilmente colocam outro membro do mesmo grupo para servir de coadjuvante. Deu para perceber no post da primeira parte, que procurei, procurei e só tive aquele saldo. Isso porque eu não inclui filmes nem tanpatsu doramas. Participação especial em algum capítulo randômico não conta.

Como de costume, se eu esqueci de algum, por favor, mencionem nos comentários de forma bem educada que eu farei outra postagem com amor e carinho com os devidos créditos.

Arashi (Satoshi Ohno, Sho Sakurai, Masaki Aiba, Kazunari Ninomiya e Jun Matsumoto)

Ultimamente, saiu notícia de algum deles atuando em dorama da temporada, sai tudo o que é notícia. E rumores, o que é inevitável. Tirando dois especiais para a TV ("V no Arashi" e "Saigo no Yakusoku") e um filme ("Kiiroi no Namida") que os cinco atuaram juntos, acreditem se quiserem, mas renzoku dorama com os cinco juntos ou dois ou mais membros, até agora só conheço um e olhe lá.

O dia que acontecer de novo, vamos nos preparar pra enxurrada de revistas e programas que falarão do assunto.

- Yamada Taro Monogatari (TBS, 2007) - Sho Sakurai e Kazunari Ninomiya




Muita gente conhece a história: Taro Yamada (Kazunari Ninomiya) é um dos meninos mais populares da escola onde estuda, por ser muito bonito, educado e elegante. Mas, o que ninguém sabe, exceto seu amigo Takuya Mimura (Sho Sakurai), que Taro é tão pobre, mas tão pobre, que tem que fazer inúmeros trabalhos extras para poder dar o que comer para seus seis irmãos e reparar as besteiras que sua mãe avoada faz, já que o pai sumiu misteriosamente. Mesmo assim, tem que fingir que é rico para poder manter as aparências. Até o momento é o único renzoku dorama que dois membros do Arashi atuaram juntos.

Trivia: No fandom, quando tem a interação do Sakurai com Ninomiya, eles são apelidados de "YamaTaro" por causa deste dorama.

KAT-TUN (Kazuya Kamenashi, Jin Akanishi, Junnosuke Taguchi, Koki Tanaka, Tatsuya Ueda, Juichi Nakamaru)

Até o momento reduzido a trio e entrando em férias de atividades como grupo, os membros na época sexteto também atuaram juntos em alguns renzoku doramas.

- Gokusen - Season 2 (NTV, 2005) - Kazuya Kamenashi e Jin Akanishi




Uma das séries mais conhecidas, que foi baseada em um manga. "Gokusen" é a história da professora Kumiko Yamaguchi, que acredita no futuro dos estudantes, ao mesmo tempo que é rude e durona. Ao ser a professora de uma classe repleta de delinquentes, Yamaguchi enfrenta com coragem toda a sorte de intimações, até ganhar a admiração deles. O que a escola inteira não sabe é que ela é herdeira da quarta geração de um clã da máfia japonesa. A série teve três temporadas, três especiais e um filme. Kamenashi e Akanishi contracenaram na segunda temporada e no segundo especial.

- Tatta Hitotsu no Koi (NTV, 2006) - Kazuya Kamenashi e Koki Tanaka



A história se passa em Yokohama, onde um rapaz que trabalha como reparador de navios se apaixona por uma filha de uma família rica. Kamenashi é o protagonista e Tanaka interpreta um de seus amigos.

- Yukan Club (NTV, 2007) - Jin Akanishi e Junnosuke Taguchi




Um dos mangás mais conhecidos da autora Yukari Ichijou, a trama envolve seis jovens oriundos de famílias ricas. Eles formam o Yukan Club, que resolvem casos misteriosos para passar o tempo. Akanishi interpreta Miroku Shochikubai, que gosta de motocicletas; Taguchi interpreta Granmarie Bido, filho de um embaixador sueco.

NEWS (Keiichiro Koyama, Shigeaki Kato, Yuya Tegoshi, Takahisa Masuda)

Eles começaram como nove membros - incluindo Ryo Nishikido (que ficou no Kanjani Eito), Tomohisa Yamashita (saiu pra seguir solo), Takahiro Moriuchi, Hiroki Uchi e Hironori Kusano. Embora por um bom tempo eles tenham sido um sexteto, eles nunca fizeram um dorama juntos, e olha que, dos membros (e ex-membros), Yamashita é o que mais atua (não incluo o Nishikido porque ele é membro do Kanjani Eito antes de entrar no NEWS).

Trivia: Takahiro "TAKA" Moriuchi é filho dos cantores Shinichi Mori e Masako Mori. Atualmente ele é o vocalista da banda de rock ON OK ROCK, que foi responsável pela música dos três filmes "Rurouni Kenshin".

Kanjani Eito (You Yokoyama, Subaru Shibutani, Shingo Murakami, Ryuhei Maruyama, Shota Yasuda, Ryo Nishikido e Tadayoshi Ohkura)

(Muita gente pensa que o nome do grupo era porque eram oito membros - na verdade começaram como octeto mesmo, mas era porque o programa que eles apareceram, pertence a Kansai TV, cujo canal é 8) O grupo Kanjani Eito, formado por membros nascidos na região de Kansai, tem a música mais focada no enka, mas com elementos pop e dialeto local. Atuaram juntos nos filmes "Eight Rangers", "Eight Rangers 2", "8Uppers" e no especial para o 24 Hour TV, "Ikiteru Dake de Nankurunaisa".

- Papadoru! (TBS, 2011) - Kanjani Eito




O protagonista do dorama era o Ryo Nishikido - que interpretava ele mesmo, numa história em que, "o que aconteceria se o ídolo mais popular do Japão fosse casado e estava mantendo segredo?", e mostrava o lado do show business, entre escolher a carreira e a família. Um dos poucos doramas que interagia com outros programas da emissora (como "Himitsu no Arashi-chan", "A-Studio"), filmes (na época, o Kanjani Eito estava filmando "Eight Ranger" - motivo pelo qual o grupo também atua no dorama) e doramas ("Hancho 5"). Por enquanto, único renzoku dorama que um grupo inteiro atuou.

Hey! Say! JUMP (Ryosuke Yamada, Yuuri Chinen, Yuuto Nakajima, Keito Okamoto, Daiki Arioka, Yuya Takaki, Kei Inoo, Hikaru Yaotome, Kouta Yabu)

(Até 2011, Ryutaro Morimoto fazia parte do grupo.)

O nome do grupo é um trocadilho com a era em que os membros nasceram (todos eles nasceram depois de 1989, quando houve a mudança da era Showa para Heisei) e JUMP é um acrônomo para "Johnny's Ultra Music Power". Foram supporters para a campanha do campeonato mundial de voleibol (assim como foram seus sempais V6, Arashi e NEWS). Claro que todos eles atuam (mesmo antes de serem o grupo que é hoje), mas os mais prolíficos são Yamada, Chinen, Nakajima e Arioka. Mas o grupo todo atuar em um dorama (renzoku ou tanpatsu), até agora...

- Scrap Teacher - Kyoushi Saisei (NTV, 2008) - Yuuto Nakajima, Ryosuke Yamada, Yuuri Chinen, Daiki Arioka




O aluno Shuzaburo Kusaka (Nakajima) ingressa numa escola que está prestes a fechar. Apesar da falta de interesse de muitos professores e alunos, ele acredita que tudo pode mudar e tem apoio de um professor. O ingresso de novos alunos que vieram transferidos de outra escola, traz mais motivação para Kusaka reerguer a escola.

Bonus: dois membros do futuro grupo da JE, Sexy Zone, também co-atuam no dorama - Fuma Kikuchi e Kento Nakajima (não tem parentesco com Yuuto).

- Risou no Musuko (NTV, 2012) - Ryosuke Yamada e Yuuto Nakajima




Yamada é Daichi Suzuki, filho único de Umi (Kyoka Suzuki) que o criou sozinho, fazendo com que ele seja "o filho perfeito". Quando sua mãe vai trabalhar numa escola onde existem os piores elementos, Daichi resolve pedir transferência para a mesma escola para protegê-la, pois a adora (o chamado "Complexo de Edipo"). Yuuto interpreta Koji Kobayashi, colega de Daichi, mas é covarde e morre de inveja pelo fato de Daichi ser muito caridoso.

- Kindaichi Shonen no Jikenbo (NTV, 2014) - Ryosuke Yamada e Daiki Arioka



Hajime Kindaichi foi interpretado por 4 membros da JE - Tsuyoshi Domoto (1995-1997), Jun Matsumoto (2001), Kazuya Kamenashi (2005) e Ryosuke Yamada (2013-2014). Para quem não lembra, Kousuke Kindaichi era um famoso detetive na era Showa, resolvendo casos tidos como impossíveis de resolver. Seu neto, Hajime, resolve seguir os passos de seu avô, enfrentando diversos casos e mistérios.

Na quarta geração, Yamada é Hajime Kindaichi, e Arioka é Ryuji Saki.

- Suikyu Yankees (Fuji TV/2014) - Yuuto Nakajima e Yuya Takaki


Naoya Inaba (Nakajima) passou bom tempo estudando no exterior e achava que "yankee" fossem pessoas fortes e corajosas, mas no Japão, é termo usado para "delinquente". Quando retorna ao seu país, termina os estudos em uma escola conhecida por possuir a supremacia do polo aquático, mas estava para fechar as portas. Mesmo assim, Naoya gostava da escola porque foi ali onde seu ídolo estudou. Takaki interpreta Torao Kitajima, rival de Naoya.

Bônus: 

- Antes de formarem o Hey! Say! JUMP, Daiki Arioka e Yuuto Nakajima co-atuaram no dorama "Engine" (2005), como Toru Sonobe e Shuhei Kusama, as crianças do Orfanato Kaze no Oka.




Kis-My-Ft2 (Hiromitsu Kitayama, Kento Senga, Toshiya Miyata, Wataru Yokoo, Taisuke Fujigaya, Yuta Tamamori, Takashi Nikaido)

Septeto que começou em 2005, como subgrupo dentro do Johnny's Jr., até 2011 quando debutaram como grupo próprio. Uma das peculiaridades do grupo é sua apresentação em patins, lembrando os tempos do Hikari Genji. Para a autora aqui, é um pouco mais fácil mencionar eles em doramas do que musicalmente falando (porque conheço MUITO pouco, nem posso contestar). Como o assunto do post é atuação, vamos lá - muito embora Kitayama, Fujigaya e Tamamori são os que mais atuam dos sete.

- Misaki Number One (NTV, 2011) - Taisuke Fujigaya e Hiromitsu Kitayama




Baseado no manga do mesmo nome, é a história de uma hostess que era a top em um clube em Roppongi e acaba tornando-se professora de uma classe bem problemática. Fujigaya era o líder da classe e Kitayama seu aliado.

- Ikemen Desu ne (TBS, 2011) - Taisuke Fujigaya e Yuta Tamamori



Versão japonesa do original coreano "You're Beautiful". Miko (Miori Takimoto) é uma noviça que acaba se passando por homem, para substituir seu irmão gêmeo na banda A.N.Jell. Só que ela acaba se apaixonando pelo vocalista Ren Katsuragi (Tamamori). Fujigaya interpreta o guitarrista da banda, Shu Fujishiro.

- Beginners! (TBS, 2012) - Taisuke Fujigaya e Hiromitsu Kitayama



Fujigaya e Kitayama são alunos de uma academia de polícia onde nada é permitido, e vigiados 24 horas por dia para terem a certeza de que serão aptos para o cargo. Por serem considerados desajustados, pertencem a uma classe especial.

- Heisei Busaiku Salaryman (NTV, 2014) - Busaiku (Wataru Yokoo, Toshiya Miyata, Takeshi Nikaido, Kento Senga)



Yokoo, Miyata, Nikaido e Senga são funcionários de uma empresa de alimentos, mas tudo o que eles fazem acaba por dar errado devido a personalidade de cada um. Embora estejam com sério risco de serem demitidos, eles enfrentam toda a sorte de desafios que lhes são designados.

Trivia: Busaiku é um subgrupo dentro do Kis-My-Ft2, produzido por Masahiro Nakai (SMAP).

Bem, por enquanto, são esses os doramas que possuem essa particularidade. Como disse anteriormente, se faltou algum, por favor, nos comentários, que depois posto com os devidos créditos.

Fontes: wikipedia japan, dramawiki. Fotos: twitter, twitpic, ameblo, yahoo japan

Sunday, April 03, 2016

[Roteiro Gastronômico] NOZY Coffee (Kisarazu Shop)

Variando um pouco minhas idas em cafeterias, especialmente o da sereia, resolvi dar uma visitada em uma outra cafeteria que fica dentro do AEON MALL em Kisarazu.

O quiosque onde fica o NOZY Coffee no AEON MALL Kisarazu. Tive que fotografar de longe por falta de coragem e cara de pau da autora aqui.

Dentro desse mall, tem pelo menos cinco cafeterias - Starbucks, Cafe de Crie, Kurashiki, NOZY Coffee, e Fika Cafe. Dos cinco, fui em quatro. Viciada em café tem dessas coisas, acaba indo em quase todos para experimentar, mas acaba indo no mesmo (o da sereia).

Fui no NOZY Coffee por pura curiosidade mesmo - no FB acompanho o site da japonesa radicada em Seattle (EUA), Ryoko Iwata, o "I Love Coffee", como mencionei em alguns posts anteriores e, ela informou sobre um site no Instagram, o ABC Coffee, que traz a lista de várias cafeterias em todo o Japão.

O NOZY Coffee possui duas lojas - a primeira em Sanjuku (Tóquio) e a segunda em Kisarazu (Chiba). Como a maioria das cafeterias espalhadas em todo o país, o NOZY traz grãos exclusivos torrados e moídos na hora e seu preparo é diante do consumidor. O que difere das grandes redes é que oferece, além de um espaço bem confortável, seminários mensais de como preparar um café delicioso.

Como a loja de Kisarazu fica dentro do AEON MALL, o espaço é pequeno (tem o balcão onde eles preparam as iguarias e os sofás com muitas almofadas), mas decorado e confortável, que dá pra saborear numa paz e tranquilidade.

Decoration Latte é muito ♥ gente!


Para não variar, experimentei a novidade do mês de março - Cheese Cream Coffee. Café com cheese cream, aquele mesmo que a gente usa para fazer bolos. Não sei se eu estava com o paladar ruim (porque sofro d kafunshoo e, dependendo do que como ou bebo, parece que o sabor está estranho), mas achei que combinar cheese cream com café, ficou algo meio... como posso dizer? Ruim, não ficou, mas sabe quando fica um gosto amargo no final? (O que não sinto quando bebo café expresso, americano ou pingado) Também, se eu não experimentar, nunca vou saber.

O bom mesmo é o ambiente, confortável e decoração que possui itens norte-americanos dos anos 50.


Ao lado esquerdo da foto, tem uma estante com livros e revistas pra os consumidores, com a finalidade de relaxar ao saborear as iguarias da casa.





NECESSITO um aviso desses em minha casa!!!
Obviamente que irei mais algumas vezes para provar outras especialidades da casa. Podem acreditar, mas até mesmo o café expresso comum tem sabor bem diferente de cada loja (depende muito do preparo, torrefação e até procedência dos grãos, sim, tudo isso influencia no aroma e paladar).

Muitas pessoas podem dizer que "compensa mais comprar o pó e fazer em casa", mas de vez em quando ir em algum lugar para poder relaxar, vale a pena.

A loja também vende café das mais diversas procedências. Sim, tem café do Brasil, obviamente (no blog da loja, eles falam sobre o São Judas Tadeu, procedência da Chapada Diamantina) Geralmente, o café servido é "o do dia", mas eles informam qual é o tipo que está sendo servido.

Para quem quer variar um pouco, visitar diferentes cafeterias vale a pena (quem não quer arriscar os sazonais logo de cara, recomendo provar o café tradicional).

Fotos: todas da autora.


Saturday, April 02, 2016

Mudanças

Um momento para nascer, um momento para morrer
Um tempo para plantar, um momento para colher
Um tempo para ferir, um tempo para curar
Um momento para rir, um momento para chorar

Mudanças quando chegam, muitas vezes terão que ser bem vindas. 

Mas quando elas são inesperadas, temos que nos recompor e encarar como se fosse um novo desafio. Afinal, a vida nos reserva inúmeras surpresas.

Confesso que muitas dessas mudanças foram daquelas bem radicais, uma guinada de 180゚ graus na vida. Melhor dizendo, tive que começar do zero mesmo. 

Mudança de emprego = mudança de casa + mudança no estilo de vida.

Quando acostumamos em um lugar, o perigo é acomodar e esquecer do que realmente desejamos fazer para sair da rotina. (Mas se mora em um lugar dito fim de mundo, ou a gente se esforça em encontrar algo novo ou fica na modorra.)

Espero que a próxima mudança eu consiga fazer boa parte do que realmente desejo. Atualmente, ao menos consegui fazer mais atividades do que antes.

Ao menos estou conseguindo mais viver do que me matar de tanto trabalhar. Ok, dinheiro é bom, mas às vezes penso do que adianta ter dinheiro de mais e saúde de menos?

Planejar melhor no que fazer na próxima mudança.


Frase que abre o post, é parte da música "Turn! Turn! Turn!" da banda norte-americana The Byrds. Parte da letra, se não quase toda, foi adaptada do Capítulo 3 do livro do Eclesiastes.

Thursday, March 31, 2016

[TAG: Instagrando por aí...] The Fabulous Project - Março (Parte 1)

Continuando a blogagem coletiva no Instagram, o #thefabulousproject da Lominha (vide aqui) de março, até que estou conseguindo deixar quase em dia. Apesar de eu ter começado meio atrasada, o projeto vai bem. Inclusive, com a hashtag #thefabulousproject, a gente acaba descobrindo outras fotos interessantes.



Muitas vezes fico me perguntando porquê algumas pessoas aleatórias acabam curtindo minhas fotos no Instagram - a maioria são todas via celular mesmo, o meu não é um iPhone de último modelo, sou daquelas "gostei, já estou batendo a foto" e muitas vezes a foto sai mais desfocada que minha visão sem óculos.

Seja como for, eu também acabo curtindo algumas bem aleatórias porque acho interessante, bonita, inspiradora. Ou porque gostei e acabou, vai entender...

Aqui, estou postando do dia 1 a 15 de março, porque nem todo mundo possui o aplicativo. Acho que teve dois dias que nem postei por motivos de que: choveu e esfriou que nem tive coragem de sair de casa.

Dia 1 - Alegria.


Sempre costumo dizer que, só o correio não me entregar contas pra pagar, já fico contente. Um dia antes do projeto começar, recebi pelo correio o panfleto do FC do Arashi, edição de inverno, cuja assunto da capa era a turnê "Japonism", que aconteceu no ano passado (eu fui no show em Nagoya). O panfleto, que é exclusivo para membros do FC, traz além do assunto da capa, ARS Times (reports do show), artigos individuais e a coluna que os cinco se revezam, o "No Freedom, No Arashi!?", que seriam fotos particulares e comentários. Embora o panfleto chegue 4 vezes no ano, só de receber já ganho o dia.

Dia 2 - Chaves.



Muito embora o correto seria a chave propriamente dita, acabei dando mais destaque nos chaveiros que prendem UMA chave (a de casa). Embora eu tenha alguns chaveiros (comprados e ganhos de presente), dois continuam sendo os meus favoritos. O da inicial do meu segundo nome, ganhei quando fui na Tokyo Disneyland, em 2001 (ironia: moro a quase uma hora de Tokyo Disneyland e até hoje não voltei) e o do Snoopy, comprei na loja que fica dentro do Queen's East de Yokohama, acho que foi em 2007, não lembro...

Dia 3 - Compras.


Ultimamente ando pensando mil vezes antes de comprar. Fico nas perguntas "eu vou usar?", "vai ser útil?", porque a vida não anda fácil pra ninguém. Existem itens que compro de vez em nunca, como top coat para unhas. Tenho sério problema de unhas quebradiças, e quando resolvo fazer as unhas, tenho que passar a cobertura, senão as unhas lascam e o esmalte não dura dois dias (porque uso luvas de silicone e mesmo trocando a cada intervalo, as pontas ficam como se fossem craqueladas, coisa linda -sqn). Por enquanto o top coat da Kosè, da linha Nail Holic, está resolvendo em partes esse meu drama. Consistência em forma de gel, não custa caro e a linha de esmaltes e brilhos está sendo um dos preferidos da mulherada aqui. Encontra nas farmácias e supermercados facinho, facinho.

No final do mês de fevereiro, na loja de departamentos SOGO/Seibu em Chiba, teve uma feirinha somente com produtos de Kumamoto (terra natal por parte paterna), com muita comida e muita lembrancinha, especialmente com a imagem da mascote fofa do Kumamon. Na parte gastronômica, comprei alguns doces (devidamente devorados antes da foto), uma ecobag (dobrando, ela cabe no bolso do desenho do urso) e um mini estojo, que serve para guardar miudezas.

No início de março, soube que o manga "Ansatsu Kyoshitsu" estaria na reta final, ou seja, o final da saga do polvo amarelo terminaria quase no mesmo dia em que o filme entraria em cartaz. O volume 18 traz a aventura na estação espacial, as férias de inverno, dia dos Namorados e exames finais. O próximo e derradeiro volume, só terei no início de abril.

Dia 4 - Café.



Por mais que eu tente diminuir, muitas vezes a vontade é maior. Eu sou uma viciada em café, ao ponto de, se deixar, eu bebo um litro num dia inteiro, sem pensar. Sei que pode me fazer um mal danado, essas histórias todas, mas eu sei que é problema somente meu.

Sigo no FB a página da japonesa radicada nos Estados Unidos, Ryoko Ikeda - "I Love Coffee". E numa de suas postagens, chamou-me a atenção de um grupo que tem no Instagram que se chama ABC Coffee, que traz a lista de cafeterias cadastradas e que podem oferecer diversos tipos e formas de servir café, no site Japan Craft Coffee Shop Ranking. Uma das cafeterias fica perto de casa - o Nozy Coffee.

Experimentei o Cream Cheese Coffee (sim, vai cheese cream, aquele que a gente usa pra fazer cheese cake). Pra falar a verdade, achei que ficou meio amargo, mas tenho que admitir: existem outros lugares que nem só de café da sereia vivemos.

Dia 5 - Colorido.


Teve uma época que eu comprava caneta de tudo o que era cor, e se a caneta com tinta preta tivesse um modelo que eu achava lindo (como do Snoopy e da Hello Kitty, por exemplo), já estava no porta lápis pra ser usada. Até hoje costumo usar canetas coloridas para destacar o que escrevo enquanto estudo (sim, nas horas vagas e de folga, eu estudo japonês e tento traduzir alguns artigos em revistas), para ver ser consigo memorizar melhor. Além de deixar o caderno um pouco mais alegrinho. O porém é que, com o passar do tempo, encontrar a carga dessas canetas tornou-se mais difícil ou nem existem mais, como aconteceu com as canetas que comprei no cinema (Hello Kitty X Rurouni Kenshin, Miracle e Ansatsu Kyoshitsu). Ultimamente uso muito aquelas canetas que dá pra trocar a carga que se encontra na maioria das papelarias daqui, como os da Pilot e Pentel.

Dia 6 - Janela.


Visão de onde eu trabalho. Mas logo essas árvores sem folhas estarão repletas de folhas verdinhas e flores cor de rosa.

Dia 7 - Viagem.


Aeroporto de Haneda, visto do deck do observatório que fica no último andar. Muita gente costuma passear para ver os aviões decolarem e aterrissarem (alguns para verem que desenho os aviões possuem na fuselagem). Na verdade, estou tanto tempo aqui no arquipélago que nunca peguei avião para fazer viagem dentro do país, como Kumamoto e Hokkaido, por exemplo. Um dia...

Dia 8 - Consegui!!!

Yatsurugi Hachiman Jinja, ao lado do Mimachi Doori

Normalmente no mundo blogueiro, a gente quer conseguir ganhar a simpatia e elogios dos leitores. As vezes a gente ganha algumas críticas, mas a gente releva, mas quando a gente ganha mais haters do que qualquer coisa.... Melhor a gente rever o que estamos fazendo de errado.

Ultimamente ando conseguindo mais haters, leitor reclamando das postagens que fiz. Já recebi crítica negativa quando postei de doramas, quando consegui ir em shows de meus artistas favoritos, quando falei um pouco de Kisarazu, até de uma postagem de Kouhaku Utagassen de 2010. Chega um ponto que dá vontade de deletar o blog da lista e esquecer tudo, mas daí eu lembro de gente que traz um bem danado, pessoas que são muito amor e não posso deixá-las na mão só porque gente mal amada e com raiva no coração resolve chutar o pau da barraca.

Dia 11 - Sapato do dia.



Ok, eu pulei os dias 9 e 10 porque choveu e deu preguiça. Nem tinha foto do sol para poder postar. O sapato do dia, posso dizer que é de quase todo santo dia. Demorei para encontrar um que não apertasse nem doesse meus pés (tenho problemas no esquerdo, que, dependendo do modelo, tenho vontade de tirar o sapato e jogar longe), daí eu tinha visto alguns modelos da New Balance (parte da culpa foi o dorama Kazoku Game, em que o personagem Koya Yoshimoto usava um modelo bem tradicional), inclusive na loja earth, music and ecology, tinha um modelo edição limitada (era o W996, azul com o logotipo em rosa), mas como não encontrei meu número, acabei comprando o azul marinho com detalhes em verde limão (mais pro amarelo, tudo bem). O melhor é que ele combina com quase todas minhas roupas casuais, desde jeans, leggings e saia reta.

Dia 12 - Pequeno.



Uma das coisas que é muito difícil de eu comprar, é strap ou chaveiro. Mas como alguns valem a pena comprar para lembrar onde você andou passeando (Tóquio e Yokohama não contam), na minha última ida pra Nagoya (quando fui no show da turnê Japonism, em novembro de 2015), passei na lojinha de lembrancinhas e não resisti em comprar o strap pra celular com o enfeite do Koro-sensei temático. Cada provínicia possui suas lembranças com algum personagem representando algo típico da região. No caso de Nagoya, a maioria traz o famoso kinsachi (figura lendária no folclore japonês que é uma carpa com cabeça de tigre, que adorna o topo do castelo).

Por enquanto tenho o de Nagoya e o de Tóquio, que é o Koro-sensei em forma da lanterna vermelha de Asakusa.

Dia 13 - Selfie.

Sou a pior pessoa para tirar selfie mesmo porque quando faço sai uma catástrofe, então nem posto (quem me dera ser que nem aquele talento que agora está sendo o must aqui, o GENKING, que ensinou as técnicas de como fazer selfie). E quando dá certo...


No início do mês, nos cinemas, já estavam os cartazes do filme "Ansatsu Kyoshitsu ~ Sotsugyou hen", inclusive alguns posteres do Koro-sensei e do Ryosuke Yamada (que interpretou Nagisa Shiota) que o pessoal pode tirar foto. Bem...

Dia 14 - Parede.



Já vi diversas paredes decoradas de todas as formas, desenhos e estampas. Uma das que mais admiro, fica no Big Sight Tokyo, a Tully's Coffee. O que normalmente as paredes das cafeterias trazem pinturas inspiradas na iguaria (pés de café, colheita, etc.), eu deparo com um mapa mundi estilo século XIV mas com algumas menções ao café, como canecas e alguns pés, mas lembra um pouco o mapa das descobertas, enfim. Uma parede diferente, ao meu ponto de vista.

Dia 15 - Azul.



Quase não tenho roupa ou algo nessa cor. Mas uma peça que até hoje eu tenho é a camiseta da turnê "Beautiful World", do Arashi. A turnê foi meio ano depois do terremoto de Tohoku. Tenho uma história a respeito da aquisição - em junho de 2011 eu estava desempregada, enviando currículo para tudo o que era lugar que estava oferecendo e recebia não como resposta (ou às vezes nem resposta eu tinha). Embora eu estivesse recebendo benefício, foi uma fase depressiva na minha vida. Quando foi a época da turnê, muita gente queria saber se eu ia comprar os concert goods (pior que os goods da Beautiful World eram muito mais úteis e discretos), pois na época eu morava em Yokohama e o show ia ser em Tóquio. O problema era dinheiro muito curto demais e quando eu falei que não tinha condições mesmo de comprar, teve gente que achou ruim. E se comprei, foi porque namorido me ajudou (comprei a bag, que uso até hoje; a camiseta: o keitai strap e o charity pendant que foi vendido somente em Tóquio revertendo a renda para as vítimas de Tohoku).

Fotos todas da autora, exceto a primeira que é do site da Lominha conforme o link.